Sistema Verdes Mares

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Sistema Verdes Mares
Sociedade anônima
Slogan Leva o mundo até você.
Fundação 1967 (52 anos)
Fundador(es) Edson Queiroz
Sede Fortaleza, CE
Locais Ceará, Pernambuco e Rio de Janeiro
Proprietário(s) Grupo Edson Queiroz
Pessoas-chave Yolanda Queiroz
Edson Queiroz Neto

Sistema Verdes Mares (mais conhecido pela sigla SVM) é um conglomerado de mídia brasileiro, subsidiária do Grupo Edson Queiroz. Possui sede em Fortaleza e uma sucursal em Sobral.[1] Tem como superintendente o empresário Edson Queiroz Neto.[2] Possui redes de televisão e rádio e sites da internet.

Empresas[editar | editar código-fonte]

Televisão[editar | editar código-fonte]

Rádio[editar | editar código-fonte]

Impresso[editar | editar código-fonte]

Internet[editar | editar código-fonte]

Antigos empreendimentos[editar | editar código-fonte]

Notas

a - As emissoras não produzem programação, apenas retransmitem a programação de Fortaleza.

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Em 2015, o SVM, como é conhecido, começou a sofrer com a saída de funcionários, principalmente da TV Verdes Mares, acompanhando a crise no Brasil. Um exemplo é a então apresentadora do CETV Primeira Edição Caroline Ribeiro, que saiu para fazer graduação na área em Portugal (fato que aconteceu em 30 de setembro)[4]; em seu lugar entrou a repórter Patrícia Nielsen.

Mas em 20 de outubro, o grupo sofreu sua maior perda, a de Edilmar Norões, então diretor responsável[5]; Paulo César Norões, jornalista e chefe esportivo da TVM e filho de Edilmar assumiu o cargo.

Em 2016, Eveline Frota deixa a apresentação do Bom Dia Ceará para ir a chefia de conteúdo da Verdes Mares, substituída pela repórter Taís Lopes (que antes era apresentadora do Destaque VM no lugar de Tep Rodrigues, que estreou o #Partiu); além de Cíntia Lima deixar o CETV 2 no mesmo ano para morar nos Estados Unidos, tendo o repórter esportivo Marcos Montenegro como substituto. Em 17 de junho, morria a então presidente do grupo Yolanda Queiroz. Com vários repórteres saindo, os espaços são preenchidos com estudantes formados da Unifor.

Em 2017, a TV Verdes Mares e a rádio FM 93 perdem a liderança para TV Jangadeiro e Jangadeiro FM, respectivamente, ambos do Sistema Jangadeiro de Comunicação; fazendo perder anunciantes e faturamento. No mesmo ano, TV Diário e Rádio Verdes Mares começam a sofrer com a crise com a saída de grande parte da equipe de esportes da Verdinha para a Expresso FM, fazendo a primeira criar o grupo "Craques da Verdinha", contando profissionais que foram para outras áreas, além da chegada de Antero Neto.[6]

Em 2018, a crise se agrava, mesmo com a entrada da nova programação da TVD. Em abril e setembro, o grupo faz novas debambadas, atingindo empregados com até 30 anos de contribuição. Em outubro, o grupo inaugura uma redação integrada com o novo estúdio do BDCE, CE1 e CE2. Tudo isso foi contestado pelo Sindjorce (Sindicato de Jornalistas do Ceará).[7][8]

Em 16 de fevereiro de 2019, o caos é denunciado pela primeira vez ao vivo por Kaio Cézar, então narrador e apresentador eventual do Globo Esporte, que encerrou o programa daquele sábado pedindo demissão.[9] No mesmo dia, o sistema divulgou uma nota informando que foi surpreendido.[10]. No dia seguinte, através do Facebook, Kaio publica um texto falando sobre o caso, culpando PC Norões de perseguição e as condições de trabalho.[11]

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre uma empresa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.