Luís Inácio Adams

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Luís Inácio Adams
Luís Inácio Adams em 2009
Advogado-Geral da União do Brasil
Período 23 de outubro de 2009
a 3 de março de 2016
Presidentes
Antecessor(a) Dias Toffoli
Sucessor(a) José Eduardo Cardozo
Dados pessoais
Nascimento 2 de março de 1965 (57 anos)
Porto Alegre, RS
Alma mater Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
Prêmio(s)
Profissão advogado

Luís Inácio Lucena Adams GORBOMM (Porto Alegre, 2 de março de 1965) é um advogado brasileiro. Integrou a Advocacia-Geral da União de 1993 a 2017, na carreira de procurador da Fazenda Nacional, e foi advogado-geral da União de 2009 a 2016.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Formado em direito pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Adams tornou-se Procurador da Fazenda Nacional concursado em 1993. A partir de então, ocupou diversos cargos no órgão. Entre 2001 e 2002 foi Secretário-Geral de Contencioso do Gabinete do Advogado-Geral da União, período em que foi admitido pelo presidente Fernando Henrique Cardoso à Ordem do Mérito Militar no grau de Oficial especial.[1] Também desempenhou funções no Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, chegando a Secretário Executivo Adjunto do ministério.[3]

Em 2006 foi nomeado Procurador-Geral da Fazenda Nacional, até ser escolhido pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva para o cargo de Advogado-Geral da União, em substituição a José Antonio Dias Toffoli, em 23 de outubro de 2009.[4] Na ocasião, foi admitido por Lula à Ordem de Rio Branco como Grande-Oficial suplementar.[2]

Em 31 de dezembro de 2014 sua permanência no comando da Advocacia-Geral da União foi confirmada para o Segundo Governo Dilma Rousseff.[5]

Foi exonerado do cargo de advogado-geral, a pedido, em 3 de março de 2016.[6]

Em 7 de fevereiro de 2017, foi exonerado, a pedido, do cargo de procurador da Fazenda Nacional,[7] deixando a Advocacia-Geral da União para dedicar-se à advocacia privada como sócio do escritório Tauil & Chequer Advogados, em Brasília.[8]

Referências

  1. a b BRASIL, Decreto de 10 de abril de 2001.
  2. a b BRASIL, Decreto de 12 de abril de 2006.
  3. «AGU» (PDF). Consultado em 29 de outubro de 2009. Arquivado do original (PDF) em 29 de dezembro de 2009 
  4. O Globo, 23/10/2009
  5. Mariana Jungmann (31 de dezembro de 2014). «Luís Inácio Adams fica no comando da AGU no novo governo Dilma». Agencia Brasil. Consultado em 31 de dezembro de 2014 
  6. «Diário Oficial da União». Imprensa Nacional. 3 de março de 2016. Consultado em 3 de março de 2016 
  7. «Luís Inácio Adams é exonerado do cargo de procurador da Fazenda Nacional». Consultor Jurídico. 9 de fevereiro de 2017. Consultado em 11 de fevereiro de 2017 
  8. «Com Adams na chefia, Tauil & Chequer abre escritório em Brasília». Consultor Jurídico. 14 de setembro de 2016. Consultado em 30 de setembro de 2017