Gilberto Carvalho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Gilberto Carvalho
Foto:Antônio Cruz/ABr
Ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência do  Brasil
Período 1º de janeiro de 2011
até 1º de janeiro de 2015
Presidente Dilma Rousseff
Antecessor Luiz Dulci
Sucessor Miguel Rossetto
Dados pessoais
Nascimento 21 de janeiro de 1951 (69 anos)
Londrina, PR
linkWP:PPO#Brasil

Gilberto Carvalho (Londrina, 21 de janeiro de 1951) é um político brasileiro. Foi ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República do Brasil.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Graduado em filosofia pela Universidade Federal do Paraná, cursou alguns anos de teologia pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná[1] e fez especialização em gerenciamento público, em instituições de Venezuela, México e Espanha. Ele foi ligado à Pastoral Operária (movimento da Igreja Católica) e desempenhou diversas funções no Partido dos Trabalhadores (PT). Exerceu cargos na prefeitura municipal de Santo André e foi o chefe de gabinete da campanha do candidato Lula à Presidência da República, além de Ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República.

Assessor e conselheiro do Presidente Lula, sendo por vezes chamado de "o novo Golbery" ou de "o novo Chalaça", remetendo-se aos tempos do presidente Ernesto Geisel e do imperador Dom Pedro I.[2]

Sônia Maria Nóvoa, irmã de Rosemary Noronha, se refere a Gilberto Carvalho como 'o padre' na entrevista a Istoé.[3]

De forma amistosa, Lula, o ex-presidente do Brasil, chamava en conversas privadas a Gilberto Carvalho de "baixinho" ou "querido", e o ex-presidente era chamado por Gilberto de "véio" ou "comandante jararaca".[4][5]

Alexandrino Alencar, ex-diretor da Odebrecht, diz que Gilberto era conhecido na Odebrecht como “seminarista”[6]

Do primeiro casamento, com Maria do Carmo Alves de Albuquerque, teve três filhos: Samuel, Gabriel e Myriam. Do segundo casamento, com Floripis dos Santos, teve duas filhas: Bruna e Brenda.[7][8]

Celso Daniel[editar | editar código-fonte]

Ele foi acusado pelos irmãos de Celso Daniel de participar de esquema de arrecadação de propina no ABC Paulista: "Os irmãos do prefeito dizem que Carvalho chegou a confessar que certa vez levou no seu Chevrolet Corsa preto uma mala com 1,2 milhão de reais para o então presidente do PT, José Dirceu".[9]

Governo Dilma Rousseff[editar | editar código-fonte]

Em 3 de dezembro de 2010, foi anunciado pela equipe de transição da presidente eleita Dilma Rousseff como o futuro ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência.[10] Em sua primeira entrevista, disse que sua primeira meta seria enviar ao Congresso um projeto de lei para criar o Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil, cujo propósito é flexibilizar repasses de verbas para ONGs. Sua função como secretário-geral da presidência é negociar com organizações sociais da sociedade civil, bem como negociar reajustes de salário de diferentes categorias trabalhistas.[11]

FARCs[editar | editar código-fonte]

Em junho de 2008, ao ser citado pela imprensa colombiana por manter contato com a organização guerrilheira FARCs (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia), divulgou nota dizendo tratar-se de assunto de natureza humanitária, ligado ao estado de saúde de um religioso, o ex-padre Francisco Antonio Cadena Collazos, conhecido como 'Oliverio Medina' e considerado 'embaixador' do grupo guerrilheiro no Brasil.[8][12]

Operação Zelotes[editar | editar código-fonte]

No centro da operação da Polícia Federal denominada Zelotes, em 2015, foi acusado de fazer acordos secretos com lobistas, que desejavam obter benefícios fiscais, a partir do período do governo Lula. No día 17 de maio de 2016, o juiz Genilson Rodrigues Carreiro, da 1ª Vara da Fazenda Pública de Santo André, condenou Gilberto Carvalho por improbidade administrativa à suspensão dos direitos políticos por 5 anos, multa civil equivalente a 50 vezes o valor da remuneração recebida à época dos fatos, entre outros castigos. Entre as acusações, constava que como secretário de governo do prefeito de Santo André, Celso Daniel, teria sido cobrador de propinas para o PT.[8][13][14]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Londrina.pr.gov.br
  2. «Amigo de Lula há 30 anos, Carvalho é confirmado na Secretaria Geral». G1. 3 de dezembro de 2010. Consultado em 7 de dezembro de 2010 
  3. Oliveira, Germano (10 de janeiro de 2019). «A vida da ex-amante de Lula, segundo a irmã». Istoé. Consultado em 21 de fevereiro de 2020 
  4. «Grampo de Lula: 7/3, 20h31». G1. 17 de março de 2016. Consultado em 21 de fevereiro de 2020 
  5. «Grampo de Lula: 9/3, 15h50». G1. 17 de março de 2016. Consultado em 21 de fevereiro de 2020 
  6. Frazão, Felipe (12 abr 2017). «Delator: Gilberto Carvalho levou R$ 200 mil para campanha da irmã». VEJA. Consultado em 21 de fevereiro de 2020 
  7. FRAGA, PLÍNIO (5 de setembro de 2011). «OS OUVIDOS DO PLANALTO». Folha de S.Paulo. Consultado em 21 de fevereiro de 2020 
  8. a b c Cechine, Sinclair (17 de fevereiro de 2017). «CARVALHO, Gilberto, Biografia». Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil (CPDOC), Escola de Ciências Sociais da Fundação Getulio Vargas. Consultado em 21 de fevereiro de 2020 
  9. «Escândalos do Governo Lula: Quem é quem». Veja on-line. Consultado em 4 de dezembro de 2010 
  10. «Equipe de transição anuncia mais três ministros do governo Dilma». G1. 3 de dezembro de 2010. Consultado em 4 de dezembro de 2010 
  11. Passarinho, Nathalia (3 de dezembro de 2010). «Carvalho diz que primeira missão será flexibilizar repasses a ONGs». G1. Consultado em 7 de dezembro de 2010 
  12. Domingos, João (2 de agosto de 2008). «Assessor de Lula explica ajuda a rebelde». "O Estado de São Paulo". Consultado em 21 de fevereiro de 2020 
  13. C, G (17 de maio de 2016). «Justiça condena Partido dos Trabalhadores e envolvidos em esquema de propina a restituir R$ 3,5 milhões». Tribunal de Justiça - Estado de São Paulo. Consultado em 21 de fevereiro de 2020 
  14. «Justiça condena PT a pagar R$ 3,5 milhões por corrupção». Folhapress - Valor Econômico. 17 de maio de 2016. Consultado em 21 de fevereiro de 2020