Loading

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Loading
ID TV S.A.
Tipo Rede de televisão comercial aberta
País Brasil
Fundação 7 de novembro de 2020
por José Roberto Maluf
Extinção 27 de novembro de 2021
Pertence a Spring Comunicação
Proprietário José Roberto Maluf
Presidente Plínio Shiguematsu
Cidade de origem São Paulo, SP
Sede São Paulo, SP
Estúdios São Paulo, SP
Slogan A casa do entretenimento
Formato de vídeo 1080i (HDTV)
Cobertura Nacional

Loading foi uma rede de televisão brasileira. Lançada em 7 de dezembro de 2020, tinha programação focada em atrações sobre culturas pop e geek, séries, filmes, animações e esports. Encerrou suas produções inéditas em 27 de maio de 2021, exibindo desde então reprises e conteúdo de terceiros.[1] Sua última transmissão ocorreu em 27 de novembro, quando foi substituída pela Ideal TV, ocupante anterior de suas concessões, até pendências judiciais relacionadas a estas últimas serem resolvidas.[2]

Com sede na cidade de São Paulo, capital do estado homônimo, sua estrutura pertencia ao empresário José Roberto Maluf, dono da Spring Comunicação e aos irmãos empresários José Roberto Garcia e Paulo Sérgio Garcia, donos da rede de lojas Kalunga, patrocinadora máster do canal em seus primeiros meses no ar.[3][4]

História[editar | editar código-fonte]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Em 2013 a Abril Radiodifusão encerrou as atividades da MTV Brasil, no ar desde 1990, e devolveu os direitos de uso da marca "MTV" no país à sua detentora, a Viacom, que gerencia o canal original estadunidense. A rede, com transmissão em sinais de TV aberta e fechada, teve sua programação substituída por reprises de programas da Ideal TV, canal que a Abril havia operado entre 2007 e 2009 pela TV paga. Em dezembro do mesmo ano o grupo iniciou o processo de venda da concessão e da estrutura física da emissora, concluído em outubro de 2015, para os irmãos empresários José Roberto Garcia e Paulo Roberto Garcia, donos da rede de varejo Kalunga, e José Roberto Maluf, dono da agência de publicidade Spring Comunicação, que torna-se presidente da emissora.[5][6] Posteriormente, o controle do canal passa a ser apenas da Spring.[3][4]

A ideia inicial dos novos donos era fazer um canal, com foco em cinema, música, entretenimento e o mundo das celebridades aos moldes do canal norte-americano E!.[7][8] Entretanto, essa ideia foi maturando ao longo dos anos e, em outubro de 2020, foi anunciado publicamente que o novo projeto - em substituição a Ideal TV - seria um canal de entretenimento com enfoque aos públicos geek, otaku e gamer - com conteúdos de cultura pop, esports, séries, filmes, animes, tokusatsu, dentre outros - denominado Loading. Com Thiago Garcia como CEO, a equipe da emissora já contava com especialistas nas áreas de entretenimento, tecnologia e comportamento jovem.[5] Em uma entrevista, Thiago afirmou que o canal seria uma solução de entretenimento para uma parcela do população brasileira que não tem acesso a esse tipo de conteúdo via streaming.[9]

Em 2 de dezembro, a Loading anunciou uma parceria com a Sony Pictures Entertainment para a exibição de mais de cem títulos, entre filmes, séries e animes.[10]

Pré-estreia[editar | editar código-fonte]

Representação de um monoscópio com o aviso de "aguarde um momento" exibido durante a programação experimental da Loading como expectativa para o lançamento oficial do canal

Às 19h53min de 3 de dezembro, o sinal da Ideal TV é interrompido por alguns segundos, dando lugar a uma imagem inspirada em um cartão de teste de monoscópio com os escritos "Please stand by" ("Aguarde um momento" em inglês). Alguns minutos antes, o frame teria vazado na tela por alguns segundos, até retornar o sinal da Rede Mundial. Mas por volta das 19h59, a Ideal TV sai do ar definitivamente nas TVs aberta, fechada e via satélite digital, seguindo apenas no satélite analógico Star One C2. Pouco mais de um minuto depois, inicia-se a programação experimental da Loading com a aparição do personagem "Mr. 52X" no switcher da emissora, que anuncia uma "invasão" ao sinal seguido da exibição do primeiro episódio do anime Saint Seiya: The Lost Canvas com uma contagem regressiva para o lançamento oficial. Após a exibição, é levada ao ar o tal "monoscópio" vazado antes, alternando-se com cenas curtas protagonizadas por "Mr. 52X" e pré-estreia de outros animes e desenhos animados que seriam exibidos no canal.

No dia 4, o canal anuncia uma parceria com a Crunchyroll para a exibição exclusiva de animes em horário nobre, faixa que compreende das 18h à 1h.[11]

Primeiros meses no ar[editar | editar código-fonte]

Edifício Victor Civita, sede da Loading

Em 7 de dezembro, às 20h28, após a pré-estreia de um episódio de Transformers: Cyberverse, o personagem "Mr. 52X" aparece se despedindo dos telespectadores com um discurso oferecendo o canal à disposição do público, seguido de uma contagem regressiva contendo todas as atrações. Dois minutos depois, foi ao ar uma edição especial de estreia do programa Multiverso, que abriu definitivamente as transmissões do canal e recebeu todo o seu elenco para apresentar a programação, além de anunciar a parceria com a Funimation para exibição de mais de trinta títulos de animes por meio de um bloco exclusivo.[12] Na mesma noite, também houve a estreia do programa MetaGaming - que foi suspenso após 4 dias e, depois, cancelado - e a transmissão ao vivo da primeira edição da Liga Loading de Esports (LLE) com um torneio do Campeonato Brasileiro de League of Legends (CBLoL), tendo a participação de seis times.[13]

Em janeiro de 2021, um relatório do Kantar IBOPE Media no Painel Nacional da Televisão mostrou que a Loading havia alcançado 10 milhões de telespectadores no período entre 8 de dezembro e 4 de janeiro, conquistando ainda grande repercussão nas redes sociais. Dados do Google Analytics também apontaram que o site da emissora obteve 4,7 milhões de visualizações. Na Região Metropolitana de São Paulo, o canal cresceu 134% na audiência em sua primeira semana no ar, sendo maior parte da contribuição do público jovem entre 25 e 34 anos. As maiores altas da audiência domiciliar ocorrem na faixa entre 7h e 12h (com 173%) e 18h e 1h (com 132%).[14] Ainda segundo o Kantar IBOPE Media, nos primeiros 45 dias no ar, o canal conseguiu números expressivos de audiência na Grande São Paulo, ganhando em alguns horários de emissoras tradicionais da cidade como Rede Brasil, Gazeta, Cultura, RedeTV! e Band.[15]

Em 18 de janeiro, foi anunciado que a Loading fechou acordo com a provedora Garena para transmitir com exclusividade para a TV a Liga Brasileira de Free Fire entre janeiro e abril.[16] No dia 23 de janeiro, a Loading registrou recorde de audiência (PNT) domiciliar, superando duas das principais emissoras abertas. Nos dias 23 e 24 de janeiro, passaram pelo canal 2,9 milhões de pessoas – um incremento de 18% em relação à média de alcance dos quatro finais de semana anteriores.[17]

Em poucas semanas, o canal começa a inserir vozes nas chamadas da programação, com as contratações dos locutores Macau Amaral, em janeiro, e Joana Ceccato, em março; ambos veteranos da MTV Brasil.

Em 3 de fevereiro de 2021, o canal fecha uma parceria com as operadoras Oi e Vivo para a expansão de sinal em todo o país também através da Claro TV e SKY, além de firmar um acordo com a plataforma Booyah!, que é ligada ao jogo Free Fire. O motivo do fechamento da parceria foi a boa repercussão das transmissões ao vivo da Liga Brasileira de Free Fire, dobrando a audiência do canal.[18]

No dia 19 de fevereiro, o canal exibiu uma premiação mundial de animes ao vivo, as 22 horas. O evento Crunchyroll Anime Awards, teve transmissão nas plataformas digitais da emissora: Facebook, YouTube e Twitch, e pela primeira vez na TV aberta. O anúncio dos vencedores aconteceu durante o programa Mais Geek, tendo duração de uma hora e meia.[19]

Entre os dias 2 e 14 de março, sem aviso prévio, o canal exibiu o Campeonato Clutch, o campeonato de CS:GO, como uma espécie de "tapa-buraco" na programação da Loading.

Crescimento e novidades[editar | editar código-fonte]

Com a audiência do canal subindo, a Loading anuncia o lançamento de uma nova programação, batizada de Fase 2 em uma referência às fases de um videogame, tendo foco principal em esports e games.[20][21] No dia 9 de março, é anunciado o MVP - O Melhor do Esport, novo programa de esports do canal - em substituição definitiva ao Metagaming - estreando junto com a nova programação.[22]

No dia da estreia da Fase 2, em 15 de março, devido às restrições de circulação em São Paulo pelo aumento de casos da COVID-19 no estado, todos os programas da emissora passaram a ser produzidos via home office; afetando também a nova atração, que, por isso, ganhou o título provisório de Esquenta MVP.

Com o sucesso da Liga Brasileira de Free Fire (LBFF), chegando a atingir mais de 751 mil acessos no site oficial na transmissão via streaming, o canal anunciou também a transmissão ao vivo do Camplota, que é a versão feminina da LBFF, trazendo uma equipe totalmente composta por mulheres, incluindo narradoras, repórteres e comentaristas. A transmissão tem início no dia 28 de março.[23]

Nos meses de abril e maio, a Loading exibiu os campeonatos PUBG Mobile Pro League Brasil, Spike Series,[24] Desafio dos Comédia,[25] Copa Netenho e Red Bull Campus Clutch.

No dia 25 de maio (dia em que é comemorado o Dia do Orgulho Nerd), a Loading preparou uma programação especial, com o nome de Dia do Orgulho Geek, dentre elas, a exibição dos filmes Transformers Prime: Predacon e Power Rangers Samurai: A Batalha dos Rangers Vermelhos. Nesse dia, o diretor do canal, Anderson Abraços, prometeu que estavam chegando novidades no canal ainda naquela semana.

Desistência da Kalunga e fim das atividades[editar | editar código-fonte]

Em 27 de maio, a emissora anuncia a demissão de todos os seus quase sessenta funcionários, incluindo apresentadores, diretores e produtores, encerrando a exibição de programas ao vivo em menos de seis meses no ar. Um dos motivos foi a desistência da Kalunga de investir no canal, apesar do crescimento de anunciantes, sendo eles da Motorola, Havaianas e Cacau Show.[26] A Kalunga também vive uma grave crise financeira, com dívidas perto dos R$480 milhões.[27][28] Com o anúncio do fim da programação inédita, o canal passa a exibir apenas reprises de séries e animes na programação.[29][30] Por volta das 18h, o programa Multiverso não entrou no ar, sendo exibido no seu lugar o telejornal De Olho no Mundo, pegando o público e até mesmo os apresentadores que haviam sido demitidos de surpresa. Os programas seguintes como o Mais Geek também não foram exibidos, sendo substituídos por reprises de enlatados.

Os ex-funcionários do canal, além de publicarem mensagens de agradecimento ao público e anunciar o fim dos programas nas redes sociais, também realizaram uma reunião horas depois do anúncio da demissão, com transmissão nas plataformas online Discord e Twitch para tirar as dúvidas do público, além de expor algumas situações nos bastidores.[31] No dia 28, o CEO Thiago Garcia, responsável pelas demissões em massa, passou a bloquear os ex-funcionários da emissora e parte da imprensa, após os questionamentos dos mesmos e em seguida, desativou a sua conta no Twitter, devido a pressão do público em relação ao fim da produção ao vivo do canal.[32] Além disso, uma das ex-colaboradoras chegou a afirmar que não houve um posicionamento da emissora em relação a mudança da grade.[33] Chegou a ser especulado um possível arrendamento de horário para a Igreja Universal do Reino de Deus, o que não se concretizou.[34]

Interesse do Grupo Jovem Pan, cassação das concessões e fim do canal[editar | editar código-fonte]

Após o fim dos programas inéditos, surgiram especulações de venda do canal. Em 6 de julho, sites especializados informaram que as negociações para uma parceria com o Grupo Jovem Pan, que pretendia lançar um canal de televisão jornalístico, estavam sendo concluídas.[35][36] No entanto, a Quarta Turma do Tribunal Regional Federal da 3ª Região anulou em novembro de 2020, um mês antes da estreia da Loading, a transferência das concessões dos canais de televisão da Abril para a Spring devido à mesma ser feita sem autorização do Poder Executivo e decidiu que a União deveria realizar nova licitação para as outorgas.[37] A emissora conseguiu se manter no ar por meio de uma liminar de pedido de revisão da condenação pelo Ministério Público Federal (MPF), cedida pela Justiça. Em 19 de agosto, é dada a sentença final de cassação das concessões da Abril e da Spring e de devolução da outorga ao Ministério das Comunicações.[38]

Em 26 de novembro de 2021, passa a ser inserido uma nota de rodapé na transmissão da Loading informando que sua programação, até então formada por reprises e pelo telejornal De Olho no Mundo, seria substituída pelos conteúdos da Rede Mundial, emitidos pela Ideal TV, que volta a seus canais abertos.[39] A exibição tem caráter provisório até as questões judiciais envolvendo as concessões pertencentes à Spring, que seguem em segredo de Justiça após apresentação de embargos contra a decisão de 19 de agosto, serem resolvidas.[40][41] A última atração veiculada pela emissora foi o episódio 34 do anime Black Clover e, após um intervalo, o sinal foi interrompido à meia-noite do dia 28, dando espaço para a volta da Ideal TV.

Programação[editar | editar código-fonte]

A programação da Loading era focada em atrações sobre cultura pop, esports, filmes, séries, animes, tokusatsu, k-pop, entre outros...[5][42]

Equipe[editar | editar código-fonte]

Apresentadores[43]
  • Ana Xisdê
  • Anderson Abraços
  • Raphael Martins
  • Bruna Penilhas
  • Caroleaks
  • Clayton Ferreira
  • Fábio Gomes
  • Fernanda Pineda
  • Isaque Silva
  • Jefferson Kayo
  • Leo Kitsune
  • Mariana Ayrez
  • May Fujikake
  • Thais Matsufugi
  • Thauê Neves
  • Vanessa Yotumoto
Repórteres
  • Adriane Cristhine
  • Bruna Nobrega
  • Clarice Diniz
  • Fábio Carneiro
  • Felipe Goldenberg
  • Gabriel Benzi
  • Helena Nogueira
  • Jessica Pinheiro
  • Lucas Arraz
  • Gih Breve
  • Kika Martini
  • Max Alexandre
Colaboradores/colunistas
  • Cláudio Prandoni
  • Natália Bridi
  • Andreza Delgado
  • Laysa Zanetti
  • Caio Teixeira
  • Ken Harusame
  • Alisson Pereira
  • Takeshi Oyama
  • Ana Luiza Bélico
  • Raphael Maiffre

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Demissão da equipe de esports[editar | editar código-fonte]

Em 11 de dezembro de 2020, menos de uma semana após a estreia, a Loading passa por sua primeira crise interna com o desligamento de toda a sua equipe de esports, incluindo jornalistas da redação e os apresentadores Barbara Gutierrez e Chandy Teixeira, do programa Metagaming. Os profissionais desligados do canal alegaram em seus perfis nas redes sociais que o motivo seria "desalinhamento editorial", insinuando que teriam sido alvo de "censura".[44][45] De acordo com reportagem publicada pela The Esports Observer, as reclamações teriam começado devido a insatisfação da direção da Loading com o conteúdo apresentado nas duas primeiras edições do Metagaming. Na estreia, em 7 de dezembro, o programa exibiu uma reportagem investigativa sobre um possível esquema de fraude relacionado a uma campanha de arrecadação de fundos liderada por um jogador no Twitch, chamado de "caso Sparda". Descontente com o material, a direção teria avisado à produção que o objetivo do canal era ser "um lugar alegre, sem assuntos polêmicos". Apesar disso, o programa apresentou em sua segunda edição (em 8 de dezembro, a última que foi ao ar) uma reportagem abordando a saída da equipe Vivo Keyd do Campeonato Brasileiro de League of Legends, apresentando um destaque negativo para a Riot Games, desenvolvedora do evento, devido ao anúncio da empresa Oi (concorrente direta da Vivo) como nova patrocinadora.[46]

Em reação à reportagem, a direção da Loading demitiu o editor-chefe de esports Vicenzzo Mandetta no dia seguinte (10 de dezembro) e reforçou para a equipe a ideia de produzir apenas notícias positivas, seguindo uma "agenda positiva" do canal, proibindo abordagens de assuntos polêmicos ou mesmo reportagens que denunciassem e discutissem sexismo ou discriminação nos esportes eletrônicos. Incomodados com a decisão, a equipe do Metagaming reclamou de censura e enviou à direção uma lista de demandas, cobrando por liberdade de expressão e produção de seu material "com a seriedade que as situações exigissem", exigências que foram rejeitadas. Esta atitude fez com que toda a equipe composta por 12 jornalistas concordasse em pedir demissão no dia seguinte, no entanto, a direção da Loading acabou por antecipar essa decisão e demitiu os profissionais.[46] Após a repercussão do caso na imprensa especializada, a Loading informou em comunicado que o programa Metagaming seria reformulado "devido ao desalinhamento entre o posicionamento da Loading, focado em entretenimento, e o time editorial do programa [...]" e que buscariam "entregar conteúdos que engrandeçam ainda mais o Esports, porém com a linha editorial focada no entretenimento".[47]

No mesmo dia, uma reportagem publicada pelo portal Splash apurou que a Loading ainda não tinha assinado contrato com os profissionais demitidos e com outros que ainda estavam na emissora. A empresa tentou realizar as assinaturas dos contratos, às pressas, para que a rescisão fosse oficializada na sequência, o que foi recusado. Por conta disso, os profissionais ainda não tinham recebido vale-transporte, vale-refeição e plano de saúde. Internamente, a emissora se justifica dizendo que é uma "start-up dando seus primeiros passos" e que não queria que a emissora "batesse em parceiros comerciais".[48] Declarações semelhantes também foram colhidas em matéria da The Esports Observer, onde reportaram dificuldades na produção de material com equipamentos antigos que ainda eram os mesmos usados pela MTV Brasil, "com tecnologia de 20 anos atrás e não depender nem mesmo de um software básico para produção de TV". O texto alega que devido a essa pressão, funcionários chegaram a chorar antes do primeiro Metagaming entrar no ar.[46]

Em solidariedade à equipe de jornalistas, os narradores da Liga Loading de Esports também anunciaram demissão. O programa que seria exibido no dia foi substituído por reprises do Multiverso.[49]

Condições degradantes de trabalho[editar | editar código-fonte]

Em 16 de agosto de 2021, o Nexo Jornal publicou uma reportagem esmiuçando os bastidores da Loading. De autoria do jornalista Cesar Gaglioni, o texto ouviu ex-funcionários do canal que relataram problemas trabalhistas como falta de contrato, vale-refeição com valor diário baixo, burnout e até mesmo ofertas de vantagens a clientes por parte do diretor comercial do canal, Roberto Kasper Severo, atual diretor de negócios do grupo Porta dos Fundos. A reportagem teve grande repercussão nas redes sociais, consolidando a visão do público acerca da Loading.[50]

Referências

  1. «Canal Loading encerra produção de conteúdos inéditos». F5. 28 de maio de 2021. Consultado em 20 de setembro de 2021 
  2. «Pastor Valdemiro assume sinal de TV cassada pela Justiça». Último Segundo. 26 de novembro de 2021. Consultado em 27 de novembro de 2021 
  3. a b Victor Bianchin (3 de setembro de 2020). «De casa nova, acervo da MTV Brasil pode estar perto de restauração». Tab. Consultado em 13 de setembro de 2020 
  4. a b Cristina Padiglone (6 de julho de 2020). «Sete anos após fim da antiga MTV Brasil, acervo deixa ex-sede». Telepadi. Consultado em 13 de setembro de 2020 
  5. a b c Naian Lucas; Gabriel Vaquer (26 de outubro de 2020). «Donos da antiga MTV Brasil lançam canal aberto com foco no público jovem». NaTelinha. Cópia arquivada em 10 de dezembro de 2020 
  6. Macedo, Paulo (21 de outubro de 2016). «Decreto autoriza Abril a repassar concessão de TV para Spring». PropMark. Consultado em 8 de julho de 2020. Cópia arquivada em 25 de setembro de 2020 
  7. Ex-MTV pode virar um canal sobre celebridades
  8. Substituto da MTV Brasil, novo canal de celebridades só sairá no meio de 2014
  9. «Exclusivo: Entrevista com Thiago Garcia, CEO do canal Loading». JBox. 10 de novembro de 2020. Consultado em 19 de novembro de 2020. Cópia arquivada em 10 de novembro de 2020 
  10. Oliveira, Fernando (2 de dezembro de 2020). «Canal Loading estreia dia 7 com 'Sakura', 'Cavaleiros' e acordo com a Sony». UOL. Consultado em 3 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 4 de dezembro de 2020 
  11. Naian Lucas; Gabriel Vaquer (4 de dezembro de 2020). «Loading fecha parceria com a Crunchyroll e terá mais de 50 títulos de animes; saiba quais». NaTelinha. Consultado em 4 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 15 de janeiro de 2021 
  12. Gassert, Laura (7 de dezembro de 2020). «Loading: Canal anuncia 'Attack on Titan' dublado e mais 30 títulos em parceria com a Funimation». JBox. Consultado em 8 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 31 de janeiro de 2021 
  13. Ventura, Vitor (4 de dezembro de 2020). «LoL: Loading anuncia o primeiro torneio de Esports da TV Aberta». Mais Esports. Consultado em 7 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 5 de dezembro de 2020 
  14. «Loading alcança 10 milhões de espectadores». NaTelinha. 5 de janeiro de 2021. Consultado em 6 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 18 de janeiro de 2021 
  15. Gabriel de Oliveira (18 de janeiro de 2021). «Em 45 dias no ar, Loading já desbanca Gazeta e ameaça RedeTV! no horário nobre». TV Pop. Consultado em 18 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 31 de janeiro de 2021 
  16. «Loading anuncia acordo para a transmissão da Liga Brasileira de Free Fire». Propmark. 18 de janeiro de 2021. Consultado em 21 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 19 de janeiro de 2021 
  17. Ramos, Vinicius (28 de janeiro de 2021). «Loading anuncia expansão de sinal e comemora audiência». Portal Alta Definição. Consultado em 30 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 29 de janeiro de 2021 
  18. «Loading fecha acordo com Oi e Vivo e entra nas principais operadoras do país». NaTelinha. Consultado em 4 de fevereiro de 2021 
  19. «Loading exibirá premiação mundial de anime na TV aberta» 
  20. «Fase 2: Desafio aceito! E aí, chuta qual será a senha para desbloquear a próxima fase? #vempraloading» 
  21. «Loading cresce em audiência e prepara nova programação» 
  22. «Loading estreia novo programa de Esports» 
  23. «Loading anuncia transmissão do campeonato feminino de Free Fire». TV Pop. 23 de março de 2021. Consultado em 24 de março de 2021 
  24. «Valorant e PUBG: Loading anuncia novas parcerias» 
  25. «E aí, você é #teamsarro ou #teamventura? Assista agora o primeiro episódio completo na @booyahbr, no Instagram, e descubra quem vai montar o time mais apelão pro Desafio dos Comédia. É dia 15/05, às 13h, aqui na #CasaDosEsports.» 
  26. «Menos de seis meses após estreia, canal Loading demite equipe: 'Chegou ao fim'». Notícias da TV. 27 de maio de 2021. Consultado em 27 de maio de 2021 
  27. «Donos da Kalunga tentam reduzir dívida». Valor Econômico. Consultado em 28 de maio de 2021 
  28. «Kalunga: controladores vendem Spiral e preparam IPO». Eu Quero Investir. 11 de janeiro de 2021. Consultado em 28 de maio de 2021 
  29. «Loading demite geral e encerra grade inédita após quase seis meses no ar». NaTelinha. Consultado em 27 de maio de 2021 
  30. «Loading demite todos os seus funcionários e não terá mais grade». Voxel - TecMundo. 27 de maio de 2021. Consultado em 27 de maio de 2021 
  31. Estevan (27 de maio de 2021). «Canal Loading faz demissões em massa 6 meses após início da operação - Tribuna de São Paulo». Consultado em 28 de maio de 2021 
  32. de 2021, por Pedro Zambarda em 28 de maio (28 de maio de 2021). «CEO do Loading bloqueia ex-funcionários no Twitter após demissão em massa». Drops de Jogos. Consultado em 29 de maio de 2021 
  33. «Presidente da Loading bloqueia funcionários demitidos na web». NaTelinha. Consultado em 29 de maio de 2021 
  34. Gabriel de Oliveira (28 de maio de 2021). «Spring já negocia transformação da Loading em canal de teleevangelismo». TV Pop. Consultado em 6 de julho de 2021 
  35. Gabriel Perline e Gabriel Vaquer (6 de julho de 2021). «Bolsonarista, Jovem Pan 'vence' CNN e corre para lançar canal de notícias na TV». Notícias da TV. Consultado em 9 de julho de 2021 
  36. Cristina Padiglione (6 de julho de 2021). «Jovem Pan negocia espaço em canal aberto de TV». Folha de S. Paulo. Consultado em 9 de julho de 2021 
  37. Leandro Sarubo (13 de julho de 2021). «Justiça anulou concessão de canal que vai abrigar a TV Jovem Pan». Teleguiado. Consultado em 13 de julho de 2021 
  38. Gabriel Vaquer (20 de agosto de 2021). «Justiça cassa concessão de canal 32 e empaca futura TV da Jovem Pan». Notícias da TV. Consultado em 20 de agosto de 2021 
  39. Wallace Lopes (26 de novembro de 2021). «Loading anuncia mudança de programação e voltará transmitir Igreja Mundial do Poder de Deus». TVs do RJ. Consultado em 30 de novembro de 2021 
  40. Gabriel Vaquer (26 de novembro de 2021). «Loading morre seis meses após demissões, e canal fica com pastor Valdemiro». Notícias da TV. Consultado em 26 de novembro de 2021 
  41. «Processo nº 0026301-70.2015.4.03.6100». Jusbrasil. Consultado em 27 de novembro de 2021 
  42. Oliveira, Leandro (26 de outubro de 2020). «Loading: novo canal focado em cultura pop estreia em dezembro no Brasil». JBox. Consultado em 31 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 1 de novembro de 2020 
  43. Oliveira, Fernando (13 de novembro de 2020). «Conheça todos os apresentadores do Loading, canal que substitui antiga MTV». Splash. UOL. Consultado em 31 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 10 de dezembro de 2020 
  44. Naian Lucas; Gabriel Vaquer; Fabrício Falcheti (11 de dezembro de 2020). «Equipe de programa de e-sports da Loading se rebela por censura e é demitida». NaTelinha. Consultado em 11 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 11 de dezembro de 2020 
  45. Gabriel de Oliveira (11 de dezembro de 2020). «Mas já? Novo canal, Loading vive crise e tem pedido de demissão em massa». TV História. Consultado em 11 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 11 de dezembro de 2020 
  46. a b c Frascarelli, Victor (11 de dezembro de 2020). «Exclusive: Entire Editorial Staff Fired From Brazil's Loading Esports Channel» [Exclusivo: Equipe editorial inteira demitida do canal brasileiro de e-sports Loading] (em inglês). The Esports Observer. Consultado em 12 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 11 de dezembro de 2020 
  47. «Toda equipe de eSports deixa o novo canal Loading alegando suposta censura». VCFAZ. 11 de dezembro de 2020. Consultado em 11 de dezembro de 2020 
  48. Silva, Ana Carolina (11 de dezembro de 2020). «Equipe demitida pela Loading ainda não tinha recebido contrato e benefícios». Splash. UOL. Consultado em 11 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 26 de janeiro de 2021 
  49. Schulze Costa, Thomas (11 de dezembro de 2020). «Redação inteira de esports do canal Loading pede demissão [atualizado]». Voxel. Tecmundo. Consultado em 11 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 25 de janeiro de 2021 
  50. «Loading: a aposta mais efêmera da história da TV aberta brasileira». Nexo Jornal. Consultado em 15 de setembro de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]