Barjas Negri

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Barjas Negri
Barjas Negri
Prefeito de Piracicaba
Período 1º de janeiro de 2017
até atualidade

1º de janeiro de 2005
até 1° de janeiro de 2013

Ministro da Saúde do Brasil
Período 21 de fevereiro de 2002
até 31 de dezembro de 2002
Presidente Fernando Henrique Cardoso
Antecessor José Serra
Sucessor Humberto Costa
Vereador de Piracicaba
Período 1º de janeiro de 1989
até 31 de dezembro de 1992
Dados pessoais
Nascimento 8 de dezembro de 1950 (68 anos)
São Paulo, SP
Nacionalidade  Brasil
Progenitores Mãe: Hirce Rodrigues Negri
Pai: Affonso Negri Filho
Partido PSDB
Profissão Economista

Barjas Negri (São Paulo, 8 de dezembro de 1950), é um economista e político brasileiro, filiado ao Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB).

Foi ministro da Saúde durante o governo Fernando Henrique Cardoso, e foi também (2005–2012) prefeito de Piracicaba, sendo novamente eleito em 2016.[1]

Vida[editar | editar código-fonte]

Formado em Economia pela UNIMEP, Barjas Negri exerceu a ocupação de professor na Universidade Metodista de Piracicaba e na Unicamp. Em 1977 recebeu o título de Mestre e Doutor em Economia, ambos pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).

Negri foi secretário municipal de Educação (1979–1982) em Piracicaba, vereador (1989–1992) e secretário municipal de Planejamento (1993–1994) na gestão Mendes Thame. Exerceu o cargo de Coordenador de Políticas Sociais e de Planejamento do Estado de São Paulo, na gestão Franco Montoro.

Foi secretário-executivo do FNDE no ministério da Educação (1995 e 1996). Em 1997 assumiu a secretaria executiva do ministério da Saúde até fevereiro de 2002, quando tornou-se o ministro da Saúde. Foi secretário estadual da Habitação e presidente da CDHU na gestão Alckmin.[2]

Foi eleito prefeito de Piracicaba pelo PSDB com 120.412 votos (68,2% dos válidos) em 2004, e reeleito em 2008 com 173.108 votos (88% dos válidos).

Foi presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Educação (FDE), órgão público, do Estado de São Paulo que presta serviços para a Secretaria do Estado da Educação.

Venceu novamente as eleições municipais em 2016, cumprindo seu terceiro mandato como prefeito de Piracicaba.

Controvérsia[editar | editar código-fonte]

Em 2006 Barjas Negri teve seu nome envolvido no Escândalo das Sanguessugas, como suposto braço direito de José Serra[3] na liberação da compra de ambulâncias superfaturadas. Em depoimento à CPI das Sanguessugas, Negri negou qualquer envolvimento com o esquema. Porem, durante a gestão do ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), Negri assumiu, entre 2003 e 2004, a presidência da Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano de São Paulo. Nesse período, o TCE condenou ou responsabilizou Barjas Negri por irregularidades praticadas em 102 contratos firmados pela autarquia. Reportagem, assinada pelo jornalista Alessandro Rodrigues, afirma que a maioria das irregularidades condenadas pelo TCE ocorreu por licitações dirigidas, aditamentos irregulares acima do percentual determinado pela lei - e prejuízo à competitividade e economicidade das unidades habitacionais construídas no período. Mesmo o governo do Estado tendo cortado os recursos para a habitação popular, Barjas Negri movimentou um orçamento bilionário entre os anos de 2003 e 2004, chegando a R$ 1,33 bilhão neste período.[4]

Referências


Precedido por
José Serra
Ministro da Saúde do Brasil
2002
Sucedido por
Humberto Costa


Ícone de esboço Este artigo sobre um político brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.