Eduardo Lopes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Eduardo Lopes
Eduardo Lopes
Secretário Estadual de Agricultura, Pecuária, Pesca e Abastecimento do Rio de Janeiro
Período 1 de janeiro de 2019 até atualidade
Governador Wilson Witzel
Antecessor Alex Grillo
Senador pelo  Rio de Janeiro
Período
  • 5 de março de 2012
    até 17 de março de 2014
  • 1° de janeiro de 2017
    até 1° de janeiro de 2019
Ministro da Pesca e Aquicultura do Brasil
Período 17 de março de 2014
até 1° de janeiro de 2015
Presidente Dilma Rousseff
Antecessor Marcelo Crivella
Sucessor Helder Barbalho
Dados pessoais
Nascimento 19 de setembro de 1964 (55 anos)
Santo André, São Paulo
Partido PSB (2005-2010)
Republicanos (2010-presente)
Profissão Radialista

Eduardo Benedito Lopes (Santo André, 19 de setembro de 1964), é um radialista e político brasileiro, filiado ao Republicanos.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nativo de Santo André, em São Paulo, Eduardo Lopes é evangélico pertencente à Igreja Universal do Reino de Deus (IURD). Neste meio, exerceu os cargos de apresentador de televisão, radialista, presidente do jornal Folha Universal e da editora gráfica Universal, que são parte do ministério eclesiástico. Bacharel em Teologia,[1] Eduardo é casado com Rosana Lopes e tem dois filhos.[2][3]

Trajetória política[editar | editar código-fonte]

Eduardo Lopes concorreu ao cargo de deputado federal pelo Partido Socialista Brasileiro nas eleições estaduais no Rio de Janeiro em 2006, obtendo a primeira suplência. Exerceu o mandato entre 7 de fevereiro de 2007 a 6 de abril de 2010, e de 21 de outubro de 2010 a 31 de janeiro de 2011, em virtude do afastamento do titular Alexandre Cardoso.[1]

Nas eleições de 2010, já filiado ao Partido Republicano Brasileiro, foi eleito 1º suplente na chapa do senador Marcelo Crivella. Em vista da nomeação de Crivella como ministro da Pesca e Aquicultura, assumiu o mandato de senador em 6 de março de 2012. Em 17 de março de 2014, assumiu como ministro da Pesca e Aquicultura no governo de Dilma Rousseff.[4]

Considerado articulador político da Igreja Universal do Reino de Deus no Estado do Rio de Janeiro,[5] Eduardo assumiu o mandato como senador quando o titular, Marcello Crivella, tornou-se ministro da pesca, em 2012 e 2014, e posteriormente, quando este foi eleito prefeito do Rio de Janeiro nas eleições de 2016.[6][7]

Nas eleições de 2018, foi candidato a senador pelo estado do Rio de Janeiro pelo Partido Republicano Brasileiro (PRB). A candidatura do então senador foi homologada na convenção estadual do PRB, realizada em 4 de agosto de 2018 no ginásio do Olaria Atlético Clube. Para o Governo do Estado do Rio de Janeiro, o PRB apoiou a candidatura do ex-governador Anthony Garotinho, filiado na época ao Partido Republicano Progressista (PRP).[8] No pleito, Eduardo obteve 507.850 votos (3,64% do total de votos válidos), não se elegendo ao cargo disputado.[3] Em nota de alguns meios de comunicação, a candidatura de Eduardo sofreu consequências da onda bolsonarista, que captou parte do eleitorado da Igreja Universal, reestruturando as chances de Eduardo para o cargo no senado.[9]

Em 21 de dezembro de 2018, foi anunciado pelo governador fluminense eleito Wilson Witzel (PSC) como titular da Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária, Pesca e Abastecimento (SEAPPA) a partir de 2019. No mesmo dia, foram anunciados os nomes de Felipe Bornier (PROS) e de Pedro Fernandes Neto (sem partido) para a chefia da Secretaria de Estado de Esporte, Lazer e Juventude (Rio de Janeiro)|Secretaria de Estado de Esporte, Lazer e Juventude (SEELJE) e da Secretaria de Estado de Educação (SEEDUC), respectivamente.[10]

Posicionamentos[editar | editar código-fonte]

Em outubro de 2017 votou a favor da manutenção do mandato do senador Aécio Neves, derrubando a decisão da Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal no processo em que Aécio é acusado de corrupção e obstrução da justiça por solicitar dois milhões de reais ao empresário Joesley Batista.[11][12]

Já em novembro de 2018, faltando apenas um mês para a conclusão de seu mandato como senador, Eduardo Lopes votou a favor do aumento salarial de 16,38% dos juízes do Supremo Tribunal Federal e do titular da Procuradoria Geral da República. A medida elevou o salário dos magistrados de R$ 33,7 mil para R$ 39,2 mil.[13]

Desempenho em eleições[editar | editar código-fonte]

Ano Eleição Coligação Partido Candidato a Votos Resultado
2006 Eleições estaduais no Rio de Janeiro em 2006 Um Rio Para Todos PT, PSB e PCdoB PSB Deputado Federal 59.543[14] Não Eleito
2018 Eleições estaduais no Rio de Janeiro em 2018 Para o povo voltar a ser feliz PRP, PRB, PTC e PATRI PRB Senador 507.850[3] Não Eleito


Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Marcelo Crivella
Ministro da Pesca e Aquicultura do Brasil
2014
Sucedido por
Helder Barbalho


Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.