Andrea Matarazzo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com Andrea Matarazzo (1865-1953).
Andrea Matarazzo
Andrea Matarazzo
Ministro da Secretaria de Comunicação Social da Presidência do Brasil
Período 1999–2001
Presidente Fernando Henrique Cardoso
Antecessor(a) Sérgio Amaral
Sucessor(a) Itamar Franco
Embaixador do Brasil em Roma
Período 2001–2002
Presidente Fernando Henrique Cardoso
Secretário de Estado da Cultura de São Paulo
Período 2010–2012
Governador Geraldo Alckmin
Antecessor(a) João Sayad[1]
Sucessor(a) Marcelo Matos Araújo
Vereador de São Paulo
Período 1 de janeiro de 2013
até 31 de dezembro de 2016
Secretário de Subprefeituras de São Paulo
Período 2006–2008
Prefeito Gilberto Kassab
Subprefeito da subprefeitura da Sé
Período 2005–2009
Prefeitos José Serra e Gilberto Kassab
Dados pessoais
Nascimento 22 de novembro de 1956 (61 anos)
São Paulo, SP, Brasil
Partido PSD (desde 2016)
PSDB (1991–2016)
Profissão empresário e radialista

Angelo Andrea Matarazzo (São Paulo, 22 de novembro de 1956) é um empresário, radialista e político brasileiro. É neto de Andrea Matarazzo, sobrinho-neto do conde Francesco Matarazzo, sobrinho de Ciccillo Matarazzo e irmão da jornalista de etiqueta e comportamento Claudia Matarazzo.

Trajetória[editar | editar código-fonte]

De 1991 a 1992 foi assessor especial do Ministério da Educação e Cultura. Em seguida, foi secretário de Política Industrial do Ministério da Indústria, do Comércio e do Turismo entre 1992 e 1993. Durante o governo Mário Covas em São Paulo, foi Secretário Estadual de Energia e presidente da Companhia Energética de São Paulo (Cesp), além de membro dos conselhos de Desestatização, de Administração da Companhia Paulista de Ativos e de Ciências e Tecnologia do Estado de São Paulo. Integrou também o Comitê de Relações Empresariais do Governo do Estado de São Paulo e o Instituto Teotônio Vilela, além de ser coordenador do Núcleo de Gestão Estratégica da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo.

Foi secretário de Política Industrial no governo Itamar Franco, ministro-chefe da Secretaria de Comunicação de Governo da Presidência da República (1999 a 2001) e exerceu o cargo de embaixador do Brasil na Itália (2001 a 2002) no governo de Fernando Henrique Cardoso.

No governo do Estado, além de secretário da Cultura, foi secretário de Energia (1998), presidente da Companhia Energética de São Paulo (1995-1998) e presidente do Conselho da Companhia Paulista de Força e Luz (CPFL).

De 1999 a 2001, foi ministro-chefe da Secretaria de Comunicação da Presidência da República durante o governo de Fernando Henrique Cardoso e embaixador do Brasil em Roma, entre 2001 e 2002. Em 2005, entrou na administração municipal de São Paulo como subprefeito da Sé na gestão de José Serra. Assumiu também, em 2006, a Secretaria Municipal de Serviços, como subprefeito da Sé e secretário (de Coordenação das Subprefeituras) na gestão de Gilberto Kassab. A partir de 2008, manteve-se apenas como secretário até o início de setembro de 2009, quando teve seu pedido de demissão aceito por Kassab. Assumiu, em 2010, a Secretaria de Estado da Cultura,[2] cargo que ocupou até 2 de abril de 2012.

No município, foi subprefeito da Sé (2005 a 2007), secretário municipal de Serviços (2005 a 2006) e secretário de Coordenação das Subprefeituras (2007 a 2009).[3] Na Prefeitura, teve destaque seu trabalho nas áreas de limpeza urbana, pavimentação, reforma e padronização de calçadas e acessibilidade e mobilidade urbana. Deu início a projetos importantes, como a revitalização do Centro e da Nova Luz, a criação de novas áreas verdes (Parque do Povo, Parque do Trote e parques na região da represa de Guarapiranga). Também realizou um trabalho firme contra o comércio ilegal e pelo fechamento dos bingos. Foi o responsável pela operacionalização do programa Cidade Limpa e pela reforma da avenida Paulista.

Na iniciativa privada, atuou como membro do Conselho Consultivo da Câmara Ítalo-Brasileira de Comércio e Indústria e presidente do Comitê de Investimento. Foi, ainda, conselheiro do Instituto de Estudos para Desenvolvimento Industrial (IEDI) e membro do Conselho de Administração da Fundação Bienal de São Paulo.

Em outubro de 2012, foi eleito o segundo vereador mais votado do Brasil com 117.617 votos.[4]

Graduado em Administração de Empresas, é, atualmente, presidente licenciado da Matarazzo SA Holding e da Metalma SA, também atuando como radialista no programa "A Cara do Povo", na Rádio Capital.

Cargos públicos[editar | editar código-fonte]

  • Secretário de Cultura (2010–2012)
  • Secretário de Coordenação das Subprefeituras de São Paulo (2007-2009)
  • Subprefeito da Sé (2005-2007)
  • Secretário Municipal de Serviços (2005/2006)
  • Embaixador do Brasil na Itália (2001/2002)
  • Ministro-chefe da Secretaria de Comunicação de Governo da Presidência da República (1999/2001)
  • Secretário de Energia do Governo do Estado de São Paulo (1998)
  • Presidente da Companhia Energética de São Paulo – CESP (1995/1998)
  • Secretário de Política Industrial do Ministério da Indústria, do Comércio e do Turismo (1992/1993)
  • Assessor especial do Ministério da Educação e Cultura (1991/1992)

Eleições 2016[editar | editar código-fonte]

Deixou o PSDB em 18 de março de 2016, dois dias antes do 2º Turno das prévias para definir o candidato à Prefeito de São Paulo pelo partido em 2016.[5]

Em 30 de março de 2016 assinou a filiação com o PSD, com a intenção de disputar a Prefeitura de São Paulo.[6]

No fim de julho aceitou ser candidato a vice-prefeito de São Paulo na chapa de Marta Suplicy (PMDB), de quem sempre fez oposição, gerando, dessa forma, indignação de parte do seu eleitorado.[7]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. André Cintra (20 de maio de 2010). «Como Matarazzo, o homem-forte de Serra, virou ícone do higienismo». Portal Vermelho. Consultado em 8 de janeiro de 2017 
  2. «Andrea Matarazzo é o novo secretário de Cultura de São Paulo por Mônica Bergamo, Folha de S. Paulo». www.canalcontemporaneo.art.br. Canal Contemporâneo. Consultado em 8 de janeiro de 2017 
  3. «Andrea Matarazzo deixa Secretaria de Subprefeituras - Política - Estadão». Estadão 
  4. «Biografia - Andrea Matarazzo». Andrea Matarazzo 
  5. «Andrea Matarazzo anuncia saída do PSDB». São Paulo. Consultado em 19 de março de 2016 
  6. «Matarazzo se filia ao PSD e é pré-candidato à Prefeitura de SP». São Paulo. Consultado em 31 de março de 2016 
  7. «Marta terá Matarazzo como vice em chapa para disputar Prefeitura de SP». 26 de julho de 2016. Consultado em 27 de julho de 2016 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]