Luiz Henrique Mandetta

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Luiz Henrique Mandetta
47° Ministro da Saúde do Brasil
Período 1º de janeiro de 2019
até 16 de abril de 2020
Presidente Jair Bolsonaro
Antecessor Gilberto Occhi
Sucessor Nelson Teich
Deputado federal por Mato Grosso do Sul
Período 1º de fevereiro de 2011
até 31 de janeiro de 2019 [nota 1]
Secretário de Saúde de Campo Grande
Período 1º de janeiro de 2005
até 2010
Prefeito Nelsinho Trad
Dados pessoais
Nascimento 30 de novembro de 1964 (55 anos)
Campo Grande, MS
Nacionalidade brasileiro
Alma mater Universidade Gama Filho
Parentesco
Partido PMDB (2003-2010)
DEM (2010-presente)
Religião católico[1]
Profissão militar
médico
político
Serviço militar
Lealdade Brasil
Serviço/ramo Exército Brasileiro
Graduação Primeiro-Tenente.gif 1º Tenente

Luiz Henrique Mandetta (Campo Grande, 30 de novembro de 1964) é um médico ortopedista e político brasileiro. Foi deputado federal por Mato Grosso do Sul entre 2011 e 2019 e Ministro da Saúde no governo de Jair Bolsonaro, entre 1º de janeiro de 2019 e 16 de abril de 2020, quando foi demitido após divergências com o presidente quanto à política de isolamento social no período da pandemia de COVID-19.

Família e formação[editar | editar código-fonte]

Nascido em Campo Grande, capital de Mato Grosso do Sul em 30 de novembro de 1964, Luiz Henrique Mandetta veio de uma família ilustre na política de seu estado, sendo o caçula dos cinco filhos do casal Hélio Mandetta, médico ortopedista e uma vez vice-prefeito de Campo Grande, com Maria Olga Solari, ambos descendentes de imigrantes italianos. Entre seus parentes notáveis, incluem-se os seus primos, o incumbente senador Nelsinho Trad, o deputado federal Fábio Trad, o prefeito de Campo Grande Marquinhos Trad e o ex-presidente da Câmara Municipal de Campo Grande, Paulo Siufi Neto.[2][3][4]

Aos 17 anos, mudou-se para a cidade do Rio de Janeiro para cursar medicina na Universidade Gama Filho (UGF). Fã de futebol, torcedor do Botafogo, conheceu sua esposa Terezinha em meio aos encontros da União Sul Mato-Grossense de Estudantes e à torcida nos jogos do seu clube. Seguiu especialização em ortopedia pelo Serviço de Ortopedia da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, depois foi morar em Atlanta nos Estados Unidos para fazer sub especialização em ortopedia infantil pelo Scottish Rite Hospital [en].[4]

Ainda nos anos 90 voltou ao seu estado, servindo como médico militar no posto de 1º tenente no Hospital Central do Exército (HCE). De 1993 a 1995 foi médico da Santa Casa de Campo Grande e conselheiro fiscal para a Unimed e Santa Casa. Em 2001, aos 37 anos, foi eleito presidente da Unimed Campo Grande, o mais jovem a ocupar o posto na cooperativa, ocupando o cargo até 2004.[4][5][6]

Secretário Municipal da Saúde[editar | editar código-fonte]

Em 2004, seu primo Nelsinho Trad foi eleito prefeito de Campo Grande, e convidou Mandetta para assumir a Secretaria Municipal de Saúde, primeiro cargo público da carreira do médico. O secretário assumiu durante um surto de dengue no município, focando seu trabalho em campanhas contra os vetores da doença, mais tarde dando palestras sobre seus métodos para combater a doença em todo o Brasil.[4]

Durante seu mandato como secretário, ele, junto com o prefeito e outros membros do governo municipal, sofreram acusações de fraude em licitação, tráfico de influência e caixa dois na implementação de um sistema de prontuário eletrônico. Mandetta nega irregularidades, afirmando que o Ministério Público nunca o denunciou formalmente pelo seu trabalho.[7][8]

Deputado federal[editar | editar código-fonte]

No começo de 2010, Mandetta saiu do PMDB para concorrer ao cargo de deputado federal, apesar de sua família[quem?] estar no partido. Foi eleito pelo DEM nas eleições de 2010, recebendo 78,7 mil votos, sendo posteriormente reeleito com 57,3 mil votos nas eleições de 2014, para a 55.ª legislatura (2015-2019).[9][10][11]

Como deputado federal, o conservador Luiz Henrique foi oposição ao Governo Dilma Rousseff, especialmente ao programa Mais Médicos e se mostrou contrário a legalização do aborto, no entanto, o mesmo também defendeu o uso da maconha medicinal. Além disso, ele focou na pauta da saúde, frequentemente defendendo mais recursos para a área.[12][13]

Adicionalmente, votou a favor do processo de impeachment de Dilma Rousseff.[14] Posteriormente, foi favorável à PEC do Teto dos Gastos Públicos.[14] Em abril de 2017 votou a favor da Reforma Trabalhista.[14][15] Em agosto de 2017 votou a favor do processo em que se pedia abertura de investigação do então Presidente Michel Temer.[14][16] Em outubro de 2017, na votação para a criação de um fundo público para financiamento das campanhas eleitorais, foi um dos deputados que votou a favor.[17] Foi ele que recebeu a deputada Tereza Cristina, na época recém expulsa do PSB por ter votado a favor da reforma trabalhista, no Democratas.[18]

Inicialmente, Mandetta era visto como pré-candidato ao cargo de Governador de Mato Grosso do Sul pelo Democratas, mesmo com o partido sendo base aliada do governador Reinaldo Azambuja. No entanto, anunciou sua aposentadoria política, afirmando que desejava ficar mais tempo com sua família.[19][4] Consequentemente, não se candidatou à reeleição nas eleições de 2018.[20]

Ministro da Saúde[editar | editar código-fonte]

Henrique Mandetta com o presidente Jair Bolsonaro e o vice Hamilton Mourão, na cerimônia de lançamento do programa Médicos pelo Brasil.

Em 20 de novembro de 2018, Mandetta foi confirmado pelo presidente eleito Jair Bolsonaro para assumir o Ministério da Saúde, tornando-se o terceiro ministro do Democratas junto com sua conterrânea Tereza Cristina e o gaúcho Onyx Lorenzoni.[21][22] Pesou na sua indicação o apoio de associações médicas, santas casas e da frente parlamentar de medicina. No entanto, a nomeação foi criticada devido às acusações de corrupção na sua gestão como secretário municipal.[23]

Bolsonaro afirmou que a denúncia não seria motivo para impedir a nomeação, que Mandetta não seria réu, e que só uma acusação 'robusta' o tiraria do ministério.[24][25] Sobre a acusação de irregularidades durante sua gestão à frente da Secretaria de Saúde de Campo Grande, o deputado afirmou uma semana antes da confirmação para o cargo, que havia conversado com Bolsonaro sobre os detalhes do caso.

Mandetta foi empossado pelo Bolsonaro dia 1 de janeiro de 2019. Como ministro, ele moderou seu discurso, evitando se meter nas polêmicas do Presidente como a saída unilateral de Cuba no programa Mais Médicos anunciada na transição de governo e não realizando a "despetização" (nome dado para a remoção de qualquer funcionário com ligação ao PT promovida pela governo).[26] Na sua gestão, ele buscou a readmissão dos cubanos e a aprovação do programa Médicos pelo Brasil, apesar da boa relação com o Congresso, o ministro teve dificuldade em articular sua agenda prioritária, com a medida provisória quase caducando antes ser aprovado no final de 2019.[27][28][29]

Decreto de exoneração em 16 de abril de 2020

Permaneceu no cargo até 16 de abril de 2020, quando foi exonerado por Bolsonaro, com quem vinha travando uma relação conflitante por divergências quanto ao confinamento da população no combate à pandemia de COVID-19. Mandetta, que defendia o isolamento máximo, com o qual Bolsonaro não concordava, foi substituído pelo médico oncologista Nelson Teich.[30]

Em abril 2020, a Agência Pública divulgou uma investigação mostrando como o posicionamento público de Bolsonaro e aliados contra o isolamento social foi usado com estratégia para retirar o ministro da saúde Luiz Henrique Mandetta do cargo com uso de informações falsas nas redes sociais. Um dos motivos dessa estratégia foi manter o apoio dos eleitores mais fanáticos do presidente, após perder apoio dos eleitores médios com o início da pandemia de COVID-19.[31]

COVID 19[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Pandemia de COVID-19 no Brasil
Mandetta discursando sobre a pandemia de COVID-19 tendo ao lado o presidente Bolsonaro e outros membros do governo federal.

Em 2020, Mandetta ganhou expressiva notoriedade à frente do Ministério da Saúde, no combate à pandemia de COVID-19, algumas vezes contrariando o próprio presidente da República.[32]

No dia 31 de janeiro de 2020, o ministro reativou um Grupo de Trabalho Interministerial de Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional e Internacional para atuar no enfrentamento da pandemia.[33] Sob seu comando o grupo passou a realizar monitoramento diário da situação junto à Organização Mundial da Saúde, atualizando diariamente as informações na Plataforma IVIS,[34] com números de casos suspeitos, confirmados e descartados, além das definições desses casos e eventuais mudanças em relação à situação epidemiológica.[35]

Em 13 de março de 2020, houve um encontro entre Mandetta e o governador de São Paulo, João Doria, que se mostrou favorável ao isolamento social a fim de minimizar o avanço da doença, opinião não compartilhada pelo seu rival político, o presidente Bolsonaro, que irritou-se com o encontro.[36] Na ocasião, a mídia especulou que a situação havia tornado as opiniões de Mandetta melhor aceitas que as do presidente, e que este poderia exonerá-lo do cargo de ministro, fato que mais tarde foi negado pelo ministro da Casa Civil Walter Souza Braga Netto.[37] Em uma coletiva, Mandetta ajustou-se ao discurso do presidente, declarando que havia exageros no confinamento social para combater o coronavírus.[38][39][40] Posteriormente, no entanto, Mandetta passou a defender que fossem mantidas as medidas de isolamento social determinadas pelos governos estaduais, contrariando o discurso de Bolsonaro.[41][42]

Em uma pesquisa do Datafolha realizada por telefone com 1 511 pessoas entre os dias 1.º e 3 de abril de 2020, a gestão de Mandetta tinha aprovação de 76 por cento da população, sendo que 82 por cento dessa aprovação era de eleitores do presidente Bolsonaro. Na época, ele se mostrou cético do uso da cloroquina no combate ao coronavírus, quando o chefe de executivo recomendava seu uso, e criticou a passeata promovida pelo presidente, por descumprir o isolamento social.[43] Bolsonaro afirmou, em 5 de abril, sem se referir explicitamente a Mandetta, que "alguns ministros haviam se tornado estrelas" e que "não tinha medo de usar a caneta", sugerindo a possibilidade de exonerar o ministro. No dia seguinte, sites noticiaram que Bolsonaro havia decidido exonerar Mandetta do Ministério da Saúde e substituí-lo pelo deputado Osmar Terra, político alinhado com a visão do presidente a respeito da pandemia de COVID-19.[44][45]

A notícia de que Bolsonaro teria decidido exonerar Mandetta gerou mobilização de políticos, servidores do Ministério da Saúde e da sociedade civil em favor da permanência do ministro.[46][47][48] Mandetta recebeu apoio, entre outros políticos, do ex-ministro Alexandre Padilha, idealizador do programa Mais Médicos, e do deputado Marcelo Freixo. Os governadores João Doria e Ronaldo Caiado mostraram-se abertos a nomeá-lo secretário estadual da Saúde caso fosse removido do ministério.[49][50] Em uma conversa supostamente ouvida em 9 de abril pelo analista de política do canal de TV CNN Brasil, Caio Junqueira, o ministro Onyx Lorenzoni e o deputado Osmar Terra criticaram a atuação do ministro Mandetta, afirmando que ele não teria compromisso com o presidente e que, após os discursos do ministro na mídia, Lorenzoni tinha vontade de "cortar a cabeça dele".[nota 2] O partido Democratas, ao qual são filiados tanto Onyx quanto Mandetta, criticou abertamente Onyx pelo ocorrido e pediu desculpas.[51][52][53] O desgaste na relação de Mandetta com Bolsonaro e seus apoiadores levou à sua exoneração em 16 de abril de 2020.[54]

Notas

  1. Licenciado entre 1 de janeiro e 31 de janeiro de 2019 para assumir o Ministério da Saúde.
  2. Segundo declarou o analista de política Caio Junqueira, este teria ouvido a conversa, após ter telefonado no dia 9 de abril às 8h33 para Osmar Terra. O deputado atendeu ao telefonema, nada falou e não desligou o telefone, o que possibilitou que o diálogo de pouco mais de quatorze minutos pudesse ser ouvido.[51][52]

Referências

  1. «Mandetta, o conservador que vestiu o colete do SUS e entrincheirou Bolsonaro». 3 de abril de 2020. Consultado em 4 de abril de 2020 
  2. «Rotary exalta poder de mobilização da Assomasul na campanha de vacinação». 22 de outubro de 2019 
  3. «Nota de falecimento: Morre a avó do presidente da Câmara da Capital, vereador Paulo Siufi». Nota de falecimento: Morre a avó do presidente da Câmara da Capital, vereador Paulo Siufi | Notícias de Campo Grande e MS | Capital News. Consultado em 28 de novembro de 2018 
  4. a b c d e «Como Mandetta virou protagonista no ataque ao coronavírus no Brasil». 24 de março de 2020 
  5. Shalders, André- (20 de novembro de 2018). «Quem é Luiz Henrique Mandetta, que será ministro da Saúde de Bolsonaro». BBC News Brasil (em inglês) 
  6. «O Ministro» 
  7. MS, Do G1 (24 de fevereiro de 2015). «MPF denuncia ex-prefeito e outros 25 por fraude no Gisa em MS» 
  8. «Investigado sob suspeita de fraude, Mandetta será ministro da Saúde». VEJA 
  9. Confira os deputados federais eleitos por Mato Grosso do Sul
  10. «Apuração dos votos: Mato Grosso do Sul - Eleições 2010 - Terra» 
  11. MS, Do G1 (5 de outubro de 2014). «Confira os deputados federais eleitos por Mato Grosso do Sul» 
  12. «Ministro da Saúde indicado por Bolsonaro é contra o aborto e crítico do ministro Barroso, do STF» 
  13. «Opinião: Imagem técnica de Mandetta não condiz com seu passado político». 26 de março de 2020 
  14. a b c d G1 (2 de agosto de 2017). «Veja como deputados votaram no impeachment de Dilma, na PEC 241, na reforma trabalhista e na denúncia contra Temer». Consultado em 11 de outubro de 2017 
  15. Redação (27 de abril de 2017). «Reforma trabalhista: como votaram os deputados». Consultado em 18 de setembro de 2017 
  16. Carta Capital (3 de agosto de 2017). «Como votou cada deputado sobre a denúncia contra Temer». Consultado em 18 de setembro de 2017 
  17. «Quem foram os 233 deputados que votaram a favor do fundo público eleitoral de R$ 1,7 bi» 
  18. «Tereza Cristina alia-se a Mandetta e escolhe ficar no DEM» (em inglês) 
  19. News, Campo Grande. «Deputado descarta aliança com o MDB e vê duas opções para o DEM em MS» 
  20. «Mandetta anuncia na tribuna da Câmara que desistiu de disputar a reeleição». Campo Grande News. 8 de agosto de 2018. Consultado em 26 de março de 2020 
  21. «Mandetta é confirmado como ministro da Saúde». GauchaZH. 20 de novembro de 2018 
  22. «Bolsonaro anuncia deputado Mandetta como futuro ministro da Saúde». G1 
  23. Shalders* - @andreshalders, André (20 de novembro de 2018). «Quem é Luiz Henrique Mandetta, que será ministro da Saúde de Bolsonaro». BBC News Brasil 
  24. «Cotado para ministério, Mandetta discutiu "caso Gisa" com Bolsonaro». Campo Grande News 
  25. «Bolsonaro diz que Mandetta não é réu e que só acusação 'robusta' tira ministro do governo». G1 
  26. «Quem é Luiz Henrique Mandetta, o ministro de Bolsonaro que incomoda o Planalto - Política» 
  27. «Ministro teve dificuldade para aprovar projetos no Congresso» 
  28. «[Agência Lupa] Em entrevista, Mandetta erra ao falar dados sobre o Programa Mais Médicos». 4 de dezembro de 2019 
  29. «Mandetta pretende legalizar situação de médicos cubanos no Brasil» 
  30. «Nélson Teich é o novo ministro da Saúde». 17 de abril de 2020 
  31. «A rede de Fake News que derrubou Mandetta». Agência Pública. 17 de abril de 2020. Consultado em 19 de abril de 2020. Cópia arquivada em 19 de abril de 2020 
  32. «Covid-19: Mandetta destoa de Bolsonaro e defende isolamento no Brasil». Uol. Consultado em 9 de abril de 2020 
  33. «Coronavírus: detecção, resposta e precauções | Unidade Acadêmica do Cabo de Santo Agostinho» 
  34. «Coronavírus Brasil». Governo Federal 
  35. «O que é? – Secretaria de Saúde | SESPA» 
  36. «Protagonismo de Mandetta na crise do coronavírus incomoda Bolsonaro». Correio Braziliense. 17 de março de 2020 
  37. «Aliados temem radicalização do governo se Mandetta for demitido da Saúde» 
  38. «Mandetta diz a Bolsonaro que, enquanto for ministro, vai contrariá-lo se orientação não for técnica». G1. 29 de março de 2020. Consultado em 4 de abril de 2020 
  39. «Aliados pedem que Mandetta resista no cargo, e preveem embates com Bolsonaro». G1. 30 de março de 2020. Consultado em 4 de abril de 2020 
  40. «Avaliação de Bolsonaro na gestão da crise é muito pior que a de governadores e ministério, diz Datafolha». 23 de março de 2020 
  41. «Mandetta contraria Bolsonaro e pede manutenção de restrições impostas pelos estados». O Globo. 30 de março de 2020. Consultado em 4 de abril de 2020 
  42. «Mandetta contraria Bolsonaro ao recomendar o isolamento». Uol. 31 de março de 2020. Consultado em 4 de abril de 2020 
  43. «Aprovação de ministério de Mandetta também avança entre eleitores de Bolsonaro, diz Datafolha». 6 de abril de 2020 
  44. «Bolsonaro ameaça, mas desiste de demitir Mandetta hoje» 
  45. «Bolsonaro avalia demitir Mandetta da Saúde, sofre pressão, e ministro diz que fica». 6 de abril de 2020 
  46. «Militares e cúpula do Legislativo intervêm para manter Mandetta, a despeito de Bolsonaro». El País. 7 de abril de 2020. Consultado em 7 de abril de 2020 
  47. «Limparam até as minhas gavetas, diz Mandetta ao anunciar permanência na Saúde». Folha de S. Paulo. 6 de abril de 2020. Consultado em 7 de abril de 2020 
  48. «Líder da maçonaria diz que governo deveria apoiar mais o "irmão" Mandetta». Uol. 7 de abril de 2020. Consultado em 7 de abril de 2020 
  49. «Temos de defender Mandetta, diz Padilha, ex-ministro da Saúde de Dilma». 19 de março de 2020 
  50. «Ameaçado de demissão, Mandetta é cobiçado por Doria e Caiado». Terra 
  51. a b «Onyx e Osmar Terra discutem saída de Mandetta» 
  52. a b «Após ataque a Mandetta, integrantes do DEM cobram conduta de Onyx» 
  53. «Onyx pediu desculpas a Mandetta antes de diálogo com Osmar Terra ser publicado». CNN Brasil 
  54. «Bolsonaro demite Mandetta e escolhe Nelson Teich para a Saúde - Política» 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Categoria no Commons
Wikidata Base de dados no Wikidata
Precedido por
Gilberto Occhi
Ministro da Saúde do Brasil
2019–2020
Sucedido por
Nelson Teich