José Múcio Monteiro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
José Múcio Monteiro
José Múcio Monteiro
Foto:Ricardo Stuckert/PR
Ministro do Tribunal de Contas da União
Mandato: 20 de outubro de 2009
até a atualidade
Nomeação por: Luiz Inácio Lula da Silva
Antecessor(a): Marcos Vilaça
Deputado Federal de  Pernambuco
Mandato: 1 de fevereiro de 1991
até 28 de setembro de 2009
(5 mandatos consecutivos)
Dados pessoais
Nascimento: 25 de setembro de 1948 (69 anos)
Recife, PE
Esposa: Margot Monteiro
Alma mater: Escola Politécnica de Pernambuco

José Múcio Monteiro Filho (Recife, 25 de setembro de 1948) é um político brasileiro, atualmente ministro do Tribunal de Contas da União.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Engenheiro civil pela Escola Politécnica de Pernambuco em 1971, trabalhou na iniciativa privada.

Vice-prefeito, foi eleito prefeito, mas não assumiu o mandato de prefeito para assumir a presidência da CELPE e depois a Secretaria de Transporte, entre 1982 e 1985, foi filiado a partir de 1980 ao Partido Democrático Social (PDS), migrando depois para o Partido da Frente Liberal (PFL), renomeado Democratas (DEM) em 2007.

Presidiu a Companhia Energética de Pernambuco antes de tornar-se candidato ao governo de Pernambuco em 1986, mas perdeu a eleição para o ex-governador Miguel Arraes de Alencar.

Câmara dos Deputados[editar | editar código-fonte]

Em 1990, elege-se pela primeira vez deputado federal pelo PFL de Pernambuco. Obteve, em seguida, quatro reeleições consecutivas (1994, 1998, 2002 e 2006). Em 2001 teve rápida passagem pelo Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) e, em 2003, filiou-se ao Partido Trabalhista Brasileiro (PTB).

Notabilizou-se por ser líder do PTB no auge do que ficou conhecido como o Escândalo do Mensalão, tendo atuado como defensor do então presidente de seu partido, o deputado Roberto Jefferson, que teve o mandato cassado.

Ministro[editar | editar código-fonte]

No dia 23 de novembro de 2007, líder do governo Lula na câmara dos deputados, recebeu e aceitou o convite do presidente para assumir o cargo de Ministro das Relações Institucionais, no lugar de Walfrido dos Mares Guia (PTB-MG), que pediu demissão ao ter seu nome envolvido junto ao de políticos tucanos de Minas Gerais, no chamado "Mensalão tucano".

TCU[editar | editar código-fonte]

Em 2009, foi indicado para compor o Tribunal de Contas da União, na vaga aberta pela aposentadoria do também pernambucano Marcos Vilaça, havendo assim deixado o ministério e renunciado ao mandato de deputado federal. Por 46 votos seu nome é aprovado pelo Senado Federal[1] assumindo o cargo em 20 de outubro de 2009.

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Walfrido dos Mares Guia
Ministro das Relações Institucionais do Brasil
2007 — 2009
Sucedido por
Alexandre Padilha