Eleição presidencial da França em 2017

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Eleição presidencial da França em 2017
  2012 ← Flag of France.svg → 2022
23 de abril de 2017 (primeiro turno)
7 de maio de 2017 (segundo turno)
Emmanuel Macron crop.jpg Le Pen, Marine-9586 (cropped).jpg
Candidato Emmanuel Macron Marine Le Pen
Partido EM! FN
Votos 20 753 798 10 644 118
Porcentagem 66,10% 33,90%
Élection présidentielle de 2017 par département T2.svg
Resultados do segundo turno por departamento:


Armoiries république française.svg
Presidente da França

A décima-primeira eleição presidencial da Quinta República Francesa foi realizada em 23 de abril e em 7 de maio de 2017. Emmanuel Macron ganhou no segundo turno contra Marine Le Pen e foi eleito presidente, recebendo assim um mandato de cinco anos. Ele sucede a François Hollande, que preferiu não concorrer a um segundo mandato.

Contexto[editar | editar código-fonte]

O Presidente da República Francesa é eleito para um mandato de cinco anos num sistema de dois turnos promulgado nos termos do artigo 7º da Constituição. Se nenhum candidato obtiver a maioria absoluta (isto é, incluindo as cédulas em branco e nulos) de votos no primeiro turno, um segundo turno será realizado duas semanas mais tarde entre os dois candidatos que receberam mais votos.[1] Em 2017, o 1º e 2º turnos estão previstos para 23 de Abril e 7 de Maio, respectivamente[2].

Para serem inscritos nas urnas durante o 1º turno, os candidatos devem obter 500 assinaturas de políticos eleitos, sejam nacionais ou locais. de pelo menos 30 departamentos diferentes ou de coletividades ultramarinas, com um décimo desses signatários de um único departamento[3]. O período oficial de recolhimento de assinaturas teve início na sequência da publicação do Jornal Oficial de 25 de Fevereiro e foi encerrado em 17 de Março[4]. O período de recolhimento tinha sido programado para começar em 23 de Fevereiro, mas uma visita do primeiro-ministro Bernard Cazeneuve à China naquela data forçou o atraso da emissão do decreto no Jornal Oficial abrindo o período de assinaturas. As prefeituras francesas enviarão formulários de patrocínio aos 42.000 eleitos (referidos como parrainages) para dar a sua assinatura a um candidato, o qual deverá então ser entregue ao Conselho Constitucional para validação. Ao contrário dos anos anteriores, uma lista de assinaturas validadas será publicada na terça-feira e quinta-feira de cada semana no site do Conselho. Em anos anteriores, os signatários só foram publicados após a verificação da lista oficial de candidatos após o final do período de recolhimento. O fim do período de coleta de assinaturas também marca o prazo para a declaração de bens pessoais exigidos dos potenciais candidatos. A lista final de candidatos foi proclamada em 21 de Março [5].

A partir de 19 de Março, o Conselho Superior do Audiovisual (CSA) assegura que os organismos de radiodifusão ofereçam aos candidatos "condições de programação comparáveis"[6]. A CSA advertiu, em 8 de março, que a quantidade de tempo de transmissão que os emissores haviam dado a Fillon e seus partidários era "excepcionalmente alta", mesmo dadas as circunstâncias incomuns em torno de sua candidatura; A organização também levantou preocupações sobre o princípio da igualdade, instando as redes a monitorar a distribuição justa de tempo entre os candidatos[7]. A partir de 10 de Abril, no início da campanha oficial, os meios audiovisuais são obrigados a garantir a igualdade de expressão e de tempo de transmissão. As campanhas para o 1º turno da eleição terminam à meia-noite de 21 de abril, dois dias antes da eleição. O Conselho Constitucional verificará os resultados do 1º turno entre 24 - 26 de Abril e certificará oficialmente a votação em 26 de Abril; Se um 2º turno se fazer necessário em 7 de Maio, o mesmo procedimento será utilizado novamente. O novo Presidente da República Francesa será proclamado em 11 de Maio e será submetido à sua cerimônia de investidura no dia 14 de Maio [8].

Assinaturas[editar | editar código-fonte]

Um candidato deve obter 500 assinaturas de políticos eleitos, a fim de poder participar do 1º turno, em 23 de abril[9], com o período de coleta de assinatura terminando em 17 de março[10]. A tabela abaixo lista as assinaturas dos candidatos recebidas pelo Conselho Constitucional[11].

Cor da legenda
1–50 51–100 101–150 151–200 201–250 251–300 301–350 351–400 401–450 451–500 500+

Legenda dos partidos

  • AR: Aliança Real, em francês Alliance royale.
  • DVD: Outro candidato de direita, em francês Divers droite.
  • DVG: Outro candidato de esquerda, em francês Divers gauche.
  • EM!: Em Marcha!, em francês En Marche !
  • FI: França Insubmissa, em francês La France insoumise.
  • FN: Frente Nacional, em francês Front National.
  • LP: Candidata da plataforma LaPrimaire.org.
  • LR: Os Republicanos, em francês Les Républicains.
  • MEI: Movimento Ecologista Independente, em francês Mouvement écologiste indépendant.
  • ND: New Deal, em francês Nouvelle donne.
  • NPA: Novo Partido Anticapitalista, em francês Nouveau Parti Anticapitaliste.
  • PS: Partido Socialista, em francês Parti Socialiste.
  • RCF: Reunião dos Contribuintes Franceses, em francês Rassemblement des contribuables français.
  • SE: Independente, em francês Sans étiquette.
  • TH: Tavini Huiraatira, partido da Polinésia Francesa, território ultramarino francês.

Candidatos[editar | editar código-fonte]

A lista final de candidatos foi determinada pelo Conselho Constitucional em 18 de Março, com a ordem determinada por sorteio[20]. A ordem abaixo, será a mesma seguida das cédulas de votação no dia do 1º turno, previsto para 23 de abril.

Candidato (nome e idade) [21] Histórico Político Logotipo de campanha Detalhes
Nicolas Dupont-Aignan (56)
Levantar a França (DLF)
Nicolas Dupont-Aignan Presidente do Levantar a França
(desde 2008)
Deputado por Essonne
(dese 1997)
Prefeito de Yerres
(desde 1995)
Nicolas Dupont-Aignan 2017 logo.png Um ex-membro do RPR, RIF e UMP, Dupont-Aignan deixou o último sobre desacordos com Nicolas Sarkozy na véspera da eleição de 2007, e fundou subsequentemente o seu partido político, fundado sob a sigla DLR, rebatizado mais tarde para DLR em 2014. Ele anteriormente se apresentou como candidato na eleição de 2012, onde ele recebeu 1,79% dos votos no 1º turno. Reivindicando o manto do Gaullismo, procura posicionar-se entre Marine Le Pen e Fillon [22].
Marine Le Pen (48)
Frente Nacional (FN)
Marine Le Pen Presidente da Frente Nacional
(desde 2011)
Eurodeputada pelo Noroeste da França
(desde 2004)
Quando Marine Le Pen esteve na eleição de 2012, ela ficou em terceiro lugar com 17,90% dos votos no 1º turno. Ela sucedeu seu pai em 2011 como líder da Frente Nacional depois de uma luta amarga, e agora promove um programa priorizando os interesses nacionais da França, e também sair da zona do euro. Sua campanha foi pontuada por inquéritos judiciais em seu partido.[22]
Emmanuel Macron (39)
Em Marcha! (EM!)
Emmanuel Macron Presidente do Em Marcha!
(desde 2016)
Ministro da Economia
(2014–2016)Presidente Eleito

(7 Maio 2017)

Logo of En Marche! O candidato mais jovem na corrida e um ex-ministro da economia que nunca candidatou-se a cargos públicos, Macron se descreve como "nem da direita nem da esquerda". Ele foi nomeado vice-secretário-geral do Eliseu em 2012 e tornou-se ministro da economia em 2014, emprestando seu nome à "lei Macron" para promover o crescimento econômico e as oportunidades. Ele fundou o movimento Em Marcha! em abril de 2016 antes de renunciar ao cargo de ministro em 30 de agosto. [22]
Benoît Hamon (49)
Partido Socialista (PS)
Benoît Hamon Deputado por Yvelines
(2012 e desde 2014)
Ministro da Educação
(2014)
Logo candidature Hamon 2017.svg Hamon, ex-rebelde de esquerda, derrotou em janeiro de 2017 o ex-primeiro-ministro da França, Manuel Valls, A vitória de Hamon na primária foi impulsionada pelo seu apoio a uma renda universal básica, que permaneceu como parte integrante de seu programa. Ele negociou a retirada e apoio de Yannick Jadot, do Europa Ecologia - Os Verdes (EELV) em fevereiro, tornando-se o candidato comum de ambos os partidos. [22]
Nathalie Arthaud (47)
Luta Operária (LO)
Nathalie Arthaud Porta-voz do Luta Operária
(desde 2008)
Arthaud concorreu pela primeira vez para a presidência na eleição de 2012 pelo partido Luta Operária, recebendo 0,56% dos votos no 1º turno. Professora de Economia, descreve o objetivo de sua candidatura a "fazer ouvir a voz dos trabalhadores", na esperança de "permitir que os trabalhadores, os desempregados e os explorados defendam seus interesses, em oposição a milhões e milhões". [22]
Philippe Poutou (50)
Novo Partido Anticapitalista (NPA)
Philippe Poutou Porta-voz do Novo Partido Anticapitalista
(desde 2009)
Um militante de esquerda de longa data, Poutou é um sindicalista e mecânico da Ford em Blanquefort, atualmente lutando contra o desligamento da fábrica local. Ele também concorreu na eleição de 2012, obtendo 1,15% dos votos no 1º Turno. Ele iniciou suas atividades políticas no Luta Operária antes de se juntar à Liga Comunista Revolucionária (LCR), que se tornou o NPA em 2009. [22]
Jacques Cheminade (75)
Solidariedade e Progresso (SP)
Jacques Cheminade Presidente do Solidariedade e Progresso
(desde 1996)
Logo of Jacques Cheminade Cheminade fundou o partido Solidariedade e Progresso em 1996 e é a figura de proa do movimento LaRouche em França. Ele propõe deixar a OTAN, a União Europeia, a Zona do Euro e retornar ao franco francês. Ele apóia a colonização da Lua para permitir a exploração de Marte. Ele já foi candidato por duas vezes, na eleição de 1995 e eleição de 2012, obtendo 0,28% e 0,25% dos votos, respectivamente, mas não concorreu nas eleições de 1981, 1988, 2002 e 2007. [22]
Jean Lassalle (61)
Independente (SE)
Jean Lassalle Deputado por Pyrénées-Atlantiques
(desde 2002)
Prefeito de Lourdios-Ichère
(desde 1977)
Jean Lassalle 2017 logo.png Lassalle, um ex-membro do Movimento Democrata (MoDem), presidido por François Bayrou, sob a bandeira de Resistons!, considera-se o "defensor dos territórios rurais e uma ecologia humanista". Tornou-se famoso por uma bem-sucedida greve de fome de 39 dias que protestava contra o movimento da fábrica Total de Accous para a bacia de Lacq, há 65 km de distância. [22]
Jean-Luc Mélenchon (65)
França Insubmissa (FI)
Jean-Luc Mélenchon Eurodeputado pelo Sudoeste da França
(desde 2009)
Denunciando a "deriva liberal" do partido, Mélenchon deixou o PS em 2008 para fundar o Partido de Esquerda. Em 2017, ele concorre pelo movimento França Insubmissa (FI), depois da candidatura na eleição de 2012 quando ele ficou em quarto lugar com 11,10% dos votos. Um crítico do governo de François Hollande, seu programa de 2017 sublinha os princípios da esquerda e do meio ambiente. [22]
François Asselineau (59)
União Popular Republicana (UPR)
François Asselineau Presidente do UPR
(desde 2007)
François Asselineau 2017 logo.png Asselineau surpreendeu observadores com seu sucesso na aquisição das 500 assinaturas necessárias para se candidatar. Anteriormente do Rally para a França e do UMP, ele deixou este último em 2006, opondo-se ao seu alinhamento com os Estados Unidos. Um souveirainista, ele fundou o UPR em 2007 e defende a saída francesa da União Europeia. [22]
François Fillon (63)
Os Republicanos (LR)
François Fillon Deputado por Paris
(desde 2012)
Primeiro-ministro
(2007–2012)
François Fillon 2017 logo.png Fillon liderou uma prolífica carreira política a partir do início dos anos 70. Contrariando as pesquisas, venceu a primária de seu partido, Os Republicanos, oferecendo um programa econômico liberal que termina a semana de 35 horas, demitir 500.000 funcionários públicos, e abolir a solidariedade Imposto Solidário sobre Riquezas (em francês, Impôt de solidarité sur la fortune ou ISF). No entanto, sua campanha foi prejudicada em janeiro de 2017, após a publicação de alegações de empregos fictícios de membros da família, incluindo sua esposa, coletivamente conhecida como Penelopegate. [22]

Debates[editar | editar código-fonte]

Pela primeira vez em uma eleição presidencial na França[23][24], diferentes debates televisivos entre os candidatos serão organizados antes da votação do primeiro turno, iguais aos que ocorreram na primária da direita e da esquerda[25].

O primeiro, mediado pelos jornalistas Anne-Claire Coudray e Gilles Bouleau, será realizado em 20 de março de 2017 às 21:00, ao vivo pela TF1 e LCI, que reúne cinco dos candidatos como chefe de posição do Estado, ou seja, François Fillon, Benoît Hamon, Marine Le Pen, Emmanuel Macron e Jean-Luc Mélenchon[26]. Depois de uma introdução, onde os candidatos dirão o porquê que querem ser presidente da França, o debate será dividido em três temas: o modelo de sociedade (incluindo questões, entre outras, sobre as instituições, segurança, imigração, identidade e ecologia), o modelo de negócio (trabalho, comércio, proteção social e fiscalidade) e, finalmente, o lugar da França no mundo (geopolítica, a Europa, o terrorismo ou fronteiras)[27][28]. Os cinco candidatos terão 2 minutos para responder cada questão; após 1 minuto e 30 segundos, os adversários vão fazer as réplicas e tréplicas[29].

A organização de um debate com apenas parte dos candidatos - aqueles com pelo menos 10% das intenções de voto nas pesquisas - é polêmica[30][31]; Assim, Nicolas Dupont-Aignan, que é um dos que não será convidado à participar do 1º debate, denunciou um "estupro à democracia" e apela a um boicote deste debate[32], e também um boicote à CSA[33][34]. A TF1, em seguida, espera receber os candidatos que não participam no debate numa entrevista de 10 minutos em seu Jornal Diário das 20 horas.

Dois outros debates televisivos com a presença de todos os candidatos também serão feitos: um para a BFM TV e CNews em 04 de abril[35][36], mediado por Ruth Elkrief e Laurence Ferrari[37], e outro pela France 2 em 20 de abril (três dias antes do primeiro turno)[38].

O Canal France 2 pretendeu fazer um debate com todos os candidatos em 20 de abril[39], mas em 28 março, Jean-Luc Mélenchon declarou que estava descontente com o seu calendário, planejando não participar, e preferiria que ele fosse realizado antes de 17 de abril[40]. Macron também expressou questões sobre o terceiro debate proposto, afirmando que ele queria apenas um debate com todos os 11 candidatos antes do 1º turno e, de preferência, não apenas três dias antes do 1º turno[41]. Em 29 de março, o Conselho Superior do Audiovisual (CSA) indicou estar "preocupado" com a proximidade do debate e recomendou que os candidatos e os organismos de radiodifusão trabalhem para encontrar um acordo o mais rápido possível[42]. A France Télévisions decidiu manter a data de 20 de Abril devido à falta de consenso sobre uma alternativa no dia seguinte[43], mas abandonou os planos para um terceiro debate em 5 de Abril, propondo que os candidatos fossem entrevistados por Léa Salamé e David Pujadas[44].

O canal TF1 inicialmente tinha planos para realizar o seu próprio debate do 2º turno, em vez disso, decidiu realizar um único debate em conjunto com o canal France 2[45]. O canal BFM TV também pretendeu realizar um debate no 2º turno, e procurou os canais France 2 e TF1 em realizar em conjunto, um único debate, mas foi rejeitado; Enquanto todos os canais eram bem-vindos para transmitir o debate, o CEO da France Télévisions Delphine Ernotte disse que não aceitaria tal acordo com a BFM TV, o que significaria três jornalistas moderando o debate[46]. Ao contrário de Jacques Chirac, que se recusou a debater com Jean-Marie Le Pen após seu surpreendente avanço para o 2º turno na eleição presidencial de 2002, Macron concordou em debater com Marine Le Pen em 3 de maio[47]. O debate, previsto para começar às 21:00 e durar 2 horas e 20 minutos, foi inicialmente decidido ser moderado por Gilles Bouleau e David Pujadas; No entanto, depois que o Conselho Superior do Audiovisual (CSA) levanta ra preocupação de que os moderadores seriam homens pela primeira vez desde 1995, foi escolhido o par final de Christophe Jakubyszyn do canal TF1 e Nathalie Saint-Cricq do canal France 2[48].

Debates da Eleição presidencial da França em 2017
Data Organizadores Mediadores  P  Presente  C  Convidado  NC  Não-convidado  A  Ausente Referências
Arthaud Poutou Mélenchon Hamon Macron Lassalle Fillon Dupont-Aignan Asselineau Le Pen Cheminade
20 de Março TF1, LCI Anne-Claire Coudray, Gilles Bouleau NC NC P P P NC P NC NC P NC [49][50]
4 de Abril BFMTV, CNews Ruth Elkrief, Laurence Ferrari C C C C C C C C C C C [51]
3 de maio TF1 e France 2 Christophe Jakubyszyn, Nathalie Saint-Cricq C C [52]

Pesquisas[editar | editar código-fonte]

1º Turno[editar | editar código-fonte]

Instituto Data Entrevis-tados Emmanuel Macron Marine Le Pen François Fillon Jean-Luc Mélenchon Benoît Hamon Nicolas Dupont-Aignan Philippe Poutou Jean Lassalle François Asselineau Nathalie Arthaud Jacques Cheminade
Macron
EM!
Le Pen
FN
Fillon
LR
Mélenchon
FI
Hamon
PS
Dupont-Aignan
DLF
Poutou
NPA
Lassalle
SE
Asselineau
UPR
Arthaud
LO
Cheminade
S&P
OpinionWay[53] 17 - 19/04 2 394 23% 22% 20% 19% 8% 4% 2% 1% 1% 0% 0%
Ifop-Fiducial[54] 17 - 20/04 2 810 24% 22,5% 19,5% 18,5% 7% 4% 1,5% 1,5% 1% 0,5% <0,5%
BVA[55] 18 - 19/04 1 427 24% 23% 19% 19% 8,5% 3,5% 1,5% 0,5% 0,5% 0,5% <0,5%
Harris[56] 18 - 19/04 2 812 25% 22% 19% 19% 7,5% 4% 1,5% 1% 0,5% 0,5% <0,5%
Harris[57] 18 - 20/04 962 24,5% 21% 20% 19% 7,5% 4% 1,5% 1% 1% 0,5% <0,5%
OpinionWay[58] 18 - 20/04 2 269 23% 22% 21% 18% 8% 4% 2% 1% 1% 0% 0%
Ifop-Fiducial[59] 18 - 21/04 2 823 24,5% 22,5% 19,5% 18,5% 7% 4% 1,5% 1% 1% 0,5% 0%
Elabe[60] 19 - 20/04 1 445 24% 21,5% 20% 19,5% 7% 4% 1,5% 1% 1% 0,5% <0,5%
Ipsos[61] 19 - 20/04 1 401 24% 22% 19% 19% 7,5% 4% 1,5% 1,5% 1% 0,5% <0,5%
Odoxa[62] 20/04 1 433 25% 22% 19,5% 19,5% 6% 4% 1,5% 1% 1% 0,5% 0%
BVA[63] 20 - 21/04 1 494 23% 23% 19% 19,5% 8% 4% 1,5% 1% 0,5% 0,5% <0,5%
Odoxa[64] 21/04 953 24,5% 23% 19% 19% 7,5% 4,5% 1% 0,5% 1% 0% 0%
Pesquisas de boca de urna
Elabe[65] 23/04 - 23,7% 22% 19,5% 19,5% 6,5% 5% 1,1% 1,2% 0,8% 0,6% 0,1%
Elabe[66] 23/04 - 24% 21,8% 19,9% 19,3% 6,3% 4,9% 1,1% 1% 0,8% 0,7% 0,2%
Harris[67] 23/04 - 24,3% 21,8% 19,6% 19,6% 6% 4,7% 1% 1,1% 1% 0,7% 0,2%
Ifop-Fiducial[68] 23/04 - 23,8% 21,6% 20,3% 19,6% 6,1% 4,6% 1% 1,3% 0,9% 0,6% 0,2%
Ipsos[69] 23/04 - 23,7% 21,9% 19,7% 19,2% 6,2% 4,9% 1,2% 1,4% 0,9% 0,7% <0,5%
Kantar-Sofres[70] 23/04 - 23% 23% 19% 19% 7% 5% 1% 1,5% 1% 0,5% 0%

2º Turno[editar | editar código-fonte]

Instituto Data Entrevis-tados Emmanuel Macron Marine Le Pen
Macron
EM!
Le Pen
FN
BVA[71] 01 - 02/05 1 435 60% 40%
Ifop-Fiducial[72] 30/04 - 03/05 1 405 60% 40%
OpinionWay[73] 01 - 03/05 2 264 61% 39%
Ifop-Fiducial[74] 01 - 04/05 1 400 61% 39%
OpinionWay[75] 02 - 04/05 2 264 62% 38%
Elabe[76] 04/05 1 009 62% 38%
Ipsos[77] 04/05 1 605 61,5% 38,5%
Odoxa[78] 04/05 959 62% 38%
Ifop-Fiducial[79] 02 - 05/05 1 861 63% 37%
Harris[80] 04 - 05/05 2 270 62% 38%
Ipsos[81] 05/05 5 331 63% 37%

Resultados[editar | editar código-fonte]

Mapa indicando os vencedores do segundo turno em cada departamento.
Mapa indicando os vencedores do primeiro turno em cada departamento.
Candidato Partido 1º Turno 2º Turno
Votos % Votos %
Emmanuel Macron Em Marcha! EM! 8 656 346 24,01 20 743 128 66,10
Marine Le Pen Frente Nacional FN 7 678 491 21,30 10 638 475 33,90
François Fillon Os Republicanos LR 7 212 995 20,01
Jean-Luc Mélenchon França Insubmissa FI 7 059 951 19,58
Benoît Hamon Partido Socialista PS 2 291 288 6,36
Nicolas Dupont-Aignan Levantar a França DLF 1 695 000 4,70
Jean Lassalle Resistir! R! 435 301 1,21
Philippe Poutou Novo Partido Anticapitalista NPA 394 505 1,09
François Asselineau União Popular Republicana UPR 332 547 0,92
Nathalie Arthaud Luta Operária LO 232 384 0,64
Jacques Cheminade Solidariedade e Progresso SP 65 586 0,18
Votos válidos 36 054 394 97,43 31 381 603 88,48
Votos brancos ou nulos 949 334 2,57 4 085 724 11,52
Total de votos 37 003 728 100 35 467 327 100
Participação 37 003 728 77,77 35 467 327 74,56
Abstenção 10 578 455 22,23 12 101 366 25,44
Eleitorado 47 582 183 100 47 568 693 100
Fonte [82]


Resultado por regiões[editar código-fonte]

Apoios no 2º Turno[editar | editar código-fonte]

Após a eliminação no 1º turno, tanto François Fillon como Benoît Hamon chamaram para votar em Emmanuel Macron, enquanto Jean-Luc Mélenchon se recusou a pronunciar a favor de qualquer candidato, preferindo consultar primeiro os ativistas de seu movimento[83]. Jean Lassalle e Nathalie Arthaud optaram por votar em branco[84][85], Philippe Poutou e François Asselineau não deram instruções de voto, e Jacques Cheminade deu uma posição de neutralidade[86]. Nicolas Dupont-Aignan declarou apoio a Marine Le Pen em 28 de abril[87], e foi escolhido como primeiro-ministro no governo de Le Pen, caso ela vença o 2º turno[88].

Referências

  1. «Constitution du 4 octobre 1958 - Article 7». Légifrance. Consultado em 19 Mar 2017 
  2. «Parrainages, temps de parole, débats… Les dates clé de l'élection présidentielle». LeMonde. 15 de fevereiro de 2017 
  3. «CONCERNANT LES PARRAINAGES, QU'EST-CE QUI A CHANGÉ DEPUIS 2012 ?». Conséil Constitutionnel. Consultado em 19 de março de 2017 
  4. «Présidentielle : que prévoit la Constitution en cas de retrait de la candidature de Fillon ?». Le Monde. Consultado em 10 de fevereiro de 2017 
  5. «Présidentielle : que prévoit la Constitution en cas de retrait de la candidature de Fillon ?». Le Monde. 10 de fevereiro de 2017. Consultado em 19 de março de 2017 
  6. «Parrainages, temps de parole, débats… Les dates clé de l'élection présidentielle». LeMonde. 15 de fevereiro de 2017 
  7. «TEMPS DE PAROLE: LE CSA POINTE UN DÉSÉQUILIBRE EN FAVEUR DE FRANÇOIS FILLON». LCP. 8 de março de 2017 
  8. «Parrainages, temps de parole, débats… Les dates clé de l'élection présidentielle». LeMonde. 15 de fevereiro de 2017 
  9. Conseil Constitutionnel (12 de fevereiro de 2017). «CONCERNANT LES PARRAINAGES, QU'EST-CE QUI A CHANGÉ DEPUIS 2012 ?». Conseil Constitutionnel 
  10. «Présidentielle : que prévoit la Constitution en cas de retrait de la candidature de Fillon ?». Le Monde. 10 de fevereiro de 2017 
  11. Conseil Constitutionnel (10 de março de 2017). «LES PARRAINAGES VALIDÉS PAR CANDIDAT». Conseil Constitutionnel 
  12. «Juppé renonce, la droite au bord de la rupture». Le Monde. 6 de março de 2017 
  13. «Présidentielle 2017. Christian Troadec se retire de la course». Ouest France. 6 de março de 2017 
  14. «BASTIEN FAUDOT (MRC) RETIRE SA CANDIDATURE À LA PRÉSIDENTIELLE». LCP. 12 de março de 2017 
  15. «Yannick Jadot se retire de la course à la présidentielle et rallie Benoît Hamon». Le Monde. 23 de fevereiro de 2017 
  16. «Un maire parraine un ami à la présidentielle, pour lui faire "une blague"». LaDepeche.fr. 6 de março de 2017 
  17. «Election présidentielle : les parrainages les plus insolites». France Info. 10 de março de 2017 
  18. «Election présidentielle : les parrainages les plus insolites». France Info. 10 de março de 2017 
  19. «Présidentielle 2017 : un candidat choisit de s'autoparrainer». RTL. 12 de março de 2017 
  20. «LISTE OFFICIELLE DES CANDIDATS À L'ÉLECTION PRÉSIDENTIELLE». Conséil Constitucionnel. 18 Mar 2017 
  21. Por convenção, a idade dos candidatos é calculada com base na data de publicação da lista oficial de candidatos pelo Conselho Constitucional em 21 de março de 2017.
  22. a b c d e f g h i j k «Qui sont les candidats pour la présidentielle 2017 ?». Le Monde. 18 de março de 2017 
  23. L'Express.fr (21 fev 2017). «C'est inédit, il y aura deux débats avant le premier tour de la présidentielle». Maud Pierron e Audrey Kucinskas 
  24. Le Point (21 de fevereiro de 2017). «Présidentielle: un débat inédit sur TF1 le 20 mars» 
  25. Le Point (20 de fevereiro de 2017). «Présidentielle: TF1 et France 2 organiseront des débats sur le modèle des primaires» 
  26. 20 Minutes (21 de fevereiro de 2017). «Présidentielle: Tous les candidats s'affronteront sur France 2 lors d'un débat avant le 1er tour» 
  27. Europe1 (16 de março de 2017). «Présidentielle 2017 : comment va se dérouler le premier débat télé ?» 
  28. OuestFrance (15 de março de 2017). «Présidentielle. À quoi va ressembler le débat à cinq de TF1 ?» 
  29. Marianne (15 de março de 2017). «Présidentielle : le programme du premier débat télévisé sur TF1 le 20 mars» 
  30. Les Echos (22 de fevereiro de 2017). «Débat présidentiel : le dispositif de TF1 fait polémique» 
  31. Libération (22 de fevereiro de 2017). «Le débat présidentiel de TF1 à cinq candidats est-il illégal ?» 
  32. Le Figaro (21 de fevereiro de 2017). «Débat sur TF1: Dupont-Aignan dénonce un «viol démocratique»» 
  33. Europe1 (24 de fevereiro de 2017). «Privé du débat sur TF1, Dupont-Aignan menace la chaîne d'un référé» 
  34. Europe1 (1 de março de 2017). «Présidentielle : le CSA réservé sur le débat à cinq sur TF1 le 20 mars» 
  35. Le Figaro (9 de março de 2017). «Le débat présidentiel de BFMTV et de CNews programmé le 4 avril» 
  36. Le Figaro (10 de março de 2017). «Présidentielle : et de trois débats télévisés !» 
  37. ProgrammeTv (27 de fevereiro de 2017). «Exclu. Présidentielle 2017 : un débat début avril sur BFM TV et CNews pour tous les candidats» 
  38. Le Point (21 de fevereiro de 2017). «Débats : TF1 choisit 5 candidats, France 2 les invite tous» 
  39. L'Éxpress (21 de fevereiro de 2017). «C'est inédit, il y aura deux débats avant le premier tour de la présidentielle» 
  40. Le Figaro (28 de março de 2017). «Présidentielle : Mélenchon refuse de participer au débat de France 2» 
  41. Le Figaro (28 de março de 2017). «Présidentielle : Mélenchon et Macron remettent en cause le dernier débat sur France 2» 
  42. Franceinfo (29 de março de 2017). «Présidentielle : le CSA "préoccupé" par la date du débat de France 2 le 20 avril» 
  43. Le Figaro (30 de março de 2017). «Débat du 20 avril: France Télévisions maintient la date» 
  44. Le Figaro (5 de abril de 2017). «Présidentielle: France 2 abandonne le second débat entre les onze candidats» 
  45. ChallengeS (5 de abril de 2017). «TF1 renonce à organiser son propre débat d'entre les deux tours» 
  46. Marianne (12 de abril de 2017). «Débat du second tour : TF1 et France 2 refusent un plan à trois avec BFMTV» 
  47. Europe1 (24 de abril de 2017). «Présidentielle : Macron accepte de participer au débat TV de l'entre-deux-tours face à Le Pen» 
  48. Europe1 (26 de abril de 2017). «Présidentielle 2017 : comment va se dérouler le débat de l'entre-deux tours ?» 
  49. «C'est inédit, il y aura deux débats avant le premier tour de la présidentielle». L'Express. 21 Fev 2017 
  50. «Premier débat de la présidentielle : TF1 et LCI recevront les cinq principaux candidats le 20 mars». L'Express. 16 de março de 2017 
  51. «Présidentielle : BFMTV et CNews veulent organiser un grand débat le 3 ou 4 avril». Le Figaro. 27 de fevereiro de 2017 
  52. ChallengeS (5 de abril de 2017). «TF1 renonce à organiser son propre débat d'entre les deux tours» 
  53. «Présidentielle 2017» (em francês). Consultado em 20 de abril de 2017 
  54. «Présidentielle 2017» (PDF) (em francês). Consultado em 20 de abril de 2017 
  55. «Présidentielle 2017» (PDF) (em francês). Consultado em 19 de abril de 2017 
  56. «Présidentielle 2017» (PDF) (em francês). Consultado em 20 de abril de 2017 
  57. «Présidentielle 2017» (PDF) (em francês). Consultado em 20 de abril de 2017 
  58. «Présidentielle 2017» (em francês). Consultado em 21 de abril de 2017 
  59. «Présidentielle 2017» (PDF) (em francês). Consultado em 21 de abril de 2017 
  60. «Présidentielle 2017» (PDF) (em francês). Consultado em 21 de abril de 2017 
  61. «Présidentielle 2017» (PDF) (em francês). Consultado em 21 de abril de 2017 
  62. «Présidentielle 2017» (PDF) (em francês). Consultado em 21 de abril de 2017 
  63. «Présidentielle 2017» (PDF) (em francês). Consultado em 21 de abril de 2017 
  64. «Présidentielle 2017» (PDF) (em francês). Consultado em 21 de abril de 2017 
  65. «Présidentielle 2017» (em francês). Consultado em 23 de abril de 2017 
  66. «Présidentielle 2017» (em francês). Consultado em 23 de abril de 2017 
  67. «Présidentielle 2017» (em francês). Consultado em 22 de abril de 2017 
  68. «Présidentielle 2017» (em francês). Consultado em 22 de abril de 2017 
  69. «Présidentielle 2017» (em francês). Consultado em 22 de abril de 2017 
  70. «Présidentielle 2017» (em francês). Consultado em 22 de abril de 2017 
  71. «Présidentielle 2017 - 2ème tour» (PDF) (em francês). Consultado em 2 de maio de 2017 
  72. «Présidentielle 2017 - 2ème tour» (PDF) (em francês). Consultado em 3 de maio de 2017 
  73. «Présidentielle 2017 - 2ème tour» (em francês). Consultado em 4 de maio de 2017 
  74. «Présidentielle 2017 - 2ème tour» (PDF) (em francês). Consultado em 4 de maio de 2017 
  75. «Présidentielle 2017 - 2ème tour» (em francês). Consultado em 5 de maio de 2017 
  76. «Présidentielle 2017 - 2ème tour» (PDF) (em francês). Consultado em 5 de maio de 2017 
  77. «Présidentielle 2017 - 2ème tour» (PDF) (em francês). Consultado em 5 de maio de 2017 
  78. «Présidentielle 2017 - 2ème tour» (PDF) (em francês). Consultado em 5 de maio de 2017 
  79. «Présidentielle 2017 - 2ème tour» (PDF) (em francês). Consultado em 5 de maio de 2017 
  80. «Présidentielle 2017 - 2ème tour» (PDF) (em francês). Consultado em 5 de maio de 2017 
  81. «Présidentielle 2017 - 2ème tour» (PDF) (em francês). Consultado em 6 de maio de 2017 
  82. «Élection présidentielle 2017». Ministère de l'Interieur (em francês). Consultado em 23 de abril de 2017 
  83. «Présidentielle 2017 : revivez la soirée électorale du premier tour». LeMonde. 23 de abril de 2017 
  84. «Présidentielle 2017 : revivez la soirée électorale du premier tour». LeMonde. 23 de abril de 2017 
  85. «Présidentielle. Revivez les événements marquants de ce vendredi 28 avril». OuestFrance. 28 de abril de 2017 
  86. «Présidentielle 2017 : revivez la soirée électorale du premier tour». LeMonde. 23 de abril de 2017 
  87. «Nicolas Dupont-Aignan soutient Marine Le Pen pour le second tour». BFMTV. 28 de abril de 2017 
  88. «Marine Le Pen annonce qu'elle nommera Nicolas Dupont-Aignan Premier ministre si elle est élue». BFMTV. 29 de abril de 2017