Enio Verri

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Enio Verri
Deputado Federal pelo Paraná
Período 1º de fevereiro de 2015
até a atualidade
Deputado Estadual do Paraná
Período 1º de fevereiro de 2007
até 31 de janeiro de 2015
Secretário de Planejamento do Paraná
Período 1º de janeiro de 2007
até 31 de dezembro de 2009
Governador Roberto Requião
Secretário Municipal de Governo de Maringá
Período 2003
até 2004
Prefeito João Ivo Caleffi
Secretário Municipal de Fazenda de Maringá
Período 2001
até 2003
Prefeito José Cláudio Pereira Neto
Dados pessoais
Nascimento 27 de março de 1961 (61 anos)
Maringá, PR
Alma mater Universidade Estadual de Maringá
Partido PT (1985-presente)
Profissão Economista

Enio José Verri (Maringá, 27 de março de 1961) é um economista, professor e político brasileiro. Atualmente, exerce seu segundo mandato[1] como deputado federal, pelo Partido dos Trabalhadores (PT), eleito pelo Estado do Paraná, com 62.169 votos.[2]

Eleito deputado estadual no Paraná, em 2007[3], assumiu a Secretaria de Planejamento e Coordenação Geral do Paraná no governo de Roberto Requião (PMDB).[4] Reeleito, em 2010, assumindo a liderança da oposição na Assembleia do Estado do Paraná.[5] Foi presidente do PT estadual por oito anos.[6] Em 2014, foi eleito deputado federal, pela primeira vez com 107.508 votos.[7] É membro da Comissão de Tributação e Finanças da Câmara dos Deputados[8], vice-líder do PT na Câmara.[9] No ano de 2020, foi líder da Bancada do partido na Câmara.[5]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Enio José Verri nasceu em 1961, na Vila Moranguerinha, em Maringá, no norte do Paraná. É filho de Nelson Verri (in memorian),[10] comerciante, e Lucinda Dalalio Verri, dona de casa.[11] Tem três irmãos, Fernando Verri, Mario Verri e Luciana Verri.[11]

Em 1984, casou com Neusa Aparecida Barbi,[12] com a qual tem o filho Francisco Verri.[12][11] É avô de João Miguel.[11]

Formação acadêmica[editar | editar código-fonte]

Estudou em escola pública.[11] Fez curso de técnico em contabilidade, no Colégio Comercial Estadual de Maringá.[11] Em 1979, ingressou da Universidade Estadual de Maringá (UEM) para o curso de graduação em Economia.[1][13] Formou-se em 1985 e fez especialização em Teoria Econômica,[11] na Faculdade de Ciências Econômicas de Apucarana (PR), hoje Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR).[1]

Obteve o título de mestre, pela UEM, em 1998, com a dissertação “O desenvolvimento recente da indústria paranaense”.[1][14] É doutor em Integração da América Latina (2003), pela Universidade de São Paulo (USP),[1][11] defendendo a tese “Reestruturação produtiva do Paraná nos anos 90: o papel da globalização e do Mercosul", onde foi orientado por Márcio Bobik Braga.[14]

Movimento estudantil e Pastoral da Juventude[editar | editar código-fonte]

Participou das pastorais da Igreja Católica da Juventude, Operária e Universitária, em Maringá.[15][11]

Em 1983, entrou para o movimento estudantil, através do Centro Acadêmico de Economia e do Diretório Central dos Estudantes da UEM, com mobilização por eleições diretas.[11]

Carreira profissional[editar | editar código-fonte]

Estudando sua graduação no período noturno, trabalhava durante o dia no departamento pessoal em uma construtora da cidade.[11] Foi consultor de um supermercado de 14 funcionários. Na consultoria, atuou de 1991 a 2000, até sair como diretor administrativo financeiro do grupo.[11]

É professor licenciado do Departamento de Economia da UEM, onde foi admitido como professor assistente em 1997, embora atuasse na universidade como professor celetista desde 1986. Ministrou aulas para a graduação e pós-graduação, em disciplinas como Economia da Integração; Economia Brasileira Contemporânea; Desenvolvimento Local; e Economia Paranaense.[11][14][16] Também deu aulas na Faculdade Estadual de Ciências Econômicas de Apucarana (UNESPAR).[14]

Trajetória política[editar | editar código-fonte]

Após iniciar sua militância nos movimentos pastorais da Igreja Católica, como o da Juventude, Operária e Universitária.[17] Ingressou no Partido dos Trabalhadores em 1985.[11] Em 1990, foi candidato a deputado federal pelo PT, ficando como 4° suplente do partido.[11]

Foi secretário de Fazenda da prefeitura de Maringá na gestão do prefeito José Cláudio Pereira Neto (PT), entre 2001 e 2003.[18] Também foi secretário de Governo do município entre 2003 e 2004, na gestão de João Ivo Caleffi.

No final de 2004, assumiu o cargo de Assessor Técnico da Presidência da Comissão Mista de Orçamento do Congresso Nacional.[9] Em 2005 foi convidado para ser chefe de gabinete do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, onde permaneceu até 2006, quando foi eleito deputado estadual pelo Partido dos Trabalhadores.[16] Ao tomar posse na Assembleia Legislativa do Paraná foi convidado pelo governador Roberto Requião (PMDB) a integrar a equipe de governo, assumindo a Secretaria de Planejamento e Coordenação Geral.[4]

Como secretário de Estado, Verri atuou no planejamento dos programas prioritários do governo e instituiu uma série de mecanismos que facilitam o gerenciamento público do orçamento do Estado e de monitoramento e coordenação de ações de governo, priorizando ações que promovem o desenvolvimento econômico e social sustentável de municípios.

Disputou em 2008 o executivo maringaense, pela coligação PT, PV, PCdoB, PCB, PSC e PSDC. Recebeu 21% dos votos, cerca de 40 mil. Terminou na segunda colocação, derrotado pelo prefeito Silvio Barros (PP), que buscava a reeleição.[19]

Em 31 de dezembro de 2009, Verri deixou a Secretaria de Planejamento do Paraná para reassumir seu mandato na Assembleia Legislativa.[20]

No dia 6 de fevereiro de 2010 foi empossado presidente do diretório estadual do Partido dos Trabalhadores, em Curitiba, em evento que contou com a presença de Paulo Bernardo e Dilma Rousseff.[21]

Foi o terceiro deputado estadual mais votado do Paraná nas eleições legislativas de 3 de outubro de 2010, com 87.080 votos.[22] Com a votação, Enio Verri tornou-se o deputado estadual do PT/PR mais votado da história (Luciana Rafagnin havia sido eleita em 2002 com 53.338 votos) e também o deputado estadual maringaense mais votado da história (em 2006, Cida Borghetti (PP) recebeu 66.492 votos). Assumiu o mandato e a liderança da oposição na Assembleia do Estado do Paraná.

Disputou a Prefeitura de Maringá nas eleições de 2012, pela coligação Maringá de toda a nossa gente, formada pelo PT, PDT, PSC, PR, PRTB, PV, PPL e PCdoB. No primeiro turno recebeu 35% dos votos, o que credenciou a disputar o segundo turno contra Roberto Pupin (PP), então vice-prefeito, que acabou eleito com 53%.

Em 2014, foi eleito deputado federal com 107.508 votos. Em 17 de abril de 2016, Verri votou contra a abertura do processo de impeachment de Dilma Rousseff.[23] Durante o governo de Michel Temer, atuou como vice-líder da oposição na Câmara dos Deputados.[1]

Foi reeleito deputado federal em 2018, com 62.169 mil votos.[24]

Presidência do PT no Paraná[editar | editar código-fonte]

Em novembro de 2009 foi eleito presidente do PT Paraná, com 75% dos votos, substituindo Gleisi Hoffmann.[1] Foi reeleito em novembro de 2013, com mais de 75% dos votos.

Falando na qualidade de presidente do PT do Paraná, Enio Verri disse em entrevista a uma rádio, que o Pastor Paschoal Piragine Jr. mentiu sobre o motivo da expulsão de dois deputados do PT que foram punidos por militarem contra a descriminalização do aborto ameaçando inclusive processá-lo por sua declaração, o que é negado pelo próprio site do PT[25] o motivo da punição aprovado por unanimidade pelo diretório nacional foi justamente esse.

Deixou a presidência do partido em maio de 2017, com a eleição do ex-deputado Dr. Rosinha para presidir o PT no estado.[8]

Câmara dos Deputados[editar | editar código-fonte]

Como deputado federal, e por sua formação em Economia, sua atuação na Câmara foi voltada para a área orçamentária, financeira e de tributação.

São essas mesmas áreas nas quais atua nas Comissões Permanentes. Titular na Comissão de Finanças e Tributação – CFT, de 2015 a 2019 e 2021.[26] Suplente: na Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviços[27] – CDEICS, de 2015 a 2019, e 2021; na Comissão de Desenvolvimento Urbano[28]– CDU, em 2017; na Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável[29] – CMADS, 2018.

Entre as Comissões Especiais que participou estão a da PEC 395/14 - Gratuidade do Ensino Público, como 3º Vice-Presidente, 2015 a 2017;[30] sobre a Reforma Tributária, como 3º Vice-Presidente, 2015 a 2019, PEC 293/04 [31] - Reforma Tributária, como Titular, 2018, PEC 045/19 – Reforma Tributária,[32] como Titular, em 2019; do Marco Regulatório Transporte Rodoviário de Cargas como Suplente, 2016 - e PL 1428/99[33] (mesmo tema) como Titular, 2016 a 2019; do PL 7420/06[34] - Lei de Responsabilidade Educacional, como Titular, de 2015 a 2019; da PEC 015/15[35] – FUNDEB, como Suplente, em 2019; do PL 1917/15[36]- Portabilidade da Conta de Luz: Titular, 22/10/2019.

Dentre os Projetos de Lei que apresentou, estão: ● PL 3827/2015[37]: Dispõe sobre publicação de dados referentes à distribuição pessoal da renda e da riqueza da população brasileira, com base nos dados da declaração anual do Imposto de Renda Pessoa Física - IRPF.

● PL 2315/2015[38]: Altera a Lei nº 10.703, de 18 de julho de 2003, que dispõe sobre o cadastro de celular pré-pagos, determinando a apresentação de documentos com foto no ato da compra de chips.

● PL 10780/2018[39]: Ementa: Dispõe sobre a criação do Projeto Vida Gerando Vidas, cria a Central Única de captação e Doação de Órgãos, Tecidos e Medula Óssea e dá outras providências.

● PL 2305/2019[40]: Altera a Lei nº 9.503, de 1997, para dispor sobre os requisitos para a condução de veículo destinado ao transporte de escolares.

● Coautor do PL 2508/2020[41]: para estabelecer medidas de proteção à mulher provedora de família monoparental em relação ao recebimento do auxílio emergencial. Transformada em Lei nº 14.171 de 10/06/2021[42].

● Coautor do PL 735/2020[43]: (Projeto de Lei Assis Carvalho) dispõe sobre medidas emergenciais de amparo aos agricultores familiares do Brasil para mitigar os impactos socioeconômicos da Covid-19. Foi aprovado na Câmara e Senado e vetado pelo Presidente da República.

● PL 2395/2021[44] Isentam do Imposto sobre Produtos Industrializado os veículos de carga adquiridos por feirantes.

● Coautor do PL 823/2021[45]: (Projeto de Lei Assis Carvalho II) dispõe sobre medidas emergenciais de amparo aos agricultores familiares do Brasil para mitigar os impactos socioeconômicos da Covid-19. Foi aprovado na Câmara e Senado e aguarda sanção presidencial.

● Coautor do PL 1374/2021[46]: institui a subvenção econômica destinada a auxiliar as famílias de baixa renda na aquisição de gás liquefeito de petróleo - Desconto Gás.

● Coautor do PL 3056/2021[47]: proíbe o corte de energia elétrica enquanto perdurar a vigência da bandeira vermelha, de escassez hídrica, nas unidades consumidoras enquadradas na Tarifa Social de Energia Elétrica, em tramitação no Congresso.

Foi Vice-Líder, Minoria, de 2017 a 2018; Vice-Líder, PT, de outubro de 2015 a 2017; 2019; Líder do PT em 2020; Vice-Líder do PT em 2021; Vice-Líder da Oposição em 2021.[3]

Já indicou cerca de 97 milhões de reais por meio de emendas parlamentares individuais, de Bancada e Extra Orçamentária para o Paraná.[48]

Liderança do PT[editar | editar código-fonte]

Em 2020 assumiu a liderança do Partido dos Trabalhadores na Câmara dos Deputados, sucedendo ao deputado Paulo Pimenta.[49]

O ano de sua liderança, mesmo ano em que o Brasil foi acometido pela pandemia do novo coronavírus, foi atípico para o Congresso Nacional. As sessões passaram a ser realizadas de forma remota e pauta de votações foi voltada para ações emergenciais de enfrentamento da Covid-19 no país.

Publicações[editar | editar código-fonte]

  • VERRI, Enio José. O desenvolvimento recente da indústria paranaense. Maringá: UEM, 1998. Dissertação (Mestrado).[14]
  • VERRI, Enio José. Reestruturação produtiva no Paraná nos anos 90: o papel da globalização e do Mercosul. São Paulo: USP, 2003. Tese (Doutorado).[14]

Referências

  1. a b c d e f g «Deputado Federal Enio Verri». Portal da Câmara dos Deputados. Consultado em 7 de outubro de 2021 
  2. «Eleições 2018 | Apuração primeiro turno para Deputado Federal». Estadão. Consultado em 7 de outubro de 2021 
  3. a b Paraná, Assembleia Legislativa do. «Assembleia Legislativa do Paraná | Enio Verri». Assembleia Legislativa do Estado do Paraná. Consultado em 7 de outubro de 2021 
  4. a b Povo, Gazeta do. «Deputado Ênio Verri assume, novamente, a Secretaria do Planejamento». Gazeta do Povo. Consultado em 7 de outubro de 2021 
  5. a b «Enio Verri será líder do PT na Câmara em 2020». Congresso em Foco. 17 de dezembro de 2019. Consultado em 7 de outubro de 2021 
  6. «Deputado Enio Verri é reeleito presidente do PT do PR». ISTOÉ DINHEIRO. 13 de novembro de 2013. Consultado em 7 de outubro de 2021 
  7. Fernando CastroDo G1 PR (5 de outubro de 2014). «Bancada paranaense na Câmara Federal tem renovação de 40%». Eleições 2014 no Paraná. Consultado em 7 de outubro de 2021 
  8. a b «PT indica Verri para Comissão de Finanças e Tributação da Câmara dos Deputados». Enio Verri. 15 de março de 2019. Consultado em 7 de outubro de 2021 
  9. a b PT-PR. «PT-PR». PT-PR. Consultado em 7 de outubro de 2021 
  10. «Família Verri mantém projeto social que transforma vidas há 16 anos». Enio Verri. 23 de junho de 2021. Consultado em 7 de outubro de 2021 
  11. a b c d e f g h i j k l m n o «Quem Sou». Enio Verri. Consultado em 7 de outubro de 2021 
  12. a b PT-PR. «PT-PR». PT-PR. Consultado em 7 de outubro de 2021 
  13. «UEM já formou políticos, atletas e até funcionária da Chanel; CONFIRA». Portal GMC Online. 7 de fevereiro de 2019. Consultado em 7 de outubro de 2021 
  14. a b c d e f «Enio José Verri». Escavador. Consultado em 7 de outubro de 2021 
  15. PT-PR. «PT-PR». PT-PR. Consultado em 7 de outubro de 2021 
  16. a b Excelencias.org (n.d.). «Enio Verri». Consultado em 16 de Maio de 2012 [ligação inativa]
  17. PT-PR. «PT-PR». PT-PR. Consultado em 7 de outubro de 2021 
  18. Paraná, Assembleia Legislativa do. «Assembleia Legislativa do Paraná | Enio Verri». Assembleia Legislativa do Estado do Paraná. Consultado em 7 de outubro de 2021 
  19. «A reeleição de Silvio Barros - História das Eleições». CBN Maringá. Consultado em 7 de outubro de 2021 
  20. Povo, Gazeta do. «Ênio Verri deixa Secretaria do Planejamento; Nestor Bueno assume». Gazeta do Povo. Consultado em 7 de outubro de 2021 
  21. «Verri e Rosinha são empossados presidente e vice do PT-PR para a gestão 2014/17». Enio Verri. 9 de dezembro de 2013. Consultado em 7 de outubro de 2021 
  22. Ayres, Marcus. «Eleição deixa Maringá e região com três deputados a menos». Gazeta do Povo. Consultado em 7 de outubro de 2021 
  23. «Deputados autorizam impeachment de Dilma, saiba quem votou a favor e contra». EBC. 17 de abril de 2016. Consultado em 5 de maio de 2016 
  24. «Maringá elege quatro deputados estaduais e quatro federais. Sargento Fahur é o mais votado do Paraná». Maringá Post. 7 de outubro de 2018. Consultado em 9 de outubro de 2018 
  25. PT.org (17 de Setembro de 2009). «Diretório Nacional suspende direitos partidários de Luiz Bassuma e Henrique Afonso». Consultado em 16 de Maio de 2012. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2010 
  26. «PT indica Verri para Comissão de Finanças e Tributação da Câmara dos Deputados». Enio Verri. 15 de março de 2019. Consultado em 7 de outubro de 2021 
  27. «COMISSÃO DE DES. ECONÔMICO, INDÚSTRIA, COMÉRCIO E SERVIÇOS». Portal da Câmara dos Deputados. Consultado em 7 de outubro de 2021 
  28. «COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO». Portal da Câmara dos Deputados. Consultado em 7 de outubro de 2021 
  29. «COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL». Portal da Câmara dos Deputados. Consultado em 7 de outubro de 2021 
  30. «Portal da Câmara dos Deputados». www.camara.leg.br. Consultado em 7 de outubro de 2021 
  31. «Portal da Câmara dos Deputados». www.camara.leg.br. Consultado em 7 de outubro de 2021 
  32. «Portal da Câmara dos Deputados». www.camara.leg.br. Consultado em 7 de outubro de 2021 
  33. «Portal da Câmara dos Deputados». www.camara.leg.br. Consultado em 7 de outubro de 2021 
  34. «Portal da Câmara dos Deputados». www.camara.leg.br. Consultado em 7 de outubro de 2021 
  35. «PEC 015/15 - TORNA PERMANENTE O FUNDEB / EDUCAÇÃO». Portal da Câmara dos Deputados. Consultado em 7 de outubro de 2021 
  36. «Portal da Câmara dos Deputados». www.camara.leg.br. Consultado em 7 de outubro de 2021 
  37. «Portal da Câmara dos Deputados». www.camara.leg.br. Consultado em 7 de outubro de 2021 
  38. «Portal da Câmara dos Deputados». www.camara.leg.br. Consultado em 7 de outubro de 2021 
  39. «Portal da Câmara dos Deputados». www.camara.leg.br. Consultado em 7 de outubro de 2021 
  40. «Portal da Câmara dos Deputados». www.camara.leg.br. Consultado em 7 de outubro de 2021 
  41. «Portal da Câmara dos Deputados». www.camara.leg.br. Consultado em 7 de outubro de 2021 
  42. Nacional, Imprensa. «LEI Nº 14.171, DE 10 DE JUNHO DE 2021 - DOU - Imprensa Nacional». www.in.gov.br. Consultado em 7 de outubro de 2021 
  43. «Portal da Câmara dos Deputados». www.camara.leg.br. Consultado em 7 de outubro de 2021 
  44. «Portal da Câmara dos Deputados». www.camara.leg.br. Consultado em 7 de outubro de 2021 
  45. «PL 823/2021». Portal da Câmara dos Deputados. Consultado em 7 de outubro de 2021 
  46. «PL 1374/2021». Portal da Câmara dos Deputados. Consultado em 7 de outubro de 2021 
  47. «Portal da Câmara dos Deputados». www.camara.leg.br. Consultado em 7 de outubro de 2021 
  48. «Emendas orçamentárias do deputado Enio Verri na Câmara dos Deputados». Portal da Câmara dos Deputados. Consultado em 7 de outubro de 2021 
  49. «Enio Verri será líder do PT na Câmara em 2020». Congresso em Foco. 17 de dezembro de 2019. Consultado em 18 de dezembro de 2019 
Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) político(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.