Amazon Sat

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Amazon Sat
Amazônia Cabo Ltda.
Logotipo utilizado até 2018.
Tipo Rede de televisão comercial regional
País  Brasil
Fundação 4 de janeiro de 1997 (23 anos)
por Phelippe Daou
Pertence a Amazônia Cabo
Proprietário Phelippe Daou Jr.
Antigo proprietário Phelippe Daou (1997-2016)
Presidente Phelippe Daou Jr.
Cidade de origem Rondônia Porto Velho, RO
Sede Bandeira de Manaus.svg Manaus, AM
Avenida André Araújo, 1555 - Aleixo
MAPA
Estúdios Bandeira de Manaus.svg Manaus, AM
Avenida André Araújo, 1555 - Aleixo
Slogan A cara e a voz da Amazônia e do Amazônida
Formato de vídeo
Canais irmãos
Cobertura Estados do Acre, Amazonas, Amapá, Rondônia e Roraima
Página oficial amazonsatplay.com
Disponibilidade aberta e gratuita
Analógico
Digital
Disponibilidade por cabo
Claro TV
Canal 22 (Porto Velho e Rio Branco)
Techcable
Roma Cabo
Canal 24
CaboTelecom
Canal 131
TVN
Canal 78 (São Luís)
SGC A Cabo
Canal 24
Supermidia
Canal 86
SupercaboTV
Canal 37
Life TV
Canal 91
TV Cabo
Canal 34
Enter Play
Canal 314
Televigo
Canal 29

Amazon Sat é uma rede de televisão brasileira concessionada em Porto Velho, capital do estado de Rondônia, porém sediada em Manaus, capital do estado do Amazonas. Pertence à Amazônia Cabo (subgrupo do Grupo Rede Amazônica (GRAM)), que também mantém as rádios CBN Amazônia e Echos, além do Portal Amazônia. É uma emissora voltada ao público da Região Norte do Brasil.

Cobre 5 estados da Região Norte pela TV aberta (com filiais e retransmissoras no Amapá, Amazonas, Acre, Roraima e Rondônia), além de cobrir o estado do Maranhão e Pará (cidades de Belém e Ananindeua) pela TV fechada e internacionalmente por on demand com o Amazon Sat Plus, canal internacional.

História[editar | editar código-fonte]

O programa de satélite implantado pela Embratel tinha como fundamento terminar o isolamento da Amazônia, dando a esta região as mesmas oportunidades de informações, notícias e entretenimento como no restante do país.

Dentro dessa filosofia, foi concedido um Transponder do novo satélite à Rádio TV do Amazonas, que passou a transmitir seus noticiosos com a cor local, para toda a Amazônia.

Produzindo inicialmente um total de três horas e meia, como foi determinado pelo Ministério das Comunicações como condição básica para a concessão desse canal de satélite, bem como fazer com que a programação da Rede Globo recebida na região não tivesse mais os fades - tela preta - dos intervalos comerciais.

Tempos depois, não subindo mais com a Programação Nacional no seu satélite, a Rádio TV do Amazonas começou o preenchimento dos espaços relativos à programação Globo com produções locais. Iniciava desta forma a grande jornada da criação de um canal exclusivamente com temas amazônicos, denominado Amazon Sat.

Ao longo de todo este tempo, sua programação vem cada vez mais identificada, retratando as características e peculiaridades da região, bem como mostrando verdadeiramente as realidades amazônicas, que muitas vezes são deturpadas no exterior. O Amazon Sat, com isenção e profissionalismo firmou-se como o canal de comunicação gerado na Amazônia para o Brasil e o mundo.

O Amazon Sat é o primeiro canal temático voltado exclusivamente para assuntos amazônicos, seu povo e sua cultura, sua economia e, sobretudo, suas perspectivas de desenvolvimento sustentável da região.

O canal integra o grupo da Rádio TV do Amazonas, afiliada da Rede Globo, nos Estados do Amazonas, Rondônia, Roraima, Acre e Amapá e seu sinal foi levado ao ar pela primeira vez no ano de 1997.

Em 1997, com roupagem nova, foi ao ar tendo como objetivo principal ser a verdadeira cara e voz da Amazônia. Tal objetivo foi conquistado com muito trabalho e importantes doses de sacrifícios.

É um canal de transmissão de televisão via satélite, porém codificado no satélite IntelSat 34, somente para as emissoras integrantes da Rádio TV do Amazonas.

Ter mostrado um ecossistema que corresponde a um nome falado do mundo e, muitas vezes, menos conhecido, isto não é uma tarefa tão simples. Quem vive e respira a Amazônia, pode compreendê-la melhor e, portanto, defendê-la e transmiti-la com fidelidade.

Em todo o mundo, cada vez mais ganha vigor e atualidade a discussão sobre o papel das empresas como agentes sociais. As empresas já perceberam que o respeito ao meio ambiente e a preocupação com a valorização do homem e da sua cultura estão entre os principais fatores determinantes do sucesso mercadológico. Observa-se a grande preocupação das empresas em vincular sua imagem à noção de responsabilidade social. O que conduz à postura da empresa cidadã, baseada no resgate dos princípios de defesa à natureza, onde enquadra-se com perfeição o Amazon Sat.

O canal destaca, especialmente, a Amazônia com os seguintes temas e pesquisas: científicos, sociais, literários, econômicos, místicos, selvagens e, principalmente, toda a cobertura de notícias através de cinco geradoras, o que nos leva a mostrar uma vasta grade de programação.

Na Internet, recebe-se cerca de 90.000 page views de acessos ao mês, através do Portal Amazônia ou com acesso diretamente ao Canal, através do site. São vinte horas de programação diversificada, sempre voltada para assuntos da região, retratando a imagem real da Amazônia e atingindo os mais variados públicos. São 4.900.000 de quilômetros quadrados, atingindo 60% do território nacional, com três fusos horários. 73%, cobertos por florestas tropicais com densidade demográfica de 3,2 habitantes por quilômetros quadrados, atingindo 12% da população do país, com 16,5 milhões de habitantes.

A partir dessa mudança de sinal do satélite de analógico para digital, a TV Amazonas cessou a transmissão de seus programas através do Amazon Sat para suas emissoras afiliadas e agora passa a utilizar um sinal no mesmo satélite Brasilsat B4 somente para geração de programas para a Rede Amazônica, bem como a geração de materiais para suas emissoras em toda a Região Norte, sem interferir na programação do Amazon Sat.

Em abril de 2017, Amazon Sat mudou seu canal digital em Manaus (do 46 para o 45 UHF). No dia 11 de fevereiro de 2018, a emissora lança sua nova identidade visual.

Em setembro de 2019, o canal passou por uma mudança na linha editorial, para atender a Fundação Rede Amazônica e ser seu principal veículo de comunicação. A Grade do canal foi remodelada e a parceria com a Fundação Nazaré de Comunicação foi intensificada. De segunda a sexta, de 00h às 7h (horário de Manaus), o canal retransmite o sinal da TV Nazaré e de segunda a sexta, das 7h às 00h (horário de Manaus) e aos sábados e domingos, segue com a grade de programação própria.[1]

Como veículo oficial da Fundação Rede Amazônica (FRAM), braço institucional do Grupo Rede Amazônica (GRAM), o canal passou a fortalecer seu papel social, ambiental e educacional, trabalhando com três pilares principais: Sustentabilidade, Educação e Empreendedorismo.

Em 11 de setembro de 2020, o canal levou ao ar, pela primeira vez, em uma emissora de TV na América Latina o áudio em 3D com a tecnologia Dolby Atmos que, após uma parceria com o Grupo Rede Amazônica, irá aumentar gradativamente a grade de programas com a tecnologia tanto no Amazon Sat, quantos nos demais canais do Grupo.[2]

Cobertura[editar | editar código-fonte]

A área de abrangência compreende as capitais da região amazônica, através de canal aberto e TV a cabo, além de parceiros como Vivax, Neo TV, TV Brasil e TV Nazaré. A distribuição nacional de seu sinal é feito por meio de TV por assinatura, que hoje possui aproximadamente 130 mil assinantes, o que significa que o Amazon Sat é assistido por um público estimado em 800 mil telespectadores, levando-se em consideração que cada ponto de assinatura envolve uma média de quatro telespectadores.

Independente, com equipe de produção própria e uma grade de mais de 30 programas, distribuídos entre os núcleos de jornalismo e produção, o canal aposta na globalização e assina convênio com a operadora de rede de televisão on line JUMPTV, que distribui a programação do canal em sua base, chegando a mais de 80 países.

Nas outras regiões brasileiras, o Amazon Sat é captado somente através de parabólicas com receptor digital, através da aquisição de kit contendo o cartão com o código para decodificação do canal. Entre os anos de 1997 e 2006 o canal podia ser assistido de forma aberta nas antenas parabólicas com receptor analógico, porém devido a uma exigência da Rede Globo feita para as emissoras afiliadas que possuíam canais de satélite de sinal aberto, elas foram obrigadas a retirar os sinais, de forma a não haver concorrência com o sinal da Rede Globo nas parabólicas analógicas. Além de codificar seus sinais digitais transmitidos via satélite.

Programas[editar | editar código-fonte]

Atuais[editar | editar código-fonte]

  • Justiça e Cidadania
  • Viagens pela Amazônia
  • Ler + 1
  • Amazon Sat Educação
  • Cine Amazon Sat
  • Aproximar Muda Tudo
  • Consciência Limpa
  • RePensar
  • Minuto Aleam
  • Amazônia Que Eu Quero Entrevista
  • Documentos da Amazônia
  • Literatura em Foco
  • Baquara Team
  • Missa na TV
  • Mundo Passaporte
  • Papo Solto
  • Dia de Campo na TV
  • O Lojista na TV
  • Programa Nobre
  • Pesca Amazônia
  • Acelera Amazônia
  • The Show
  • Belém 400
  • Expedição Amazônia
  • Instinto Selvagem Adventure
  • Trilhando a História
  • Interprogramas

Extintos[editar | editar código-fonte]

  • Amazon Sat Cidade
  • Amazon Sat Educação
  • Amazon Sat Ambiental
  • Amazon Sat Cultural
  • Amazon Sat Esportes
  • Amazon Sat Serviço
  • Amazon Sat na Rua
  • Amazônia Agora
  • Amazônia em Notícia
  • Amazônia Fantástica
  • Amazônia Mulher
  • Amazônia News 2ª edição
  • Amazon Shop*
  • Amazônia em Debate (Apresentado por Cristóvão Nonato; Valter Frota)
  • Amazon Sat Entrevista (Apresentado por Leon Furtado (2019/01); Andrezza Maria Cunha (2019/02).
  • Amazônia Interativa na TV (Fase do Portal Amazônia)
  • Amazônia Interativa (Apresentado por Leon Furtado; Produzido por Andrezza Cunha, Diego Oliveira, Leon Furtado, William Costa; Reportagens de Alamara Barros (Acre), Consuela Araújo (Acre) Luciene Kaxinawá (Rondônia), Mariana Franco (Roraima), Rafaela Bittencourt (Amapá), Hellen Monteiro (Acre).
  • Amazônia News
  • Conexão Saúde
  • Conhecer e Aprender
  • Encantos da Amazônia
  • Ervas e Plantas
  • Esporte Amazônia
  • Estação Turismo
  • Estúdio Sat
  • Eu Sou o Bicho*
  • Fazendo Esperança
  • Galeria
  • Força Militar na Amazônia
  • Homem da Floresta
  • Hora Amazônia 2017 (Apresentado por Nádia Saldanha, Tamyris Ataíde, Leon Furtado e Valter Frota; Produzido por Matheus Rodrigues, Paulo Vieira, Thalita Souza; Editado por Cinthia Souza, Francinaldo Nunes; Reportagens de Naine Carvalho (Manaus), Luciene Kaxinawá (Rondônia), Alamara Barros (Acre).
  • Jornal da Amazônia
  • Amazônia Rural
  • Boa Tarde Mulher
  • Canal Saúde
  • Canal Verde
  • Destaques
  • Edição de Domingo
  • Edição de Sábado
  • Encontro com o Povo
  • Ervas e Plantas Medicinais
  • Estação Mamoré
  • Estilo de Vida
  • Estúdio NEMA
  • Feira Livre
  • Isto é Igreja
  • Norte Rural (Apresentado, produzido e editado por Luciene Kaxinawá)
  • Qual Eh?!
  • Realidade Amazônica (Apresentado por Paulo Paixão)
  • Repórter da Amazônia
  • Sabores da Amazônia
  • Sem Roteiro
  • Tribos do Sat
  • Manaus Selvagem*
  • Mazé Diz Tudo
  • Meditação*
  • Na Festa.com
  • Negócios da Amazônia
  • Norte Cooperativo
  • O Melhor da Rodada (Apresentado e produzido por Leon Furtado)
  • Plantão Sat
  • Programa Consuelo Nunes
  • Qualidade de Vida
  • Radar Manaus
  • Sat Ecologia
  • Sat Entrevista
  • Sat Pesquisa
  • Social na TV
  • Sua Casa
  • Teledisco
  • Via Cruviana
  • Zappeando (Apresentado por Ananda Chamma; Moacyr Massulo; Diego Oliveira e Isabelle Lima).
  • Zona de Desenvolvimento

Sinal digital[editar | editar código-fonte]

Canal virtual Canal digital Resolução de tela Programação
44.1 45 UHF 1080i Programação principal do Amazon Sat

A emissora iniciou suas transmissões digitais em 2011, através do canal 46 UHF em Manaus. Em abril de 2017, Amazon Sat mudou seu canal digital em Manaus (do 46 UHF para o 45 UHF).

Transição para o sinal digital

Com base no decreto federal de transição das emissoras de TV brasileiras do sinal analógico para o digital, o Amazon Sat, bem como as outras emissoras de Manaus, cessou suas transmissões pelo canal 44 UHF em 30 de maio de 2018, seguindo o cronograma oficial da ANATEL.[1] O switch-off aconteceu às 23h59, durante a exibição do programa especial para comemorar a era digital na cidade e região metropolitana.

Lista dos canais[editar | editar código-fonte]

Com a abrangência do Amazon Sat estando presente em toda a Amazônia, cada cidade muda a numeração de acordo com a outorga disponibilizada pelo Ministério das Comunicações ou de acordo com a operadora de televisão a cabo.

Cidade Estado Tipo do sinal Canal Analógico Canal Digital
Ananindeua PA Fechado (Claro TV) 22
Ananindeua PA Fechado (ORM) 24
Ariquemes RO Aberto 15 23 (em implantação)
Assis Brasil AC Aberto 6 43 (em implantação)
Barcelos AM Aberto 9
Barreirinha AM Aberto 13 45 (em implantação)
Belém PA Fechado (Claro TV) 22
Belém PA Fechado (ORM) 24
Beruri AM Aberto 12
Boa Vista RR Aberto 23 (22)
Boca do Acre AM Aberto 3 46 (em implantação)
Bonfim RR Aberto 6 21 (em implantação)
Borba AM Aberto 21 46 (em implantação)
Brasiléia AC Aberto 12 46 (em implantação)
Cacoal RO Aberto 27 23 (em implantação)
Carauari AM Aberto 11 46 (em implantação)
Coari AM Aberto 5 46 (em implantação)
Codajás AM Aberto 10
Cruzeiro do Sul AC Aberto 19 46 (em implantação)
Eirunepé AM Aberto 13
Feijó AC Aberto 13 46 (em implantação)
Guajará-Mirim RO Aberto 5
Humaitá AM Aberto 11 46 (em implantação)
Iranduba AM Aberto 48
Itacoatiara AM Aberto 33 46 (em implantação)
Itamarati AM Aberto 10
Ji-Paraná RO Aberto 14
Ji-Paraná RO Fechado (Diário da Amazônia) 24
Lábrea AM Aberto 10
Macapá AP Aberto 29 (30)
Manacapuru AM Aberto 35 45 (em implantação)
Manaus AM Aberto 44 (45)
Manaus AM Fechado (Claro TV) 22
Mâncio Lima AC Aberto 7 46 (em implantação)
Manicoré AM Aberto 11
Manoel Urbano AC Aberto 10 46 (em implantação)
Maués AM Aberto 18
Nova Olinda do Norte AM Aberto 29
Oiapoque AP Aberto 12
Ouro Preto do Oeste RO Aberto 16
Parintins AM Aberto 2 46 (em implantação)
Plácido de Castro AC Aberto 35 46 (em implantação)
Porto Velho RO Aberto 22 (23)
Porto Velho RO Fechado (Claro TV) 15 e 22
Presidente Figueiredo AM Aberto 9
Rio Branco AC Aberto 36 (46)
Rio Branco AC Fechado (Claro TV) 22
São Gabriel da Cachoeira AM Aberto 13 46 (em implantação)
São Luís MA Fechado (TVN) 78
Sena Madureira AC Aberto 25 46 (em implantação)
Senador Guiomard AC Aberto 23 (43) em implantação
Tabatinga AM Aberto 9
Tangará da Serra MT Fechado (RCA) 95
Tapauá AM Aberto 12
Tarauacá AC Aberto 22 45 (em implantação)
Vilhena RO Aberto 14 21 (em implantação)
Xapuri AC Aberto 3 45 (em implantação)

Referências

  1. Higa, Paulo (15 de fevereiro de 2016). «Quando a TV analógica será desligada na sua cidade». Tecnoblog. Consultado em 30 de janeiro de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]