Largo do Campo Grande

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Campo Grande (Salvador))
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com Largo Dois de Julho.
Praça 2 de Julho
Salvador, Bahia Bahia,  Brasil
Entrada com vistas ao Monumento ao Caboclo.
Nome popular Largo do Campo Grande, Praça do Campo Grande
Tipo Praça
Cruzamentos Avenida Sete de Setembro, Avenida Reitor Miguel Calmon, Avenida Lafaiete Coutinho
Lugares que atravessa Teatro Castro Alves‎, Sheraton da Bahia Hotel

O Largo do Campo Grande, também conhecido como Praça 2 de Julho, é uma praça em Salvador. Surgido no início do século XIX, sofreu uma série de transformações urbanas no decorrer da sua história. Constitui-se em um dinâmico centro cultural, nomeadamente devido à presença de instituições como o Teatro Castro Alves (TCA) e o Teatro Vila Velha, de importantes colégios e de associações como a "Casa d'Itália" nas suas proximidades.[1] Em termos de empreendimentos hoteleiros, está situado na praça o Sheraton da Bahia Hotel, unidade baiana da rede estadunidense Sheraton Hotels & Resorts.[2]

Com árvores centenárias, situa-se após o "Corredor da Vitória" (parte da Avenida Sete de Setembro, que atravessa o bairro da Vitória), o Vale do Canela e o Canela, centralizando boa parte dos acessos que conduzem à "Cidade" - como é chamado o antigo centro de ruas comerciais.

História[editar | editar código-fonte]

Largo visto de cima.

A sua origem está relacionada, no contexto da transferência da corte portuguesa para o Brasil, com a passagem da Família Real Portuguesa a Salvador (1808). Diferentemente de bairros mais antigos, neste, as casas foram construídas distantes dos lotes vizinhos e das vias públicas.

A praça do Campo Grande, primitivamente denominada como Campo de São Pedro, viria a ser palco de aguerridos combates durante os eventos que precederam as lutas pela Independência da Bahia, já em 1821, dada a vizinhança com o forte de São Pedro, praça disputada pelas vertentes em conflito no seio das tropas: brasileiros e portugueses.

Cortada ao meio por um profundo vale, foi somente ao final do século XIX, no governo republicano de Rodrigues Lima, que a praça foi ricamente ornamentada e recebeu a configuração que hoje ostenta, com monumentos grandiosos encomendados na França, evocando os heróis das lutas pela Independência da Bahia.

No início da década de 1980 o Campo Grande viu-se novamente transformado em palco de batalhas campais, desta feita entre os estudantes, contestando o aumento das passagens de ônibus, ocasião em que foram reprimidos pelas tropas da Polícia Militar, enviadas pelo então governador Antônio Carlos Magalhães (1981). Desde então, tem sido palco das grandes manifestações populares e reivindicatórias - como a gigantesca passeata do "Fora Collor", dez anos depois.

Monumento ao Caboclo[editar | editar código-fonte]

No centro do largo está o Monumento ao Caboclo, também chamado de Monumento ao Dois de Julho. É uma homenagem à Independência da Bahia, à figura de "O Caboclo", mas também incluindo alegorias em referência ao Rio São Francisco, à Cachoeira de Paulo Afonso e ao Rio Paraguaçu.[3] Foi inaugurado em 1895.[4]

Yellow cartouche
Alegoria a Catarina Paraguaçu
Detalhe do monumento central
O monumento aos heróis das batalhas da Independência da Bahia, ao centro da praça.

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Largo do Campo Grande

Referências

  1. «Campo Grande». Salvador Cultura Todo Dia (www.culturatododia.salvador.ba.gov.br). Consultado em 25 de janeiro de 2017 
  2. Hotéis, Revista. «Sheraton da Bahia Hotel Salvador entra em operação». Revista Hoteis. Consultado em 25 de janeiro de 2017 
  3. «Bahia  » Monumentos Históricos». bahia.com.br. Consultado em 25 de janeiro de 2017 
  4. «Monumento ao Dois de Julho». www.salvador-turismo.com. Consultado em 25 de janeiro de 2017