Ana Arraes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ana Arraes
Ministra do Tribunal de Contas da União do Brasil
Período 20 de outubro de 2011
a 25 de julho de 2022
Nomeação por Dilma Rousseff
Antecessor(a) Ubiratan Aguiar
Sucessor(a) Bruno Dantas
Deputada federal por Pernambuco
Período 1º de fevereiro de 2007
a 20 de outubro de 2011
(2 mandatos consecutivos)
Dados pessoais
Nome completo Ana Lúcia Arraes de Alencar
Nascimento 28 de julho de 1947 (75 anos)
Recife, Pernambuco
Progenitores Mãe: Célia de Sousa Leão
Pai: Miguel Arraes de Alencar
Alma mater Universidade Católica do Salvador
Cônjuge Maximiano Accioly Campos (1941-1998)
Partido PSB (1990-2011)

Ana Lúcia Arraes de Alencar (Recife, 28 de julho de 1947) é uma jurista e ex-política brasileira. Foi deputada federal pelo estado de Pernambuco e ministra do Tribunal de Contas da União (TCU), que presidiu entre 2020 e 2022.[1]

Família[editar | editar código-fonte]

Ana Arraes é filha do também político e ex-governador de Pernambuco Miguel Arraes de Alencar (1916-2005) e de Célia de Sousa Leão (1924-1961), bem como irmã do cineasta Guel Arraes. Do seu casamento com o escritor Maximiano Accioly Campos (1941-1998), ela teve dois filhos: o economista, governador de Pernambuco e candidato à Presidência da República, Eduardo Campos (1965-2014), morto num acidente aéreo, e o advogado, escritor, membro da Academia Pernambucana de Letras e candidato à prefeitura de Olinda, Antônio Campos (1968).[2] É tia de Marília Arraes e avó de João Henrique Campos.[3]

Em julho de 1964, durante os preparativos para o seu casamento, ainda com 17 anos, ela dirigiu-se ao general Olímpio Mourão Filho, um dos líderes do Golpe Militar de 1964, à época comandante-geral do IV Exército, para pedir a presença de seu pai, Miguel Arraes, que na época estava preso na Ilha de Fernando de Noronha. O pedido foi atendido, razão pela qual seu casamento ocorreu na capela da Base Aérea do Recife, em 9 de agosto de 1964, cercada por soldados. Na ocasião, seu pai chegou num avião da Força Aérea Brasileira e, logo após o término da cerimônia, foi novamente recolhido à prisão em Fernando de Noronha.[4]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Filiou-se ao Partido Socialista Brasileiro (PSB) em 1990,[5] época em que seu pai também ingressou no partido.

Iniciou a graduação em direito pela Faculdade de Direito de Olinda em 1993, transferindo-se em 1996 para a Universidade Católica do Salvador, onde concluiu o curso em 1998.[5]

Exerceu os cargos de assistente do Instituto de Documentação da Fundação Joaquim Nabuco (1986-1990), secretária de conselheiro do Tribunal de Constas do Estado de Pernambuco (1990-1996), técnica judiciária do Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região (1995-1998) e secretária parlamentar da Câmara dos Deputados (1998-2006).[5][6]

Em 2006, conquistou seu primeiro mandato eletivo, de deputada federal pelo PSB, com 178.467 votos, tendo sido a terceira candidata mais votada de seu estado.[7] Em 2010, com 387.581 votos, reelegeu-se, obtendo a maior votação do estado de Pernambuco e a quinta maior do Brasil.[8]

Foi a segunda deputada federal da história de Pernambuco, a primeira tendo sido Cristina Tavares. Entretanto, foi a primeira a ser eleita para este fim no século XXI.[2]

Em 21 de setembro de 2011, foi indicada pela Câmara dos Deputados para o cargo de ministra do Tribunal de Contas da União (TCU), assumindo a vaga aberta pela aposentadoria do ministro Ubiratan Aguiar e tornando-se a segunda mulher na história a ocupar esse posto. A primeira foi Élvia Castello Branco.[9] Em dezembro de 2018 tornou-se vice-presidente do TCU, juntamente com José Múcio Monteiro, que assumiu a presidência do TCU. Após a aposentadoria de Múcio em 31 de dezembro de 2020, assumiu a presidência da corte.

Aposentou-se no dia 25 de julho de 2022.[10]

Referências

  1. «TCU referenda Ana Arraes». Sítio do Senado Federal. Consultado em 28 de março de 2013 
  2. a b «Biografia». Página oficial. Consultado em 15 de fevereiro de 2011. Arquivado do original em 7 de outubro de 2010 
  3. «Entenda a relação entre os primos João Campos e Marília Arraes, candidatos no Recife». Portal Terra. 20 de novembro de 2020. Consultado em 5 de janeiro de 2022 
  4. Ana Arraes Arquivado em 20 de agosto de 2014, no Wayback Machine., acesso em 19 de agosto de 2014.
  5. a b c «Biografia: Ana Arraes (PSB/PE)». Portal da Câmara dos Deputados. Consultado em 15 de fevereiro de 2011 
  6. «Ministra Ana Arraes». Tribunal de Contas da União. Consultado em 15 de julho de 2021 
  7. «UOL - Eleições 2006 - Apuração - Pernambuco». Consultado em 15 de fevereiro de 2011 
  8. «UOL - Eleições 2010 - Apuração - Pernambuco». Consultado em 15 de fevereiro de 2011 
  9. «Câmara elege deputada Ana Arraes para ministra do TCU». Agência Câmara. 21 de setembro de 2011. Consultado em 24 de novembro de 2020 
  10. «TCU publica aposentadoria da ministra Ana Arraes». Veja. 22 de julho de 2022. Consultado em 25 de julho de 2022 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]