Enio Verri

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Enio Verri
Deputado Federal pelo Paraná
Período 1º de fevereiro de 2015
até a atualidade
Deputado Estadual do Paraná
Período 1º de janeiro de 2010
até 31 de janeiro de 2015
Secretário de Planejamento do Paraná
Período 1º de janeiro de 2007
até 31 de dezembro de 2009
Governador Roberto Requião
Dados pessoais
Nascimento 27 de março de 1961 (58 anos)
Maringá, PR
Alma mater Universidade Estadual de Maringá
Partido PT (1985-atualmente)
Profissão Economista

Enio José Verri (Maringá, 27 de março de 1961) é um economista, professor e político brasileiro, atualmente deputado federal, eleito pelo PT no Paraná.

Formação[editar | editar código-fonte]

Formado em Economia pela Universidade Estadual de Maringá em 1985, conquistou o título de mestre, pela mesma universidade, em 1998, com a tese “O desenvolvimento recente da indústria paranaense”.

É doutor em Integração da América Latina (2003), pela Universidade de São Paulo (USP), com o trabalho “Reestruturação produtiva do Paraná nos anos 90: o papel da globalização e do Mercosul.

Também é professor[1] licenciado do Departamento de Economia da UEM, onde foi admitido em 1997.

Trajetória política[editar | editar código-fonte]

Iniciou sua militância nos movimentos pastorais da Igreja Católica, como o da Juventude, Operária e Universitária. Ingressou no Partido dos Trabalhadores em 1985.

Foi secretário de Fazenda da prefeitura de Maringá na gestão do prefeito José Cláudio Pereira Neto (PT), entre 2001 e 2003. Também foi secretário de Governo do município entre 2003 e 2004, na gestão de João Ivo Caleffi.

No final de 2004, assumiu o cargo de Assessor Técnico da Presidência da Comissão Mista de Orçamento do Congresso Nacional.

Em 2005 foi convidado para ser chefe de gabinete do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, onde permaneceu até 2006, quando foi eleito deputado estadual pelo Partido dos Trabalhadores.[1]

Ao tomar posse na Assembleia Legislativa do Paraná foi convidado pelo governador Roberto Requião (PMDB) a integrar a equipe de governo, assumindo a Secretaria de Planejamento e Coordenação Geral.

Como secretário de Estado, Verri atuou no planejamento dos programas prioritários do governo e instituiu uma série de mecanismos que facilitam o gerenciamento público do orçamento do Estado e de monitoramento e coordenação de ações de governo, priorizando ações que promovem o desenvolvimento econômico e social sustentável de municípios.

Disputou em 2008 o executivo maringaense, pela coligação PT, PV, PCdoB, PCB, PSC e PSDC. Recebeu 21% dos votos, cerca de 40 mil. Terminou na segunda colocação, derrotado pelo prefeito Silvio Barros (PP), que buscava a reeleição.

Em 31 de dezembro de 2009 Verri deixou a Secretaria de Planejamento do Paraná para reassumir seu mandato na Assembleia Legislativa.

No dia 6 de fevereiro de 2010 foi empossado presidente do diretório estadual do Partido dos Trabalhadores, em Curitiba, em evento que contou com a presença de Paulo Bernardo e Dilma Rousseff.

Foi o terceiro deputado estadual mais votado do Paraná nas eleições legislativas de 3 de outubro de 2010, com 87.080 votos. Com a votação, Enio Verri tornou-se o deputado estadual do PT/PR mais votado da história (Luciana Rafagnin havia sido eleita em 2002 com 53.338 votos) e também o deputado estadual maringaense mais votado da história (em 2006, Cida Borghetti (PP) recebeu 66.492 votos).

Disputou a Prefeitura de Maringá nas eleições de 2012, pela coligação Maringá de toda a nossa gente, formada pelo PT, PDT, PSC, PR, PRTB, PV, PPL e PCdoB. No primeiro turno recebeu 35% dos votos, o que credenciou a disputar o segundo turno contra Roberto Pupin (PP), então vice-prefeito, que acabou eleito com 53%.

Em 2014, foi eleito deputado federal com 107.508 votos. Em 17 de abril de 2016, Verri votou contra a abertura do processo de impeachment de Dilma Rousseff.[2] Durante o governo de Michel Temer, atuou como vice-líder da oposição na Câmara dos Deputados.

Foi reeleito deputado federal em 2018, com 62 mil votos.[3]

Presidência do PT no Paraná[editar | editar código-fonte]

Em novembro de 2009 foi eleito presidente do PT Paraná, com 75% dos votos. Foi reeleito em novembro de 2013, com mais de 75% dos votos.

Falando na qualidade de presidente do PT do Paraná, Enio Verri disse em entrevista a uma rádio que o Pastor Paschoal Piragine Jr. mentiu sobre o motivo da expulsão de dois deputados do PT que foram punidos por militarem contra a descriminalização do aborto ameaçando inclusive processá-lo por sua declaração, o que é negado pelo próprio site do PT[4] o motivo da punição aprovado por unanimidade pelo diretório nacional foi justamente esse.

Deixou a presidência do partido em maio de 2017, com a eleição do ex-deputado Dr. Rosinha para presidir o PT no estado.

Referências

  1. a b Excelencias.org (n.d.). «Enio Verri». Consultado em 16 de Maio de 2012 [ligação inativa]
  2. «Deputados autorizam impeachment de Dilma, saiba quem votou a favor e contra». EBC. 17 de abril de 2016. Consultado em 5 de maio de 2016 
  3. «Maringá elege quatro deputados estaduais e quatro federais. Sargento Fahur é o mais votado do Paraná». Maringá Post. 7 de outubro de 2018. Consultado em 9 de outubro de 2018 
  4. PT.org (17 de Setembro de 2009). «Diretório Nacional suspende direitos partidários de Luiz Bassuma e Henrique Afonso». Consultado em 16 de Maio de 2012. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2010 


Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.