Gaullismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo. Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Charles de Gaulle, em seu uniforme de general

Gaullismo é uma ideologia política francesa baseada nas ideias e na ação de Charles de Gaulle. O eixo principal da política internacional de de Gaulle foi a independência nacional[1], com algumas consequências práticas, como a relutância a certas associações internacionais como a ONU ou à antiga Comunidade Econômica Europeia. Seu ponto principal era que a França não deveria depender de um país ou organização estrangeiros para sua sobrevivência, daí a criação da força de dissuasão nuclear, e que o país deveria recusar toda forma de servidão militar a uma potência estrangeira, fosse ela os Estados Unidos ou a União Soviética.

Podem-se citar também o conservadorismo social e o dirigismo econômico como partes da ideologia gaullista[1], mas esses pontos não são necessariamente aceitos por aqueles que se chamam gaullistas. O gaullismo foi algumas vezes caracterizado como uma forma de populismo, pois de Gaulle apoiava-se fortemente em seu carisma.

Desde a morte de de Gaulle, o significado exato de gaullismo é variado. De maneira geral, "gaullismo" refere-se ao Rassemblement pour la République (agora integrado na União por um Movimento Popular), o partido de direita de Jacques Chirac. Chirac adotou, no passado, tanto o dirigismo como o laissez-faire em matéria econômica. Atualmente, tem uma tendência pró-europeia.

Também há políticos de esquerda que se reivindicam gaullistas. Mesmo François Mitterrand, que denunciou a maneira de governar de Gaulle como um Golpe de Estado permanente (coup d'état permanent), esforçou-se em manter o poder de dissuasão nuclear e a independência militar francesa.

Significado[editar | editar código-fonte]

O principal componente doutrinário do gaullismo é um desejo de se obter a independência da França de poderes estrangeiros, mas também há componentes sociais e econômicos em algumas formas da filosofia.

O termo "gaullismo" é utilizado em termos para qualificar as acções deste, suas opiniões, seus feitos, etc. O sentido do termo tem evoluído durante o tempo:

  • Durante a Segunda Guerra Mundial, o termo gaulismo foi utilizado como sinónimo da palavra resistência, em particular pelas autoridades alemãs e pelo governo de Vichy.
  • Após a libertação, o termo gaullismo toma o seu sentido atual, mais político, designando as ideias do general de Gaulle e seus partidários, por oposição aos outros partidos e correntes políticas.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Immanuel Wallerstein. «Francia: ¿el fin del gaullismo?». La Jornada. «[...] ¿Qué es o qué era el gaullismo? Justo después de la segunda guerra mundial, Charles de Gaulle, en su primer periodo en el poder, propuso tres cosas: la afirmación del derecho de Francia a jugar un papel independiente e importante en la política mundial; el dirigisme, especie de política económica keynesiana con un papel importante jugado por el Estado francés, y un anticomunismo interno.» 
Ícone de esboço Este artigo sobre História da França é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.