Guilherme Cassel

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Guilherme Cassel
Em 30 de abril de 2008, o ministro do Desenvolvimento Agrário, Guilherme Cassel, fala na reunião do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional que discutiu o aumento no preço dos alimentos. Foto:Elza Fiúza/ABr
Ministro do Desenvolvimento Agrário do  Brasil
Período 3 de abril de 2006
até 31 de dezembro de 2010
Presidente Luiz Inácio Lula da Silva
Antecessor(a) Miguel Rossetto
Sucessor(a) Afonso Florence
Dados pessoais
Nascimento 6 de outubro de 1956 (60 anos)
Santa Maria
Partido PT[1]
Profissão Engenheiro civil
linkWP:PPO#Brasil

Guilherme Cassel (Santa Maria, 6 de outubro de 1956) é um engenheiro civil e político brasileiro.[2] Foi ministro do Desenvolvimento Agrário do Brasil.

Biografia[editar | editar código-fonte]

É pós-graduado em recursos humanos. Foi agente fiscal do Tesouro do Rio Grande do Sul. Atuou como sub-secretário da Fazenda de Porto Alegre, sub-chefe da Casa Civil do governo do Rio Grande do Sul, secretário geral do Governo do Rio Grande do Sul e como chefe de gabinete do então vice-governador Miguel Rossetto.[2]

Ministério do Desenvolvimento Agrário[editar | editar código-fonte]

Em 9 de janeiro de 2003, no início do 1º governo Lula, assumiu a secretaria-executiva do Ministério.[3]

Em 31 de março de 2006 assumiu interinamente o ministério com a saída do ex-ministro Miguel Rossetto para disputa da vaga de senador pelo Rio Grande do Sul.[3][4]

Em 27 de junho de 2007 foi efetivado no cargo pelo presidente Lula, após a recusa de Rosseto para retornar ao ministério em função de sua futura disputa da prefeitura de Porto Alegre em 2008.[3][5]

Repasses governamentais ao MST[editar | editar código-fonte]

Em março de 2009 o presidente do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes, criticou os repasses de recursos do orçamento que acabam beneficiando o MST, financiando assim as invasões promovidas pelo movimento. Guilherme Cassel informou que não existia relação entre o MST e a Anca (Associação Nacional de Cooperação Agrícola), uma das entidades que haviam recebido recursos da União. Instalada a polêmica, o Tribunal de Contas da União comprovou que 7,3 milhões de reais do orçamento da educação destinado à Anca em 2003 e 2004 foram distribuídos a secretarias regionais do MST em 23 estados. Com a divulgação dos repasses, Cassel afirmou que nem todos na Anca tem vinculação com o MST.[6]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Folha Online; Eduardo Scolese (31 de março de 2007). «Cassel afirma que não comentará opinião da Contag». Consultado em 10 de junho de 2008 
  2. a b Ministério do Desenvolvimento Agrário. «Currículo do ministro Guilherme Cassel» (DOC). Consultado em 10 de junho de 2008 
  3. a b c Governo Federal. «Luiz Inácio Lula da Silva - Ministros de Estado». Consultado em 10 de junho de 2008 
  4. Folha Online (31 de março de 2006). «Saiba quem deixa o governo Lula para disputar as eleições». Consultado em 10 de junho de 2008 
  5. Folha Online; Andreza Matais (20 de março de 2007). «Lula cogita três nomes para Desenvolvimento Agrário». Consultado em 10 de junho de 2008 
  6. Folha Online (6 de março de 2009). «TCU comprova repasse ilegal de recursos públicos de associação para o MST». Consultado em 11 de setembro de 2009 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Miguel Rossetto
Ministro do Desenvolvimento Agrário do Brasil
2007 — 2011
Sucedido por
Afonso Florence