Grupo Jovem Pan

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Grupo Jovem Pan
Razão social Rádio Panamericana S/A
Empresa de capital fechado
Slogan O futuro já começou
Gênero Mídia
Fundação 3 de maio de 1944 (75 anos)
Sede São Paulo, SP, Brasil
Proprietário(s) Antônio Augusto Amaral de Carvalho Filho
Pessoas-chave
Produtos
Website oficial jovempan.uol.com.br
  • Notas de rodapé / referências
  • [1]

Grupo Jovem Pan é um conglomerado de mídia brasileiro criado a partir da criação da Rádio Panamericana, fundada em 1942 e inaugurada em 1944 pelos escritores de radionovela Julio Cosi e Oduvaldo Vianna, que posteriormente venderam a emissora para o empresário Paulo Machado de Carvalho, que integrou a emissora ao seu conjunto de rádios conhecidas como Emissoras Unidas.

A partir da década de 1960, a emissora passou a ser conhecida pelo atual nome fantasia, "Jovem Pan", e na década seguinte passou a ser administrada pelo filho de Paulo, o Tuta, que deu uma programação jornalística e esportiva para a emissora.[2] A sua administração também marcou a mudança da sede da emissora para a Avenida Paulista na cidade de São Paulo, local em que está instalada até hoje.

Em junho de 2017, a rede Jovem Pan possuía ao todo cerca de 100 emissoras próprias e afiliadas, espalhadas por diversas localidades do território brasileiro.[3] A programação da rádio se divide em duas redes: Jovem Pan FM, que possui uma programação musical voltada ao público jovem e a Jovem Pan News, que transmite noticiários e programas jornalísticos durante sua programação, além de transmitir programas e eventos esportivos.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Jovem Pan News São Paulo

A Rádio Jovem Pan foi inaugurada como Rádio Panamericana, que foi constituída como empresa no dia 6 de outubro de 1942,[4] e inaugurada mais de um ano depois, em 3 de maio de 1944,[5] por Julio Cosi e Oduvaldo Vianna, então diretores da rádio.[6][7][8] A sua primeira sede era localizada no primeiro andar do número 279 da Rua São Bento, região central de São Paulo.[5][7][8] O ministério da Viação aprovou o local para a operação da rádio no ano anterior ao de sua inauguração, em 1943.[9] Ainda em 1944, no mês de novembro, o empresário paulista Paulo Machado de Carvalho adquiriu a emissora, fazendo que com que ela passasse a integrar o seu grupo de emissoras de rádio, conhecidas como Emissoras Unidas.[5][8][10] Antes de ser vendida para Paulo Machado de Carvalho, a Rádio Panamericana tinha sido criada originalmente para transmitir novelas, mas a partir de 1945, sob o controle de Machado, a rádio foi transformada na "emissora dos esportes", com o projeto executado pelo então empossado diretor-geral Paulo Machado de Carvalho Filho.[8]

1949–1976[editar | editar código-fonte]

Antônio Augusto Amaral de Carvalho, conhecido pelo apelido de Tuta, filho caçula de Paulo Machado de Carvalho, inicia a sua carreira em 1949, quando se tornou um estagiário da Rádio Panamericana.[5][8] Já em 1951, Tuta se tornou o diretor-geral da rádio, ocupando a função que antes era de seu irmão, Paulinho. Tuta ficou no cargo até 1953, quando foi convidado por seu pai para ser diretor da então futura TV Record, canal 7 de São Paulo.[5][8][11][12][13] O radialista Casimiro Pinto Neto, que era diretor do departamento comercial da emissora, assumiu a função no lugar de Tuta.[14]:48

Ainda em 1951, a emissora fez a sua primeira mudança de endereço. A rádio sai da Rua São Bento e se instala em um prédio na Rua Riachuelo, número 275, 13.° andar, que fica no mesmo bairro.[5][14]:30 A emissora mudaria de endereço novamente três anos mais tarde, em 1954, para um prédio no número 713 da Avenida Miruna, no mesmo bairro onde se concentrava as sedes das empresas que compunham Emissoras Unidas.[5]

A direção emissora volta a ser administrada por Tuta a partir de 1964.[5][11][12][13] Mesmo reassumindo a direção da Panamericana, Tuta continuou atuando na TV Record até 1973.[15] A rádio começou a sofrer uma grande transformação a partir de então. Já no ano seguinte, em 1965, surge o atual nome fantasia da rádio, "Jovem Pan".[12][13] O nome foi dado por Paulo Machado de Carvalho, e foi escolhido pelo termo "jovem" ser uma tendência para diversos nomes usados durante a década de 1960, tal como ele foi aplicado no título do movimento conhecido como Jovem Guarda.[12] Junto com a mudança de nome, os artistas dos festivais musicais organizados pela TV Record a partir de então passaram a influenciar a programação da emissora, que foi reestruturada devido a problemas financeiros.[12][8][15] Em 1973, Tuta adquiriu a totalidade das ações da emissora que pertencia aos seus irmãos, Paulo Machado de Carvalho Filho e Alfredo de Carvalho, o que o fez assumir o controle de rádio de vez.[5][8][12][13]

Anúncio publicado no jornal O Estado de S. Paulo, falando da estreia da Jovem Pan FM (então Jovem Pan 2).

A emissora, em 1976, preparava-se para uma nova mudança de endereço, dessa vez para o número 807, no edifício Sir Winston Churchill, localizado na já movimentada Avenida Paulista.[5][13][8] Com a mudança, foi inaugurada a nova antena transmissora da rádio, no topo do edifício, e no dia 1 de julho de 1976, a Jovem Pan 2, na frequência de 100.9 MHz.[16] O projeto que foi executado pelo filho de Tuta, Antônio Augusto Amaral de Carvalho Filho, o Tutinha.[5][8][12] Assim, Tuta tomava conta da programação da rádio AM, enquanto seu filho formatava o que seria a rádio FM.[12]

Década de 1990[editar | editar código-fonte]

A Jovem Pan iniciou a década de 1990 com a inauguração da TV Jovem Pan, canal 16 UHF de São Paulo.[12][17] A emissora recebeu a concessão do canal das mãos do então presidente em exercício, José Sarney, em 1987.[18] Tuta fundou a emissora em sociedade com o empresário João Carlos Di Genio, dono do Grupo Objetivo, e teve a sua sede, estúdios e transmissores instalados no bairro da Barra Funda.[12][17] Após brigas com Di Genio, que desconfiava que a compra dos equipamentos da emissora foi superfaturada, Tuta saiu da sociedade e posteriormente as instalações da TV Jovem Pan foram vendidas para a Rede Record de Edir Macedo.[15][12][17][19]

Outros sócios da TV Jovem Pan incluíam também o então diretor vice-presidente da rádio, Fernando Luiz Vieira de Mello, e posteriormente, Hamilton Lucas de Oliveira, presidente da Indústria Brasileira de Formulários (IBF).[12][17][18] Hamilton Lucas de Oliveira entrou na sociedade após Fernando Luiz Vieira de Mello desistir do negócio.[18] Ele já havia comprado diversas empresas de comunicação, e tendo a compra da Rede Manchete do Grupo Bloch a mais notável delas.[12][18] Após o envolvimento da IBF no esquema de PC Farias, que foi só mais um dos casos que compunham o escândalo de corrupção do governo de Fernando Collor de Mello, Hamilton Lucas vendeu suas ações para João Carlos Di Genio, que se tornou o único sócio.[18][20] Di Genio, após ser proibido de usar o nome "Jovem Pan" na emissora, mudou o nome para Canal Brasileiro da Informação (CBI), e fechou contrato para vender horários da programação para o Shop Tour.[18] Após o fim do contrato com a empresa, a CBI se tornou a atual Mega TV.[nota 1][18][17]

Já em 1993, a emissora deu início ao projeto de rede, chamado de "Jovem Pan Sat", que começou a ser implantado em 1994.[5][12][8] A Jovem Pan Sat foi uma das primeiras redes de rádio com sinal de áudio totalmente digital, transmitindo via satélite para várias regiões do país.[12][8] A Jovem Pan FM de Piracicaba, cidade do interior de São Paulo, foi uma das primeiras emissoras da rede.[21]

Década de 2000[editar | editar código-fonte]

O Sistema Globo de Rádio, que é uma subsidiária do Grupo Globo (à época era conhecida como Organizações Globo), tinha uma emissora própria de rádio em Brasília, que transmitia a programação da rede de notícias CBN em AM 750 kHz.[12][22] A empresa vendeu a emissora para a Jovem Pan em fevereiro de 2000 por 3,5 milhões de reais.[22] Após a venda, a emissora ficou conhecida como rádio Jovem Pan Brasil.[22] A emissora, no ano seguinte, também comprou a rádio AM 900 kHz de São José do Rio Preto, cidade do interior do estado de São Paulo.[23]

No ano de 2003, surgiu na imprensa informações de que o presidente da Jovem Pan FM, Tutinha, estava negociando com as redes de televisão uma versão televisiva do programa Pânico, exibido pela rádio desde 1993.[24][25] A maioria delas acabou recusando a proposta apresentada por Tutinha.[24] Sendo assim, a rádio acabou fechando uma parceria com a novata RedeTV!, lançando o Pânico na TV.[26] A versão radiofônica já era exibida com vídeo pela internet.[27] O humorístico estreou em 28 de setembro de 2003, e fez com que a RedeTV! marcasse números expressivos de audiência, segundos dados do Ibope, chegando a vencer uma das maiores audiências da época, o Domingo Legal (SBT), que tinha, até então, uma briga fervorosa com o Domingão do Faustão (Globo), fazendo com que o Pânico se tornasse a maior audiência entre os programas exibidos pela RedeTV!.[28][29][30][31][32][33]

Com o anúncio de que a então presidente da república, Dilma Rousseff, iria sancionar um decreto em que as emissoras que operam em onda média (AM) iriam migrar para a faixa do rádio FM, a Jovem Pan apresentou um novo projeto de rádio de notícias, a Jovem Pan News, que irá substituir a atual programação da emissora que é transmitida em emissoras que fazem parte da rede AM.[34][35][36] A emissora foi inaugurada em 7 de outubro de 2013, e inicialmente era transmitida apenas para a internet.[35] Só a partir de 2 de dezembro, as emissoras próprias da Jovem Pan nas cidades de São José do Rio Preto e Brasília passaram a fazer parte da nova rede, quando o decreto da migração das rádios já havia sido sancionado.[37][38][39]

No ano seguinte, a emissora deu início a expansão da Jovem Pan News, que passou a contar com novas afiliadas, sendo uma das primeiras a rádio Jovem Pan News de Vitória, capital do Espírito Santo.[40] A emissora também foi a primeira a iniciar os testes para a migração do rádio AM para o FM.[41][42][43] Em algumas regiões metropolitanas, como no caso de São Paulo, as emissoras que operam em AM devem migrar para uma nova faixa comercial de FM, que ficará entre as frequências de 76-88 MHz, já que não há espaço nas tradicionais frequências de 88-108 MHz.[42] A migração definitiva deve ocorrer após o desligamento do sinal aberto de televisão analógico, já que ele ocupa essas frequências nos canais 4, 5 e 6.[42] A rádio de testes está sendo transmitida em 84.7 MHz e exibe a mesma programação, em caráter experimental, da AM 620 kHz.[42][41][43]

Empresas[editar | editar código-fonte]

A rede Jovem Pan Sat possui afiliadas em todas as regiões do Brasil, em sua maioria transmitidas em onda média,[1] sendo uma das maiores redes de rádio do Brasil em quantidade de emissoras afiliadas.[44] Segundo o portal Comunique-se, em 2014, a Jovem Pan FM era a sexta maior rede de rádio do mundo.[45]

Além das afiliadas, a Jovem Pan possui três emissoras próprias localizadas nas cidades de São Paulo, São José do Rio Preto e Brasília.[3] A Jovem Pan conta também com presença em canais nas operadoras de TV por assinatura Oi TV e Sky.[46][47]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. Antes de se chamar Mega TV, a emissora já se chamou Mix TV, sem relação com o canal que atualmente usa o mesmo no nome, sendo que ele também pertence ao mesmo grupo.

Referências

  1. a b c «Mídia Kit Jovem Pan» (PDF). Jovem Pan. 2016. Consultado em 23 de julho de 2017. Arquivado do original (PDF) em 2 de março de 2017 
  2. «70 anos - Rádio Jovem Pan». Jovem Pan Online. Consultado em 25 de junho de 2017. Arquivado do original em 5 de agosto de 2013 
  3. a b «Afiliadas». Jovem Pan Online. Consultado em 13 de julho de 2017. Arquivado do original em 6 de junho de 2017 
  4. «Rádio Panamericana S.A.». Junta Comercial do Estado de São Paulo. Consultado em 25 de junho de 2017 
  5. a b c d e f g h i j k l «Sobre». Jovem Pan Online. Consultado em 13 de julho de 2017 
  6. Edmundo Ferreira da Rocha (20 de janeiro de 2009). «Campello - Plínio Freire de Sá». Campos do Jordão Cultura. Consultado em 26 de julho de 2015. (...) Juntamente com Oduvaldo Viana e Julio Cosi, foi um dos fundadores da Rádio Panamericana de São Paulo, hoje Jovem Pan. (...) 
  7. a b «A Rádio Panamericana iniciou ontem suas atividades». Folha da Manhã (6.177): 5. 4 de maio de 1944. Consultado em 25 de junho de 2017 
  8. a b c d e f g h i j k l «Rádio Jovem Pan comemora 69 anos». Bastidores do Rádio. 3 de maio de 2015. Consultado em 27 de julho de 2015 
  9. «Rádio Panamericana S/A». Folha da Manhã (5.832): V. 14 de março de 1943. Consultado em 25 de junho de 2017 
  10. Marcelo Rozenberg. «Paulo Machado de Carvalho». Terceiro Tempo. BOL. Consultado em 26 de julho de 2015 
  11. a b «Tuta, da Jovem Pan, completa 84 anos de vida». Bastidores do Rádio. 28 de abril de 2015. Consultado em 26 de julho de 2015 
  12. a b c d e f g h i j k l m n o p «Criatividade orienta o senhor Jovem Pan». Propmark. 20 de setembro de 2009. Consultado em 26 de julho de 2015 
  13. a b c d e «Inovação, na TV e no rádio». Observatório da Imprensa. 22 de setembro de 2009. Consultado em 26 de julho de 2015 
  14. a b Antônio Augusto Amaral de Carvalho (2009). Ninguém Faz Sucesso Sozinho. Bastidores dos Anos de Ouro da TV Record e da Jovem Pan. São Paulo: Escrituras. 432 páginas. ISBN 9788575313442 
  15. a b c Cristina Padiglione (21 de setembro de 2009). «Ele trocou TV por rádio. E se deu bem». Geral. O Estado de S. Paulo. Consultado em 26 de julho de 2015 
  16. Walter Silva (31 de maio de 1976). «A música em FM». Folha de S.Paulo (17.246). 22 páginas. Consultado em 25 de junho de 2017 
  17. a b c d e Fernando Morgado (18 de julho de 2008). «A história da TV Jovem Pan». Consultado em 26 de junho de 2017 
  18. a b c d e f g Anderson Diniz; Arthur Ankerkrone (17 de julho de 2009). «A história da Jovem Pan TV». Midiaclipping. Consultado em 26 de junho de 2017. Arquivado do original em 28 de julho de 2015 
  19. Ivan Finotti (4 de março de 1995). «TV Jovem Pan vende prédio para Record». Folha de S. Paulo. Consultado em 27 de julho de 2015 
  20. «CPI da TV Jovem Pan (também conhecido como Caso TV Jovem Pan)» (PDF). Centro de Estudos e Pesquisar sobre Corrupção (Unesp). Consultado em 28 de julho de 2015. Arquivado do original (PDF) em 22 de abril de 2016 
  21. Daniel Starck (4 de junho de 2014). «Especial: Jovem Pan FM completa 20 anos de atuação como rede nacional». Tudo Rádio. Consultado em 28 de julho de 2015 
  22. a b c Daniel Castro (4 de fevereiro de 2000). «Jovem Pan compra emissora da Globo». Folha de S. Paulo. Consultado em 28 de julho de 2015 
  23. Magaly Prado (16 de junho de 2001). «Rádio Difusora muda para atingir público AB». Rádio. Folha de S. Paulo. Consultado em 28 de julho de 2015. (...) 900 kHz - Jovem Pan (via satélite): recém comprada pela emissora paulistana, é a única com notícias e prestação de serviço. (...) 
  24. a b «Páginas Negras - Tutinha». Trip. Consultado em 28 de novembro de 2015. Arquivado do original em 8 de dezembro de 2005 
  25. «Sem querer, "Pânico" surgiu na Jovem Pan e virou febre na TV». Ilustrada. Folha de S.Paulo. 24 de junho de 2005. Consultado em 28 de novembro de 2015 
  26. Ricardo Feltrin (14 de maio de 2003). «"Pânico" vira programa de TV e troca Mariana Kupfer por "gostosona"». Ooops!. Folha de S.Paulo. Consultado em 28 de novembro de 2015 
  27. Laura Mattos (25 de setembro de 2002). «"Pânico" na TV deixa rádio em dilema». Ilustrada. Folha de S.Paulo. Consultado em 26 de junho de 2017 
  28. Laura Mattos (2 de julho de 2003). «Outra frequência: CBN planeja transmitir o "Jornal Nacional"». Ilustrada. Folha de S.Paulo. Consultado em 28 de novembro de 2015 
  29. Carol Gregnanin (22 de setembro de 2013). «Distraída, Sabrina deixa calcinha aparecer em coletiva». Babado. iG. Consultado em 28 de novembro de 2015 
  30. «Pânico na TV satiriza Domingo Legal». Terra. 29 de setembro de 2003. Consultado em 28 de novembro de 2015 
  31. André Bernardo (6 de dezembro de 2004). «"Não vou virar celebridade", diz Repórter Vesgo». Terra. Consultado em 28 de novembro de 2015 
  32. Bruno Yutaka Saito (11 de julho de 2004). «Repórter Vesgo renova tradição iniciada por Marcelo Tas». Ilustrada. Folha de S.Paulo. Consultado em 28 de novembro de 2015 
  33. Daniel Castro (2 de novembro de 2004). «SBT anuncia pacote de filmes para 2005». Outro Canal. Folha de S.Paulo. Consultado em 28 de novembro de 2015 
  34. «Grupo Jovem Pan lançará nova rede de jornalismo em outubro». Jovem Pan Online. UOL. 23 de setembro de 2013. Consultado em 3 de novembro de 2013. Arquivado do original em 26 de setembro de 2013 
  35. a b «Jovem Pan lança emissora hard news». Comunique-se. 23 de setembro de 2013. Consultado em 26 de junho de 2017 [ligação inativa]
  36. Teresa Levin (15 de outubro de 2013). «Confirmada a migração de AM para FM». Meio&Mensagem. Consultado em 26 de junho de 2017 
  37. Daniel Starck (5 de novembro de 2013). «Extra: Jovem Pan News chega ao dial a partir de dezembro em São Paulo e no Distrito Federal». Tudo Rádio. Consultado em 26 de junho de 2017 
  38. Daniel Starck (2 de dezembro de 2013). «Exclusivo: Jovem Pan News já está no ar no interior de São Paulo, Distrito Federal e Goiás». Tudo Rádio. Consultado em 26 de junho de 2017 
  39. Danilo Macedo (7 de novembro de 2013). «Dilma assina decreto autorizando migração de rádios AM para FM». Agência Brasil. Empresa Brasil de Comunicação. Consultado em 26 de julho de 2015 
  40. Daniel Starck (1 de setembro de 2014). «Exclusivo: Jovem Pan News estréia hoje em Vitória e já está no ar no interior paulista». Tudo Rádio. Consultado em 26 de julho de 2015 
  41. a b «JOVEM PAN dará início a testes de migração da faixa AM para a FM». Jovem Pan Online. UOL. 21 de agosto de 2014. Consultado em 26 de julho de 2015 
  42. a b c d Daniel Starck (19 de agosto de 2014). «Exclusivo: Jovem Pan AM de São Paulo realizará testes em FM estendido a partir de quinta-feira». Tudo Rádio. Consultado em 26 de julho de 2015 
  43. a b «Emissora de São Paulo realizará testes de migração do AM». Abert. 14 de agosto de 2014. Consultado em 26 de julho de 2015 
  44. Daniel Starck (4 de Junho de 2009). «Exclusivo: Rede Jovem Pan comemora 15 anos no ar». Tudo Rádio. Consultado em 13 de julho de 2017 
  45. Anderson Cheni (24 de junho de 2014). «Duas redes de rádio do Brasil estão entre as maiores do mundo». Comunique-se. Consultado em 13 de julho de 2017 [ligação inativa]
  46. «Emissoras de rádio do Grupo Bandeirantes chegam aos canais de áudio da SKY». Exorbeo. 3 de novembro de 2015. Consultado em 13 de julho de 2017 
  47. «Sabia que dá para assistir Oi TV de graça?». Elsys. 20 de junho de 2017. Consultado em 13 de julho de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]