Délio Jardim de Matos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Délio Jardim de Mattos (Rio de Janeiro, 23 de novembro de 1916 — Rio de Janeiro, 13 de setembro de 1990) foi um militar brasileiro, ministro da Aeronáutica nos governos dos presidentes Ernesto Geisel e João Figueiredo.

A Base Aérea dos Afonsos recebeu o nome de Campo Délio Jardim de Mattos em homenagem ao comando que teve na base aérea.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Estudou na Escola Militar do Realengo, onde em 1941, foi transferido para o recém-criado Ministério da Aeronáutica. Durante o segundo Governo de Getúlio Vargas, comandou o 2º Grupo de Transportes, no Rio de Janeiro.

Muito ligado ao brigadeiro Eduardo Gomes, participou ativamente das investigações do atentado da Rua Tonelero, no Rio de Janeiro, em que saiu ferido o líder oposicionista Carlos Lacerda e que resultou na morte do major-aviador Rubens Florentino Vaz.

Em 1955 assumiu o comando da Base Aérea dos Afonsos e participou do movimento que tentou impedir a posse do presidente Juscelino Kubitschek. Foi destituído do comando e, em 1957, assumiu o comando do 6º Grupo de Aviação, no Recife, do qual também seria destituído, sendo então removido para o Estado-Maior das Forças Armadas (EMFA).

Foi um dos principais articulares, na Aeronáutica, da ditadura militar que, em 1964, depôs o presidente João Goulart. Durante o Governo de Humberto Castelo Branco, integrou o Gabinete Militar da Presidência da República, como subchefe da Aeronáutica.

Em 1969 comandou a Escola de Oficiais Especialistas e a Infantaria de Guarda, sediada em Curitiba, assumindo em 1972 a chefia do IV Comando Aéreo Regional, sediado em São Paulo. Foi ainda chefe do Comando Geral do Ar, chefe do Estado-Maior da Aeronáutica (EMAER) e ministro do Superior Tribunal Militar (STM).

Em março de 1979 assumiu o Ministério da Aeronáutica. Na sua gestão, entre outras medidas, revogou as portarias que suspendiam a concessão de licença e a revalidação de certificados de habilitação a pilotos militares, aeronautas e aeroviários punidos por atos institucionais e complementares, após a ditadura militar de 1964.


Precedido por
Joelmir Campos de Araripe Macedo
Ministro da Aeronáutica do Brasil
1979 — 1985
Sucedido por
Octávio Júlio Moreira Lima


Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.