Miriam Belchior

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Miriam Belchior
Miriam Belchior em 2010.
24.ª Ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão do Brasil
Período 1º de janeiro de 2011
a 1º de janeiro de 2015
Presidente Dilma Rousseff
Antecessor(a) Paulo Bernardo
Sucessor(a) Nelson Barbosa
Primeira-Dama de Santo André
Período 1º de janeiro de 1997
a 18 de janeiro de 2002
Prefeito Celso Daniel
Antecessor(a) Maria da Costa Brandão
Sucessor(a) Maria da Costa Brandão
Período 1º de janeiro de 1989
a 1º de janeiro de 1993
Antecessor(a) Maria da Costa Brandão
Sucessor(a) Ana Maria Avamileno
1.ª Subchefe de Articulação e Monitoramento da Casa Civil do Brasil
Período 9 de julho de 2004
a 1º de janeiro de 2011
Ministros
Antecessor(a) (cargo criado)
Sucessor(a) Luis Antônio Tauffer Padilha
Dados pessoais
Nome completo Miriam Aparecida Belchior
Nascimento 5 de fevereiro de 1958 (64 anos)
Santo André, SP
Alma mater Universidade Estadual de Campinas
Esposo Antonio Doria Martins Carneiro - de 1994 até o presente
Partido PT (1981–presente)
Profissão professora, engenheira de alimentos, servidora pública

Miriam Aparecida Belchior (Santo André, 5 de fevereiro de 1958) é uma professora, engenheira de alimentos e servidora pública brasileira filiada ao Partido dos Trabalhadores (PT).[1] Ex-ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão e ex-presidente da Caixa Econômica Federal durante o governo Dilma Rousseff.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Miriam Belchior nasceu em 5 de fevereiro de 1958 na cidade de Santo André.[2] Graduou-se em engenharia de alimentos pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), com mestrado em Administração Pública e Governamental da Escola de Administração de Empresas de São Paulo (EAESP) da Fundação Getulio Vargas (FGV). Foi professora, até 2008, e teve assento no conselho de administração da Eletrobras.[3] Foi casada com o ex-prefeito de Santo André, Celso Daniel, tendo se divorciado em 1996.[4]

Secretária de Administração e Modernização Administrativa da Prefeitura de Santo André de 1997 a 2000. Coordenou o Programa de Modernização Administrativa, selecionado como uma das 100 melhores práticas públicas do mundo pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 2000.[5] Secretária de Inclusão Social e Habitação da Prefeitura de Santo André, de 2001 a 2002. Coordenou o Programa Santo André Mais Igual, selecionado como uma das 10 melhores práticas públicas do mundo pela ONU, em 2002.[6]

Casa Civil e PAC[editar | editar código-fonte]

Integrou a equipe de transição do governo Lula em 2002. Entrou para o governo de Luiz Inácio Lula da Silva como assessora especial do Presidente da República, exercendo o cargo de janeiro de 2003 a junho de 2004.[5]

A partir de julho de 2004, foi nomeada para o recém-criado cargo de subchefe de Articulação e Monitoramento da Casa Civil da Presidência da República, pelo qual permaneceria até o fim do governo Lula.[7] Belchior foi responsável por articular a ação de governo e monitorar os projetos estratégicos.

Em 2007 ocupou a secretaria executiva do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). A partir de abril de 2010, com a saída da então ministra Dilma Rousseff do governo, tornou-se Coordenadora Geral do PAC. Em 2010 chegou a ser cotada para o cargo de ministra-chefe da Casa Civil após a renúncia de Erenice Guerra que envolvida por denúncias, quando acabou sendo afastada.[8]

Ministério do Planejamento e Presidência da CEF[editar | editar código-fonte]

Em 24 de novembro foi confirmada para o cargo de ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão, sucessora de Paulo Bernardo.[9]

Em 23 de fevereiro de 2015 assumiu a presidência da Caixa Econômica Federal, substituindo Jorge Fontes Hereda. Quando assumiu o comando da Caixa houve boatos de que seria responsável por executar o processo de abertura de capital da instituição, o que já foi negado pela própria presidente Dilma Rousseff, mantendo a Caixa na condição de maior banco totalmente público da América Latina.[10]

Em 25 de maio de 2016 foi exonerada da presidência da Caixa Econômica Federal, após a substituição da presidente Dilma Rousseff pelo seu vice Michel Temer, em face do processo de impeachment que afastou Dilma da presidência do país.

Referências

  1. «Diário Oficial da União - Nº 223» (PDF). Imprensa Nacional. 23 de novembro de 2010. Consultado em 4 de dezembro de 2010  [ligação inativa]
  2. «Ata da 157.ª Assembléia Geral Extraordinária de acionistas da Companhia Hidro Elétrica do São Francisco» (PDF). 21 de junho de 2010. Consultado em 4 de dezembro de 2010 
  3. Sadi, Andréia; Fariello, Danilo (16 de setembro de 2010). «Miriam Belchior já foi a preferida de Lula para substituir Dilma». Último Segundo. Consultado em 4 de dezembro de 2010 
  4. http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/miriam-belchior-promete-eficiencia-e-lembra-celso-daniel
  5. a b «Saiba quem é Miriam Belchior, futura ministra do Planejamento». G1. 24 de novembro de 2010. Consultado em 22 de março de 2020 
  6. «UN-Habitat - Practice Details». UN-Habitat. 28 de outubro de 2005. Consultado em 25 de março de 2022 
  7. BRASIL, Decreto de 9 de julho de 2004.
  8. Iglesias, Simone; Cruz, Valdo (16 de setembro de 2010). «Novo caso de lobby tira Erenice Guerra da Casa Civil; Miriam Belchior deve assumir vaga». Folha de S. Paulo. Consultado em 4 de dezembro de 2010 
  9. Passarinho, Nathalia (24 de novembro de 2010). «Paulo Bernardo confirma Miriam Belchior no Planejamento». G1. Consultado em 4 de dezembro de 2010 
  10. Martello, Alexandro (23 de fevereiro de 2015). «Em posse na Caixa, Belchior não afasta possibilidade de abrir capital». Globo.com. G1. Consultado em 24 de fevereiro de 2015 


Precedido por
Paulo Bernardo
Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão do Brasil
2011 — 2014
Sucedido por
Nelson Barbosa
Precedido por
Jorge Hereda
Presidente da Caixa Econômica Federal
2015 — 2016
Sucedido por
Gilberto Occhi


O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Miriam Belchior