José Antonio Medeiros

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
José Medeiros
Senador pelo Mato Grosso
Período 1º de janeiro de 2015
até a atualidade
Dados pessoais
Nascimento 19 de março de 1970 (47 anos)
Caicó, RN
Alma mater Universidade Federal de Mato Grosso
Partido PODE
Religião Presbiteriano[1][2] [3]
Profissão policial rodoviário federal, professor

José Antonio dos Santos Medeiros, ou simplesmente José Medeiros, (Caicó, 19 de março de 1970) é policial rodoviário federal, professor e político brasileiro filiado ao Podemos (PODE) e atualmente senador por Mato Grosso.[4][5][6]

Dados biográficos[editar | editar código-fonte]

José Medeiros é graduado em Matemática pela Universidade Federal do Mato Grosso e Direito pelo Centro de Ensino Superior de Rondonópolis e atuou como professor e agente da Polícia Rodoviária Federal.[7]

Com histórico de mais de vinte anos de militância política, foi candidato a deputado federal pelo PPS em 2006 não sendo eleito.[5] Em 2010 elegeu-se primeiro suplente de senador na chapa de Pedro Taques sendo efetivado mediante a eleição do titular para o governo de Mato Grosso em 2014.[8][9]

Atuação no Senado Federal[editar | editar código-fonte]

Em 2015 recebeu o prêmio Congresso em Foco como um dos dez senadores mais atuantes do Brasil em votação feita pelo respectivo site em parceria com o Universo Online e em março do ano seguinte deixou o PPS após dezesseis anos e ingressou no PSD.[10][11][12][13]

É, atualmente, o vice-líder do presidente Michel Temer no Senado Federal[14] e foi o único senador de Mato Grosso que não passava por nenhuma investigação pela Justiça Eleitoral durante o processo de impeachment da Dilma Rousseff.[7]

Desde a posse integra ou já integrou a Comissão de Agricultura e Reforma Agrária, Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo, Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa, Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática, Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania e a Comissão de Assuntos Econômicos, além de tomar parte na Comissão Externa para verificar in loco a situação na Venezuela e na Comissão Especial do Impeachment 2016, além de 22 outras comissões.[15]

Em agosto de 2017, anunciou sua saída do PSD e o ingresso no Podemos, como pré-candidato a reeleição. [16]

Missões oficiais[editar | editar código-fonte]

José Medeiros participou da Comissão Parlamentar Externa Venezuela e do Programa de Liderança Executiva em Desenvolvimento da Primeira Infância Internacional em 2015. No mesmo ano participou do Encontro Anual do Painel Internacional de Parlamentares para a Liberdade Religiosa ou Crença, a convite da Associação Nacional de Juristas Evangélicos em Nova Iorque. Em 2016 integrou a Comissão Permanente da Assembleia Parlamentar Euro-Latino-Americana (EuroLat) em Lisboa e também da Homenagem Notáveis USA em Nova Iorque mediante convite da Brazilian Heritage Foundation.

Impeachment de Dilma Rousseff[editar | editar código-fonte]

Dentro de tais comissões é notória sua participação no Processo de impeachment de Dilma Rousseff como um dos senadores que apoiaram o afastamento da então presidente, Dilma Rousseff, [17][18][19][20][21]

Após o fim do processo de impeachment foi um dos dois senadores que ingressaram com mandados de segurança com pedido de liminar para a suspensão da habilitação da ex-presidente Dilma Rousseff para o exercício de cargos públicos.[22][23][24]

Saída da Venezuela do Mercosul[editar | editar código-fonte]

Em 2015 protocolou pedido para retirada da Venezuela do Mercosul após visita ao país e alegações de que o governo local estaria violando o Protocolo de Ushuaia e criticou a ausência de democracia. [25][26][27][28][29][30]

Posicionamentos[editar | editar código-fonte]

Foi signatário da Proposta de Emenda à Constituição 241/2016, a PEC dos Gastos Públicos, que visa limitar os gastos públicos de cada ano aos gastos do exercício anterior, no prazo de 20 anos, que segundo o senador, gera credibilidade para investimentos no país e geração de empregos.[31]

Candidato à presidência do Senado[editar | editar código-fonte]

Em 19 de janeiro de 2017 anunciou sua candidatura à presidência do Senado Federal numa disputa com o líder do PMDB, Eunício Oliveira, apoiado pelo Governo Michel Temer. Medeiros contou com o apoio de senadores independentes como Cristovam Buarque, Lasier Martins, Ana Amélia Lemos, Waldemir Moka, Álvaro Dias e Magno Malta. A eleição ocorreu em fevereiro de 2017, Medeiros recebeu 10 votos, enquanto Eunício 61, outros 10 senadores votaram em branco.[32]

Referências

  1. «José Medeiros homenageia Igreja Presbiteriana do Brasil no Senado Federal». Consultado em 13 out. 2016 
  2. «Senado Federal homenageia a Igreja Presbiteriana do Brasil». Consultado em 13 out. 2016 
  3. «Igreja Presbiteriana do Brasil recebe homenagem do Senado Federal a requerimento de José Medeiros». Consultado em 13 out. 2016 
  4. «Senado Federal do Brasil: senador José Medeiros». Consultado em 1º de junho de 2017 
  5. a b «Banco de dados do Tribunal Superior Eleitoral». Consultado em 1º de junho de 2017 
  6. «Divulgação de registros de candidaturas». Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Consultado em 5 de março de 2015 
  7. a b «Histórico de José Medeiros». Consultado em 13 out. 2016 
  8. «Senado Federal do Brasil: senador Pedro Taques». Consultado em 1º de junho de 2017 
  9. «Pedro Taques vence no 1º turno, e PDT volta a governar MT após 18 anos». UOL. 5 de outubro de 2014. Consultado em 5 de março de 2015 
  10. «José Medeiros é classificado com um dos 10 melhores senadores do Brasil». Consultado em 13 out. 2016 
  11. «José Medeiros é classificado com um dos 10 melhores senadores do Brasil». Consultado em 13 out. 2016 
  12. «José Medeiros deixa PPS». Consultado em 13 out. 2016 
  13. «José Medeiros se filia ao PSD, mas garante que continuará na oposição a Dilma». Consultado em 13 out. 2016 
  14. «José Medeiros é o vice-presidente do senado no governo de Michel Temer». Consultado em 13 out. 2016 
  15. «José Medeiros e comissão do impeachment». Consultado em 11 out. 2016 
  16. «José Medeiros no Podemos». Consultado em 22 ago. de 2017 
  17. «José Medeiros defende impeachment da Presidente Dilma». Consultado em 11 out. 2016 
  18. «José Medeiros apoia impeachment». Consultado em 11 out. 2016 
  19. «José Medeiros pergunta no interrogatório de Dilma Rousseff». Consultado em 11 out. 2016 
  20. «Destaque de José Medeiros no processo de impeachment da Dilma Rousseff». Consultado em 11 out. 2016  Texto "data " ignorado (ajuda)
  21. «Destaque de José Medeiros vota favorável ao impeachment». Consultado em 13 de outubro de 2016 
  22. «José Medeiros ingressa com mandado de segurança com pedido liminar para suspensão de habilitação da ex-presidente Dilma Rousseff para o exercício de cargos públicos». Consultado em 11 out. 2016 
  23. «JRosa Weber nega mais dois pedidos contra fatiamento de impeachment». Consultado em 11 out. 2016 
  24. «Acordo para ajudar Dilma foi combinado e ensaiado, diz José Medeiros». Consultado em 11 de outubro de 2016 
  25. «Senador José Medeiros protocola projeto para tirar Venezuela do Mercosul». Consultado em 11 out. 2016 
  26. «Após "cerco" em Caracas, senador de MT pede Venezuela fora do Mercosul». Consultado em 11 out. 2016 
  27. «Medeiros estava na comitiva que foi hostilizada na Venezuela». Consultado em 11 de outubro de 2016 
  28. «José Medeiros e outros senadores vivem momentos de pânico na Venezuela». Consultado em 11 de outubro de 2016 
  29. «Senador José Medeiros quer tirar Venezuela do Mercosul». Consultado em 11 de outubro de 2016 
  30. «SENADOR PROTOCOLA PEDIDO DE EXCLUSÃO DA VENEZUELA DO MERCOSUL». Consultado em 11 de outubro de 2016 
  31. «José Medeiros: PEC dos Gastos vai recuperar credibilidade do país». Consultado em 13 de outubro de 2016 
  32. «Eunício Oliveira é eleito presidente do Senado para os próximos dois anos». Consultado em 1 de fevereiro de 2017 
Ícone de esboço Este artigo sobre um político brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.