Jovair Arantes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde setembro de 2013). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Jovair Arantes
Deputado federal por GO
Período 1 de fevereiro de 1995
até atualidade
(6 mandatos consecutivos)
Deputado estadual por GO
Período 1 de janeiro de 1991
até 31 de dezembro de 1992
Dados pessoais
Nascimento 4 de junho de 1951 (67 anos)
Buriti Alegre-GO
Partido PTB
Profissão cirurgião-dentista
linkWP:PPO#Brasil

Jovair de Oliveira Arantes (Buriti Alegre, 4 de junho de 1951) é um político brasileiro.

Cirurgião-dentista formado pela Faculdade de Odontologia João Prudente de Anápolis, atual UniEvangélica, iniciou sua vida pública ao se filiar ao PMDB em 1983, sendo eleito em 1988 vereador por Goiânia. Em 1989 foi um dos fundadores do PSDB em Goiás.

Em 1990 elegeu-se deputado estadual e, dois anos depois, elegeu-se vice-prefeito de Goiânia, na chapa encabeçada pelo petista Darci Accorsi. Renunciou ao cargo para candidatar-se (e eleger-se) a deputado federal, em 1994. Seria reeleito por mais quatro vezes seguidas.

Em 2003 retirou-se do PSDB, filiando-se ao PTB, partido pelo qual Jovair Arantes se credenciou como líder no Congresso Nacional por várias vezes.

Jovair Arantes é conselheiro e já foi dirigente do Atlético Goianiense.

Alvo de ação civil pública por improbidade administrativa na Justiça Federal. Teve duas contas de campanha reprovadas pelo TRE-GO e pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Foi reeleito deputado federal em 2014, para a 55.ª legislatura (2015-2019). Votou a favor do Processo de impeachment de Dilma Rousseff.[1]

Com a cassação do então Presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) em julho de 2016, ensaiou uma possível candidatura ao comando da casa. Acabou retirando sua candidatura para apoiar o deputado Rogério Rosso (PSD-DF), nome de consenso dentro do chamado Centrão. Rosso acabou derrotado pelo democrata Rodrigo Maia (RJ), que assume até fevereiro de 2017.

Foi favorável à PEC do Teto dos Gastos Públicos.[1] Em janeiro de 2017, anunciou sua candidatura ao comando da Câmara para o biênio 2017/2018, obtendo 105 votos, e sendo derrotado pelo então presidente, Rodrigo Maia.[2] Em abril do mesmo ano votou a favor da Reforma Trabalhista.[1] [3] Em agosto de 2017 votou contra o processo em que se pedia abertura de investigação do então Presidente Michel Temer, ajudando a arquivar a denúncia do Ministério Público Federal.[1][4]

Referências

  1. a b c d G1 (2 de agosto de 2017). «Veja como deputados votaram no impeachment de Dilma, na PEC 241, na reforma trabalhista e na denúncia contra Temer». Consultado em 11 de outubro de 2017. 
  2. EBC. «Rodrigo Maia é eleito presidente da Câmara dos Deputados com 293 votos». Consultado em 12 de outubro de 2017. 
  3. Redação (27 de abril de 2017). «Reforma trabalhista: como votaram os deputados». Consultado em 18 de setembro de 2017. 
  4. Carta Capital (3 de agosto de 2017). «Como votou cada deputado sobre a denúncia contra Temer». Consultado em 18 de setembro de 2017. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

Categria:Dirigentes esportivos do Brasil