Gabriel Grün Moss

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Gabriel Grün Moss
Nascimento 25 de fevereiro de 1904
Morte 13 de julho de 1989 (85 anos)
Cidadania Brasil

Gabriel Grün Moss (Rio de Janeiro, 25 de fevereiro de 1904 — Rio de Janeiro, 13 de julho de 1989) foi um militar brasileiro.

Foi ministro da Aeronáutica nos governos Jânio Quadros, de 31 de janeiro a 25 de agosto de 1961, e Ranieri Mazzilli, de 25 de agosto a 8 de setembro de 1961.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Estudou na Escola Naval e, a partir de 1931, integrou o quadro de aviadores da Marinha.

Combateu o Movimento Constitucionalista de 1932, participando de vários ataques às posições paulistas no vale do Rio Paraíba. Entretanto, sob suspeita de apoiar os rebeldes, ficou 20 dias detido. [1]

Em 1941, com a criação do Ministério da Aeronáutica e da Força Aérea Brasileira (FAB), deixou a Marinha para ingressar na nova corporação . Em 1942, fez o curso de estado-maior em Fort Leavenworth, nos Estados Unidos.[1]

Entre 1943 e 1944, foi comandante do 5º Regimento de Aviação (Curitiba). Em seguida, foi subcomandante e comandante do 4º Regimento de Aviação (Base Aérea do Galeão). Em 1948, , no governo de Eurico Dutra (1946-1951), foi subchefe do Gabinete Militar da Presidência da República. Em 1950, comandou o 1º Regimento de Aviação (Base de Santa Cruz, Rio de Janeiro).

Entre 1950 e 1952, foi adido militar da Embaixada do Brasil em Santiago (Chile). No início do governo de Juscelino Kubitschek (1956-1961), chefiou o Comando de Transporte Aéreo (Comta), deixando o cargo em meados de 1957.

Nos poucos meses de governo do presidente Jânio Quadros, o brigadeiro Grün Moss foi o Ministro da Aeronáutica. Com a renúncia de Jânio, integrou uma junta militar, da qual também faziam parte o ministro do Exército, Odílio Denys, e o ministro da Marinha, Sílvio Heck, que tentou vetar, sem êxito, a posse do vice-presidente João Goulart.[1] Tal junta era quem de fato governava durante o primeiro período de Ranieri na Presidência.

Participou, ativamente, do movimento militar de 1964, que depôs Goulart.

Foi chefe do Estado-Maior da Aeronáutica, entre 1964 e 1965. Nesse último ano, foi empossado ministro do Superior Tribunal Militar (STM), função da qual se aposentou, em 1974.

Promoções[editar | editar código-fonte]

Tornou-se praça em 2 de maio de 1923; segundo-tenente em 29 de setembro de 1927; primeiro-tenente em 10 de outubro de 1929; capitão-tenente em 25 de fevereiro de 1932; capitão-de-corveta em 28 de outubro de 1939; tenente-coronel em 22 de junho de 1942; coronel em 7 de maio de 1948; brigadeiro em 3 de fevereiro de 1955; major-brigadeiro em 11 de abril de 1962.

Foi condecorado com a comenda da Ordem do Mérito Aeronáutico em 10 de dezembro de 1950.[2]

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Francisco de Assis Correia de Melo
Ministro da Aeronáutica do Brasil
1961
Sucedido por
Clóvis Monteiro Travassos