Mega TV

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde março de 2017). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Mega TV
Canal Brasileiro da Informação CBI Ltda.
Tipo Emissora de televisão aberta comercial
País  Brasil
Fundação 15 de outubro de 2009 (8 anos)
Pertence a Grupo Objetivo
Cidade de origem São Paulo São Paulo, SP
Sede Bandeira da cidade de São Paulo.svg São Paulo, SP
Rua Vergueiro, 1211, 12º andar - Paraíso
Formato de vídeo 480i (SDTV)
1080i (HDTV)
Canais irmãos
Cobertura Grande São Paulo[nota 1] e Brasília
Nome(s) anteriore(s)
  • TV Jovem Pan (1991-1995)
  • CBI (1996-2005)
  • Mix TV (2005-2009)
Página oficial megatv.com.br
Disponibilidade aberta e gratuita
Digital
Disponibilidade por cabo
Vivo TV Fibra
  • Canal 20
NET
Canal 23 (Barueri, Guarulhos, Mogi das Cruzes, Osasco, Santana do Parnaíba e São Paulo)
TV Alphaville
Canal 195

Mega TV é um canal de televisão brasileira sediado na cidade de São Paulo, capital do estado brasileiro homônimo. Pertence ao Grupo Objetivo, que também detém a Rede Brasileira de Informação (RBI), e sua programação é composta de infomerciais, programas de vendas e ofertas de imóveis, automóveis e outros bens.

História[editar | editar código-fonte]

Em 1995, com o fracasso da TV Jovem Pan, os empresários João Carlos Di Gênio e Hamilton Lucas de Oliveira transformam o canal 16 UHF de São Paulo em um canal voltado a vendas, intitulado de Canal Brasileiro da Informação (CBI).[1] Para isso, fecha uma parceria com o Shop Tour, de propriedade de Luiz Galebe, programa de vendas que já havia sido transmitido por diversas redes de TV aberta, que naquele momento passa a ser responsável por ocupar 22 horas diárias de programação do canal.[2]

O CBI se torna o canal UHF mais assistido na capital paulista, superando os concorrentes Canal 21 e até a MTV Brasil. De acordo com pesquisas da época, um em cada três telespectadores faziam compras ou pesquisavam preços por meio do programa.[2]

Em 2005, a Shop Tour consegue a concessão do canal 46 UHF na capital paulista, rompendo com a CBI no mês de março.[3] Por sua vez, o canal passa a transmitir um programa de vendas muito semelhante ao Shop Tour, que foi proibido por alguns dias após Luiz Galebe conseguir uma liminar contra o formato.[4] Após algum tempo, o canal passa a transmitir programas de entrevistas, e no dia 14 de novembro de 2009, sai do ar, dando lugar à Mix TV (sem relação com o canal musical do mesmo grupo), que posteriormente passou a se chamar Mega TV.[5][carece de fontes?][6]

Em março de 2014, o canal foi condenado por veicular publicidade excessiva, ultrapassando os 25% do tempo diário.[7]

Programas[editar | editar código-fonte]

  • Espaço Mix
  • Mega TV Autos
  • Mega TV Imóveis
  • Link
  • Bota Fora
  • Mega Oferta
  • Mega Web
  • HBF Show! (uma parceria Mix FM)

Canais[editar | editar código-fonte]

Mercado Canais Cidades
Grande São Paulo Canal 20 Vivo TV
Canal 15 UHF Digital (16.1 Virtual)
Canal 23 NET
Alphaville Canal 322 TV Alphaville
  • Alphaville
Distrito Federal Canal 40 UHF Digital Brasília e região

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas e referências

Notas

Referências

  1. «BALCÃO NA TV». TV-Pesquisa. 30 de março de 1995. Consultado em 12 de fevereiro de 2017. 
  2. a b «PARA A AUDIÊNCIA CBI SE CHAMA 'CANAL SHOP TOUR'». TV-Pesquisa. 18 de abril de 1999. Consultado em 13 de fevereiro de 2017. 
  3. Daniel Castro (23 de março de 2001). «"SHOP TOUR" GANHA CANAL EM SP E ROMPE COM CBI». TV-Pesquisa. Consultado em 13 de fevereiro de 2017. 
  4. Daniel Castro (19 de maio de 2005). «CLONE». TV-Pesquisa. Consultado em 13 de fevereiro de 2017. 
  5. Caio Felipe (7 de outubro de 2014). «História da TV: O Grupo MIX chega a Televisão Brasileira!». TV a Cabo & Digital. Consultado em 15 de junho de 2016. 
  6. Carlos Franco (19 de abril de 2001). «SHOP TOUR VAI VIRAR REDE DE TELEVISÃO ABERTA». TV-Pesquisa. Consultado em 13 de fevereiro de 2017. 
  7. «Três emissoras são condenadas por excesso de publicidade» (aspx). Tela Viva. 6 de março de 2014. Consultado em 18 de fevereiro de 2018.. Cópia arquivada em 10 de março de 2014 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]