Ana Paula Henkel

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ana Paula Volleyball (indoor) pictogram.svg
Voleibol / Voleibol de praia
Nome completo Ana Paula Rodrigues Henkel[1]
Nascimento 13 de fevereiro de 1972 (50 anos)
Lavras, Minas Gerais
Nacionalidade brasileira e norte-americano
Compleição Peso: 64 kg • Altura: 1,83 m
Medalhas
Jogos Olímpicos
Bronze Atlanta 1996 Equipe
Campeonato Mundial
Prata São Paulo 1994 Equipe
Copa do Mundo
Prata Japão 1995 Equipe
Grand Prix
Ouro Xangai 1994 Equipe
Ouro Xangai 1996 Equipe
Ouro Hong Kong 1998 Equipe
Prata Xangai 1995 Equipe

Ana Paula Rodrigues Henkel, antes Connelly[2] (Lavras, 13 de fevereiro de 1972), mais conhecida como Ana Paula, é uma comentarista política e ex-jogadora de voleibol brasileira.

Nas quadras, atuava como atacante. Seu maior feito foi a medalha de bronze nos Jogos Olímpicos de 1996, em Atlanta. Posteriormente, atuou no voleibol de praia.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Na infância, Ana Paula praticava balé e atletismo. Iniciou no voleibol de quadra jogando no time do colégio, e dali foi levada para o Lavras Tênis Clube. Devido ao bom desempenho no clube, foi para Belo Horizonte, onde defendeu o Mackenzie e o Minas Tênis Clube.

Em 1989 foi chamada para a seleção juvenil que venceu o Sul-Americano e, mais tarde, foi bicampeã mundial. Conquistou rapidamente um lugar na seleção brasileira adulta, sendo convocada pela primeira vez em 1991.

Disputou sua primeira Olimpíada da carreira em 1992, a Olimpíada de Barcelona, entrando em quadra e ajudando a Seleção Brasileira de Voleibol Feminino obter 4º lugar, consignado um excelente feito na época. Ainda pela seleção nacional se tornou tricampeã do Grand Prix, em 1994, 1996 e 1998, e da BCV Cup, em 1994 e 1996. Na Olimpíada de Atlanta, marcada por uma campanha brilhante na fase de classificação, protagonizou na semifinal contra as cubanas, uma eliminação frustrante e mesmo apáticas diante a Rússia, conquistaram a inédita medalha de bronze, equipe comandada por Bernardinho. Durante esse período foi eleita pela mídia como a "Musa do Vôlei".

Em 1999 optou por dedicar-se ao vôlei de praia, sendo escolhida a melhor jogadora do Circuito Banco do Brasil dois anos depois. Em 2003, tendo a jogadora Sandra como parceira, foi campeã do Circuito Mundial daquele ano.

Na Olimpíada de Atenas, o objetivo de Ana Paula era conquistar sua segunda medalha olímpica, mas a derrota nas quartas de final para as compatriotas Adriana Behar e Shelda pôs fim às possibilidades de pódio para a dupla formada por Ana Paula e Sandra, alcançando a 5º posição.

Na Olimpíada de Pequim, ao lado de Larissa, substituindo Juliana que sofreu uma lesão muscular às vésperas da competição, terminam na 5º colocação geral.

No ano de 2010, decide se afastar do Circuito Mundial e competir a liga norte-americana de praia (AVP) ao lado de Tatiana Minello.

Pós-carreira[editar | editar código-fonte]

Após encerrar a carreira no voleibol, continuou nos Estados Unidos. Formou-se em arquitetura pela Universidade da Califórnia em Los Angeles,[3] instituição na qual iniciou o mestrado em ciência política em 2018.[4]

Na internet, ficou conhecida por postar comentários políticos nas redes sociais. Henkel se identifica com a direita e apoia publicamente Donald Trump e Jair Bolsonaro.[5][6]

Em 2017, ganhou um blog no jornal O Estado de S. Paulo[7] e em 2020 virou colunista da Revista Oeste e da Rede Jovem Pan onde também integra o programa Os Pingos nos Is.

Em junho de 2020, foi acusada de fazer comentários racistas em suas redes sociais após associar à população negra e estatísticas de crimes nos EUA. Henkel havia feito uma postagem no Twitter afirmando:“12% negros, 62% dos roubos, 56% dos assassinatos. Faça as contas.”, em uma crítica às manifestações antirracismo.[8][6]

Em fevereiro de 2021, Ana Paula afirmou no Os Pingos nos Is que as vacinas contra Covid-19 aplicadas nos Estados Unidos causaram a morte de 501 pessoas e mais de 11 mil reações adversas. Segundo a agência de checagem Estadão Verifica, a informação publicada pela comentarista era enganosa porque os dados foram extraídos de uma plataforma onde qualquer pessoa poderia incluí-los e que, portanto, não havia investigação por parte dos órgãos responsáveis.[9][10]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Foi casada com o ex-jogador de basquete Jeffty Connelly (1994), depois casou-se com Marcus Miranda, treinador de voleibol, pai do seu filho Gabriel e em 2010 casou-se com o advogado e ex-jogador de voleibol de praia Carl Henkel.[11][12]

Referências

  1. «Ana Paula Rodrigues Henkel». Beach Volleyball Database. Consultado em 4 de julho de 2012 
  2. Evans, Hilary; Gjerde, Arild; Heijmans, Jeroen; Mallon, Bill; et al. «Ana Paula Biography and Olympic Results». Sports Reference LLC (em inglês). Olympics em Sports-Reference.com. Consultado em 4 de julho de 2012. Cópia arquivada em 4 de dezembro de 2016 
  3. «"Comigo não tem perhaps" | 7minutos». 7Minutos. 30 de janeiro de 2018 
  4. «Dama de ferro». www.uol. Consultado em 7 de abril de 2021 
  5. Fellet, João (6 de julho de 2016). «A atleta olímpica que se tornou ícone da direita no Brasil». BBC Brasil (em inglês) 
  6. a b Cleo Guimarães (8 de junho de 2020). Revista Veja, ed. «Ana Paula presta um desserviço à causa do racismo». Consultado em 17 de setembro de 2021 
  7. «Ana Paula Henkel estreia blog no portal do 'Estado' - Política - Estadão». Estadão 
  8. «Ex-seleção de vôlei, Ana Paula é acusada de racismo em rede social». Extra Online. Consultado em 9 de dezembro de 2021 
  9. «Covid-19: Ana Paula Henkel distorce informações sobre mortes por vacina». www.uol.com.br. Consultado em 9 de dezembro de 2021 
  10. «Dados alarmistas citados por ex-jogadora de vôlei não se sustentam: CDC informa que não confirmou nenhuma morte relacionada a vacinas contra covid-19 nos EUA». Estadão Verifica. Consultado em 9 de dezembro de 2021 
  11. «Ana Paula, a musa do vôlei casou-se no fiim (sic) de semana com advogado dos EUA». Lavras 24 horas. 8 de fevereiro de 2010. Consultado em 4 de julho de 2012. Arquivado do original em 20 de março de 2017 
  12. «Troca de alianças ao pôr do sol de Ana Paula e Carl». Caras. 11 de fevereiro de 2010. Consultado em 4 de julho de 2012 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]