Sílvio Frota

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde outubro de 2014)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Sylvio Frota
Nome completo Sylvio Couto Coelho da Frota
Dados pessoais
Nascimento 26 de agosto de 1910 Rio de Janeiro
Morte 23 de outubro de 1996 (86 anos) Rio de Janeiro
Vida militar
Força Exército
Hierarquia General do Exército.gif
General de exército
Comandos

Sílvio Couto Coelho da Frota[1] (em grafia antiga Sylvio Couto Coelho da Frota) GCA (Rio de Janeiro, 26 de agosto de 1910 — Rio de Janeiro, 23 de outubro de 1996) foi um general-de-exército brasileiro, ministro do Exército durante o governo Ernesto Geisel.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Entre 1969 e 1972 comandou a 1ª Região Militar, no Rio de Janeiro, assumindo, em seguida, o comando do I Exército. Com a posse de Ernesto Geisel, foi nomeado chefe do Estado-Maior do Exército. Assumiu o Ministério do Exército em 27 de maio de 1974, após a morte do titular da pasta, general Vicente de Paulo Dale Coutinho. Por ser um anticomunista extremo, representou a linha-dura do regime militar brasileiro. Tencionava candidatar-se à presidência, contra os desejos de Geisel, que escolhera o general João Baptista de Oliveira Figueiredo como seu sucessor. Após uma grave crise na cúpula do governo, o presidente Geisel o exonerou em 12 de outubro de 1977, substituindo-o pelo general Fernando Belfort Bethlem, então comandante do III Exército.

A 20 de Dezembro de 1977 foi agraciado com a Grã-Cruz da Ordem Militar de Avis de Portugal.[2]

Após sua exoneração, sentindo-se ideologicamente contrariado, retira-se da vida política, não obstante manifestações ocorridas em favor de sua candidatura, com o apoio de chefes militares como o marechal Odílio Denys, o almirante Augusto Rademaker e o brigadeiro Márcio de Sousa Melo. Em 1979, após a edição da Lei da Anistia, Frota voltou aos noticiários como crítico acerbo da medida. Após isso, evitou novos pronunciamentos públicos até sua morte, em 1996.

Referências

  1. «Cidadãos Estrangeiros Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Sylvio Couto Coelho da Frota". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 2 de abril de 2016 

Fontes e bibliografia[editar | editar código-fonte]

Precedido por
José Horácio da Cunha Garcia
Comandante da 1ª RM
1969 — 1972
Sucedido por
Abdon Senna
Precedido por
Vicente de Paulo Dale Coutinho
Ministro do Exército do Brasil
1974 — 1977
Sucedido por
Fernando Belfort Bethlem
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.