Edmar Bacha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Edmar Lisboa Bacha (Lambari, MG, 1942) é um economista brasileiro. Participou da equipe econômica que instituiu o Plano Real, durante o governo Itamar Franco. Desde 2003, é diretor do think tank Casa das Garças, instituição dedicada a estudos e debates de Economia, no Rio de Janeiro.

Considerado um dos "pais" do Plano Real, completou seu doutorado em economia nos Estados Unidos, obteve o título de doutor na Universidade de Yale, com uma tese sobre a política brasileira do café e o mercado internacional do café.

Ganhou notoriedade acadêmica ao escrever a fábula da "Belíndia", na qual argumentava que o regime militar estava criando um país dividido entre os que moravam em condições similares às da Bélgica e aqueles que tinham padrão de vida indiano. Foi um dos principais responsáveis pela coordenação do departamento de economia da PUC-Rio, considerado um dos melhores cursos de graduação em economia do país.

Na vida pública, participou do Plano Cruzado, na década de 1980, como presidente do IBGE. Retirou-se do governo José Sarney quando este decidiu, logo após as eleições, manipular os índices de preços. Uma vez que ativou-se o "gatilho salarial", o plano fracassou, o que fez o Brasil "perder 10 anos" de sua história econômica[1], segundo Bacha.

Edmar Bacha retornou à vida pública no governo Itamar Franco, quando propôs a Fernando Henrique Cardoso (FHC), então ministro da Fazenda, um novo plano para controlar a inflação. Sem o aval do FMI, o plano foi um sucesso, garantindo a eleição de FHC para a Presidência da República, em 1994. Bacha permaneceu no governo durante dez meses, como presidente do BNDES. Depois, encerrou sua passagem pela vida pública e se tornou consultor do banco de investimento BBA. Desde 2003, é diretor do Instituto de Estudos de Política Econômica da Casa das Garças, um think tank no Rio de Janeiro[2].

Notas e referências

Precedido por
Pérsio Arida
Presidente do BNDES
de janeiro até novembro de 1995
Sucedido por
Luiz Carlos Mendonça de Barros