Paulo Rabello de Castro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Paulo Rabello de Castro
35° Presidente do BNDES
Período 1º de junho de 2017
até 7 de abril de 2018
Presidente Michel Temer
Antecessor(a) Maria Silvia Bastos Marques
Sucessor(a) Dyogo Oliveira
Presidente do IBGE
Período 22 de junho de 2016
até 31 de maio de 2017
Presidente Michel Temer
Antecessor(a) Wasmália Bivar
Sucessor(a) Roberto Olinto
Dados pessoais
Nascimento 4 de janeiro de 1949 (69 anos)
Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Nacionalidade brasileiro
Alma mater Universidade Federal do Rio de Janeiro
Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Universidade de Chicago

Partido PSC (2017–presente)
Profissão economista

Paulo Rabello de Castro (Rio de Janeiro, 4 de janeiro de 1949)[1] é um economista brasileiro. Foi presidente do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).[2][3][4][5][6] É filiado ao Partido Social Cristão (PSC).

Em 13 de agosto de 2018, recebeu o prêmio "Economista do Ano de 2018" da Ordem dos Economistas do Brasil.[7]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Paulo Rabello de Castro graduou em 1971 em Economia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e em Direito pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). É mestre e doutor em Economia pela Universidade de Chicago, onde cursou com os professores Milton Friedman, Gary Becker e T.W. Schultz, todos ganhadores do Prêmio Nobel de Economia.[1]

Membro e presidente de 1994 a 1996 da Academia Internacional de Direito e Economia (AIDE), foi professor titular no Curso de Doutorado da Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Getúlio Vargas (FGV), nas cadeiras de Economia Agrícola, Economia Regional e Urbana e Economia da Informação; criador e coordenador do Grupo de Informação Agrícola no Instituto Brasileiro de Economia (IBRE) da FGV; criador e editor da revista especializada Agroanalysis; redator-chefe da revista Conjuntura Econômica da FGV encarregada, até os anos 1980, de publicar nacionalmente as Contas Nacionais e os Índices Nacionais de Preços.[1]

Fundou em 1993 a SR Rating, primeira empresa especializada em rating no Brasil. Ocupou cargos de gestão na ARC Ratings, RC Consultores, Macroconsulting, entre outras, além de participação em entidades profissionais. Integrou o Comitê de Gestão do Grupo de Líderes Empresariais – Lide, foi conselheiro do Conselho de Economia da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP) e exerceu a presidência do Conselho de Planejamento Estratégico da FECOMERCIO/SP.[carece de fontes?]

Ex-presidente do Instituto Atlântico, entidade sem fins lucrativos, formuladora de políticas públicas, fundada em 1993, e fundador da ONG Instituto Maria Stella, que já formou mais de dois mil alunos carentes na iniciação à informática como ferramenta de estudo e trabalho no Mato Grosso. Coordenou o Movimento Brasil Eficiente, que propõe uma simplificação da carga tributária e mais eficiência dos gastos públicos.[1]

Contribuiu para diversas mídias, como colunista e comentarista, entre as quais o Folha de São Paulo, Época, Jovem Pan e blogues de opinião. É autor dos livros Lanterna na Proa (2017) que reúne artigos em ocasião do centenário de Roberto Campos; O Mito do Governo Grátis: o mal das políticas econômicas ilusórias e as lições de 13 países para o Brasil mudar (2014); Galo Cantou! A conquista da propriedade pelos moradores do Cantagalo (2011), vencedor do Prêmio Jabuti 2012, na categoria de arquitetura e urbanismo; Panorama fiscal no Brasil, Proposta de ação (2010); A crise financeira internacional (2009); A grande bolha de Wall Street (2008) e Tributos no Brasil: auge, declínio e reforma (2008).

Presidente do IBGE entre julho de 2016 e junho de 2017, sua gestão promoveu a renovação do parque tecnológico da instituição e viabilizou o Censo Agropecuário, que não era realizado desde 2006. Deixou o IBGE para assumir a presidência do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES. Rabello ficou até abril de 2018, quando deixa o BNDES para assumir pré-candidatura do PSC, e posteriormente a vice presidência da República, na chapa do Álvaro Dias do Podemos.[8][9]


Referências

  1. a b c d «Presidente do IBGE: 2016-2017». Memória IBGE. IBGE. Consultado em 1 de setembro de 2017. 
  2. «Economista Paulo Rabello de Castro é o novo presidente do BNDES». Valor Econômico. Consultado em 1 de agosto de 2017. 
  3. «Economista Paulo Rabello Castro é o novo presidente do BNDES». G1. Globo.com 
  4. «Temer escolhe Paulo Rabello de Castro para assumir BNDES». Folha de S.Paulo. Uol. Consultado em 1 de setembro de 2017. 
  5. Nicola Pamplona e Mariana Carneiro (8 de julho de 2017). «Rabello de Castro dá rumo diferente do de antecessora no BNDES». Folha de S.Paulo. Uol. Consultado em 1 de setembro de 2017. 
  6. «Filiado ao PSC, Rabello de Castro deixa BNDES para disputar eleições». Folha de S.Paulo. 27 de março de 2018 
  7. Ancelmo Gois (22 de março de 2018). «Paulo Rabello de Castro é eleito 'economista do ano'». O Globo 
  8. «Paulo Rabello de Castro deixa BNDES com críticas à equipe econômica». Folha de S.Paulo. 29 de março de 2018 
  9. «Filiado ao PSC, Rabello de Castro deixa BNDES para disputar eleições». Folha de S.Paulo. 27 de março de 2018 
Precedido por
Maria Silvia Bastos Marques
Presidente do BNDES
2017–2018
Sucedido por
Dyogo Oliveira
Precedido por
Wasmália Bivar
Presidente do IBGE
2016–2017
Sucedido por
Roberto Olinto
Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) economista é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.