Cícero Sandroni

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde maio de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Cícero Sandroni Academia Brasileira de Letras
Nome completo Cícero Augusto Ribeiro Sandroni
Nascimento 26 de fevereiro de 1935 (82 anos)
São Paulo,  São Paulo
Nacionalidade  Brasileiro
Ocupação Jornalista, escritor e académioc
Principais trabalhos Batman não foi a Búzios

Cícero Augusto Ribeiro Sandroni (São Paulo, 26 de fevereiro de 1935) é um jornalista, escritor e académico brasileiro, membro da Academia Brasileira de Letras.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascido em São Paulo, filho de Ranieri Sandroni e Alzira Ribeiro Sandroni, família de Guaxupé. Fez os primeiros estudos na cidade natal. No Rio de Janeiro, para onde mudou-se com a família, em 1946 veio a formar-se em Jornalismo pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, sendo bolsista na Escola Brasileira de Administração Pública da Fundação Getúlio Vargas.

Em 1954 estagiou na Tribuna da Imprensa, de Carlos Lacerda, no Correio da Manhã e no Jornal do Brasil.

Transferindo-se para O Globo, em 1958, especializou-se em política, matéria na qual continuou laborando quando assumiu este setor de reportagem no Diário de Notícias. Mudou-se em 1961 para Brasília, a convite do seu então prefeito Paulo de Tarso Santos, sendo o Secretário de Imprensa. Ajudou na elaboração da única mensagem de Jânio Quadros ao Congresso Nacional. Atuou, durante a breve experiência parlamentarista, no Governo João Goulart, no gabinete de André Franco Montoro.

Presidiu o Instituto de Aposentadoria e Pensões dos Marítimos (IAPM), sendo afastado pelo golpe militar de 1964.

Retornou ao jornalismo e aventurou-se no campo editorial, fundando com Pedro Penner da Cunha a Edinova – voltada para o lançamento de obras latino-americanas e do nouveau roman.

Em 1965 participou da criação da Interpress Service, sendo seu representante no Brasil. Voltou ao Correio da Manhã, ali permanecendo até quando da intervenção da ditadura no jornal.

Em 1974 ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo. Trabalhou em diversos jornais ao longo da vida, especialmente o Jornal do Brasil e o Jornal do Commercio.

É casado com Laura Constância Austregésilo de Athayde Sandroni, com quem teve cinco filhos. Assumiu a presidência da Academia Brasileira de Letras em 13 de dezembro de 2007.

Obras[editar | editar código-fonte]

  • O Diabo só Chega ao Meio-dia, contos, Ed. Nova Fronteira, 1985.
  • O Vidro no Brasil, ensaio histórico, Ed. Objetiva, 1989.
  • Austregésilo de Athayde, o Século de um Liberal, Ed. Agir, 1998.
  • Cosme Velho, ensaio literário sobre o bairro do Cosme Velho (Rio de Janeiro), Ed. Relume Dumará, 1999.
  • 50 anos de O Dia, história do jornal, 2002
  • O peixe de Amarna, romance, Record, 2003
  • Batman não foi a Búzios, 7 Letras, 2016

Lorbeerkranz.pngAcademia Brasileira de Letras[editar | editar código-fonte]

É o sexto ocupante da cadeira 6, que tem por patrono Casimiro de Abreu. Eleito em 25 de setembro de 2003, foi empossado em 24 de novembro do mesmo ano, recebido por Cândido Mendes de Almeida.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Raimundo Faoro
Lorbeerkranz.png ABL - sexto acadêmico da cadeira 6
2003 — atualidade
Sucedido por