Fundação Lemann

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

A Fundação Lemann é uma organização sem fins lucrativos brasileira criada em 2002 pelo empresário Jorge Paulo Lemann. A entidade é atuante na área da educação no Brasil. A instituição realiza uma série de ações voltadas à inovação, gestão, políticas educacionais e à formação de uma rede de jovens talentos.

A Fundação Lemann promove diversos cursos para estudantes e professores, assim como, em parceria com outras instituições, cursos em outras instituições. Entre estas, destacam-se universidade estadunidenses, como Harvard University, Yale University, Stanford University, Columbia University, University of Illinois, University of California e MIT.[1][2][3]

Há também incentivo financeiro para propostas inovadoras na área de educação,[4][5][6] programa conhecido como Start-Ed, e também propostas de políticas educacionais, envolvendo pais, professores, estudantes e secretarias de ensino.[7] Além disso, disponibiliza cursos próprios e em parceria com outras instituições para melhorar a formação de educadores.

A fundação tem como diretor executivo o advogado Denis Mizne, formado pela Universidade de São Paulo.[8] Denis foi visiting scholar no Human Rights Advocates Program, na Universidade Columbia, e Yale World Fellow, na Universidade Yale e é fundador e presidente do conselho do Instituto Sou da Paz e membro da Fundação Roberto Marinho e do GIFE (Grupo de Institutos, Fundações e Empresas).[9][10]

História[editar | editar código-fonte]

Registrada em 2001, a Fundação Lemann começou suas atividades em 2002 e em 2003 iniciaram-se as primeiras turmas de Gestão para Sucesso Escolar em São Paulo e Santa Catarina.[11] Ao longo dos anos, novas turmas foram iniciadas em outros estados e outras regiões do território brasileiro. Além disso, destacam-se turmas para diretores e funcionários da rede pública de ensino. A partir de 2007, intercâmbios e bolsas começaram a ser negociadas com universidades estrangeiras, como a Universidade de Saint Gallen e de Zurique, na Suiça, e Havard, nos Estados Unidos.

Hoje, a Fundação Lemann continua oferecendo cursos na área da educação, em vários estados do Brasil, e cursos também online. Além de formação educacional, a fundação também se passou a preocupar com o apoio ao empreendedorismo e às pesquisas científicas. Em 2011, foi inaugurado o Centro Lemann para a Inovação e o Empreendedorismo na Educação Brasileira, na Universidade de Stanford. O projeto quer acelerar os avanços no setor, por meio do financiamento de pesquisas e bolsas para a formação de pesquisadores.[12] Em 2012, ocorreu o 1º Seminário Internacional do Centro Lemann de Stanford e Identificando Professores Eficazes, com o professor de Harvard Thomas Kane, onde reuniram-se 332 pessoas, de nove estados, incluindo representantes do Inep, da Capes e do MEC, gestores de secretarias de educação, pesquisadores de universidades.[13]

Jorge Paulo Lemann[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Jorge Paulo Lemann

Jorge Paulo Lemann é um empresário suíço-brasileiro, natural do Rio de Janeiro, descendente de imigrantes suíços.[14][15] Os pais de Jorge Paulo Lemann emigraram da região de Emmental, na Suíça. Sua educação básica se deu na Escola Americana do Rio de Janeiro [16] e graduou-se em economia na Universidade Harvard,[17] formando-se em 1962.

Em agosto de 2014 Lemann possuía uma fortuna avaliada atualmente em R$ 49,85 bilhões,[18][19] o que o torna o brasileiro mais rico e o segundo suíço mais rico.[20][21] Sua fortuna é a 34ª maior do mundo.Viaja entre Lago de Zurique, São Paulo e St. Louis,[14] é casado pela segunda vez e possui sete filhos: Paulo Alberto (31) Thiago Scarpa (21) Anna Vitória (27) Jorge Felipe (29) Marc (21) Lara (33) Kim ( 24)

seis do primeiro casamento e um do segundo. Lemann foi tenista e surfista na juventude, tendo representado a Suíça na Copa Davis de 1962 e o Brasil em 1973.[22] Foi pentacampeão brasileiro de tênis.

Parcerias com Universidades[editar | editar código-fonte]

MIT[editar | editar código-fonte]

Em 2014, o Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT, na sigla em inglês) e a Fundação Lemann firmaram uma parceria em 2014 para o programa Lemann Felloship. Em 2015, a parceria foi ampliada para que a instituição oferecesse três bolsas para estudantes de mestrado e doutorado, ou que trabalhem no país. Visando a melhoria da educação pública do Brasil, essa parceria inclui três iniciativas: a promoção do ensino e aprendizagem de novas tecnologias, o apoio a estudantes brasileiros de pós-graduação ou que trabalhem no Brasil em forma de bolsas de estudo em áreas de educação, e a criação de um fundo de investimento para incentivar a pesquisa do MIT em conjunto com instituições e universidades brasileiras. [23]

Havard[editar | editar código-fonte]

O Brazil Studies Program, criado em Havard em 2006 e financiado pelo fundo Jorge Paulo Lemann, se propõe a apoiar estudantes e pesquisadores de qualquer nacionalidade que tenha o Brasil como foco de seus trabalhos acadêmicos. Além disso, também são oferecidos cursos colaborativos com universidades brasileiras e bolsas para acadêmicos brasileiros passarem alguns meses em Harvard como professor visitante. O objetivo é aumentar a produção de conhecimento de qualidade sobre o Brasil, ao incentivar o interesse pelo país e por estudo de temas brasileiros na universidade de Harvard. [24][25]

CAPES[editar | editar código-fonte]

O Ministério da Educação juntamente com a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) assinaram em 2012 o acordo de cooperação que permitiu, por meio do programa Ciência sem Fronteiras (CsF), a participação de estudantes brasileiros nos cursos de pós-graduação das universidades estadunidenses parceiras da Fundação Lemann até 2015. Dentre as universidades, estacam-se Harvard University, Yale University, Stanford University, Columbia University, University of Illinois (Urbana-Champaign) e University of California (Los Angeles). Coube à Fundação Lemann complementar as bolsas de estudos dos estudantes oferecidas pelo governo brasileiro e universidades parceiras.[26]

Projetos[editar | editar código-fonte]

QEdu[editar | editar código-fonte]

Qedu logo green

Em parceria com Meritt Informação Educacional, a Fundação Lemann fundou em novembro de 2012 o projeto QEdu.[27][28] O projeto consiste em um portal online e gratuito de acompanhamento da evolução da educação básica das escolas públicas brasileiras. São utilizadas como fontes a Prova Brasil, o ENEM e o Censo Escolar.

Khan Academy em português[editar | editar código-fonte]

Khan-Academy-logo

Em janeiro de 2014, a Fundação Lemann firmou parceria com o projeto Khan Academy, plataforma online gratuita de ensino de matemática.[29] A parceria consiste na tradução da plataforma para português, e já possui centenas de milhares de materiais traduzidos.[30]

Cursos no Coursera[editar | editar código-fonte]

Paralelamente às universidades Unicamp e USP, a Fundação Lemann esteve entre as primeiras instituições brasileiras a oferecer do tipo MOOC.[31] Isso foi feito em parceria com a Coursera, plataforma de MOOC gratuita. O primeiro curso oferecido é o de Gestão para Aprendizagem.[32] Desde 2013, a fundação já vinha se envolvendo com tradução de cursos de universidades estadunidenses.[33]

Start-Ed[editar | editar código-fonte]

O Start-Ed é um programa de estímulo a startups educacionais. Em edições anuais, o programa seleciona os melhores projetos tecnológicos em educação, oferecendo apoio financeiro e formação orientada e focada nos desafios deste setor, fomentando parcerias e garantindo a troca de conhecimento.[32] Para participar do programa, a startup não precisa necessariamente ter um produto pronto, mas uma ideia sólida e uma equipe formada. A fase de formação dura seis meses, contando com cursos e workshops. Após isso, o grupo recebe apoio financeiro para colocar a ideia em ação.[34]

O Start-Ed nas Escolas oferece aporte de 100 mil a 300 mil reais para startups sem fins lucrativos com projetos para as escolas públicas do Brasil. É necessário poder oferecer o produto ou serviço para, no mínimo, 500 alunos.[35][36][37]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Acordo levará estudantes brasileiros às melhores universidades dos EUA». Portal Brasil 
  2. «Bolsas de estudos». fundacaolemann.org.br 
  3. O Globo (16 de junho de 2015). «Parceria entre Fundação Lemann e MIT quer apoiar iniciativas de educação pública no Brasil». O Globo 
  4. «Quer mudar a educação no país? A Fundação Lemann abriu inscrições para novos projetos». epocanegocios.globo.com 
  5. «Seis startups que podem mudar a educação no Brasil». epocanegocios.globo.com 
  6. «Start-Ed». fundacaolemann.org.br 
  7. «Como Jorge Paulo Lemann, o homem mais rico do Brasil, pretende mudar a educação no país». epocanegocios.globo.com 
  8. «Denis Mizne» 
  9. «Denis Mizne» 
  10. «Denis Mizne» 
  11. http://www.fundacaolemann.org.br/wp-content/uploads/2014/10/ra_2009.pdf
  12. http://www.fundacaolemann.org.br/wp-content/uploads/2014/10/ra_2011.pdf
  13. http://www.fundacaolemann.org.br/wp-content/uploads/2014/10/ra_2012.pdf
  14. a b «Multimilliardär Jorge Paulo Lemann: Banker, Braumeister und Burgerketten-Besitzer». Neue Zürcher Zeitung. 30 de novembro de 2012 
  15. «B2B Database with Highly Accurate & Detailed Profiles - ZoomInfo». zoominfo.com 
  16. «Época Negócios - EDG ARTIGO IMPRIMIR - O legado de Lemann». globo.com 
  17. http://www.drclas.harvard.edu/brazil/people/jlemann
  18. http://exame.abril.com.br/negocios/noticias/quem-sao-os-30-maiores-bilionarios-do-brasil-para-a-forbes#2
  19. http://economia.terra.com.br/forbes-lemann-do-burger-king-e-o-brasileiro-mais-rico,ee5907179fc18410VgnVCM3000009af154d0RCRD.html
  20. http://topics.bloomberg.com/bloomberg-billionaires-index/
  21. http://www.bernerzeitung.ch/region/emmental/Nachfahre-der-KaeseDynastie-Lemann-wurde-reich/story/10724334
  22. http://www.daviscup.com/en/players/player/profile.aspx?playerid=10003881
  23. https://newsoffice.mit.edu/2015/lemann-gift-public-education-brazil-0616
  24. http://www.fundacaolemann.org.br/bolsas-de-estudos/
  25. http://news.harvard.edu/gazette/story/2007/10/harvard-university-receives-major-gift-to-endow-brazil-studies-program/
  26. http://www.brasil.gov.br/educacao/2012/07/firmado-acordo-que-levara-estudantes-brasileiros-as-melhores-universidades-dos-eua
  27. O Globo (6 de novembro de 2012). «Nova plataforma permite cidadão a acompanhar evolução da educação». O Globo 
  28. Meritt - Informação Educacional. «Dados disponíveis». QEdu: Aprendizado em foco 
  29. Saulo Pereira Guimarães (21 de janeiro de 2014). «Fundação Lemann lança site que ensina matemática». Exame 
  30. «Khan Academy - Fundação Lemann». fundacaolemann.org.br 
  31. «Coursera lança cursos on-line gratuitos de instituições brasileiras». Valor Econômico 
  32. a b «Gestão para a Aprendizagem». fundacaolemann.org.br 
  33. Grupo Estado. «Coursera estreia cursos traduzidos em português». Link Estadão - Cultura Digital 
  34. «Jornal do Brasil». Jornal do Brasil 
  35. «Fundação Lemann busca startups de educação» 
  36. «Fundação Lemann convoca empreendedores de educação» 
  37. «Estão abertas as inscrições para o Start-Ed nas Escolas» 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]