Jaime Lerner

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre o político e arquiteto Jaime Lerner. Para o cineasta homônimo, veja Jaime Abram Lerner.
Jaime Lerner
Jaime Lerner
52.º Governador do Paraná
Período 1º de janeiro de 1995
a 1º de janeiro de 2003
Antecessor(a) Mário Pereira
Sucessor(a) Roberto Requião
76.º Prefeito de Curitiba
Período 1º de janeiro de 1989
a 1º de janeiro de 1993
Antecessor(a) Roberto Requião
Sucessor(a) Rafael Greca
73.º Prefeito de Curitiba
Período 15 de março de 1979
a 15 de março de 1983
Antecessor(a) Saul Raiz
Sucessor(a) Maurício Fruet
70.º Prefeito de Curitiba
Período 1971 a 1974
Antecessor(a) Edgar Dantas Pimentel
Sucessor(a) Donato Gulin
Dados pessoais
Nascimento 17 de dezembro de 1937
Curitiba, PR
Morte 27 de maio de 2021 (83 anos)
Curitiba, PR
Partido ARENA (1971-1979)
PDS (1980-1985)
PDT (1985-1997)
PFL (1997-2003)
PSB (2003-2008)
DEM (2008-2021)
Religião Judaísmo
Profissão urbanista
arquiteto

Jaime Lerner (Curitiba, 17 de dezembro de 1937Curitiba, 27 de maio de 2021) foi um político, arquiteto e urbanista brasileiro, filiado ao Democratas (DEM). Foi prefeito de Curitiba por três vezes (1971–75, 1979–84 e 1989–93) e governador do Paraná por duas vezes (1995–1998 e 1999–2002).

Foi eleito presidente da União Internacional de Arquitetos (UIA) em julho de 2002. Após deixar a vida política, Lerner se dedicou aos projetos de urbanismo, sendo também consultor das Nações Unidas para assuntos de urbanismo.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascido numa família de imigrantes judeus poloneses originária de Łódź, Jaime Lerner estudou em escolas públicas até o secundário. Obteve sua graduação em Engenharia Civil em 1961 e em Arquitetura em 1964, ambas da Universidade Federal do Paraná. Em 1965, Lerner participou da criação do Instituto de Planejamento Urbano de Curitiba (IPPUC), responsável pelo Plano Diretor da cidade.[1]

Casou-se em 1964 com Fani Lerner (1932 – 21/05/2009), com quem teve as filhas Andrea e Ilana.[2]

Pelo edifício-sede da Polícia Federal em Brasília, foi premiado no Concurso Nacional de Projetos em 1967. Em 2007, recebeu da XI Bienal Internacional de Arquitetura de Buenos Aires prêmio conjunto pela urbanização Pedra Branca.[1] Recebeu doutorados honorários da Universidade Técnica de Nova Scotia e da Universidade de Tecnologia de Cracóvia, além de ser membro honorário do Royal Institute of British Architects, do American Institute of Architects e do Royal Institute of Architects of Canada.[3]

Política, partidos e afastamento da vida pública[editar | editar código-fonte]

Filiou-se à Aliança Renovadora Nacional (ARENA) em 1971, quando foi nomeado prefeito biônico da capital paranaense. Ainda seria prefeito de Curitiba por outras vezes entre as décadas de 1970 e 1990, além da Arena, foi pelo PDS e PDT. Depois, foi governador do Paraná por dois mandatos consecutivos, de 1995 a 2002 — elegeu-se primeiro pelo PDT e, em seguida, pelo então PFL (atual DEM). Em 1997, Lerner, deixou o PDT após divergências com o principal líder do partido na época, Leonel Brizola. Em seguida, filiou-se ao então PFL.[4]

Lerner ficou afastado da política nos últimos anos de vida. Mas questionado pelo jornal Folha de São Paulo, em 2019, sobre o momento político recente do país, Lerner disse queː

"em termos políticos o que deveria existir é a boa convivência entre aqueles que não concordam, isso está difícil"

e

"o que eu gostaria de ver é uma visão mais humana, mais próxima, não antagônica, espero que isso aconteça. Todas as cidades que têm apresentado crise nessa pandemia precisam ser repensadas com mais solidariedade".[4]

Desde que deixou a política, atuava no desenvolvimento de projetos de arquitetura e urbanismo para os setores público e privado de diversas cidades no Brasil e no exterior, como Rio de Janeiro, São Paulo, Brasília, Porto Alegre, Florianópolis, Recife, Havana (Cuba), Caracas (Venezuela), Xangai (China), Luanda (Angola), David (Panamá), Mazatlán (México) e Santiago de los Caballeros (República Dominicana).[4]

Morte[editar | editar código-fonte]

Em março de 2021, Lerner teve Covid-19, mas na ocasião apresentou somente sintomas leves da doença.[4] Lerner faleceu na madrugada do dia 27 de maio de 2021 no Hospital Universitário Evangélico Mackenzie, em Curitiba. Estava internado desde o dia 21 de maio após apresentar um quadro de febre. Lerner vinha fazendo hemodiálise. A causa da morte, segundo o Hospital, foi em decorrência de complicações de doença renal crônica.[5]

O Governo do Estado do Paraná decretou luto oficial de três dias. O governador Ratinho Júnior (PSD), escreveu: "O Paraná perde um grande cidadão, que ajudou a transformar Curitiba e o Estado".[6] O velório do político foi realizado na capela do Cemitério Israelita do Água Verde, o sepultamento no Cemitério Israelita do Santa Cândida.[7]

Prefeitura de Curitiba[editar | editar código-fonte]

Primeiro mandato[editar | editar código-fonte]

Em seu primeiro mandato a frente da prefeitura de Curitiba, efetuou uma obra controversa, para a época, e que tornou-se, com o passar do tempo, um dos principais cartões postais de Curitiba.

O calçamento da Rua XV de Novembro e devolvendo à via de alcunha republicana o nome imperial do qual muitos tinham se esquecido – Rua das Flores. A rua foi aberta com exclusividade aos pedestres em 20 de maio de 1972.[8] Outra importante obra de seu primeiro mandato a frente da capital paranaense, foi a abertura de vias exclusivas para os ônibus urbanos (chamados "expressos"), ocorrido em setembro de 1974,[9] a atual Rede Integrada de Transporte.

Segundo mandato[editar | editar código-fonte]

Nomeado novamente, retornou ao cargo em 1979.

Terceiro mandato[editar | editar código-fonte]

Em 1988, foi eleito por sufrágio popular para o mandato à frente da prefeitura curitibana pelo PDT. Em 1994, foi eleito governador do Paraná e em 1997, troca o PDT pelo PFL e é reeleito governador em 1998.

Governador do Paraná[editar | editar código-fonte]

Jaime Lerner e Nitzan Horovitz.

Eleito governador do Estado do Paraná em 1994 e reeleito em 1998, Lerner promoveu a maior transformação econômica e social da história do Estado. Apoiado em uma política de atração de investimentos produtivos, o Paraná se consolidou como um novo polo industrial do País, contabilizando investimentos de 20 bilhões dólares entre o período de 1995 a 2001. A exemplo da experiência bem sucedida de Curitiba, o governador Jaime Lerner preocupou-se em resolver problemas de transporte, uso do solo, educação, saúde, saneamento, lazer e industrialização como um todo.

Essa preocupação, intensa principalmente na área social, de educação e de atenção à criança, renderam ao Governo do Paraná o prêmio Criança e Paz da Unicef, para os programas "Da Rua para a Escola", "Protegendo a Vida" e "Universidade do Professor".[10]

Críticas[editar | editar código-fonte]

Ações do então governador questionadas pela população do estado foram a tentativa de privatização da COPEL e a privatização das estradas do estado sem a inclusão de cláusulas de controle das tarifas cobradas pelas concessionárias, dando origem as praças de pedágios no Paraná.[11][12] Lerner enfrentou também diversas crises, conflitos com integrantes do MST[13][14] e greve dos professores da rede pública estadual e servidores da Educação.[15]

Condenações[editar | editar código-fonte]

Dispensa ilegal de licitação[editar | editar código-fonte]

Em 2011, uma decisão do STJ condenou Jaime Lerner a três anos e seis meses de prisão, mais uma multa, pelo crime de dispensa ilegal de licitação na construção de estradas em seu Estado. Mesmo tendo sido condenado, Jaime Lerner não precisou cumprir a pena devido a prescrição do Crime e por ter mais de 70 anos na época.[16]

Improbidade administrativa[editar | editar código-fonte]

Em agosto de 2013, Jaime Lerner foi condenado no Tribunal de Justiça do Paraná por improbidade administrativa devido ao pagamento indevido de quarenta milhões de reais em uma indenização por áreas desapropriadas em Cascavel. Os dois beneficiários da indenização também foram condenados. Ainda cabe recurso à decisão.[17]

Referências

  1. a b «Jaime Lerner, ex-governador do PR e autor do projeto da orla do Guaíba, morre aos 84 anos». GZH. 27 de maio de 2021. Consultado em 27 de maio de 2021 
  2. «Morre Fani Lerner, ex-primeira-dama do Paraná». www.gazetadopovo.com.br. Gazeta do Povo. 21 de maio de 2009. Consultado em 12 de janeiro de 2019 
  3. «Morre aos 83 anos Jaime Lerner, arquiteto e ex-governador do Paraná». Correio do Povo. 27 de maio de 2021. Consultado em 27 de maio de 2021 
  4. a b c d «Morre aos 83 anos Jaime Lerner, urbanista de destaque e duas vezes governador do Paraná. Também ex-prefeito de Curitiba, ele estava internado desde a última sexta por complicações renais». jornal Folha de São Paulo. 27 de maio de 2021. Consultado em 27 de maio de 2021 
  5. «Jaime Lerner, ex-governador do Paraná, morre aos 83 anos». G1. 27 de maio de 2021. Consultado em 27 de maio de 2021 
  6. «Morre Jaime Lerner, ex-governador do Paraná, aos 83 anos». UOL. 27 de maio de 2021. Consultado em 27 de maio de 2021 
  7. «Morre o arquiteto e urbanista Jaime Lerner, 'pai' dos BRTs e ex-governador do Paraná. Ele ocupou por três vezes o cargo de prefeito de Curitiba, onde realizou projetos que ganharam destaque mundial e são replicados em várias cidades». jornal O Globo. 27 de maio de 2021. Consultado em 27 de maio de 2021 
  8. Fernandes, José Carlos (6 de janeiro de 2012). «Sobre as "Flores"». Gazeta do Povo. Consultado em 8 de dezembro de 2012. Cópia arquivada em 7 de abril de 2014 
  9. Ônibus Expresso complet 37 anos nesta quinta feira Portal Paraná-Online - acessado em 8 de janeiro de 2012
  10. «Jaime Lerner». www.casacivil.pr.gov.br. Casa Civil. Consultado em 12 de janeiro de 2019. Cópia arquivada em 22 de janeiro de 2019 
  11. Thais Kaniak (1 de outubro de 2013). «Jaime Lerner diz que pedágios eram 'única alternativa viável' para o Paraná». G1. Consultado em 27 de maio de 2021 
  12. Angieli Maros (4 de outubro de 2018). «Polêmica com o pedágio a dias da eleição não é novidade; relembre o caso Lerner». Gazeta do Povo. Consultado em 27 de maio de 2021 
  13. Fernando Mendonça (9 de setembro de 1997). «MST invade mais 6 fazendas no Paraná». Folha de S.Paulo. Consultado em 27 de maio de 2021 
  14. «Corte Interamericana julgará assassinato de camponês ligado ao MST no Paraná». Brasil de Fato. 22 de fevereiro de 2021. Consultado em 27 de maio de 2021 
  15. «Professores em greve fazem ato e invadem sede do governo do Paraná». Folha de S.Paulo. 24 de abril de 2002. Consultado em 27 de maio de 2021 
  16. «Ex-governador Jaime Lerner é condenado a três anos e meio de prisão». oglobo.globo.com. O Globo. 12 de agosto de 2011. Consultado em 12 de janeiro de 2019 
  17. «Jaime Lerner é condenado pelo TJ-PR por improbidade administrativa». 15 de agosto de 2013. Consultado em 15 de agosto de 2013 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Edgard Felipe Dantas Pimentel
Prefeito de Curitiba
1971 — 1974
Sucedido por
Donato Gulin
Precedido por
Saul Raiz
Prefeito de Curitiba
1979 — 1983
Sucedido por
Maurício Fruet
Precedido por
Roberto Requião
Prefeito de Curitiba
1989 — 1993
Sucedido por
Rafael Greca
Precedido por
Mário Pereira
Governador do Paraná
1995 — 2003
Sucedido por
Roberto Requião