Alvaro Dias

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Álvaro Dias)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Alvaro Dias
Alvaro Dias
Senador pelo Paraná
Período 1º de fevereiro de 1999
até atualidade
1º de fevereiro de 1983
até 14 de março de 1987
49.º Governador do Paraná
Período 15 de março de 1987
até 14 de março de 1991
Antecessor João Elísio Ferraz de Campos
Sucessor Roberto Requião
Deputado Federal pelo Paraná
Período 1º de fevereiro de 1975
até 31 de janeiro de 1983
(2 mandatos consecutivos)
Deputado Estadual do Paraná
Período 1º de fevereiro de 1971
até 31 de janeiro de 1975
Vereador de Londrina
Período 1º de fevereiro de 1969
até 31 de janeiro de 1971
Dados pessoais
Nascimento 7 de dezembro de 1944 (74 anos)
Quatá, São Paulo
Nacionalidade brasileiro
Alma mater Universidade Estadual de Londrina
Esposa Débora Amaral de Almeida Fernandes Dias
Partido
Profissão historiador
professor
Website www.alvarodias.com.br/

Alvaro Fernandes Dias (Quatá, 7 de dezembro de 1944) é um historiador, professor e político brasileiro.[1][2] Filiado ao Podemos (PODE), exerce atualmente o cargo de Senador da República Federativa do Brasil, representando o Estado do Paraná.

É autor do projeto que propõe o fim do foro especial por prerrogativa de função, conhecido como foro privilegiado, que tramita atualmente na Câmara dos Deputados.[3], autor da Proposta de Emenda Constitucional (PEC s/n/2017), para legitimar a prisão após condenação em segunda instância[4], PEC para redução do número de Deputados e Senadores [5], Fim do Voto Obrigatório no Brasil[6] e em 2005 presidiu a CPI da Terra, que analisou os conflitos fundiários no país.[7][8]

Lançou pré-candidatura para disputar as eleições à presidência em 23 de março de 2018[9].

Biografia

Filho de paulistas católicos que ajudaram a colonizar o norte do estado do Paraná, seu pai foi Silvino Fernandes Dias,[10] um agricultor[11] de origem portuguesa[12] e sua mãe Helena Fregadolli,[1] (Helena Fegaduoli[13]) dona de casa. Alvaro também descende de imigrantes italianos, sendo neto materno de Federigo Fegaduoli e de Luigia Ferrari, e bisneto de Lorenzo Fegaduoli.[13]

Seu pai Silvino (17 de fevereiro de 1911 - 29 de junho de 2006), Cidadão Benemérito de Maringá, era natural de Guaratinguetá, estado de São Paulo.[14] Em Quatá casou-se com Helena e juntos ali tiveram nove dos dez filhos. Na véspera da Segunda Guerra Mundial, Silvino saiu de jardineira do interior de São Paulo e foi até a cidade de Londrina. De Londrina, viajou cerca de 100 km a cavalo, por um caminho rústico na mata virgem, até o povoado de Lovat, que viria a se transformar futuramente na cidade de Mandaguari. Neste povoado, no escritório da Companhia de Terras do Norte do Paraná, empresa de ingleses que colonizavam a região, Silvino escolheu e adquiriu em 1938 uma gleba de 100 alqueires, ainda de mata virgem, que escolheu por dispor de bastante água e por estar próxima ao traçado da ferrovia que ele já sabia por onde iria passar. A fazenda foi batizada com o nome de Diamante (Fazenda Diamante)[15] e teve em seus primórdios o café como principal cultura.[16][17] Somente em 1954 que a família se mudou definitivamente para a fazenda em Maringá.[18]

Alvaro nasceu no município de Quatá, no interior de São Paulo,[19] e foi criado em Maringá. Alvaro foi radialista naquela cidade. Entretanto, foi em Londrina, que formou-se em História em 1967, pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Londrina, atual Universidade Estadual de Londrina.[1]

Alvaro é irmão do político Osmar Dias e do empresário Orlando Dias,[20] além de irmão de Sílvio, Ademar, José, Hélio, Paulo, Bento e Terezinha. É casado com Débora Amaral de Almeida Fernandes Dias. Tem dois filhos: Carolina Fernandes Dias e Alvaro Fernandes Dias Filho.[1]

Carreira política

Iniciou sua carreira política elegendo-se vereador de Londrina em 1968 pelo Movimento Democrático Brasileiro (MDB), exercendo o mandato até 1971.[21]

Nas eleições de 1970, concorreu ao cargo de deputado estadual, tendo sido eleito e exercendo o cargo até 1974.[22]

Nas eleições de 1974, foi eleito deputado federal com 175 434 votos.[23] Assumiu a cadeira em 1975, sendo reeleito nas eleições de 1978 com 127 903 votos, a maior votação em toda a história de seu estado[2]. Durante sua legislatura, teve seu nome incluído em diversas listas de cassação elaboradas pelo regime militar, em virtude de sua postura radicalmente oposicionista ao governo federal. Em seu segundo mandato, iniciado em 1979, tornou-se um dos vice-líderes do MDB na Câmara, destacando-se ainda por seus veementes discursos denunciando a existência de corrupção no governo militar. Com a extinção do bipartidarismo em 29 de novembro de 1979 e a conseqüente reformulação partidária, filiou-se ao Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB)[2].

Em 1982, foi eleito senador pelo PMDB, com 1 668 495 votos, ao derrotar o ex-governador paranaense Nei Braga, candidato do Partido Democrático Social (PDS), num contexto de ascensão das forças oposicionistas ao governo federal. Tomou posse em seu mandato de senador em fevereiro de 1983, tendo sido presidente da Comissão de Educação e Cultura, da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), encarregada de investigar atos de terrorismo, além de suplente das comissões de Legislação Social e de Relações Exteriores. Nesse período, exerceu a presidência do diretório regional do PMDB paranaense e concentrou sua atuação no movimento pela redemocratização do país, participando ativamente da campanha das diretas para a presidência da República.

Em 1984, foi organizador do primeiro grande comício realizado em Curitiba pelas Diretas Já, contrariando a opinião de setores moderados do partido que relutavam em levar a campanha às ruas[2], que ocorreu em 12 de janeiro de 1984,[24][25][26] com palanque montado na praça Osório na região da Boca Maldita, no centro de Curitiba.[27][28]

Em 1986, foi eleito governador do Paraná com 2 347 795 votos, na legenda do PMDB, derrotando o candidato da Frente Popular de Oposições, o ex-deputado federal Alencar Furtado, que concorreu na legenda do Partido Municipalista Brasileiro (PMB), apoiado pelo Partido da Frente Liberal (PFL) e pelo Partido Democrático Trabalhista (PDT), legenda do candidato a vice-governador, o ex-prefeito de Curitiba Jaime Lerner[2]. Nessas eleições, o PMDB elegeu os governadores de todos os estados, com exceção de Sergipe.[29]

Como governador, promoveu uma profunda reforma administrativa, que incluiu enxugamento do estado, cortes de privilégios e combate à corrupção[2][30], o que contribuiu para que a sua gestão fosse marcada por altos índices de aprovação [31]. Em seu segundo ano de governo, Alvaro alcançou a marca de 90% de aprovação, segundo o Ibope [32]. Ao final do mandato, conforme noticiou o jornalista Joelmir Beting, do Jornal Nacional, Dias entregou um Paraná que foi o único estado do país que encerrou o ano de 1991 não só sem déficit econômico, mas com superávit acima de 6 bilhões de cruzeiros[33]

Em 1989, disputou (com Ulysses Guimarães, Waldir Pires e Iris Rezende) e perdeu as prévias para ser o candidato do PMDB à presidência da República. No mesmo ano, desfiliou-se do PMDB e se juntou ao PST. Após a extinção deste, se filiou, em 1994, ao PP e perdeu as eleições para o governo do estado, obtendo 1.455.648 votos (cerca de 38,55%),[34] contra para Jaime Lerner, que obteve 2.070.970 votos (54,85%). No mesmo ano, filiou-se ao PSDB. [35]

Em 1998, elegeu-se senador da República pela segunda vez – a primeira desde a redemocratização – com 2.532.010 votos.[36]

Em 2002, foi expulso do PSDB[37], junto com seu irmão Osmar Dias, por assinar requerimento de abertura pela CPI da Corrupção[38] durante o governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, e se filiou ao PDT.[39]

No mesmo ano, foi derrotado nas eleições para governador do Paraná, perdendo no segundo turno para Roberto Requião.[40] Após menos de dois anos no PDT, retornou ao PSDB em 2003.

Foi reeleito ao cargo de senador em 2006, com 2 572 481 votos, 50,5 por cento do votos válidos, tendo como primeiro suplente Wilson Matos.[19] Em 2010, foi apontado pelo PSDB para ser candidato a vice-presidente na chapa de José Serra,[41] porém foi rejeitado pelos outros partidos da coalizão.[42]

Foi líder do PSDB no Senado Federal de fevereiro de 2011 a janeiro de 2013.[43]

Nas eleições 2014, Alvaro Dias foi reeleito para o terceiro mandado consecutivo como senador da República com 4 101 848 votos, 77 por cento dos votos válidos, tendo como primeiro suplente Joel Malucelli.[44] No segundo semestre de 2015, Alvaro Dias desfiliou-se do PSDB, partido onde permaneceu por mais de dez anos, para entrar no PV, assim almejando concorrer para presidente nas eleições de 2018.[45]

Candidato à presidência em 2018

Em julho de 2017, anunciou sua saída do partido e filiou-se ao Podemos (PODE).[46]. Em discurso, Alvaro Dias apontou a urgência para mudança na cultura política do país e criticou a "herança maldita de governantes corruptos e incompetentes". "O povo brasileiro exige mudanças, mas esses ventos ainda não chegaram à política", disse o senador, que encerrou seu discurso bastante emocionado. [47]. No dia 3 de agosto de 2018, Alvaro foi oficializado como candidato à presidência pelo partido.[48].

Candidato à presidência do país, em 2018, Alvaro Dias promete “refundar” a República e romper com o modelo político atual, que ele classifica como um balcão de negócios.[49] A proposta se resume em um conjunto de reformas que começa pela reforma de Estado necessária para acabar com a velha política, substituindo o sistema atual de governança, que é marcado pela incompetência e corrupção[50], por um novo sistema baseado em um pacto social com a população para renovar a política do país.[51] Entre os candidatos a Presidência, é o político com os menores índices de rejeição.[52]

Atuação como governador

Reforma administrativa

Quando assumiu o governo do Paraná, o estado estava com um enorme déficit público [53]. Logo após tomar posse, empreendeu uma profunda reforma administrativa no estado, que redundou na redução para 50 por cento da parcela do orçamento estadual gasta com pagamento do funcionalismo público e iniciou medidas de impacto contra privilégios e a corrupção, como a demissão de “funcionários fantasmas”, cancelamento de gratificações irregulares e invalidou aposentadorias e nomeações feitas por governos anteriores. Em conseqüência dessas medidas, chegou a receber ameaças de morte no início de seu governo.[2]. Com as medidas de saneamento financeiro e coragem para cobrar grandes devedores [54], o então governador chegou ao final do seu mandato com um saldo de grandes realizações e as contas rigorosamente em ordem [55]. Em 1991, o Paraná foi o único estado brasileiro que conseguiu fechar o ano sem déficit, mas com superávit acima de 6 bilhões de cruzeiros. [33]

Infraestrutura e obras

Quando governador, construiu 3.600 km de rodovias por todo o Estado e um grande número de pontes, com destaque para o complexo de pontes de Doutor Camargo[55]. Construiu 2/3 da Ferroeste, possibilitando o escoamento da produção paranaense[55]. Criou o PEDU, o maior programa de desenvolvimento urbano da América Latina, investindo U$ 200 milhões para entregar 1668 obras em 299 municípios [30], que depois tornou-se o programa Paraná Urbano[55].

Emprego e renda

Para mais emprego e renda, criou o programa Paraná Rural, que incorporou ao processo produtivo 78.134 hectares[55] e foi adotado em diversos países do mundo[2], criou ainda o Programa de Irrigação e Drenagem[55] das microbacias do estado, que beneficiou 10 mil produtoras de arroz, olerícolas e pastagens[30].

Segurança pública

Na segurança pública, investiu na força policial do estado, com a aquisição de novos veículos, armas e sistemas informatizados, além de novos quartéis e delegacias[30]. Em seu período como governador, o Paraná estava entre os estados com menores índices de violência no país. [56]

Investimento em educação

Na educação, com saldo da reforma administrativa, investiu na criação de duas universidades públicas estaduais no oeste e centro-oeste do Paraná, a Unioeste e a Unicentro[2]. Com a criação do projeto Gralha Azul, construiu 156 creches, beneficiando 24 mil crianças, e mais 500 centros de convivência[55]

Combate à corrupção

Na luta contra a corrupção no governo, tomou várias medidas de impacto, tais como a demissão de “funcionários fantasmas” e o cancelamento de gratificações irregulares, entrando em conflito com o Judiciário paranaense ao invalidar as aposentadorias e nomeações feitas por governos anteriores para o Tribunal de Contas do estado.[2] Seu governo se tornou um exemplo ao romper um contrato superfaturado das obras da Usina do Segredo, que economizou quase U$100 milhões aos cofres públicos do Paraná[57], chegando a ser considerado pela imprensa da época como “um exemplo de zelo com o dinheiro público”[2].

Atuação como parlamentar

Resumo dos principais projetos, propostas e votações enquanto Senador.

Projetos contra a corrupção

  • É autor[58] da Proposta de Emenda Constitucional (PEC 10/2013) que pede o fim do foro privilegiado,[59] legislação apoiada pela sociedade civil,[60] associações de juízes e promotores[61] e membros do STF.[62]
  • Autor da Proposta de Emenda Constitucional (PEC s/n/2017), para legitimar na constituição a prisão após condenação em segunda instância.[4]
  • Autor da Proposta de Emenda Constitucional (PEC 25/2000) para que a nomeação de membros das Cortes de Contas dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios seja através de concurso público.[63]
  • Autor da Proposta de Emenda Constitucional (PEC 7/2014) para estabelecer que a nomeação no cargo de Ministro do Tribunal de Contas da União seja somente mediante concurso público de provas e títulos.[64]
  • Relator do Projeto de Lei (PLS 204/2011), que inclui a corrupção ativa e passiva como crime hediondo. [65]
  • Relator da indicação de Edson Fachin ao Supremo Tribunal federal (STF), que atualmente é o relator da Operação Lava Jato. [66]
  • Autor de requerimento que solicitou auditoria da dívida Pública, que consome mais de 1 trilhão ao ano.[67]
  • Autor de requerimento que exige transparência nos empréstimos internacionais do BNDES. [67]</ref>
  • Presidente da CPI do Futebol, que resultou no Estatuto do Torcedor e na Lei de Responsabilidade Social do Desporto.[68]
  • Presidente da CPMI dos Correios, que revelou o Escândalo do Mensalão e resultou no pedido de impeachment ao então Presidente Lula. [69]
  • Presidiu em 2005 a da CPI da Terra, que analisou os conflitos fundiários no país.[7]

Em outubro de 2017, em entrevista ao programa de televisão Mariana Godoy, afirmou: “Os ladrões do dinheiro público são assassinos. Todos têm que ir para a cadeia”. [70]

Educação e professores

  • Como deputado federal, foi autor da PEC que instituiu a aposentadoria especial do professor.[71]
  • Autor do Projeto de Lei do salário-educação [72], que aumentou em 120 por cento os recursos destinados aos municípios brasileiros.[2]Alvaro Autor da PEC de Contas
  • Autor do Projeto de Lei (PLS 489/2017), que destina remuneração acima do teto para o Fundo Nacional da Educação /FNDE. [73]
  • Relator do Plano Nacional de Educação (PNE), aprovado em 2013, com metas como de até 2024 universalizar a educação básica para crianças. [74]

Segurança pública

  • Autor do Projeto de Lei (PLS 134/2006), que proíbe o presidente de reduzir investimentos em segurança pública. [75]
  • Co-autor da Proposta de Emenda Constitucional (PEC 21/2013), para reduzir a maioridade penal de 18 para 15 anos. [76]
  • Autor do Projeto de Lei (PLS 310/1999), para aumentar o tempo de permanência na cadeia para quem comete crime. [77]
  • Autor do Projeto de Lei (PLS 140/2006), para estender o benefício de redução de pena para presos que contribuem em investigações policiais ou processos criminais. [78]

Democracia e participação

Votações no Senado

Durante o processo de impeachment da ex presidente Dilma, Alvaro Dias, que votou favoravelmente ao afastamento da ex presidente, pediu também o impeachment de Michel Temer e de Eduardo Cunha.[80]

Em agosto de 2016, votou a favor do processo de impeachment de Dilma Rousseff. Dias afirmou que há pressupostos político e jurídico para o afastamento, e este também seria o desejo da população.[81] Posteriormente afirmou também ser favorável ao impeachment do então vice-presidente Michel Temer, e assim justificou sua decisão:

“O Tribunal de Contas da União já reconheceu que houve esse ato do vice-presidente, quando estava interinamente no cargo, em 2014. Agora pedi que o TCU avalie o mesmo em relação a dois decretos assinados por Temer em maio e junho deste ano”.[82]

Em dezembro de 2016, votou a favor da PEC do Teto dos Gastos Públicos.[83] Em julho de 2017 votou contra a reforma trabalhista.[84]

Em outubro de 2017, votou contra a manutenção do mandato do senador Aécio Neves,[85] mostrando-se favorável a decisão da Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal no processo do qual Aécio é acusado de corrupção e obstrução da justiça por solicitar dois milhões de reais ao empresário Joesley Batista.[86]

Posicionamentos

Em 2013, se posicionou contra a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 37/2011, conhecida por PEC 37, que pretendia retirar do Ministério Público e de outros órgãos o poder investigatório, concedendo exclusividade às Polícias Federal e Civil.[87] A PEC foi considerada pela sociedade civil um retrocesso no combate a corrupção, sendo inclusive uma das pautas dos Protestos no Brasil em 2013.[88][89]

Em 2016, se posicionou contrário à anistia ao caixa 2, o que chamou de "malandragem" e "escárnio". Em pronunciamento lamentou as articulações políticas para anistiar quem se beneficiou de caixa dois eleitoral.[90] Essa manobra, segundo o senador, vem ocorrendo durante a análise do pacote de combate à corrupção, proposto pelo Ministério Público.[90] Alvaro Dias também lembrou que o Código Eleitoral tipifica a prática de caixa dois, o que derruba a tese dos que não o consideram um crime. Além disso, afirmou que, para haver anistia, é preciso que isso esteja previsto na legislação.[90]

Em 22 de março de 2018, defendeu a prisão em segunda instância, entendimento vigente do Supremo Tribunal Federal, desde 2016.[91] A prisão em segunda instância é vista por procuradores e juízes como um combate à impunidade.[92][93] Álvaro Dias ainda apresentou em 2017 uma proposta para tornar o entendimento um projeto de lei.[94]

Em maio de 2018, afirmou em um evento que "o Brasil hoje não está dividido entre esquerda e direita, está dividido entre os honestos e os ladrões da República que assaltaram o país". Dias disse que a administração pública do País foi desarrumada por incompetentes e corruptos. "Nossa missão é arrumar o Brasil. Vamos buscar coesão e unidade." Alvaro Dias ainda defendeu que as reformas do sistema federativo e tributária serão as prioritárias em um eventual governo de seu partido à frente do País.[95]

"Só tem autoridade para questionar privilégios quem abriu mão dos seus" , se referindo ao seu exemplo de abrir mão há mais de dez anos da verba indenizatória e do auxílio-moradia de senador, além de uma aposentadoria de ex-governador que soma mais de R$ 10 milhões em 26 anos”.

Prêmios e honrarias

Em 2006, foi escolhido pela população como o melhor senador do País, através de votação online no site Congresso em Foco. [96]. Em julho de 2007, recebeu em San Diego, na Califórnia,[97] o diploma de Doutor honoris causa em Administração Governamental (Doctor of Government Administration) pela Southern States University.[98]. Nos anos de 2008, 2009, 2010, 2012, 2015 e 2017, também foi também reconhecido como um dos melhores senadores do país pelo Prêmio Congresso em Foco. [99]. Em 2017, foi o único político que recebeu a medalha Ordem do Mérito Militar, a mais importante condecoração do Exército. Na ocasião, também foram homenageados o juiz federal Sérgio Moro, o relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin e o apresentador Luciano Huck. [100]

Controvérsias

Em 2002, a pedido do senador Alvaro Dias e então candidato ao governo do estado do Paraná pelo PDT, a Justiça Eleitoral paranaense mandou recolher todos os exemplares do jornal Hora H da edição de 15 de agosto. Naquela edição, o periódico reproduzia declarações à Justiça Federal, de um ex-secretário da Fazenda da cidade de Maringá, afirmando que o ex-prefeito da cidade Jairo Gianotto havia pago despesas da campanha da candidatura de Alvaro ao senado em 1998 com recursos desviados dos cofres públicos da prefeitura. Segundo o depoimento, que fazia parte das investigações do Procuradoria de Defesa do Patrimônio Público de Maringá, o prefeito também havia deixado um avião à disposição do candidato, um jatinho do doleiro Alberto Youssef, que teria sido usado durante a campanha.[101] Os advogados de Dias argumentaram que a matéria veiculada pelo jornal era "ofensiva à honra do senador", e as informações haviam sido distorcidas. Segundo a direção do jornal, o material veiculado "era uma oportunidade de os candidatos se desnudarem e se mostrarem por inteiro, sem o artifício da maquiagem".[102] O Tribunal Regional Eleitoral concedeu direito de resposta a Alvaro Dias, no horário de propaganda eleitoral.[103] O PMDB emitiu uma nota de repúdio à decisão de apreender os exemplares do jornal, afirmando que a iniciativa trazia de volta ao Paraná a censura prévia que havia no período da ditadura militar, e contrariando os princípios partidários do próprio PDT, então o partido de Álvaro Dias, destacando ainda que a decisão era "um atentado ao estado de direito, tão bravamente defendido pelo presidente nacional do PDT, Leonel Brizola".[104]

Em 2009, foi noticiado que Alvaro Dias era um entre ao menos quatro senadores que utilizaram a cota de passagens aéreas pagas pelo Senado para propiciar viagens ao exterior para parentes e amigos. Dias havia autorizado a emissão do maior número de passagens internacionais entre os senadores identificados à época, 8, para destinos no Uruguai e Argentina.[105] Em resposta, Alvaro apresentou à imprensa que destinou duas das três passagens para dois padres que teriam que fazer um curso do Pequeno Cotolengo de Curitiba em Buenos Aires. [106]

Em 2011, Dias requereu os valores retroativos da aposentadoria de ex-governador referentes ao período em que exerceu o cargo, entre 1987 e 1991, aos quais havia renunciado. O valor de cerca de R$ 1,6 milhão, segundo ele, iria para instituições de caridade. Segundo afirmou depois, desistiu do pedido ao ver a repercussão negativa do fato.[107][108]

Em maio de 2012, o cineasta Fernando Meirelles narrou em entrevista a Revista Piauí sua experiência negativa ao atuar na política, quando em 1986, produziriam entre outras campanhas a de Álvaro Dias, do PMDB, ao governo do Paraná. Ao descrever o fato, destaca a atuação negativa do coordenador de campanha, como detalha:

Ficamos chocados com o nível de baixaria, a começar pelos pagamentos, que eram feitos em dinheiro vivo, sem nota fiscal. […] Uma vez, o coordenador da campanha simulou a invasão de seu próprio escritório e pediu que gravássemos, denunciando, como se fosse uma invasão feita pelo candidato concorrente. Foi a gota d’água. Nossa equipe se recusou a fazê-lo e criou um impasse. Num clima péssimo, terminamos o contrato. É preciso ter estômago de avestruz e um caráter muito flexível para lidar com políticos. […] Decidimos nunca mais fazer política na vida.[109]

A promessa só foi quebrada em 2010, quando Meirelles se engajou na campanha de Marina Silva, do PV, para a Presidência. No segundo turno, sem fazer alarde, votou no tucano José Serra. [109]

Obras publicadas

  • A História pede passagem (1977).[110]
  • Mudar é preciso (1983).[111]
  • Paraná: tragédia das enchentes e o pacote enrolado (1983).[112]
  • Como fica o povo? (1983).[113]
  • Contra a política da fome (1984).[114]
  • Diretrizes para as mudanças na agricultura e no meio ambiente (1984).[115]
  • Sercomtel uma luta municipalista (1984).[116]
  • O Paraná e a desconcentração industrial (1985).[117]
  • Em Defesa do município (1987).[118]
  • Uma excelente opção para o arraçoamento animal (1987).[119]
  • Alvaro Dias: Atuação Parlamentar (1999).[120]
  • Em Defesa da agroindústria (1999).[121]
  • O Caminho se faz ao caminhar (1999).[122]
  • Proposta de Redução do Legislativo (1999).[123]
  • Um Senador que não se Curva (2001).[124]
  • CPI do futebol: um gol de placa (2005).[125]
  • Manual de captação de recursos federais para municípios (2005).[126]
  • Paixão nacional revisitada: da CPI do futebol aos dias atuais (2011).[127]
  • Pedras de um Mosaico (s/d).[128]
  • Na defesa da Petrobras, No ataque à corrupção (2016).[129]
  • Os 10 mil dias de combate à corrupção (2017).[130]
  • Plano Nacional de Educação: poderia ser um salto de qualidade na educação do Brasil.[131]
  • Atuando em favor do Brasil e do Paraná.[132]

Referências

  1. a b c d «Perfil de Alvaro Dias na Câmara dos Deputados». Câmara dos Deputados. Consultado em 3 de junho de 2018 
  2. a b c d e f g h i j k l «Perfil de Álvaro Dias no portal do Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil». FGV - Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil. Consultado em 4 de junho de 2018 
  3. «Alvaro Dias defende aprovação de projeto que acaba com foro privilegiado». Senado. Consultado em 3 de junho de 2018 
  4. a b Alvaro apresenta PEC Prisão em Segunda Instância
  5. Alvaro Dias apresenta PEC para reduzir número de Deputados e Senadores
  6. a b Alvaro Dias apresenta proposta para Fim do Voto Obrigatório
  7. a b CPI da Terra aprova relatório da bancada ruralista e encerra atividades
  8. Alvaro Dias culpa Estado pela violência no campo
  9. «Álvaro Dias lança pré-candidatura à Presidência em Belo Horizonte - Política - Estadão». Estadão 
  10. «Morre o pai de Alvaro e Osmar Dias». Gazeta do Povo. 30 de junho de 2006. Consultado em 3 de junho de 2018 
  11. «Falecimento: Morre o pai dos senadores Alvaro e Osmar Dias». Paraná Cooperativo. 29 de junho de 2006. Consultado em 3 de junho de 2018 
  12. «Capela Nossa Senhora de Fátima será inaugurada neste domingo no Jardim Imperial». Maringá Post. 12 de maio de 2018. Consultado em 3 de junho de 2018 
  13. a b «Sai Fregadolli, entra Fegaduoli». Maringá Post. 26 de fevereiro de 2013. Consultado em 3 de junho de 2018 
  14. «Silvino Dias é cidadão benemérito de Maringá». O Diário. 26 de fevereiro de 2002. Consultado em 3 de junho de 2018 
  15. «Senador Álvaro Dias elogia qualidade da escola e agradece prefeito Silvio Barros por homenagem ao seu pai». Prefeitura Municipal de Maringá. 18 de junho de 2010. Consultado em 3 de junho de 2018 
  16. Matheus Leitão (6 de agosto de 2009). «Omissão Milionária». Revista Época. Consultado em 3 de junho de 2018 
  17. «Bando invade fazenda de família dos senadores Álvaro e Osmar Dias e mantêm 9 agricultores...». O Globo. 13 de junho de 2009. Consultado em 3 de junho de 2018 
  18. «Morre Silvino Dias, pai de Alvaro e Osmar». Tribuna do Paraná. 30 de junho de 2006. Consultado em 3 de junho de 2018 
  19. a b «Conheça a biografia do senador tucano Álvaro Dias». Folha de S.Paulo. 25 de junho de 2010. Consultado em 19 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 3 de dezembro de 2016 
  20. «Irmão dos senadores Osmar e Álvaro Dias morre vítima de derrame em Maringá». Gazeta do Povo. 8 de março de 2009. Consultado em 3 de junho de 2018 
  21. Câmara Municipal de Londrina, Membros da 6ª Legislatura - 1969/1973
  22. «Membros da 7ª Legislatura». Assembleia Legislativa do Estado do Paraná. Arquivado do original em 14 de março de 2014 
  23. Histórico eleitoral de Álvaro Dias
  24. «Curitiba foi pioneira na campanha». Gazeta do Povo 
  25. «Diretas Já: há 30 anos, Curitiba saía na frente - Portal Vermelho». Portal Vermelho 
  26. «1984: o comício das Diretas em Curitiba - Contraponto». contraponto.jor.br. Consultado em 26 de abril de 2018 
  27. «Boca Maldita, o reduto da livre manifestação em Curitiba». PáginaB. 8 de maio de 2017 
  28. «Exposição na Boca Maldita lembra comício das "Diretas Já"». www.bemparana.com.br. Consultado em 26 de abril de 2018 
  29. Fausto, Boris (2012). História do Brasil. São Paulo: Edusp. 688 páginas 
  30. a b c d histórico das Ações de Alvaro Dias quando governador
  31. Governo Alvaro Dias
  32. Governador Alvaro Dias tem 90% de aprovação
  33. a b / Joelmir Beting sobre o Governo do Paraná
  34. TSE, Resultados das Eleições 1994 - Paraná - governador, 27/02/2014
  35. [Citar web|url=http://g1.globo.com/pr/parana/noticia/2016/01/senador-alvaro-dias-se-desfilia-do-psdb-do-parana-para-ingressar-no-pv.html Alvaro Dias se desfilia do PSDB]
  36. Resultado da Eleição de 1998 - TSE
  37. «Alvaro foi expulso do PSDB em 2002, junto com Osmar». Gazeta do Povo 
  38. «Senador já foi acusado de traição e expulso do partido - Brasil - Estadão». Estadão 
  39. «Álvaro Dias se filia ao PDT de Leonel Brizola». Estadão. 22 de setembro de 2001. Consultado em 19 de dezembro de 2017 
  40. TSE, Resultado da Eleição de 2002 – Paraná, 03/12/12
  41. «Crise deve resultar em nome do DEM para vice de Serra - notícias em Eleições 2010». G1. 30 de junho de 2010. Consultado em 19 de dezembro de 2017 
  42. «Deputado Indio da Costa, do Rio, é o vice de Serra, anuncia DEM». G1. 30 de junho de 2010. Consultado em 19 de dezembro de 2017 
  43. Senado Federal, Lideranças, 01/01/2014
  44. Castro, Fernando (5 de outubro de 2014). «Alvaro Dias, do PSDB, é reeleito senador pelo Paraná». G1. Consultado em 19 de dezembro de 2017 
  45. Pacheco, Paula (8 de janeiro de 2016). «Álvaro Dias troca PSDB pelo PV e vai aumentar artilharia contra o governo». Último Segundo - iG. Consultado em 16 de dezembro de 2017 
  46. Freitas, Carolina (29 de junho de 2017). «Senadores Romário e Álvaro Dias se filiam ao Podemos». Valor Econômico. Consultado em 19 de dezembro de 2017 
  47. Alvaro Dias se filia ao Podemos
  48. Alvaro Dias é oficializado como candidato à presidência pelo Podemos
  49. Alvaro Dias quer romper com o sistema
  50. Podemos lança candidatura de Alvaro Dias à presidência
  51. Alvaro Dias quer renovar a política
  52. «O potencial de Álvaro». IstoÉ. 16 de fevereiro de 2018. Consultado em 23 de abril de 2018 
  53. Finanças Públicas do Estado do Paraná
  54. Dívida do Grupo Atalla com o Estado do Paraná.
  55. a b c d e f g Histórico de Alvaro Dias como governador
  56. Mapa da Violência
  57. https://contraponto.jor.br/1987-alvaro-rompe-contrato-superfaturado/ Alvaro Dias rompe contrato superfaturado de empreiteira}}
  58. «Alvaro Dias defende fim do foro privilegiado e pede mobilização dos cidadãos». Senado. 16 de novembro de 2016. Consultado em 24 de novembro de 2016 
  59. «Proposta de emenda à Constituição nº 10, de 2013». Senado. Consultado em 24 de novembro de 2016 
  60. «70% querem fim do foro privilegiado». Folha. Datafolha. 3 de maio de 2017. Consultado em 19 de dezembro de 2017 
  61. Nascimento, Luciano (23 de agosto de 2016). «Juízes e promotores defendem fim do foro privilegiado para autoridades». Agência Brasil. Empresa Brasil de comunicação. Consultado em 19 de dezembro de 2017 
  62. D'Agostino, Rosanne (23 de maio de 2016). «Ministro do STF defende fim do foro privilegiado». G1. Globo. Consultado em 19 de dezembro de 2017 
  63. Projeto para regular a nomeação de membros de Tribunais
  64. PEC Tribunal de Contas
  65. Alvaro Dias é o Relator do projeto que tornou corrupção crime hediondo
  66. Alvaro Dias é o Relator da indicação de Edson Fachin ao STF
  67. a b Alvaro Dias abre Requerimento de Auditoria da Dívida Pública
  68. Alvaro Dias foi o Presidente da CPI do Futebol
  69. Alvaro Dias foi o Presidente da CPMI dos Correios
  70. Alvaro Dias diz que ladrões do dinheiro público são assassinos
  71. Alvaro autor da PEC de Aposentadoria Especial para Professores
  72. Alvaro Autor do Projeto de Lei do Salário-Educação
  73. Salários acima do teto agora ajudam FNDE
  74. Alvaro Dias é o Relator do Plano Nacional da Educação
  75. Alvaro Dias Autor de Projeto de Lei da Segurança Pública
  76. Alvaro Dias é co-autor de projeto para Redução da Maioridade Penal
  77. Alvaro Dias apresenta projeto para aumentar tempo de reclusão
  78. Alvaro Dias propõe projeto para redução de pena para presos que ajudam em investigações
  79. Alvaro Dias apresenta projeto de Recall para maus político
  80. «Alvaro Dias quer impeachment de Dilma, Temer e Cunha. Veja quem assumiria neste caso - Caixa Zero». Caixa Zero. 9 de dezembro de 2015 
  81. «Impeachment no Senado: discurso final de Alvaro Dias (PV-PR)». G1. Globo.com 
  82. «Alvaro Dias quer impeachment de Dilma, Temer e Cunha. Veja quem assumiria neste caso - Caixa Zero». Caixa Zero. 9 de dezembro de 2015 
  83. «Confira como votaram os senadores sobre a PEC do Teto de Gastos». UOL. 13 de dezembro de 2016. Consultado em 19 de dezembro de 2017 
  84. «Reforma trabalhista: saiba como votaram os senadores no plenário». Carta Capital. Mino Carta. 11 de julho de 2017. Consultado em 19 de dezembro de 2017 
  85. «Veja como votou cada senador na sessão que derrubou afastamento de Aécio». G1. 17 de outubro de 2017. Consultado em 19 de dezembro de 2017 
  86. Richter, André (2 de junho de 2017). «Janot denuncia Aécio Neves ao STF por corrupção e obstrução da Justiça». Agência Brasil. Consultado em 19 de dezembro de 2017 
  87. [citar web|url=https://conamp.jusbrasil.com.br/noticias/100451609/senador-alvaro-dias-pede-rejeicao-da-pec-37%7Cpublicado=JusBrasil%7Cacessodata=23 de abril de 2018|título=Senador Alvaro Dias pede rejeição da PEC 37]
  88. [citar web|url=http://g1.globo.com/politica/noticia/2013/06/protestos-influenciaram-adiamento-da-votacao-da-pec-37-diz-gurgel.html |título=Protestos influenciaram adiamento da votação da PEC 37, diz Gurgel|obra=G1|acessodata=23 de abril de 2018]
  89. [citar web |url=http://londrina.odiario.com/londrina/noticia/753548%7Ctítulo=Londrina se mobiliza contra a PEC 37 neste sábado|acessodata=23 de abril de 2018|data=22 de junho de 2013 |publicado=O Diário]
  90. a b c «Alvaro Dias critica possível 'anistia' para caixa dois eleitoral». 20 de setembro de 2016 
  91. «Para Alvaro Dias, decisão de tribunal de 2ª instância deveria prevalecer». Estadão. IstoÉ. Consultado em 23 de abril de 2018 
  92. «Prisão após condenação em segunda instância recebe elogios». Jornal Nacional. Globo.com. Consultado em 23 de abril de 2018 
  93. «Dodge diz que confia em decisão do STF a favor da prisão em segunda instância». Agência Brasil. EBC. Consultado em 23 de abril de 2018 
  94. Renata Mariz. «Deputados apresentaram duas propostas para alterar prisão em segunda instância nos últimos 15 dias». O Globo. Globo.com. Consultado em 23 de abril de 2018 
  95. Renan Truffi e Felipe Frazão (22 de maio de 2018). «Álvaro Dias diz que Brasil está dividido entre 'honestos e ladrões'». Uol. Consultado em 25 de maio de 2018 
  96. Alvaro Dias escolhido melhor senador do país pelo Congresso em Foco
  97. «Alvaro Dias debate em Natal». Tribuna do Norte. 3 de maio de 2018. Consultado em 3 de junho de 2018 
  98. «Unicentro recebe senador Álvaro Dias em conferência sobre Ética na Vida Pública». Unicentro. 3 de abril de 2014. Consultado em 3 de junho de 2018 
  99. Alvaro Dias entre os maiores vencedores do Prêmio Congresso em Foco
  100. Alvaro Dias recebe a medalha Ordem do Mérito Militar
  101. «Desvio de verba envolve mais de 130 pessoas». Folha de S. Paulo''. 4 de março de 2001. Consultado em 14 de agosto de 2018. Cópia arquivada em 12 de junho de 2017 
  102. «TRE-PR apreende jornais contra Alvaro Dias». Portal Terra. 16 de agosto de 2002. Consultado em 14 de agosto de 2018. Cópia arquivada em 14 de agosto de 2018 
  103. «Candidatos conseguem direito de resposta». Folha de Londrina. 10 de setembro de 2002. Consultado em 14 de agosto de 2018. Cópia arquivada em 14 de agosto de 2018 
  104. «PMDB repudia apreensão de edição do jornal Hora H». Tribuna do Paraná. 18 de agosto de 2002. Consultado em 14 de agosto de 2018. Cópia arquivada em 14 de agosto de 2018 
  105. «Senadores também usaram cota para voos ao exterior». Congresso em Foco. 6 de maio de 2013. Consultado em 19 de dezembro de 2017 
  106. Resposta de Alvaro Dias sobre excesso de Passagens
  107. «Alvaro Dias gasta R$ 365 mil do Senado, mas nega recebimento de verba». Folha de S.Paulo. 6 de junho de 2018. Cópia arquivada em 25 de agosto de 2018 
  108. «Aposentadoria de R$ 1,6 mi vai para caridade, diz Alvaro Dias». Último Segundo. 21 de janeiro de 2011. Cópia arquivada em 25 de agosto de 2018 
  109. a b Terra, Renato (maio de 2012). «A terra de Meirelles». Alvinegra. Piauí. ano 6 (68). Consultado em 21 de maio de 2017 
  110. «A História pede passagem». World Cat. Consultado em 11 de junho de 2018 
  111. «Mudar é preciso». World Cat. Consultado em 11 de junho de 2018 
  112. «Paraná: tragédia das enchentes e o pacote enrolado». World Cat. Consultado em 11 de junho de 2018 
  113. «Como fica o povo?». World Cat. Consultado em 11 de junho de 2018 
  114. «Contra a política da fome». World Cat. Consultado em 11 de junho de 2018 
  115. «Diretrizes para as mudanças na agricultura e no meio ambiente». World Cat. Consultado em 11 de junho de 2018 
  116. «Sercomtel uma luta municipalista». World Cat. Consultado em 11 de junho de 2018 
  117. «O Paraná e a desconcentração industrial». World Cat. Consultado em 11 de junho de 2018 
  118. «Em Defesa do município». World Cat. Consultado em 11 de junho de 2018 
  119. «Uma excelente opção para o arraçoamento animal». World Cat. Consultado em 11 de junho de 2018 
  120. Álvaro Dias. «Álvaro Dias: Atuação Parlamentar». Estante Virtual. Consultado em 3 de junho de 2018 
  121. «Em Defesa da agroindústria». World Cat. Consultado em 11 de junho de 2018 
  122. «O Caminho se faz ao caminhar». World Cat. Consultado em 11 de junho de 2018 
  123. «Proposta de Redução do Legislativo». World Cat. Consultado em 11 de junho de 2018 
  124. «Um Senador que não se Curva». World Cat. Consultado em 11 de junho de 2018 
  125. Álvaro Dias. «CPI do futebol: um gol de placa». Estante Virtual. Consultado em 3 de junho de 2018 
  126. «Manual de captação de recursos federais para municípios». World Cat. Consultado em 11 de junho de 2018 
  127. Álvaro Dias. «Paixão nacional revisitada: da CPI do futebol aos dias atuais». Estante Virtual. Consultado em 3 de junho de 2018 
  128. Álvaro Dias. «Pedras de um Mosaico». Estante Virtual. Consultado em 3 de junho de 2018 
  129. Álvaro Dias. «Na defesa da Petrobras, No ataque à corrupção». Senado Federal. Consultado em 3 de junho de 2018 
  130. Álvaro Dias. «Os 10 mil dias de combate à corrupção». Senado Federal. Consultado em 3 de junho de 2018 
  131. Álvaro Dias. «Plano Nacional de Educação: poderia ser um salto de qualidade na educação do Brasil». Senado Federal. Consultado em 3 de junho de 2018 
  132. Álvaro Dias. «Atuando em favor do Brasil e do Paraná». Senado Federal. Consultado em 3 de junho de 2018 

Ligações externas

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Alvaro Dias
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Alvaro Dias
Precedido por
João Elísio Ferraz de Campos
Governador do Paraná
1987 — 1991
Sucedido por
Roberto Requião