PlayTV

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde maio de 2013). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
PlayTV
Tipo Canal de televisão por assinatura
País  Brasil
Fundação 5 de junho de 2006 (9 anos)
Pertence a Gamecorp
Proprietário Gamecorp
Antigo proprietário Grupo Bandeirantes
Presidente Fábio Luís Lula da Silva
Cidade de origem Bandeira da cidade de São Paulo.svg São Paulo, SP
Sede Bandeira da cidade de São Paulo.svg São Paulo, SP
Estúdios Bandeira da cidade de São Paulo.svg São Paulo, SP
Slogan É só dar Play!
Formato de vídeo 4:3 (SDTV)
Audiência 1.0
Cobertura 95% das operadoras do Brasil [1]
Nome(s) anteriore(s) Rede 21
Página oficial Página oficial
Disponibilidade por satélite
Claro TV
Canal 118
SKY Brasil
Canal 181
Oi TV
Canal 109 [2]
Canal 143 (Satélite SES-6)
Vivo TV
Canal 255
Algar TV
Canal 372
GVT TV
Canal 86
Disponibilidade por cabo
NET
Canal 122 [3]
Vivo TV
Canal 16 (São Paulo)
Canal 70 (Florianópolis)
ViaCabo
Canal 02 (Campos dos Goytacazes)
Canal 28 (Macaé)
Canal 30 (Pelotas, Porto Velho e Varginha)
TBL
Canal 13
Algar TV
Canal 142
Cabo Telecom
Canal 522
BlueTV
Canal 30 (Brusque e Itajaí)
BVCi
Canal 130
ORM Cabo
Canal 118

A PlayTV é um canal de televisão por assinatura brasileiro. Foi inaugurada no dia 5 de junho de 2006 substituindo a Rede 21 em parceria com o Grupo Bandeirantes, na maior parte. Após o fim do contrato com o grupo, tornou-se canal fechado sendo transmitido atualmente por grande parte das operadoras de televisão por assinatura. Sua programação é focada em informações sobre música, filmes, animes e jogos.

História[editar | editar código-fonte]

Transmissão por satélite[editar | editar código-fonte]

Entre os dias 30 de março e 28 de maio de 2007, a emissora esteve presente na freqüência 1240 MHz horizontal do satélite Brasilsat B4 (hoje usada pelo Rede 21) (Star One C2), anteriormente usado para a transmissão da TV Jockey. O canal passou a ser transmitido em duas frequências na primeira e também já era transmitido na freqüência 4087 horizontal do satélite Brasilsat B3 (Brasilsat B4).[4] A frequência onde a PlayTV esteve no satélite Brasilsat B4 (Star One C2) passou a ser usada para a exibição de informeciais,[5] embora a frequência continue sendo da emissora.

No dia 8 de julho, a Rede 21, voltou a ser exibida no sistema analógico a partir das 15h00min às 00h00min.

Fim das transmissões[editar | editar código-fonte]

No dia 7 de julho de 2008, a Rede 21 voltou ao ar depois da quebra de contrato entre o Grupo Bandeirantes e a Gamecorp, que tem como donos o Grupo Oi — antiga "Telemar" — e Fábio Luís Lula da Silva.

A parceria deveria ser de dez anos, porém, o Grupo Bandeirantes não satisfeito com o canal decidiu não renovar o contrato com a empresa criadora dos programa exibidos na PlayTV, assim ficou como certo o fim da PlayTV e a volta da "Rede 21", que substituiu a programação do canal na frequencia 21 UHF de São Paulo.[6] Assim o canal funcionava somente via streaming de internet.

Reinício das transmissões[editar | editar código-fonte]

No dia 11 de novembro de 2008, o canal passou a ser de assinatura, ocupando o canal 86 da SKY. O canal voltou a ser transmitido também pela TV a cabo NET da cidade de Brasília a partir do dia 1º de dezembro.

Programação[editar | editar código-fonte]

Comemorações[editar | editar código-fonte]

A emissora em comemoração aos cinco anos lança uma programação repaginada aonde lançados três novos programas: Game TV, Go!Game e Playhit Gore, uma transformação do já existente Playhit e nos que permanecerão na grade Mok e Combo - Fala + Joga. Ela terá mais profundidade no assunto de jogos aonde foi consolidada como o canal brasileiro que contém mais assuntos sobre jogos e Video-game.

Volta dos animes[editar | editar código-fonte]

Depois de mais de 5 anos, a PlayTV volta a contar com animes em sua programação. No final de 2013, o canal pago anunciou a exibição de duas séries, em um bloco de uma hora. O horário foi escolhido através de uma enquete no site da PlayTV. Quando ainda era um canal aberto, na época uma parceria entre a Gamecorp e a Rede Bandeirantes, a PlayTV exibiu diversos animes até 2008. Títulos como Ranma ½, Trigun, Samurai Champloo e Love Hina foram exibidos pelo extinto Otacraze. Também chegaram a anunciar Heat Guy J e Gungrave, mas nunca foram ao ar.[7]

Em março de 2014 a PlayTV revelou os nomes dos dois primeiros animes que formaram parte de seu bloco: BleachDeath Note. A PlayTV ainda possuía planos de adquirir novos animes no futuro. [8]

Bleach estreou em 2008 no Brasil e teve apenas duas temporadas transmitidas pelo extinto Animax,e teve outras três temporadas exibidas pelo Sony Spin. A dublagem do anime foi feita pelo estúdio paulista CBS.

Death Note foi exibido em 2009, também pelo mesmo canal e conta com 37 episódios dublados pelo estúdio carioca Cinevídeo.[9]

Naruto Shippuden foi negociado pelo canal no final de 2014, mas só foi oficialmente confirmado a aquisição do anime em janeiro de 2015, quando o canal confirmou a estreia do anime através dos intervalos comerciais. No mesmo dia, acabou também confirmando a estreia de Yu-Gi-Oh! no canal.[10] A data de estreia e o horário foram confirmados dois meses depois, através do site oficial do canal. [11]

Atualmente todos os animes (com exceção de Death Note) serão exibidos entre 16:30 e 18:00[12] com direito à reprises em horário nobre, antes da meia-noite.[13]

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Caso Gamecorp[editar | editar código-fonte]

O assunto envolveu disputa de processos entre o Grupo Bandeirantes e a Gamecorp.

Canal não-qualificado[editar | editar código-fonte]

Sob a resolução SeAC imposta pela Anatel para que os canais que exibissem produções nacionais obteriam cotas, com que faria que estes canais fossem destinados obrigatoriamente uma certa quantidade a ser adicionados as operadoras de televisão do país.[14] Com isso o canal deixou a SKY que alegou que o canal não era qualificado como "superbrasileiros", fazendo com que o canal perdesse grande parte dos espectadores.[15] Para entrar novamente na SKY ela comprou algumas produções independentes retornando as mesmas como um "canal brasileiro de espaço qualificado".[16] Logo após, o canal também entrou nos pacotes básicos da NET fazendo com que ele ficasse disponível em mais de 14 milhões de usuários.[17]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]