Bravo Brasil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Bravo Brasil
Tipo Canal de televisão por assinatura
Proprietário(s) Bravo Networks
(80%: Cablevision; 20%: MGM)[1]
Antigo(s) proprietário(s) TVA (Grupo Abril)
(1996 - julho de 1999)
Fundação 1 de junho de 1996 (26 anos)
Extinção 1º de agosto de 1999 (23 anos)
Sucessora Film&Arts
Cobertura Nacional


Bravo Brasil foi um canal de televisão por assinatura brasileiro lançado em 1º de junho de 1996. Sendo uma versão local do canal estadunidense homônimo, canal era especializado em artes e cultura.[2]

História[editar | editar código-fonte]

Resultado de uma parceria entre a TVA, TV Cultura e a Bravo Network, o canal estreiou em 1º de junho de 1996, sendo o primeiro canal da TV por assinatura no Brasil a se dedicar integralmente às artes.[3] O canal iniciou transmitindo 13 horas diárias, buscando alcançar as 24 horas diárias com o incremento de programação nacional. Alguns dos programas importados foram a série documental The Story of Jazz, a série francesa La Saga de La Chanson e o Inside the Actor's Studio. Os primeiros programas locais foram a o informativo diário Agenda, a revista eletrônica semanal Os Críticos e Livros, dedicado à literatura.[4] O canal foi disponibilizado inicialmente para os assinantes da TVA, TVA Digisat e DirecTV.

O canal dedicava certa atenção cinema brasileiro, inserindo curta-metragens nacionais ao longo de sua programação.[5][6] A sessão Câmera Brasil estreiou em maio de 1997 com a exibição do filme Os Cafajestes.[7]

Em novembro de 1997, foi ao ar a versão brasileira do Inside the Actors Studio, então um dos carros-chefe do canal, o Estúdio Brasil, que contou com a participação de Paulo Autran na estreia. O programa contava com a apresentação do crítico de arte Jefferson Del Rios.[8][9][10]

O Bravo Brasil costumava veicular frequentemente especiais dedicados à importantes artistas da MPB, como Dorival Caymmi e Novos Baianos.[11][12][13][14]

Em julho de 1999, a Bravo Networks assumiu totalmente as operações do canal, que até então estavam à cargo da TVA. Em 1º de agosto de 1999, foi substituído pelo Film&Arts.[15][16][16]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «NBC buys Bravo for $1.25B - Nov. 4, 2002». money.cnn.com. Consultado em 25 de abril de 2022 
  2. «Folha de S.Paulo - TVA estréia canal especializado em artes - 1/6/1996». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 24 de abril de 2022 
  3. Teixeira, Mônica (1 de maio de 1996). «Bravo, o canal que dará espaço para a 7ª arte tupiniquim». Pay TV. Consultado em 23 de abril de 2022 
  4. Costa, Luiz (26 de maio de 1996). «Novo canal cultural da TVA aposta em atração nacional». O Estado de S. Paulo. Consultado em 18 de junho de 2022 
  5. «Folha de S.Paulo - Bravo Brasil abre espaço para curtas nacionais - 1/9/1996». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 18 de junho de 2022 
  6. «Programa sobre curtas estréia no Bravo Brasil». O Estado de S. Paulo. 13 de abril de 1997 
  7. «Bravo Brasil lança sessão para cinema nacional». Folha de S.Paulo. 11 de maio de 1997. Consultado em 18 de junho de 2022 
  8. Zanelato, Eduardo (14 de setembro de 1997). «BRAVO BRASIL ADAPTA ATRAÇÃO DOS EUA». Estado de S. Paulo. Consultado em 23 de abril de 2022 
  9. Kogut, Patrícia (15 de junho de 1997). «Estréiam ainda este ano programas culturais para um público requintado». O Globo 
  10. «Folha de S.Paulo - Bravo lança 'Estúdio Brasil' - 09/11/97». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 18 de junho de 2022 
  11. «Folha de S.Paulo - Televisão: Caymmi dá depoimento inédito à TV - 20/12/97». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 18 de junho de 2022 
  12. Arêas, Carolina (20 de dezembro de 1997). «A fala mansa de Caymi em um especial do Bravo». Jornal do Brasil 
  13. «Folha de S.Paulo - Outro Canal - Cristina Padiglione: Especial da TVA reúne os Novos Baianos - 01/07/98». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 18 de junho de 2022 
  14. «NOVOS BAIANOS GANHAM ESPECIAL NO BRAVO». O Estado de S. Paulo. 26 de julho de 1998 
  15. http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrad/fq15079904.htm
  16. a b «Bravo Brasil muda e vira Film&Arts». Estado de S. Paulo. 18 de julho de 1999. Consultado em 23 de abril de 2022