Tomás António de Vila Nova Portugal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Tomás António de Vila Nova Portugal
Nascimento 18 de setembro de 1755
Lisboa
Morte 16 de maio de 1839 (83 anos)
Lisboa
Nacionalidade Português

Tomás António de Vila Nova Portugal (Lisboa, 18 de setembro de 1755 — Lisboa, 16 de maio de 1839) foi um magistrado e político português.

Bacharel e doutor em leis pela Universidade de Coimbra, seguiu a carreira da magistratura. Começou como corregedor em Vila Viçosa[1], depois desembargador da Relação do Porto, de que recebeu carta em 22 de abril de 1800. No ano seguinte ascendeu à categoria de desembargador da Casa de Suplicação onde, quatro anos depois, chegou a Desembargador dos Agravos. Em 10 de outubro de 1807 tornou-se desembargador ordinário do Desembargo do Paço, vindo a integrar este tribunal no Rio de Janeiro.

Com a vinda da família real portuguesa para o Brasil, em 1807, tornou-se figura proeminente, especialmente nos últimos anos do reinado de D. João VI em terras brasileiras[2]. Chegando a acumular várias pastas ministeriais, em caráter ordinário e efetivo, as do Reino, Erário Régio e Negócios Estrangeiros e da Guerra, entre 1818 e 1820 e, transitoriamente, a da Marinha[3].

Defensor do regime Absolutista, opôs-se a liberais ilustres como o conde de Palmela, ministro dos Negócios Estrangeiros e da Guerra, e promoveu intensa campanha contra a maçonaria, colaborando na edição de atos legais que exigiam autorização do Estado para o funcionamento de congregações e associações de pessoas[4].

Apoiava a ideia de se manter a corte no Rio de Janeiro como forma de preservar as prerrogativas absolutas da coroa em terras brasileiras, livre das ameaças liberais que impregnavam Lisboa. Não teve sucesso em seu intento e voltou com a comitiva de D. João para Portugal, chegando em julho de 1821, onde nessa altura foi proibido de desembarcar pelas Cortes[5].

Depois desse seu regresso a Lisboa, passou a viver na obscuridade, morrendo quase na miséria.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
João Paulo Bezerra de Seixas
Primeiro-ministro de Portugal
29 de novembro de 1817 — 26 de fevereiro de 1821
Sucedido por
Precedido por
João Paulo Bezerra de Seixas
Ministro e Secretário de Estado dos Negócios do Reino do Brasil
1817 — 1821
Sucedido por
Inácio da Costa Quintela
Precedido por
João Paulo Bezerra de Seixas
Ministro da Fazenda do Brasil
1817 — 1821
Sucedido por
Diogo de Meneses
Precedido por
João Paulo Bezerra de Seixas
Ministro da Guerra do Brasil
1817 — 1820
Sucedido por
Pedro de Sousa Holstein


Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço relacionado ao Projeto Biografias. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.