Democratas (Brasil)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de DEM)
Disambig grey.svg Nota: "DEM" redireciona para este artigo. Para o dicionário enciclopédico, veja Dicionário Enciclopédico da Madeira. Para a freguesia portuguesa, veja Dem.
Democratas
Logo Democratas (DEM).png
Número eleitoral 25
Presidente ACM Neto
Fundação 24 de janeiro de 1985 (36 anos) (como PFL)[1]
Registro 11 de setembro de 1986 (34 anos) (como PFL)[2]
Sede Brasília, DF
Ideologia
Espectro político Centro-direita
Ala jovem Juventude Democratas (JDEM)
Membros (2021) 1 021 773 filiados[3]
Afiliação internacional
Governadores (2021)
2 / 27
Prefeitos (2020)
460 / 5 568
Senadores (2021)
6 / 81
Deputados federais (2021)
28 / 513
Deputados estaduais (2018)
52 / 1 024
Vereadores (2020)
4 341 / 56 810
Cores      Azul

     Verde

Página oficial
www.dem.org.br
Política do Brasil

Partidos políticos

Eleições

O Democratas (DEM) é um partido político brasileiro de Centro-direita a Direita[4][5][6][7] cuja Filosofia política é o conservadorismo-liberal.[8] Foi fundado em 1985 como Partido da Frente Liberal (PFL), fruto de dissidência do Partido Democrático Social (PDS) por causa das articulações que ao fim elegeram Tancredo Neves à presidência da República após vinte e um anos do Golpe Militar de 1964. Embora a ata do congresso de 2007 do PFL tenha exatamente proposto (e sido aprovada) nova denominação para o partido,[9] de forma minoritária há a ideia de o Democratas ser apenas sucessor do PFL. Assim, a denominação Democratas data de 28 de março de 2007, seu código eleitoral é o 25,[10] seus membros são chamados de demistas[11] e suas cores oficiais são o azul, o verde e o branco. O Democratas é a primeira agremiação brasileira desde o fim do bipartidarismo em 1979 sem "Partido" no nome,[12] e também cuja sigla não é um acrônimo. É membro da Internacional Democr ata Centrista, composta por diversos partidos de centro-direita, e também da União Internacional Democrata, composta por partidos de direita. Com 1.021.773 filiados em março de 2021, é o sétimo maior do país.[13]

O partido compôs a oposição ao governo Lula e ao governo Dilma e fez parte da base aliada do governo Temer.[14] Possui a quinta maior bancada na Câmara Federal,[15] e a quinta no Senado Federal,[16] além de governar 267 prefeituras.[17] Possui raízes na política nordestina de onde provém a maior parte de sua bancada.[18] Porém, houve uma redução dessa presença na região, com a migração do clã Sarney para o PMDB e a morte de Antônio Carlos Magalhães em 2007. Ainda assim, metade dos senadores do partido é oriunda do Nordeste, dentre os quais o ex-vice-presidente da República Marco Maciel; na Câmara dos Deputados um terço da bancada representa os estados nordestinos. Na região sudeste, o partido detém dezoito representantes, sendo todos estes deputados federais.[19] No estado de São Paulo, o maior colégio eleitoral do país, o partido possui cinco deputados federais, e seis deputados estaduais. Já no Rio de Janeiro, sob Cesar Maia, que não pôde aspirar a uma nova reeleição por estar em segundo mandato consecutivo em 2008, lançou a ex-deputada federal Solange Amaral como candidata do partido, mas não logrou êxito. Eduardo Paes, do PMDB foi o eleito. Rodrigo Maia, filho de Cesar Maia e primo do senador José Agripino Maia, foi o primeiro presidente nacional do DEM, eleito em 28 de março de 2007.[20]

Nas eleições de 2006 e 2008, houve redução da bancada do partido na Câmara dos Deputados e do número de prefeituras administradas pelo partido. O DEM governou de março de 2006 a 2011 a maior cidade do país, São Paulo, com Gilberto Kassab, até a criação do PSD.[21] Em 2012, o partido elegeu João Alves Filho prefeito em Aracaju e Antônio Carlos Magalhães Neto em Salvador, suas duas únicas capitais.[22] Isso não impediu que o partido elegesse 278 prefeitos, número inferior ao registrado em 2008, em que pese o declínio da oposição, incluindo PT e PPS e a formação do terceiro PSD. Curiosamente, o PSD de Kassab, prefeito paulistano, que elegeu 497 prefeitos em 2012, venceu em 33 cidades em São Paulo. Atrás do DEM, que elegeu 45 prefeitos neste estado. O DEM teve como pré-candidato à presidência do Brasil em 2018 o presidente da Câmara dos Deputados do Brasil, Rodrigo Maia,[23] até o dia 25 de julho, quando o mesmo anunciou a retirada de sua pré-candidatura para posteriormente apoiar a candidatura de Geraldo Alckmin à presidência.[24] Em 2019 a legenda ganha bastante espaço no cenário político brasileiro ao reeleger Rodrigo Maia como presidente da Câmara dos Deputados e eleger Davi Alcolumbre, como presidente do Senado Federal, além de ter três ministérios do governo Jair Bolsonaro.[25]

Em 2020 nas eleições municipais desse ano o partido elege 4 prefeitos nas capitais entre eles : Eduardo Paes no Rio de Janeiro, Bruno Reis em Salvador e os reeleitos Rafael Greca em Curitiba e Gean Loureiro em Florianópolis

História[editar | editar código-fonte]

Primeiro Logotipo do PFL

Fundação[editar | editar código-fonte]

Temeroso quanto às chances de vitória do PDS em 15 de novembro de 1982, o presidente João Figueiredo instituiu o voto vinculado, a sublegenda e proibiu as coligações partidárias[26] a fim de impedir que dissidências na agremiação governista favorecessem os partidos de oposição nas disputas para os governos estaduais, Congresso Nacional e para as prefeituras.[27] Mesmo sob a aparente unidade situacionista o meio político especulava quanto a criação de um novo partido "de centro ou liberal"[28] visando ampliar o número de aliados do Palácio do Planalto[29][30] cumprindo um papel que caberia ao extinto PP. Malogrado esse intento, o governo buscou a adesão do PTB no primeiro semestre de 1983, mas o acordo não chegou a viger.[31]

Logotipo do Partido da Frente Liberal

No último ano do governo João Figueiredo as lideranças do PDS achavam-se envoltas na questão sucessória em nisso postulantes à vaga presidencial surgiam tanto do meio militar quanto civil, resultado da ausência de consenso quanto ao tema. Em meio a essas discussões as opções governistas foram delineadas em torno de quatro nomes: Aureliano Chaves, Marco Maciel, Paulo Maluf e Mário Andreazza, cada qual dispondo de uma credencial política. Para Aureliano Chaves sua condição de vice-presidente da República o fazia um candidato bem posicionado sobretudo por vir de um estado com o peso político-econômico de Minas Gerais; Marco Maciel trazia consigo o PDS nordestino; Paulo Maluf dispunha de base política em São Paulo enquanto o gaúcho Mário Andreazza contava com o apoio de seus colegas de ministério (onde ocupava a pasta do Interior) e era militar da reserva na patente de coronel do Exército Brasileiro.

Aureliano Chaves, membro histórico do PFL e candidato à Presidência da República pela sigla em 1989

Por outro lado as forças oposicionistas se movimentavam no sentido de restabelecer a eleição direta para presidente da República a partir de fatos como o comício em Abreu e Lima dia 31 de março de 1983, tanto que em 26 de novembro os governadores do PMDB e do PDT divulgaram um manifesto em São Paulo exigindo eleições diretas. No dia seguinte um comício organizado pelo PT reuniu dez mil pessoas no Vale do Anhangabaú numa data marcada também pela morte de Teotônio Vilela.[32] Assim as Diretas Já resultaram num movimento suprapartidário e mobilizaram o país nos primeiros meses de 1984 e nesse ínterim o deputado Dante de Oliveira apresentou uma emenda prevendo eleição presidencial direta. Em fevereiro de 1984 surgiu no PDS um grupo pró-eleições diretas como forma de evitar que essa bandeira fosse vista como exclusivamente da oposição, contudo tais manifestações não demoveram os presidenciáveis do PDS: em janeiro Maluf e Andreazza anunciaram suas candidaturas e no mês seguinte Aureliano (com o beneplácito de Ernesto Geisel) fez o mesmo. Rejeitada a emenda Dante de Oliveira em 25 de abril de 1984 graças à abstenção de 112 parlamentares, a oposição retornou a São Paulo e em 19 de junho anunciou apoio ao nome de Tancredo Neves.[33]

Àquela altura a disputa pela candidatura presidencial no seio do PDS estava restrita a Paulo Maluf e Mário Andreazza enquanto Aureliano Chaves e Marco Maciel formalizaram o rompimento com o partido governista ao lançarem o manifesto da Frente Liberal em Brasília à 5 de julho de 1984.[34] No mês seguinte a chapa Paulo Maluf e Flávio Marcílio derrotou a de Mário Andreazza e Divaldo Suruagy e conquistou o direito de concorrer à Presidência da República enquanto o PMDB escolheu Tancredo Neves e José Sarney representou a Frente Liberal como seu companheiro de chapa.[35][36] Decorridos cinco meses de campanha Tancredo Neves foi eleito presidente da República pelo Colégio Eleitoral em 15 de janeiro de 1985.

Diagrama da origem histórica do partido
Aliança Renovadora Nacional
(ARENA) 1966–1979
Partido Democrático Social
(PDS) 1980–1993
Partido Democrata Cristão
(PDC) 1985–1993
Partido Social Trabalhista
(PST) 1988–1993
Partido Trabalhista Renovador
(PTR) 1985–1993
Partido Progressista Reformador
(PPR) 1993–1995
Partido Progressista
(PP) 1993–1995
Frente Liberal
(FL)

Partido da Frente Liberal
(PFL) 1985–2007

Democratas
(DEM) 2007–presente
Partido Progressista Brasileiro
(PPB) 1995–2003

Partido Progressista
(PP) 2003–2017

Progressistas
(PP) 2017–presente
Fonte: [37][38]

Fundado em 24 de janeiro de 1985,[39] o Partido da Frente Liberal uniu-se ao PMDB para sustentar o governo Tancredo Neves através da Aliança Democrática cujo programa previa a convocação de uma Assembleia Constituinte e eleições diretas para escolher o sucessor do novo presidente. Reunir sob seu comando as maiores forças políticas do país foi uma forma de Tancredo assegurar estabilidade ao seu governo tal como a repartição de poder entre o PSD e o PTB nos anos situados entre o fim do Estado Novo e o início do Regime Militar de 1964. Segundo levantamento feito pela imprensa em fins de 1984, a bancada do PFL ocupava mais de dez por cento das vagas em ambas as casas do Congresso Nacional no dia do lançamento de seu manifesto em 19 de dezembro de 1984.[nota 1] e recebeu, a posteriori, a filiação da maioria dos governadores nordestinos.[40] Na montagem do governo Tancredo Neves o partido foi contemplado com cargos de relevo, com destaque para Aureliano Chaves no Ministério das Minas e Energia e Marco Maciel no Ministério da Educação. Com a morte de Tancredo em 21 de abril de 1985 o PFL passou a sustentar o Governo Sarney. Nas eleições de 1985 os pefelistas elegeram 25 prefeitos embora não tenha triunfado em nenhuma capital de estado. Em janeiro de 1986 o partido recebeu a filiação de Antônio Carlos Magalhães.[41]

Antônio Carlos Magalhães (PFL-BA), Fernando Henrique Cardoso (PSDB-SP), Marco Maciel (PFL-PE) e Elcio Álvares (PFL-ES)

Nas eleições de 1986 o PMDB capitaneou para si os efeitos positivos do Plano Cruzado e assim conquistou 22 dos governos estaduais em disputa, cabendo ao PFL apenas o governo de Sergipe com Antônio Carlos Valadares. Em relação ao Congresso Nacional o PFL fez sete senadores e cento e dezoito deputados federais. Dois anos depois recuperou suas raízes nordestinas ao eleger prefeitos em Recife, João Pessoa e Maceió. No Norte, obteve o controle de Boa Vista. No total foram conquistadas 1058 prefeituras pelo Brasil, número inferior apenas ao do PMDB.

Eleição de 1989 e governos Collor e Itamar[editar | editar código-fonte]

Em 21 de maio de 1989 o PFL, mesmo sem deixar o Governo Sarney, realizou uma prévia a fim de escolher seu candidato a presidente da República[42] numa disputa entre Aureliano Chaves, Marco Maciel e Sandra Cavalcanti cujo resultado apontou a vitória de Aureliano Chaves. Homologado em convenção nacional, teve o paulista Cláudio Lembo na vaga de vice-presidente, chapa que não mobilizou as bases partidárias (sobretudo as nordestinas). Tais bases logo se decidiram por apoiar Fernando Collor (ex-governador de Alagoas) já em primeiro turno. Em meio a essa adesão maciça um lance malogrado poderia ter mudado os rumos do pleito: numa articulação atribuída aos senadores Hugo Napoleão, Edison Lobão e Marcondes Gadelha, Aureliano concordou em desistir da disputa em favor de Silvio Santos que buscou o minúsculo Partido Municipalista Brasileiro e registrou sua candidatura em lugar de Armando Corrêa, mas o vazamento da "operação renúncia" (fato creditado a Antônio Carlos Magalhães) fez refluir a manobra. No fim a candidatura de Santos foi impugnada pelo Tribunal Superior Eleitoral por irregularidades no registro do PMB e Aureliano Chaves disputou a eleição ficando em nono lugar com apenas 600.730 votos. No segundo turno o PFL apoiou Collor em oposição a Luiz Inácio Lula da Silva.[43]

Ao assumir o governo em 15 de março de 1990, Fernando Collor reservou posições excelsas para os pefelistas ao nomear o senador gaúcho Carlos Chiarelli ministro da Educação e o deputado federal paranaense Alceni Guerra ministro da Saúde,[44][45] sendo que as privatizações realizadas pelo governo iam ao encontro dos ideários do partido. Nas eleições de 1990 o PFL venceu em nove estados, seis dos quais no Nordeste, inclusive Maranhão, Pernambuco e Bahia, sustentáculos de seu fulgor, além de oito senadores e oitenta e três deputados federais. Dessa forma o PFL aumentou sua participação no governo, todavia o partido se afastou do Planalto à medida que recrudesciam as acusações que resultaram no impeachment presidencial ao longo de 1992 segundo apurou a CPI do PC, presidida por Benito Gama. Com Itamar Franco o partido foi chamado a compor o ministério. Nas eleições daquele ano 965 prefeitos foram eleitos pela legenda, inclusive o de Belém. Entre 1993/1995 o deputado Inocêncio Oliveira foi o primeiro pefelista a ocupar a presidência da Câmara dos Deputados. Paralelo a isso o também pernambucano Roberto Magalhães foi o relator-geral da CPI do Orçamento.

Sen. Antônio Carlos Magalhães (PFL-BA) e Presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB-SP)

Começo governista[editar | editar código-fonte]

À medida que se aproximavam as eleições presidenciais de 1994 os políticos passaram a discutir as alianças vindouras, em particular buscando alternativas para contrapor o favoritismo de Luiz Inácio Lula da Silva até então líder nas pesquisas de opinião. Somente após o lançamento do Real é que os apoiadores do governo Itamar Franco se aglutinaram em torno da candidatura de Fernando Henrique Cardoso, outrora ministro da Fazenda e responsável pelo novo plano econômico. Conforme a inflação recuava (foi de quase 2.800% em 1993 e caiu pela metade no ano seguinte) a candidatura da coligação "União, Trabalho e Progresso" ultrapassou os índices do candidato petista e logo o PSDB ofereceu ao PFL a vice-presidência[46] cabendo ao senador Guilherme Palmeira a referida indicação, todavia denúncias de corrupção acabaram por ensejar sua renúncia e em seu lugar foi escolhido Marco Maciel.[47]

Vice-Presidente Marco Maciel (PFL-PE),

Vitoriosa em primeiro turno a aliança deu ao PFL condições de eleger onze senadores e oitenta e nove deputados federais. Findo o pleito os três núcleos pefelistas estavam contemplados: os pernambucanos foram alçados à vice-presidência, o PFL elegeu a deputada federal, Roseana Sarney para o governo do Maranhão, mantendo o controle da família Sarney no estado, e na Bahia, o PFL elegeu Paulo Souto para o governo de Bahia, na vitória de Antônio Carlos Magalhães para o Senado e a escolha de Luís Eduardo para presidir a Câmara dos Deputados entre 1995/1997. Em 1996, dentre as 934 prefeituras conquistadas pelo partido se sobressaem as de Macapá, Recife, Salvador (vitória inédita para os aliados de ACM) e Rio de Janeiro, neste último caso mudando o eixo político do PFL do Nordeste para o Centro-Sul do país.

Peça vital para a aprovação da reeleição em 1997, o PFL manteve os Magalhães no centro das decisões partidárias, primeiro com a eleição de Antônio Carlos para a Presidência do Senado por dois períodos entre 1997/2001 e depois com a escolha de Luís Eduardo como líder do governo na Câmara dos Deputados, entretanto com a morte deste último devido a um ataque cardíaco em 21 de abril de 1998 na condição de pré-candidato ao governo da Bahia e aspirante à sucessão presidencial em 2002, desmontou as perspectivas de poder da agremiação, nada que impedisse a eleição de seis governadores, cinco senadores e a maior bancada da Câmara com cento e cinco deputados. Ademais a chapa FHC-Maciel venceu já no primeiro turno da eleição presidencial impondo a terceira derrota consecutiva a Lula. Ainda vigoroso o PFL elegeu 1.028 prefeitos no ano 2000 mantendo o controle de Salvador e ainda triunfando em Palmas e Curitiba. Todavia tal pujança começaria a ruir a partir de 2001 no rastro de uma troca de acusações entre Jader Barbalho e Antônio Carlos Magalhães com reflexos para o governo.[carece de fontes?]

Período como oposição[editar | editar código-fonte]

O embate entre o senador baiano e seu colega paraense tem início a partir de uma discussão onde o representante do PMDB respondeu às críticas de Antônio Carlos Magalhães ao reprovar o valor de R$ 151,00 para o salário mínimo conforme defendia o governo. Jáder Barbalho questiona então como ACM pode defender um ponto de vista enquanto seu afilhado político Waldeck Ornelas, Ministro da Previdência Social, seguia o discurso oficial. Acusado de incoerente, Magalhães passa a investir contra Barbalho acusando-o de corrupção e o tom das ofensas sobe. Em 14 de fevereiro de 2001 Jáder é eleito Presidente do Senado Federal à revelia de seu adversário que cinco dias depois revela a procuradores da República saber como os senadores votaram na sessão que cassou Luís Estevão e a partir de então surge uma torrente de fatos que levam Antônio Carlos Magalhães à renúncia em 30 de maio. Tratada pelo seu partido como uma "posição isolada", a queda do político baiano não impediu que o PFL (baiano) conservasse as pastas da Previdência Social, com o próprio Waldeck Ornelas, e das Minas e Energia, dirigida por Rodolfo Tourinho.[carece de fontes?]

Senador Jorge Bornhausen (PFL-SC), presidente do partido

Aparentemente recomposta, a aliança PSDB/PFL teve fim quando uma operação da Polícia Federal em São Luís, com o fito de investigar fraudes na Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia, invadiu o escritório da Lunus Companhia e Serviços em 1º de março de 2002 e lá encontrou quase um milhão e meio de reais em espécie. O episódio causou furor nos meios políticos porque a empresa pertencia a Jorge Murad, marido da governadora, Roseana Sarney pré-candidata a Presidência da República pelo PFL. Em 6 de março a legenda rompe com o governo Fernando Henrique e passa à oposição pela primeira vez na história. Dias depois Murad admite que o dinheiro tinha como destino a pré-campanha da esposa e esta, atendendo aos prazos da legislação eleitoral, renuncia ao governo do estado e em 15 de abril desiste de concorrer à Presidência. Inocentada das acusações de desvio de dinheiro público pela Justiça Federal do Tocantins em 9 de agosto, Roseana Sarney é eleita para o Senado.[carece de fontes?]

Nas eleições de outubro o partido se abstém da disputa presidencial mas consegue eleger quatro governadores (Maranhão, Bahia, Tocantins e Sergipe), quatorze senadores e oitenta e quatro deputados federais. Com a vitória de Lula nas eleições presidenciais de 2002 e 2006 o partido passa a fazer uma oposição dura ao novo governo e em termos eleitorais conquista 789 prefeituras em 2004 (mantendo o controle da metrópole carioca), mas nas eleições de 2006 elege apenas um governador, o do Distrito Federal. Entretanto, com a renúncia de Geraldo Alckmin do governo de São Paulo e de José Serra da prefeitura paulistana, o PFL assume o controle das duas maiores cidades do país, além do Estado mais rico da nação, até a eleição de Serra para governador. O mesmo aconteceu em Pernambuco, onde Jarbas Vasconcelos, governador desde 1999, deixou o cargo para se eleger senador, legando a cadeira a Mendonça Filho.[carece de fontes?]

Convenção de 2007 e anos seguintes[editar | editar código-fonte]

Para recuperar seu espaço político e se estabelecer como alternativa viável no espectro eleitoral, os líderes pefelistas decidiram pela renomeação do partido para Democratas em convenção datada de 28 de março de 2007, cabendo a direção da legenda ao deputado federal Rodrigo Maia como forma de sinalizar a ascensão de uma nova miríade de líderes partidários ao centro das decisões. Alguns pesquisadores, no entanto, descrevem esta mudança de nome como a extinção do PFL e a criação de outro partido.[48][48]

Convenção de refundação, em 2007. Dep. Rodrigo Maia (DEM-RJ), Sen. Jorge Bornhausen (DEM-SC), Marco Maciel (DEM-PE)
Logotipo do partido entre 2007 e 2018.

A chamada "fundação", "refundação" ou mudança de nome do DEM ocorreu em 28 de março de 2007, tendo ocorrido para que a legenda pudesse recuperar sua imagem após péssimos resultados nas eleições de 2006, em que perdeu dezenove cadeiras na Câmara dos Deputados e uma cadeira no Senado, além de conquistar apenas o governo do Distrito Federal. O primeiro nome escolhido foi "Partido Democrata" (PD). Entretanto, decidiram modificar sua sigla para DEM e seu nome para "Democratas". A eleição do deputado fluminense Rodrigo Maia (PFL-RJ) como presidente do partido indica uma mudança de núcleo do nordeste para o Rio de Janeiro e São Paulo.[49]

Segundo a própria ata do Congresso do PFL, houve uma renomeação do partido em 2007.[9] O Tribunal Superior Eleitoral considera ambos os partidos como um só.[50] Diversos julgados da justiça eleitoral, em ações de perda de mandato de parlamentares por infidelidade partidária levaram a julgados onde a Justiça Eleitoral expressou que para todos os fins, tratava-se do mesmo partido.[51][52][53][54] Também há pesquisadores e veículos de mídia que consideram o PFL e o DEM como sendo o mesmo partido.[12][55][56]

Por outro lado, também há pesquisadores que tratam o DEM como sendo apenas um partido sucessor do PFL,[48][57][nota 2] inclusive o site da Fundação Getúlio Vargas apresentando esta posição.[58] O partido foi uma dissidência do antigo Partido Democrático Social (PDS), sucessor da Aliança Renovadora Nacional. O DEM é considerado, portanto, como o herdeiro ideológico da antiga União Democrática Nacional (UDN).

A tentativa de uma nova imagem para o antigo PFL não chegou a ser uma aspiração isolada. Na verdade, quando da organização da ainda Frente Liberal, um dos nomes cogitados para a nova agremiação foi o de "Partido Liberal Progressista" (PLP). Contudo, tal ação não vingou. Segundo a Fundação Getúlio Vargas, durante o governo Collor, uma informação atribuída ao ministro da Justiça Jarbas Passarinho (e por ele negada com veemência) dava conta de que o PDS e PFL teriam a intenção de se reagrupar no "Partido Social Liberal" (PSL). Aliás, o termo "social" surgiu como alternativa para uma mudança de nome do partido algum tempo depois, entretanto havia quem apregoasse somente a alteração na expressão "Frente" de modo a preservar a sigla PFL. Durante a transição para a nova sigla, foi revelado por Jorge Bornhausen que "PFL" era uma denominação provisória apesar de decorridos vinte e dois anos desde a fundação do partido e a expressão "Democratas" serve como um contraponto ao que ele qualificou de "onda populista" na América do Sul.[59]

Como uma das maiores conquistas até o momento, o partido conseguiu a derrubada da CPMF, tendo sua bancada fechado questão no Senado Federal contra a contribuição, defendendo a filosofia liberal de redução da carga tributária.[60] Contudo, em novembro de 2009, o partido se defrontou com o escândalo Mensalão do GDF (ou Mensalão do DEM de Brasília),[61] envolvendo o governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda. No entanto, como o partido deliberou pela expulsão de Arruda e este foi desfiliado do partido no dia 10 de dezembro de 2009.[62]

Cisão de 2011 e declínio[editar | editar código-fonte]

Nas Eleições Municipais de 2004 em São Paulo, o ora PFL indicou o então deputado federal Gilberto Kassab (PFL-SP) para o posto de vice-prefeito na chapa liderada por José Serra (PSDB-SP). Inicialmente, Kassab foi valoroso ao partido, pois diante da renúncia de Serra para concorrer ao governo do estado em 2006, o PFL passa a controlar a Prefeitura de São Paulo.

Prefeito Gilberto Kassab (DEM-SP) exibindo o número 25 do partido

Na Eleição Municipal de 2008, o Democratas lança Kassab como candidato à Prefeitura em uma aliança com o PMDB. O PSDB ficou divido em relação a Kassab, elementos próximos a José Serra favoreciam o demista, enquanto outros políticos importantes entendiam que os tucanos deveriam lançar um candidato próprio.[63] Não obstante, Kassab conseguiu se eleger com o apoio do seu agrupamento e ultrapassou Geraldo Alckmin (PSDB-SP), disputando o segundo turno com Marta Suplicy (PT-SP).[63][64]

Gov. José Serra (PSDB-SP) e Dep. Indio da Costa (DEM-RJ) durante a campanha presidencial de 2010.

Contudo, nas Eleições Gerais de 2010, o DEM novamente integrou a frente oposicionista, formalizando junto ao PSDB e o PPS um pré-acordo para a constituição da coligação intitulada "Bloco Democrático-Reformista". Assim, o DEM lançou o deputado do Rio de Janeiro, Índio da Costa (DEM-RJ), como candidato a vice-presidente na chapa liderada por José Serra.[65] Nada obstante, mais uma vez o PT saiu vitorioso.[58]

É neste contexto que uma ruptura importante toma conta do DEM. A linha de oposição sistemática ao Partido dos Trabalhadores adotada desde 2002 era criticada por membros que desejavam ter mais influência em Brasília.[58] O Prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, que já vinha se aproximando do PMDB e objetivava uma candidatura ao Governo de São Paulo em 2014, começou a articular um terceiro agrupamento político no seu estado, alheio à intensa aliança histórica entre PSDB e DEM. Assim, um grupo de kassabistas que almejava mais controle sobre o partido entrou em conflito com a liderança nacional do DEM, à época presidido por Rodrigo Maia.[64][66][67][68]

Aliando-se a políticos importantes como Jorge Bornhausen e Guilherme Affif Domingos (DEM-SP), Kassab passou a exigir a antecipação da convenção nacional que escolheria o novo presidente do DEM. A liderança tentou negociar com Kassab e eventualmente ainda cedeu elegendo José Agripino Maia (DEM-RN) - um nome mais conciliatório - como presidente da sigla.[68] Sem embargo, a saída de Kassab foi oficializada em 18 de março de 2011 e a dissidência se concretizou dois dias depois com a fundação do Partido Social Democrático (PSD). A esta nova agremiação, Kassab conseguiu atrair 17 deputados federais do DEM, além da Senadora Kátia Abreu (TO) e do Governador de Santa Catarina Raimundo Colombo. Outros quadros importantes a deixar o DEM nesta época foram Indio da Costa, Guilherme Affif Domingos, Omar Aziz e Claudio Lembo.[68] O Democratas recorreu ao Tribunal Superior Eleitoral contra a criação da nova sigla, solicitando a remissão dos mandatos - porém sem êxito.[64][69]

De fato, a cisão no partido marcou um período de declínio do DEM e as Eleições Municipais de 2012 foram um signo disso: a redução no número de eleitos prejudicou a capilaridade do partido que lançou candidatos a 729 prefeituras, logrando êxito em apenas 276.[58] Vários diretórios regionais foram desidratados: particularmente em Santa Catarina, onde o Democratas costumava ser uma das principais forças políticas, o PSD levou quase todas as lideranças regionais, inclusive passando a eleger o Prefeito de Florianópolis César Souza Júnior em 2012.[58][70]

Regeneração do partido[editar | editar código-fonte]

Como reação à fragilidade política em que o DEM se encontrava após a saída do PSD, o partido passou a reforçar seu perfil conservador e de centro-direita. Além disso, a reminiscência do partido à oposição durante tantos anos permitiu ao DEM incorporar a narrativa anti-corrupção. Essa tem sido a postura do partido desde 2012 - quando ACM Neto (DEM-BA) passa a liderar a sigla.[71][72]

A oposição - e particularmente o DEM, o PSDB e o PPS - abraçou a causa anti-corrupção das Jornadas de Junho e dos protestos envolvendo a realização da Copa do Mundo de 2014.[58] Esses partidos integraram a Eleição Presidencial de 2014 na coligação Muda Brasil liderada pelo candidato Aécio Neves (PSDB-MG). Não obstante, a majoritária foi extremamente polarizada e, mais uma vez, o Democratas foi afastado do Governo com a reeleição de Dilma Rousseff. Além disso, a bancada do DEM seguiu diminuindo.[58]

Prefeito Antonio Carlos Magalhães Neto (DEM-BA) e Sen. Aécio Neves (PSDB-MG) durante a campanha presidencial de 2014.

Em 2015 foram expostas intensas negociações de fusão com o Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), entre os presidentes das executivas nacionais - José Agripino Maia e Cristiane Brasil (PTB-RJ). A fusão interessava especialmente para o reverter o declínio do partido refundado em 2007 e para Roberto Jefferson, "inimigo declarado do Partido dos Trabalhadores" condenado no Escândalo do Mensalão. Entretanto, o processo esbarrava nos prazos de filiação partidária das regras eleitorais à medida em que se aproximavam as eleições municipais no Brasil em 2016, como também nas oposições internas com ameaças de desfiliação, destacadamente por parte do demista Ronaldo Caiado (DEM-GO) e dos petebistas Jovair Arantes (PTB-GO) e Armando Monteiro (PTB-PE), e na dificuldade de compatibilização entre a posição governista do PTB e oposicionista do DEM. Assim, embora a cúpula do Democratas tenha apoiado a fusão imediata em 7 de abril (21 votos a quatro), no dia seguinte a cúpula do PTB rejeitou a fusão imediata por 25 votos contrários, optando manter consulta às bases até setembro. No fim de maio, os dirigentes de ambos os partidos anunciaram a desistência da unificação, porém houve tentativas de reabertura de diálogos, mas foram paralisadas em vista das eleições municipais.[73][74][75][76][77][78][79][80]

O partido respondeu com o fortalecimento da sua oposição aguerrida ao Governo Dilma: na Câmara dos Deputados, liderados por Mendonça Filho (DEM-PE) e no Senado, por Ronaldo Caiado (DEM-MS).[58] Com o fortalecimento dos movimentos que reclamavam o impeachment da Presidente Dilma Rousseff, o DEM se caracterizou pelo intenso patrocínio desta agenda,[58] inclusive acolhendo membros do Movimento Brasil Livre nas Eleições Municipais de 2016.[81]

Presidente Michel Temer (MDB-SP) e Ministro Mendonça Filho (DEM-PE)

O afastamento de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) da Presidência da Câmara dos Deputados instigou uma eleição especial em 2016, na qual saiu vitorioso o deputado federal Rodrigo Maia. O sucesso de Maia ao mandato-tampão de presidente da Câmara dos Deputados do Brasil mostrou-se uma vitória imprescindível diante da trajetória de declínio desde o início dos governos petistas.[18]

Após o impeachment de Dilma Rousseff, o DEM integrou a base governista de Michel Temer com o Ministro da Educação Mendonça Filho.[82]

Diante da desconfiança da população brasileira com a classe política intensa à época, a fim da renovação e atração de eleitores e parlamentares foram estudadas mudanças para o partido. Uma delas foi nova renomeação da legenda para "Centro" (nome proposto pelo publicitário Fabiano Ribeiro, da agência de publicidade Propeg, conjuntamente com logomarca nas cores azul e amarelo)[83][84] e para "Movimento da Unidade Democrática" (MUDE).[85][86] A outra foi a fusão ou formação de uma frente partidária (quando ainda se discutia a aprovação de formações de federações partidárias), que incluiu a articulação para incorporar dissidentes do Partido Socialista Brasileiro — estes também disputados pelo Partido do Movimento Democrático Brasileiro.[87][88] Nessa articulação, foi incluído também o Partido Social Democrático; os três reunidos em uma "união liberal-socialista" possivelmente sob denominações "Partido Liberal Social" (PLS) ou "Centro Democrático".[89][90][91] Uma terceira mudança passa pela possibilidade de alterações no programa partidário para se transformar em uma organização mais centrista na versão tradicional do espectro político, tomando por inspiração a vitória eleitoral de Emmanuel Macron à presidência da França em 2017 e ao passo que a figura de Jair Bolsonaro posiciona-se na extrema-direita brasileira.[92]

Durante o Governo Bolsonaro[editar | editar código-fonte]

Na Eleição Presidencial de 2018, o DEM se aliou formalmente à campanha do candidato tucano Geraldo Alckmin. No entanto, após a eleição de Jair Bolsonaro, o DEM foi um dos partidos mais bem representados entre as nomeações ministeriais do Presidente: demistas assumiram as pastas da Agricultura com Tereza Cristina Dias e da Saúde com Luiz Henrique Mandetta; além da Casa Civil com Onyx Lorenzoni - considerada a função mais importante do Governo depois da Presidência. Colocando em perspectiva, o partido do Presidente, o PSL, possuía a mesma quantia de ministérios que o DEM. Nada obstante, o presidente do partido, ACM Neto assegurou que essas eram escolhas pessoais, e não indicações partidárias.[93]

Presidente da Câmara dos Deputados Rodrigo Maia (DEM-RJ) e Presidente do Senado Federal Davi Alcolumbre (DEM-AP)

Após os primeiros meses do Governo Bolsonaro, o personalismo do Presidente provocou rupturas no PSL: a ''ala bolsonarista'' rompeu publicamente com Luciano Bivar, o presidente do partido. Bolsonaro eventualmente sairia do PSL, o que reforçou a aproximação de Bivar com o então Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia - crítico do Presidente.[94] A postura de alguns quadros moderados do DEM, como Rodrigo Maia, era incompatível com a presença do partido em tantos ministérios e essa realidade evidenciou uma divisão interna do partido: uma ala mais jovem liderada por Maia buscava viabilizar uma candidatura em 2022 que fosse simultaneamente alternativa ao projeto bolsonarista e ao Partido dos Trabalhadores. Entretanto, políticos mais tradicionais da agremiação, conhecidos como a ''ala pefelista'' - em alusão ao antigo nome da sigla - buscavam aproximação com o Governo. Para essa corrente interna, a prioridade deveria ser integrar a base de apoio do presidente Bolsonaro.[93]

O DEM, que vinha em declínio desde seus anos na oposição, obteve um último suspiro com a eleição de Rodrigo Maia à frente da Câmara dos Deputados em 2016. Tal renascimento se provou vital ao partido que logo em 2019 conseguiu, num feito inédito, controlar as duas casas do Poder Legislativo com a recondução de Maia e a eleição do senador Davi Alcolumbre.[95]

Ministro Luiz Henrique Mandetta (DEM-MS) durante a Pandemia da COVID-19.

A saída de Bolsonaro do PSL estreitou tanto a relação entre os segmentos liberais do partido e a ala jovem do DEM que a articulação de uma fusão entre PSL e DEM passou a ser suscitada entre Bivar e Maia.[96] Todavia, com o decorrer da Pandemia de COVID-19 no Brasil e da postura do Presidente diante da situação sanitária, o DEM como um todo - inclusive seus elementos pefelistas - começam a se afastar do bolsonarismo: o Governador de Goiás, Ronaldo Caiado, considerado o patrão da ala pefelista[93] criticou publicamente o ''negacionismo do Presidente''[97]; e o Ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta, também considerado pefelista[93], acabou demitido de suas funções no auge da primeira onda por não seguir a agenda do Presidente quanto à recomendação de tratamento precoce com hidroxicloroquina, ainda que tal tratamento não tivesse comprovação clínica no combate ao coronavírus SARS-CoV-2.[98]

O capital político da ala moderada do DEM saiu fortalecido no pleito eleitoral de 2020, quando os prefeitos que seguiram as orientações da OMS e se afastaram de Bolsonaro durante a pandemia foram reeleitos - dentre eles, demistas em quatro capitais (Florianópolis, com Gean Loureiro; em Curitiba, com Rafael Greca; em Salvador, com Bruno Reis; e no Rio de Janeiro, com Eduardo Paes). No mesmo contexto, candidatos apoiados por Bolsonaro - como Marcelo Crivella e Celso Russomanno - tiveram desempenho fraco.[99] A partir desse momento, começa o DEM a alçar vôos mais altos, especulando inclusive uma aliança com o adversário tucano de Bolsonaro, João Dória (PSDB-SP), ou com o apresentador Luciano Huck para a composição de uma chapa independente 2022.[100]

Não obstante, com o crescimento da impopularidade de Bolsonaro, este se viu obrigado a cortejar o Centrão no fito de impedir a possibilidade de abertura de um dos 62 pedidos de impeachment engavetados. Bolsonaro patrocina, então, a candidatura de Arthur Lira à Eleição da Mesa Diretora da Câmara dos Deputados de 2021, ao passo que Rodrigo Maia costura um bloco de 11 partidos liderados pelo deputado Baleia Rossi (MDB-SP).[101] No Senado Federal, Davi Alcolumbre escolhe o demista Rodrigo Pacheco (DEM-MG) como sucessor - neste caso, tanto o Presidente quanto a oposição ficam satisfeitos com a escolha de Pacheco. Após um pleito marcado por inédita interferência do Poder Executivo, Arthur Lira sai vencedor.[101]

Ideologia[editar | editar código-fonte]

O DEM afirma ser defensor da ética, da democracia, do exercício dos direitos humanos, da economia de mercado e do liberalismo econômico. É apresentado como um partido de centro-direita, sendo filiado à União Internacional Democrata. São adeptos do capitalismo laissez-faire. Em avaliação geral, os democratas são socialmente de centro-direita e economicamente de direita.[102]

Convenção Nacional do DEM. Aloysio Nunes (PSDB-SP), Cesar Maia (DEM-RJ) e Aécio Neves (PSDB-MG)

De acordo com o cientista político Jairo Nicolau, a refundação do PFL como DEM teve como objetivo coroar um processo geral de modernização do partido.[103] "O DEM gostaria de ser um partido de direita moderno, com um novo programa e dirigido às camadas médias urbanas; uma espécie de Partido Conservador do Reino Unido", diz.[103] De acordo com ele, isso explicou a saída de membros históricos da direção do partido e a ascensão de jovens dirigentes como Rodrigo Maia, Kátia Abreu e Gilberto Kassab.[103]

Aliado histórico do PSDB, o Democratas foi peça vital para a aprovação do Plano Real, das reformas constitucionais durante o governo FHC bem como da emenda constitucional que garantiu a possibilidade do então presidente Fernando Henrique Cardoso se recandidatar. Marco Maciel, ex-senador pelo PFL de Pernambuco, foi o vice-presidente nos dois mandados de FHC. Em 2002, o partido rompe com o governo na sequência de uma operação da polícia federal envolvendo Roseana Sarney, a então candidata à presidência pelo PFL. Porém, nas eleições de 2006, alia-se novamente ao PSDB, sendo o senador pefelista pernambucano José Jorge o candidato a vice-presidente na chapa com Geraldo Alckmin. Tal aliança se repete em 2010 com o deputado federal democrata fluminense Índio da Costa para vice na chapa de José Serra.[104]

Após a cisão de diversas lideranças, como Gilberto Kassab, Kátia Abreu e Raimundo Colombo, que buscavam uma aproximação com o governo federal e um discurso mais centrista (com a fundação do Partido Social Democrático), o DEM passou a adotar uma postura mais enfática quanto ao ideário do partido, na tentativa de se aproximar do eleitorado mais conservador. O então senador Demóstenes Torres defendia uma guinada à direita por parte do partido. "Existe um eleitorado liberal, de perfil conservador, que precisa de um partido que o represente. Temos de falar a essas pessoas, representá-las no Congresso, com clareza", afirmou numa entrevista à Folha de S. Paulo.[105]

Junto com o PSDB, o Democratas é o único dentre os partidos históricos ainda registrados que não integrou a base governista em nenhum momento entre o Governo Lula e o Impeachment de Dilma Rousseff.[106]

Organização[editar | editar código-fonte]

Membros em alta função[editar | editar código-fonte]

Nome Função Estado Observação
Bruno Reis Prefeito de Salvador (2021-) Bahia Bahia Antigo vice-prefeito sob ACM Neto, candidato natural à sucessão.
Gean Loureiro Prefeito de Florianópolis (2017-)  Santa Catarina Eleito pelo MDB em 2016, trocou de sigla durante seu primeiro mandato, reelegendo-se pelo DEM.
Eduardo Paes Prefeito do Rio de Janeiro (2021-)  Rio de Janeiro Considerado um membro de inclinação mais moderada.
Rafael Greca Prefeito de Curitiba (2017-)  Paraná Eleito pelo PMN em 2016, trocou de sigla durante seu primeiro mandato, reelegendo-se pelo DEM.
Rodrigo García Vice-Governador de São Paulo (2019-)  São Paulo Considerado um membro de inclinação mais moderada.[107]
Murilo Zauith Vice-Governador do Mato Grosso do Sul (2019-)  Mato Grosso do Sul
Mauro Mendes Governador do Mato Grosso (2019-)  Mato Grosso
Ronaldo Caiado Governador do Goiás (2019-)  Goiás Figura proeminente da ''ala pefelista'' do DEM, isto é, os demistas de tradição mais conservadora.[93]

Foi candidato a Presidente da República na Eleição de 1989.

Tereza Cristina Dias Ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (2019-)  Mato Grosso do Sul
Onyx Lorenzoni Ministro da Cidadania (2020-)  Rio Grande do Sul Considerado um membro da ''ala pefelista'' do partido.[93]
Rodrigo Pacheco Presidente do Senado Federal (2021-)  Minas Gerais Foi candidato à presidência do Senado patrocinado simultaneamente pelo titular Davi Alcolumbre, pelo Presidente da República, Jair Bolsonaro e pelos partidos da oposição (como o PT).

Outros membros notáveis[editar | editar código-fonte]

Nome Função (atual ou passada) Estado Observação
Kim Kataguiri Deputado Federal por São Paulo (2019-)  São Paulo Fundador do Movimento Brasil Livre
Efraim Filho Deputado Federal pela Paraíba (2007-)  Paraíba É o líder da bancada do DEM na Câmara dos Deputados.[108] Filho do ex-Senador Efraim Moraes.
ACM Neto Ex-Prefeito de Salvador (2013-2021) Bahia Bahia Presidente do partido. Neto do membro histórico Antônio Carlos Magalhães
Cesar Maia Ex-Prefeito do Rio de Janeiro (1993-1997/2003-2007)  Rio de Janeiro Pai do Ex-Presidente da Câmara dos Deputados Rodrigo Maia.
José Agripino Maia Ex-Governador do Rio Grande do Norte (1981-1983/1991-1994)  Rio Grande do Norte Ex-presidente do partido. Considerado um membro de inclinação mais moderada.[93]
Siqueira Campos Ex-Governador do Tocantins (1989-1991/1995-1998/1999-2003/2011-2014)  Tocantins Foi o primeiro Governador do Tocantins.
Luiz Henrique Mandetta Ex-Ministro da Saúde (2019-2020), Deputado Federal pelo Mato Grosso do Sul (2011-2019)  Mato Grosso do Sul Ministro da Saúde durante a Pandemia de COVID-19 de 2020. Muito bem avaliado, rompeu com o Presidente da República e foi demitido das suas funções.[98]
Mendonça Filho Ex-Ministro da Educação (2016-2018)  Pernambuco Presidente do think tank Instituto Liberdade e Cidadania.[109][110] Considerado um membro de inclinação mais moderada.[93]
Rodrigo Maia Ex-Presidente da Camara dos Deputados (2016-2021), Deputado Federal pelo Rio de Janeiro (1999-)  Rio de Janeiro Considerado um membro de inclinação mais moderada.[93][111] Filho do ex-Governador César Maia.
Efraim Morais Ex-Presidente da Câmara dos Deputados (2002-2003), Senador pela Paraíba (2003-2011)  Paraíba Pai do DeputadoFederal Efraim Filho
Davi Alcolumbre Ex-Presidente do Senado Federal (2019-2021), Senador pelo Amapá (2015-)  Amapá

Membros históricos[editar | editar código-fonte]

Nome Função (atual ou passada) Estado Observação
Aureliano Chaves Vice-Presidente do Brasil (1979-1985), Ministro de Minas e Energia (1985-1988), Governador de Minas Gerais (1975-1978)[112]  Minas Gerais Foi candidato a Presidente da República na Eleição de 1989.
Marco Maciel Ex-Vice-Presidente do Brasil (1995-2003), Ex-Presidente da Câmara dos Deputados (1977-1979)  Pernambuco
Antônio Carlos Magalhães Presidente do Senado Federal (1997-2001), Governador da Bahia (1971-1975/1979-1983/1991-1994), Senador (1995-2001/2003-2007), Ministro das Comunicações (1985-1990), Prefeito de Salvador (1967-1970) Bahia Bahia Pai do Senador ACM Júnior e do Presidente da Câmara dos Deputados Luiz Eduardo Magalhães. Avô do Prefeito de Salvador ACM Neto. Líder do movimento carlista.
Elcio Álvares Governador do Espirito Santo (1975-1979), Senador (1991-1999), Ministro da Defesa (1999-2000), Ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (1994-1995)  Espírito Santo
Jorge Bornhausen Governador de Santa Catarina (1979-1982), Senador (1983-1991/1999-2007), Ministro da Educação (1986-1987)  Santa Catarina Filho do Senador Irineu Bornhausen, pai do deputado Paulo Bornhausen.
Guilherme Palmeira Governador de Alagoas (1979-1982), Senador (1983-1988/1991-1999), Prefeito de Maceió (1989-1990)  Alagoas Irmão do líder estudantil Vladimir Palmeira, pai do Prefeito de Maceió Rui Palmeira.
José Jorge Ex-Ministro do Tribunal de Contas da União (2009-2014), Senador (1999-2007), Deputado Federal pelo Pernambuco (1983-1999)  Pernambuco Foi candidato a Vice-Presidente na Eleição de 2006
ACM Júnior Senador (2001-2003/2007-2011) Bahia Bahia Filho de ACM, irmão de Luiz Eduardo Magalhães, pai de ACM Neto.
Luiz Eduardo Magalhães Presidente da Câmara dos Deputados (1995-1997) Bahia Bahia Filho de ACM e irmão de ACM Júnior. Homenageado pelo município de Luiz Eduardo Magalhães (BA).

Ex-membros relevantes[editar | editar código-fonte]

Nome Função Estado Observação
José Luiz Datena (sem exercício de mandato)  São Paulo Apresentador de TV. Ingressou no MDB ao deixar o DEM.
Fernando Holiday Vereador em São Paulo (2017-)  São Paulo Liderança do Movimento Brasil Livre, ingressou no Patriota ao deixar o DEM.
Arthur do Val Deputado Federal por São Paulo (2019-)  São Paulo Liderança do Movimento Brasil Livre, ingressou no Patriota ao deixar o DEM. Foi candidato à prefeitura de São Paulo em 2020.
Celso Russomanno Deputado Federal por São Paulo (2015-)  São Paulo Candidatou-se à Prefeitura de São Paulo três vezes: em 2012, 2016 e 2020. Ingressou no PSDB ao deixar o PFL, posteriormente se juntou ao Republicanos.
Indio da Costa Deputado Federal pelo Rio de Janeiro (2015-2019)  Rio de Janeiro Participou da dissidência que criou o PSD em 2011.
Gilberto Kassab Ex-Prefeito de São Paulo (2006-2013), Ministro das Cidades (2015-2016)  São Paulo Liderou a dissidência que criou o PSD em 2011.
Guilherme Affif Domingos Ex-Vice-Governador de São Paulo (2011-2015)  São Paulo Foi candidato a Presidente da República na Eleição de 1989. Participou da dissidência que criou o PSD em 2011.
Cláudio Lembo Ex-Governador de São Paulo (2006-2007)  São Paulo Concorreu a Vice-Presidente na chapa de Aureliano Chaves em 1989. Participou da dissidência que criou o PSD em 2011.
Raimundo Colombo Ex-Governador de Santa Catarina (2011-2018)  Santa Catarina Participou da dissidência que criou o PSD em 2011.
Beto Richa Ex-Governador do Paraná (2011-2018)  Paraná Ingressou no PSDB ao deixar o PFL.
Amazonino Mendes Ex-Governador do Amazonas (1987-1990/1995-2003/2017-2019), Prefeito de Manaus (1983-1986/1993-1994/2009-2013)  Amazonas Ingressou no PTB ao deixar o PFL, posteriormente, se juntou ao PODEMOS.
Gladson Cameli Governador do Acre (2019-)  Acre Ingressou no PPS ao deixar o PFL.
Benedito de Lira Ex-Senador de Alagoas (2011-2019)  Alagoas Pai de Arthur Lira, ingressou no PTB ao deixar o DEM, posteriormente se juntou ao PP.
Kátia Abreu Senadora pelo Tocantins (2007-)  Tocantins Participou da dissidência que criou o PSD em 2011. Foi candidata a Vice-Presidente na Eleição de 2018
Zeze Perella Senador de Minas Gerais (2011-2019)  Minas Gerais Ex-presidente do Cruzeiro Esporte Clube. Ingressou no PSDB ao deixar o PFL, posteriormente se juntou ao MDB.
Omar Aziz Senador do Amazonas (2015-)  Amazonas Participou da dissidência que criou o PSD em 2011.
João Roma Neto Ministro da Cidadania (2021-) Bahia Bahia Foi presidente da Juventude do PFL. Rompeu com ACM Neto ao integrar o Governo Bolsonaro. Ingressou no Republicanos ao deixar o PFL.[113]
Ricardo Salles Ministro do Meio-Ambiente (2019-)  São Paulo Ingressou no NOVO ao deixar o DEM.
Arthur Lira Presidente da Câmara dos Deputados (2021-)  Alagoas Filho de Benedito Lira, ingressou no PSDB ao deixar o DEM, posteriormente se juntou ao PP.

Presidentes nacionais[editar | editar código-fonte]

Ficheiro:ACM Neto.jpeg
ACM Neto (DEM-BA), atual presidente nacional do partido.

Juventude Democratas[editar | editar código-fonte]

A Juventude Democratas (JDEM) é um órgão doutrinário de ação partidária de âmbito nacional, de caráter político, cultural e social, integrante da estrutura organizacional do Democratas, com prazo de duração indeterminado. Como finalidade, a JDEM procura difundir a doutrina política adotada pelo partido Democratas, além de incentivar a participação política de jovens visando à ampliação dos quadros do partido e a formação de novas lideranças, apoiando ou promovendo eventos, estudos e pesquisas nas áreas política, econômica e social, destinados à divulgação, debate e discussão de temas ligados à juventude, à sua formação profissional e ao seu desenvolvimento.[118]

Logomarca da JDEM

Presidentes nacionais da JDEM:

Desempenho eleitoral[editar | editar código-fonte]

Eleições parlamentares[editar | editar código-fonte]

Câmara dos Deputados[121]
Legislatura Bancada % ±
48.ª (1987–1991)
118 / 487
23,00 Estável 0
49.ª (1991–1995)
83 / 503
16,18 Baixa 35
50.ª (1995–1999)
89 / 513
17,35 Aumento 6
51.ª (1999–2003)
105 / 513
20,47 Aumento 16
52.ª (2003–2007)
84 / 513
16,37 Baixa 21
53.ª (2007–2011)
65 / 513
12,67 Baixa 19
54.ª (2011–2015)
43 / 513
8,38 Baixa 18
55.ª (2015–2019)
21 / 513
4,09 Baixa 22
56.ª (2019–2023)
29 / 513
5,65 Aumento 9
Senado Federal[122]
Legislatura Bancada % ±
48.ª (1987–1991)
13 / 75
17,33 Estável 0
49.ª (1991–1995)
13 / 81
16,04 Estável 0
50.ª (1995–1999)
19 / 81
23,46 Aumento 6
51.ª (1999–2003)
16 / 81
19,75 Baixa 3
52.ª (2003–2007)
15 / 81
18,52 Baixa 1
53.ª (2007–2011)
12 / 81
14,81 Baixa 3
54.ª (2011–2015)
6 / 81
7,41 Baixa 6
55.ª (2015–2019)
4 / 81
4,94 Baixa 2
56.ª (2019–2023)
6 / 81
7,41 Aumento 2

Bancadas eleitas para legislaturas da Câmara dos Deputados

Legislatura Eleitos AC AL AM AP BA CE DF ES GO MA MG MS MT PA PB PE PI PR RJ RN RO RR RS SC SE SP TO
56.ª
(2019–2023)
29 1 0 0 0 4 0 1 1 2 1 1 0 0 2 1 1 0 1 4 0 0 0 1 0 0 5 2

Eleições presidenciais[editar | editar código-fonte]

Ano Imagem Candidato(a) a Presidente Candidato(a) a Vice-Presidente Coligação Votos Posição
1989
Aureliano Chaves (1982).jpg
Aureliano Chaves
(PFL)
Cláudio Lembo
(PFL)
sem coligação 600.838 (0,88%)
1994
Fernando Henrique Cardoso (1999).jpg
Fernando Henrique Cardoso
(PSDB)
Marco Maciel
(PFL)
União, Trabalho e Progresso
(PSDB, PFL, PTB)
34.364.961 (54,27%)
1998
Fernando Henrique Cardoso (1999).jpg
Fernando Henrique Cardoso
(PSDB)
Marco Maciel
(PFL)
União, Trabalho e Progresso
(PSDB, PFL, PPB, PTB, PSD)
35.936.540 (53,06%)
2006
Alckmingeraldo2006.jpg
Geraldo Alckmin
(PSDB)
José Jorge
(PFL)
Por Um Brasil Decente
(PSDB, PFL)
37.543.178 (39.17%) 2.º
2010
Foto oficial do senador José Serra.jpg
José Serra
(PSDB)
Indio da Costa
(DEM)
O Brasil Pode Mais
(PSDB, DEM, PPS, PMN, PTdoB e PTB)
43.711.388 (43.95%)
2014
Aécio Neves em 16 de julho de 2014-3.jpg
Aécio Neves
(PSDB)
Aloysio Nunes
(PSDB)
Muda Brasil
(PSDB, SD, PMN, PEN, PTN, PTC, DEM, PTdoB, PTB)
51.036.040 (48.36%)
2018
Geraldo Alckmin em agosto de 2017.jpg
Geraldo Alckmin
(PSDB)
Ana Amélia
(PP)
Para Unir o Brasil
(PSDB, PP, PTB, PSD, PRB, PR, DEM, Solidariedade, PPS)
5.096.777 (4,76%)

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Corrupção[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Mensalão do DEM

O Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral (MCCE), que conta com o apoio de entidades de representação da sociedade civil, movimentos e organizações sociais e religiosas, divulgou em outubro de 2007 um balanço que aponta um ranking de cassações de políticos por corrupção eleitoral. Entre 2000 e 2007, 623 políticos de diversos partidos tiveram seus mandatos cassados, não incluídos casos de cassações por condenações criminais.

No período assinalado, foram 643 cassações de mandatos políticos, abrangendo quatro eleições, todas por corrupção. O DEM lidera este ranking, com um total de 69 cassações (20,4% do total), seguido pelo PMDB, com 66 (19,5%) e pelo PSDB, com 58 (17,1%).[123]

Notas e referências

Notas

  1. Levantamento de Veja assinalou dez senadores e sessenta e três deputados federais em dezembro de 1984 enquanto o Jornal do Brasil, um mês depois, apontava uma bancada de treze senadores e setenta deputados federais e quatro governadores na convenção que fundou a legenda.
  2. Cujo nome sempre foi provisório desde a fundação durante a redemocratização.

Referências

  1. «FGV CPDOC». Consultado em 4 de maio de 2020 
  2. «Senadores em exercício, Senado Federal». Consultado em 4 de maio de 2020 
  3. «Estatísticas do eleitorado – Eleitores filiados». tse.jus.br. Consultado em 13 de abril de 2020 
  4. «Kassab quer comando do DEM». iG. Ultimosegundo.ig.com.br 
  5. «Partidos iniciam articulação para 2011». Redebrasilatual.com.br [ligação inativa] 
  6. Maria Inês Nassif (19 de Agosto de 2010). «Guinada à direita custou votos a Serra». Vi o mundo. Viomundo.com.br. Consultado em 10 de Novembro de 2010 
  7. «DEM recusa ideia de fusão com o PSDB». Estadão.com.br 
  8. Adriana Vasconcelos. «Líder do DEM, senador Demóstenes Torres diz que companheiros de oposição têm batido cabeça». Consultado em 2 de dezembro de 2012. Cópia arquivada em 21 de maio de 2015 
  9. a b DEM. «Ata da Convenção Nacional Extraordinária do PFL de 28/03/07» (PDF). Em 28 de março de 2007, às 9 horas e 30 minutos, o presidente da Executiva Nacional do PFL, Senador Jorge Bornhausen, declara aberta a Convenção Nacional Extraordinária do Partido da Frente Liberal. […] para deliberar sobre a seguinte Ordem do Dia: 1) proposta e reforma do estatuto do partido, que prevê a nova denominação da legenda;[…] 
  10. Tribunal Superior Eleitoral:. «Partidos políticos registrados no TSE». Tse.jus.br. Consultado em 25 de julho de 2007 [ligação inativa]
  11. Nobre, Juliana (14 de outubro de 2015). «Democratas rebatem opositores sobre propaganda de Salvador: não têm o que fazer». Bocão News. Consultado em 5 de setembro de 2017 
  12. a b Dimalice Nunes (5 de julho de 2017). «Por que os partidos políticos querem mudar de nome?». Desde a alteração da Lei dos Partidos Políticos, em 1995, não é mais exigido que as agremiações tragam a palavra “partido” em seus nomes. E, muito antes da crise de representação política que dá força ao rebranding dos partidos, em 2007, o PFL (Partido da Frente Liberal) virou Democratas, ou DEM como é mais conhecido. 
  13. «Estatísticas do eleitorado – Eleitores filiados». Consultado em 13 de abril de 2020 
  14. @marischreiber, Mariana Schreiber- (22 de maio de 2017). «Temer ganha fôlego com permanência de PT, DEM e PPS na base aliada». BBC News Brasil (em inglês) 
  15. «Bancada dos partidos — Portal da Câmara dos Deputados». www.camara.leg.br. Consultado em 26 de julho de 2018 
  16. «Senadores em Exercício – Senado Federal». www25.senado.leg.br. Consultado em 26 de julho de 2018 
  17. «Prefeitos – Democratas». dem.org.br. Consultado em 5 de janeiro de 2017 
  18. a b Venturini, Lilian (16 de julho de 2016). «O que é o DEM, partido de agenda liberal que está 'renascendo'». O que é o DEM, partido de agenda liberal que está ‘renascendo’. Nexo Jornal. Consultado em 17 de julho de 2016 
  19. «Bancada do Democratas na Câmara Federal». 25 de julho de 2018. Consultado em 25 de julho de 2018 
  20. «PFL muda de nome e coloca Rodrigo Maia no comando». Extra Online 
  21. «Gilberto Kassab é eleito prefeito de São Paulo – São Paulo (SP)». noticias.terra.com.br. Consultado em 26 de julho de 2018 
  22. «PT vai comandar maior nº de cidades grandes; PMDB lidera nas pequenas». Eleições 2012. 28 de outubro de 2012 
  23. Rodrigo Maia é lançado pré-candidato do DEM à presidência e fala em ajuste fiscal – GloboNews – Estúdio i – Catálogo de Vídeos, consultado em 26 de julho de 2018 
  24. Braziliense, Correio (26 de julho de 2018). «Centrão oficializa apoio a Alckmin, e Rodrigo Maia desiste do Planalto». Correio Braziliense 
  25. «O DEM cresceu». O Antagonista. 2 de fevereiro de 2019. Consultado em 19 de março de 2019 
  26. Sancionada sem alterações nova legislação eleitoral (online). Folha de S. Paulo, São Paulo (SP), 20/01/1982. Nacional, p. 04. Página visitada em 27 de janeiro de 2018.
  27. «BRASIL. Presidência da República: Lei nº 6.978 de 19/01/1982». Consultado em 27 de janeiro de 2018 
  28. Um novo partido de centro deve nascer após eleições (online). Folha de S. Paulo, São Paulo (SP), 13/06/1982. Nacional, p. 05. Página visitada em 27 de janeiro de 2018.
  29. Está pronto o manifesto do Partido Liberal (online). Folha de S. Paulo, São Paulo (SP), 18/06/1982. Nacional, p. 05. Página visitada em 27 de janeiro de 2018.
  30. Lomanto leva a ideia (sic) do PL a Figueiredo (online). Folha de S. Paulo, São Paulo (SP), 02/07/1982. Nacional, p. 04. Página visitada em 27 de janeiro de 2018.
  31. Ivete admite rescindir acordo que fez com Governo (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 01/06/1983. Política, p. 03. Página visitada em 27 de janeiro de 2018.
  32. Teotônio morre em Maceió. Enterro é hoje (online). O Globo, Rio de Janeiro (RJ), 20/06/1984. Ed. Matutina, O País, p. 06. Página visitada em 28 de janeiro de 2018.
  33. Tancredo espera para ser o candidato (online). O Estado de S. Paulo, São Paulo (SP), 20/06/1984. Geral, p. 04. Página visitada em 28 de janeiro de 2018.
  34. Dissidentes propõem Governo de conciliação (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 06/07/1984. Política, p. 02. Página visitada em 28 de janeiro de 2018.
  35. A vitória de Maluf: 493 a 350 (online). O Globo, Rio de Janeiro (RJ), 12/08/1984. Ed. Matutina, O País, p. 02. Página visitada em 28 de janeiro de 2018.
  36. Convenção consagra a unidade da chapa oposicionista (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 13/08/1984. Política, p. 04. Página visitada em 28 de janeiro de 2018.
  37. TSE. «Histórico de partidos». Consultado em 26 de outubro de 2016 
  38. Cambraia, Marcio Rodrigo Nunes (outubro–dezembro de 2010). «A Formação da Frente Liberal e a Transição Democrática no Brasil (1984-85)». Revista On-Line LIBERDADE E CIDADANIA. Fundação Liberdade e Cidadania. Consultado em 26 de outubro de 2016 
  39. PFL fecha convenção com voto por democracia estável (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 26/01/1985. Política, p. 05. Página visitada em 28 de janeiro de 2018.
  40. Partido nasce forte no Congresso (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 20/12/1984. Política, p. 04. Página visitada em 28 de janeiro de 2018.
  41. Antônio Carlos ingressa com seu grupo no PFL-BA (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 09/01/1986. Política, p. 04. Página visitada em 28 de janeiro de 2018.
  42. PFL, em clima de desânimo, escolhe hoje seu candidato (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 21/05/1989. Brasil, p. 04. Página visitada em 29 de janeiro de 2018.
  43. Maciel leva pefelistas para Collor (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 23/11/1989. Primeiro caderno, p. 07. Página visitada em 2 de fevereiro de 2018.
  44. Chiarelli será o ministro da Educação do futuro governo (online). O Globo, Rio de Janeiro (RJ), 04/03/1990. Ed. Matutina, O País, p. 06. Página visitada em 6 de fevereiro de 2018.
  45. Alceni Guerra, na Saúde, completa ministério de Collor (online). O Globo, Rio de Janeiro (RJ), 13/03/1990. Ed. Matutina, O País, p. 05. Página visitada em 6 de fevereiro de 2018.
  46. Convenção aprova a coligação PSDB-PFL (online). Folha de S. Paulo, São Paulo (SP), 15/05/1994. Capa. Página visitada em 7 de fevereiro de 2018.
  47. Palmeira cede às pressões do PSDB e renuncia; Maciel é o novo vice de FHC (online). Folha de S. Paulo, São Paulo (SP), 03/08/1994. Supereleição, pág. 01. Página visitada em 7 de fevereiro de 2018.
  48. a b c «Do PFL ao Democratas: dos grandes personagens políticos ao esvaziamento partidário e a possível fusão em 2015» (PDF). UFRGS. Consultado em 22 de Novembro de 2017 
  49. «PFL muda de nome e coloca Rodrigo Maia no comando». UOL. VALOR Economico. 27 de março de 2007. Consultado em 28 de março de 2016 
  50. Tribunal Superior Eleitoral (TSE). «TSE – Partidos políticos registrados no TSE». Consultado em 7 de novembro de 2015 
  51. Jusbrasil. «Tribunal Regional Eleitoral do Tocantins TRE-TO – ACAO DE PERDA DE MANDATO PARLAMENTAR : APMP 6743 TO». Consultado em 23 de novembro de 2017. 3. A mudança de nomenclatura de PFL para DEM não importou na criação de um novo partido, mas apenas em uma alteração externa, como forma de chamar a atenção para a agremiação, insuficiente para caracterizar justa causa para desfiliação nos moldes previstos pela Resolução TSE 22.610/07. 
  52. jusbrasil. «Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul TRE-MS – FEITO NÃO – ESPECIFICADO : FNE 291 MS – Inteiro Teor». Consultado em 23 de novembro de 2017. A modificação PFL/DEM foi juridicamente tratada como alteração nominal, não tendo havido prévia extinção do Partido da Frente Liberal PFL para o surgimento do Partido Democratas – DEM ou o registro de nova pessoa jurídica com o cumprimento das exigências legais. 
  53. https://tre-ms.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/120522731/feito-nao-especificado-fne-291-ms. Consultado em 23 de novembro de 2017  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  54. Jusbrasil. «PFL/DEM. NÃO-CRIAÇÃO DE NOVO PARTIDO». Consultado em 23 de novembro de 2017. Cópia arquivada em 23 de novembro de 2017 
  55. Pollyana Batista. «História do Partido dos Democratas (DEM) O DEM é considerado um partido centrista e de direita, em relação à economia». Consultado em 23 de novembro de 2017. O atual Partido dos Democratas ganhou essa nomenclatura recentemente. No ano da sua fundação, em 1985, ele se chamava Partido da Frente Liberal, o PFL.[…]Em 28 de março de 2007, houve novamente uma nova fase para a sigla. Quando ele passou a se chamar Democratas (DEM) e assumiu o código eleitoral 25, com a cores azul, branco e verde. 
  56. Bernardo Mello Franco / Daniel Carvalho (15 de julho de 2017). «Maia atrai congressistas para inflar o DEM». Consultado em 23 de novembro de 2017. Há uma década, o PFL virou DEM numa tentativa de modernizar a imagem. O presidente da sigla, José Agripino Maia (RN), diz que o truque não se repetirá. "Mudar nome é maquiagem, já fizemos isso uma vez e não surtiu efeito algum", afirma o senador 
  57. Pesquisadora: Deysi Cioccari, Orientadora: Vera Chaia. «Do PFL ao Democratas: dos grandes personagens políticos ao esvaziamento partidário nos anos 2000» (PDF). Consultado em 23 de novembro de 2017. O trabalho tem por objetivo tomar o Partido da Frente Liberal (PFL) e seu sucessor Democratas (DEM) como expoentes das características mais marcantes do sistema partidário nacional e do regime político que emergiu na nova ordem constitucional, iniciada em 1988. 
  58. a b c d e f g h i Fundação Getúlio Vargas. «Democratas (DEM)». Consultado em 23 de novembro de 2017. Partido político nacional criado em 28 de março de 2007. 
  59. Artigos (quarta-feira, março 28, 2007). «ARQUIVO DE ARTIGOS ETC: A ONDA POPULISTA por Jorge Bornhausen». ARQUIVO DE ARTIGOS ETC. Consultado em 26 de julho de 2018  Verifique data em: |data= (ajuda)
  60. Revista IstoÉ, nr. 2049, de 18 de fevereiro de 2009, pg. 52
  61. «Imagens do mensalão do DEM de Brasília chocam o Brasil». Globo.com. Video.globo.com 
  62. «Governador Arruda pede desfiliação do DEM, diz fonte». Extra Online 
  63. a b Brasil, CPDOC-Centro de Pesquisa e Documentação História Contemporânea do. «Gilberto Kassab». CPDOC - Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil. Consultado em 12 de fevereiro de 2021 
  64. a b c «O PSD é o futuro PMDB?». Exame. 5 de novembro de 2016. Consultado em 12 de fevereiro de 2021 
  65. «Indio da Costa, do DEM, será vice de Serra no lugar de Álvaro Dias na chapa do PSDB». O Globo. 30 de junho de 2010 
  66. «Folha de S.Paulo - Ala de Kassab dá ultimato ao DEM e já prepara saída - 15/02/2011». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 12 de fevereiro de 2021 
  67. «DEM faz contraproposta para segurar Kassab na sigla - 15/02/2011 - Poder - Folha de S.Paulo». m.folha.uol.com.br. Consultado em 12 de fevereiro de 2021 
  68. a b c «Veja a cronologia da criação do PSD de Gilberto Kassab - 27/09/2011 - Poder - Folha de S.Paulo». m.folha.uol.com.br. Consultado em 12 de fevereiro de 2021 
  69. «TSE concede registro ao PSD, que concorrerá em 2012». Veja 
  70. «Nas sombras, Kassab transforma o PSD no terceiro maior partido do país». VEJA. Consultado em 12 de fevereiro de 2021 
  71. Editoria (24 de abril de 2012). «ACM Neto é a esperança de renascimento do DEM». Brasil 247. Consultado em 12 de fevereiro de 2021 
  72. «DEM mira valores conservadores para repor perdas para o PSD». Exame. 29 de setembro de 2011. Consultado em 12 de fevereiro de 2021 
  73. «Fusão entre PTB, DEM e PRB deve ocorrer ainda este ano». Midia News. Consultado em 17 de julho de 2016 
  74. «"Aliança não é casamento", diz presidente do PTB». Consultado em 17 de julho de 2016 
  75. «Dirigentes de DEM e PTB desistem de fusão das duas siglas». 30 de maio de 2015. Consultado em 17 de julho de 2016 
  76. «Depois de DEM-PTB, ACM articula fusão PSB-PPS». Consultado em 17 de julho de 2016 
  77. «Benito admite negociação de fusão do PTB com o DEM». Consultado em 17 de julho de 2016 
  78. «Executiva do DEM aprova fusão do partido com o PTB – 07/04/2015 – Poder – Folha de S.Paulo». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 17 de julho de 2016 
  79. «PTB rejeita fusão imediata e constrange o DEM». Consultado em 17 de julho de 2016 
  80. «Fusão entre DEM e PTB volta a ser negociada». Consultado em 17 de julho de 2016 
  81. «Kim Kataguiri, do MBL, diz que será candidato a deputado federal pelo DEM». Folha de S.Paulo. 14 de março de 2018. Consultado em 12 de fevereiro de 2021 
  82. «Temer quer manter DEM como aliado e pode oferecer Ministério da Educação a deputado do partido». G1. Consultado em 12 de fevereiro de 2021 
  83. «Herdeiro da Arena, Democratas agora se chamará Centro, diz colunista». Sul21. 3 de setembro de 2017. Consultado em 11 de outubro de 2017 
  84. Jardim, Lauro (3 de setembro de 2017). «DEM já tem novo nome. Saiba qual é». Coluna de Lauro Jardim. O Globo. Consultado em 11 de outubro de 2017 
  85. «Não se engane: os partidos que estão mudando de nome para te ludibriar em 2018 – Portal Fórum». Portal Fórum. 14 de agosto de 2017 
  86. «Diante de crise política, partidos mudam de nome para atrair eleitores em 2018». G1 
  87. «Disputa de força entre Temer e Maia abre cenário para um novo DEM». Jornal Opção. 22 de julho de 2017. Consultado em 11 de outubro de 2017 
  88. «Michel Temer trava batalha contra o DEM de Rodrigo Maia por deputados do PSB». Jornal do Brasil. 18 de julho de 2017. Consultado em 11 de outubro de 2017 
  89. «Possível fusão do DEM, PSD e PSB pode colocar no mesmo palanque, adversários políticos em Mutuípe». Mídia Bahia. 17 de julho de 2017 
  90. «DEM estuda fusão com egressos do PSB para formar novo partido, diz colunista». Blog do Gordinho. 10 de julho de 2017. Consultado em 11 de outubro de 2017 
  91. «Com possível fusão, novo partido pode se tornar a maior bancada da Câmara de Três Lagoas». www.hojemais.com.br. Consultado em 11 de outubro de 2017 
  92. Conteúdo Estadão (14 de agosto de 2017). «Por novos filiados, DEM muda programa para ser de 'centro'». Jornal O POPULAR. Consultado em 11 de outubro de 2017 
  93. a b c d e f g h i «O que é a 'ala PFL' do DEM e como ela ajuda a explicar poder da sigla no futuro governo Bolsonaro». BBC News Brasil. Consultado em 4 de fevereiro de 2021 
  94. «Filho Eduardo diz que é 'provável' saída de Bolsonaro do PSL; anúncio deve ser nesta terça». G1. Consultado em 4 de fevereiro de 2021 
  95. «Eleição do Senado: como foi a conturbada disputa que deu vitória a Davi Alcolumbre». BBC News Brasil. Consultado em 5 de fevereiro de 2021 
  96. «PSL aguarda saída de Bolsonaro para avançar em conversas de fusão com DEM». G1. Consultado em 4 de fevereiro de 2021 
  97. «Ronaldo Caiado explica porque discorda de Bolsonaro em relação à pandemia». TV Cultura. Consultado em 4 de fevereiro de 2021 
  98. a b Borges, Afonso Benites, Beatriz Jucá, Rodolfo (16 de abril de 2020). «Mandetta é demitido por Bolsonaro». EL PAÍS. Consultado em 4 de fevereiro de 2021 
  99. Souza', 'Marina Barbosa , Renato (16 de novembro de 306). «Eleições indicam polarização menor e deixam DEM e PSol fortalecidos». Política. Consultado em 4 de fevereiro de 2021  Verifique data em: |data= (ajuda)
  100. «Luciano Huck irá deixar a Globo no meio do ano para disputar eleição presidencial». ISTOÉ Independente. 22 de janeiro de 2021. Consultado em 5 de fevereiro de 2021 
  101. a b «Como a interferência de Bolsonaro mudou o rumo da eleição para presidente da Câmara». BBC News Brasil. Consultado em 5 de fevereiro de 2021 
  102. «Diretrizes do Democratas» (PDF). Consultado em 25 de julho de 2018 
  103. a b c Nicolau, Nicolau (13 de agosto de 2010). «O Declínio Inequívoco do PFL». Papo Político. Papopolitico.com.br. Arquivado do original em 14 de agosto de 2010 
  104. «G1 – Deputado Indio da Costa, do Rio, é o vice de Serra, anuncia DEM – notícias em Eleições 2010». g1.globo.com. Consultado em 26 de julho de 2018 
  105. MAGALHÃES, Vera (8 de maio de 2011). «DEM refaz caminho à direita para fisgar eleitor conservador». Folha de S.Paulo. Consultado em 5 de janeiro de 2017 
  106. Lima Bezerra, Gabriela Maria. «A Oposição nos Governos FHC e Lula: Um Balanço da Atuação Parlamentar na Câmara dos Deputados» (PDF) 
  107. «PSDB sonda vice-governador de São Paulo após DEM trair Rodrigo Maia». CNN Brasil. Consultado em 5 de fevereiro de 2021 
  108. «Efraim Filho (PB) é eleito líder do DEM na Câmara para 2020». Valor Econômico. Consultado em 11 de março de 2021 
  109. «DIRETORIA | Portal da Democracia». Consultado em 25 de janeiro de 2021 
  110. «Democratas – Mendonça Filho». dem.org.br. Consultado em 25 de janeiro de 2021 
  111. «DEM faz política com a esquerda e apoia economia da direita». Metrópoles. 21 de outubro de 2018. Consultado em 4 de fevereiro de 2021 
  112. Brasil, CPDOC-Centro de Pesquisa e Documentação História Contemporânea do. «ANTONIO AURELIANO CHAVES DE MENDONCA». CPDOC - Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil. Consultado em 25 de janeiro de 2021 
  113. «'Menudo' de ACM Neto, novo ministro de Bolsonaro tem raízes em PE, ascendeu na BA e busca caminho próprio». Folha de S.Paulo. 14 de fevereiro de 2021. Consultado em 15 de fevereiro de 2021 
  114. «biografia jorge bornhausen». www.fgv.br. Consultado em 24 de fevereiro de 2019 
  115. «rodrigo maia assume dem». www.estadao.com.br. Consultado em 24 de fevereiro de 2019 
  116. «Estadão – DEM no comando de Agripino 15/03/2011». www.estadao.com.br. Consultado em 26 de julho de 2018 
  117. noticias.uol.com.br 08/03/2018 https://noticias.uol.com.br/politica/eleicoes/2018/noticias/2018/03/08/acm-neto-assume-presidencia-do-dem-critica-pt-e-lanca-manifesto.htm 08/03/2018 Verifique valor |url= (ajuda). Consultado em 26 de julho de 2018  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  118. [1]
  119. «Juventude Democratas Nacional elege sua nova Comissão Executiva | Juventude Democratas». www.juventudedemocratas.org.br. Consultado em 26 de julho de 2018 
  120. «Bruno Kazuhiro, colunista do DDR, é reeleito presidente nacional da JDEM – Diário do Rio». diariodorio.com. Consultado em 26 de julho de 2018 
  121. Bancada na Eleição Portal da Câmara dos Deputados. Acessado em 19 de abril de 2016.
  122. Senadores Portal do Senado Federal. Acessado em 19 de abril de 2016.
  123. «Balanço mostra 623 cassações de mandatos de 2000 em diante por corrupção». G1/Globo.com. Consultado em 23 de março de 2014 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • CANTANHEDE, Eliane (2007). O PFL. São Paulo: Publifolha 
  • Revista ISTO É: Brasil 500 Anos – Atlas Histórico. São Paulo: Editora Três. 1998 
  • ALMANAQUE ABRIL 1986. 12ª edição. São Paulo, Abril, 1986;
  • ALMANAQUE ABRIL 1987. 13ª edição. São Paulo, Abril, 1987;
  • ALMANAQUE ABRIL 1996. 22ª edição. São Paulo, Abril, 1996;

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Democratas (Brasil)