CGTN

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
CGTN
China Global Television Network
País  China
Fundação 20 de setembro de 2000 (19 anos)
Pertence a China Media Group
Sede Sede da CCTV, Pequim, China
Slogan See the Difference.
Formato de vídeo 1080i (HDTV)
Cobertura Mundialmente
Nome(s) anterior(es) CCTV-9 (2000–2010)
CCTV News (2010–2016)
Página oficial www.cgtn.com
Disponibilidade por satélite
Claro TV
Canal 199
Canal 699

CGTN (China Global Television Network), anteriormente conhecida como CCTV-9 e CCTV News, é um canal de notícias internacional em inglês da China, pertencente ao grupo estatal China Global Television Network, que faz parte do China Media Group (CMG), com sede em Pequim e sob o controle do Departamento de Publicidade do Partido Comunista da China.[1] O serviço é voltado para o mercado externo, semelhante à CNN International, BBC World News, NHK World-Japan, DW, Voz da América, Al Jazeera, France 24, RT e Press TV. O canal foi lançado em 25 de setembro de 2000. A cobertura inclui noticiários, relatórios detalhados e programas de comentários, além de apresentações de recursos. Seu sinal aberto de satélite de pode ser recebido por mais de 85 milhões de espectadores, em mais de 100 países e regiões.[2] O foco é o público internacional da diáspora chinesa e de língua inglesa.

História[editar | editar código-fonte]

A CCTV começou a considerar a programação internacional de notícias em inglês em 1º de janeiro de 1979, no início do período de "reforma e abertura" da China. Os boletins de notícias em inglês começaram no CCTV-2 em 1986 e ficaram disponíveis para os telespectadores no exterior quando se mudaram para o CCTV-4 em fevereiro de 1991. O CCTV-9 começou a transmitir em toda a China em 25 de setembro de 2000, tornando-se o primeiro canal de televisão em inglês do país.

Em 1 de janeiro de 2003, o CCTV-9 entrou no mercado de tv a cabo dos Estados Unidos, como parte de um acordo que permitia à AOL, Time Warner e News Corporation acesso a sistemas de cabo em Cantão. Nos seus primeiros anos, o CCTV-9 transmitiu boletins de notícias em inglês e programas de interesse cultural na maior parte do dia, e foi transmitido principalmente durante as horas da noite na China. Um de seus maiores projetos foi cobrir as Olimpíadas de Pequim em 2008.

Até abril de 2010, o CCTV-9 era um canal misto de interesse geral, apresentando notícias, programação de viagens e treinamento de idiomas. Porém, no dia 26 desse mês, o CCTV-9 foi relançado como um serviço de notícias em inglês em 24 horas e seu nome foi alterado para "CCTV News".[3]

Em 31 de dezembro de 2016, o canal foi relançado como CGTN (China Global Television Network) e novos programas foram lançados.

CGTN Africa[editar | editar código-fonte]

É a sede da CGTN na África, inaugurada no Quênia em 11 de janeiro de 2012. A CGTN África tem seu foco nas notícias e perspectivas da África, bem como nas notícias internacionais.

A CGTN Africa é responsável pela coleta de notícias e atribuições de tarefas no continente africano. A CGTN África produz uma hora por dia de programação, incluindo edições de Africa News, Talk Africa e Face of Africa, transmitindo isso através do canal de notícias da CGTN em inglês.

CGTN America[editar | editar código-fonte]

É a divisão para o continente americano, do canal de notícias em inglês da CGTN, administrado pelo grupo estatal China Media Group (CMG). Sua sede é em Washington, D.C., e administra escritórios nas Américas do Norte e do Sul. Emprega uma mistura de jornalistas americanos e chineses, e gera programação do continente americano pra CGTN e CCTV. O diretor da CGTN America é 'Ma Jing', e a jornalista veterana asiática 'Jim Laurie' é a consultora executiva. Entrou no ar em 6 de fevereiro de 2012.

CGTN Europe[editar | editar código-fonte]

É a divisão para a Europa, do canal de notícias em inglês da CGTN, administrado pelo grupo estatal China Media Group (CMG). Sua sede é em Londres, Inglaterra, no Reino Unido. Transmite uma hora de programação por dia no CGTN English. Entrou no ar em 7 de outubro de 2019.[4]

Referências

  1. «China is spending billions on its foreign-language media». The Economist. 14 de junho de 2018. ISSN 0013-0613. Consultado em 22 de agosto de 2019 
  2. «About The Heat». Consultado em 5 de maio de 2012 
  3. «About CCTV News». Consultado em 21 de agosto de 2009 
  4. «CGTN Europe goes on air». Consultado em 28 de novembro de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]