Cássio Taniguchi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde outubro de 2012).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Cassio Taniguchi
78.º Prefeito de Curitiba
Período 1 de janeiro de 1997
1 de janeiro de 2005
Antecessor(a) Rafael Greca de Macedo
Sucessor(a) Beto Richa
Deputado federal pelo Paraná
Período 1º de fevereiro de 2007
até 1º de fevereiro de 2011
Dados pessoais
Nascimento 30 de outubro de 1941 (77 anos)
Paraguaçu Paulista, SP
Partido DEM
Profissão Engenheiro eletrônico

Cassio Taniguchi (Paraguaçu Paulista, 30 de outubro de 1941) é um político brasileiro. Atualmente é Superintendente da Região Metropolitana da Grande Florianópolis , do Governo do Estado de Santa Catarina.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho de Masaji Taniguchi e Masako Taniguchi. É graduado em Engenharia Eletrônica pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), em São José dos Campos.

Foi consultor de grandes projetos urbanísticos, tendo integrado frentes de equipes administrativas por todo o Brasil como, por exemplo, em Curitiba, Rio de Janeiro, Brasília, São Paulo, Campo Grande, Aracaju, Goiânia, e também ações internacionais em San Juan (Porto Rico), Abu-Dhabi (Emirados Árabes Unidos), Japão, EUA e países europeus.

Ocupou o cargo de prefeito de Curitiba por dois mandatos consecutivos (1997-2001 e 2001-2005).

Em 2010 foi condenado por crime de responsabilidade. Taniguchi foi acusado de desviar dinheiro de um convênio firmado entre a administração de Curitiba e o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) quando ele era prefeito. Ele teria usado parte dos recursos para pagar um precatório (dívida do poder público com o cidadão) que não estava previsto no convênio. [1].

Dados biográficos[editar | editar código-fonte]

  • Presidiu a URBS (Urbanização de Curitiba S/A), empresa que gerencia o sistema de transporte de massa da cidade, e o IPPUC (Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba), um dos promotores das transformações urbanas da capital paranaense[2].
  • Foi secretário do Planejamento e da Indústria e Comércio, no governo do Paraná[2], na época da mudança do perfil econômico do Estado, atuando diretamente na atração e implantação do pólo automobilístico (montadoras Audi-Volkswagen e Renault)[3].
  • É consultor da UNITAR (United Nations Institute for Training and Research), vinculado à ONU, com sede em Genebra, e presidente da seção paranaense do Instituto Tancredo Neves, órgão de estudo e pesquisa na área política[2].
    • Exerceu o cargo de Secretário de Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente do governo do Distrito Federal[2], cujo desafio foi ordenar o processo de ocupação territorial do Distrito Federal, que chegou ao ano de seu cinquentenário enfrentando sérios problemas urbanos, como ocupações irregulares, condomínios construídos ilegalmente sobre áreas de uso rural, avanço sobre áreas públicas (conhecidas como “puxadinhos”), transporte público caótico, estrutura urbana fragmentada e desrespeito às políticas públicas ambientais. Foi dele a ideia de conceber e adaptar as construções do setores Noroeste e Mangueiral aos critérios de sustentabilidade, creditando a Brasília a condição de cidade-sede do primeiro bairro verde do Brasil.
    • Na Câmara dos Deputados, Cassio Taniguchi é autor do Projeto de Lei nº 34/2007, que propõe alteração no Estatuto da Cidade para oferecer incentivos à utilização racional do solo urbano como medida de enfrentamento ao aquecimento global e redução da emissão dos gases do efeito estufa. O texto, já aprovado pelo Senado Federal e aprovado em segundo turno nas comissões temáticas permanentes da Câmara dos Deputados, aguarda ser apreciado no plenário da Câmara.
    • Condenado em maio de 2010 pelo Supremo Tribunal Federal por crime de responsabilidade, ocorrido no ano de 1997, quando era prefeito da cidade de Curitiba, estado do Paraná. Foi condenado, porém não cumpriu pena, pois foi condenado a 6 meses, logo, o cumprimento da pena prescreveu. [1]
    • Íntegra do PL nº 34 (Cidades Sustentáveis): [2]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Rafael Greca
Prefeito de Curitiba
19972005
Sucedido por
Beto Richa