Home office

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Home office

Home office é o escritório em casa [1]. É possível trabalhar home office a partir de três tipos de arranjo : sendo funcionário de uma empresa [1] (modalidade chamada de teletrabalho), sendo freelancer (trabalhando por projetos avulsos) ou como empresário de uma empresa home based (que tem sua sede em uma residência). Com a expansão das redes de comunicação e a popularização dos dispositivos portáteis como laptops, smartphones e tablets, este tipo de trabalho atravessou as paredes da casa e ganhou o mundo, permitindo que atividades sejam realizadas de qualquer lugar onde exista um sinal de internet disponível [2] [3].

Histórico[editar | editar código-fonte]

Trabalhar em casa não é uma ideia nova. Já nos burgos da Idade Média, a loja ou oficina ficava no térreo e a casa no andar de cima (ou nos fundos). E esta fórmula funcionou muito bem até o século XIX, quando a Revolução Industrial levou os trabalhadores para as fábricas, onde as condições de trabalho eram insalubres e exploratórias.[carece de fontes?]

Nos anos 50, no modernismo funcional, a dinâmica foi simplificada. O trabalhador saía da sua garagem na zona residencial para trabalhar na área comercial. Com o trânsito que havia naquela época, isso ainda era possível. Hoje, com as cidades apinhadas, o contexto mudou. Em levantamento feito pelo IBOPE (2008), 63% dos paulistanos gastam até três horas nos deslocamentos para o trabalho, escola ou universidade.[carece de fontes?]

Em 1980, Alvin Toffler já profetizava em seu best seller “A terceira onda” que a tecnologia permitiria que as pessoas voltassem a trabalhar de casa. Dito e feito. Com o fim da era industrial e o início da era da informação, da valorização dos serviços, da criatividade e da produtividade (que alguns chamam de “quarta onda”), trabalhar em casa passou a ser uma tendência. O home office já é realidade para 58 milhões de pessoas no mundo todo, segundo dados do IDC (International Data Corporation/projeção para 2011). No Brasil, estatísticas garantem que 4,5 milhões de pessoas trabalham de casa (Jornal Nacional/2009), um número que aumenta 10% ao ano. E segundo previsões para 2015, cerca de 30% das pessoas em todo o mundo vão trabalhar pelo menos uma vez por semana de casa ou de outro local fora da empresa (Época Negócios/49) [3].

Home office no Brasil[editar | editar código-fonte]

O Brasil dispõe de uma frota de 77 milhões de veículos [4] trafegando pelas cidades, (em 2000 eram 29,5 milhões), uma estrutura aeroportuária defasada, estradas em condições precárias de tráfego, pessoas morando cada vez mais longe do trabalho e alguns dos metros quadrados comerciais mais caros do mundo. É o terceiro país do mundo onde mais cresce o home office.[5]

O modelo de trabalho remoto chegou ao Brasil recentemente, na bagagem das empresas multinacionais e embalado como benefício no pacote de horários flexíveis. Hoje, já é uma solução adotada por 31,2% das empresas brasileiras[6]. Dados do Censo 2010 mostram que cerca de 20 milhões de brasileiros trabalham e moram no mesmo endereço. A proporção é de quase um quarto da mão de obra ocupada do país. A pesquisa revela ainda que 1,5 milhão de paulistanos trabalham em casa (o equivalente a 27% dos que têm ocupação). Porém, estas estatísticas incluem todos os trabalhadores que executam suas atividades no local de moradia: artesãos, porteiros, manicures, cabeleireiros, mecânicos, etc. Dentre os 20 milhões, o número preciso de teletrabalhadores ainda não foi mensurado.[carece de fontes?]

Para acompanhar tamanho crescimento, a CLT brasileira teve que se adaptar. A Lei 12.551, assinada em 2011, passou a garantir direitos iguais para trabalhadores remotos e locados nas empresas. Isso mostra que o home office no Brasil deixou de ser tendência e passou a ser realidade [2].

Vantagens[editar | editar código-fonte]

Flexibilidade, ausência de engarrafamentos e ônibus lotados, mais tempo para lazer, prática de esportes, poder curtir os amigos e a família, participar da educação dos filhos, ter uma alimentação mais saudável, entre outras vantagens fazem do escritório em casa uma ótima opção para os novos tempos [3].

Referências

  1. a b Tatiana Vaz (11 de abril de 2017). «Amazon abrirá 5.000 vagas para trabalho home office em 2018». Exame. Consultado em 15 de abril de 2017. Cópia arquivada em 15 de abril de 2017 
  2. a b BRIK, Marina; BRIK,André. "Trabalho Portátil: Produtividade, economia e qualidade de vida no home office das empresas". 1. ed. Curitiba: Ed. do autor, 2013. 188 p.
  3. a b c BRIK, Marina; BRIK, André. "As 100 Dicas do Home Office: Um guia básico para montar e manter seu escritório em casa". 1 ed. Curitiba: Ed. do autor, 2011. 64 p.
  4. Ministério das Cidades, DENATRAN, RENAVAM (fev/2013)
  5. Pesquisa Robert Half Recrutamento (set/2012)
  6. Pesquisa Hays publicada na Revista Você RH (jan/2012)