Adalberto Pereira dos Santos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Adalberto Pereira dos Santos
18.º vice-presidente do Brasil
Período 15 de março de 1974
até 15 de março de 1979
Presidente Ernesto Geisel
Antecessor(a) Augusto Rademaker
Sucessor(a) Aureliano Chaves
Presidente do Superior Tribunal Militar
Período 19 de março de 1973
até 9 de julho de 1973
Antecessor(a) Valdemar de Figueiredo Costa
Sucessor(a) Jurandir Bizarria Mamede
Ministro do Superior Tribunal Militar
Período 16 de maio de 1969
até 9 de julho de 1973
Antecessor(a) Olímpio Mourão Filho
Sucessor(a) Rodrigo Otávio Jordão Ramos
Chefe do Estado-Maior do Exército
Período 29 de março de 1968
até 11 de abril de 1969
Antecessor(a) Orlando Geisel
Sucessor(a) Antônio Carlos da Silva Muricy
Dados pessoais
Nascimento 11 de abril de 1905
Taquara, RS, Brasil
Morte 2 de abril de 1984 (78 anos)
Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Nacionalidade brasileiro
Alma mater Escola Militar do Realengo
Esposa Julieta Campos Pereira dos Santos
Partido ARENA
Profissão militar

Adalberto Pereira dos Santos (Taquara, 11 de abril de 1905Rio de Janeiro, 2 de abril de 1984) foi um general e político brasileiro, tendo servido como o 18.º vice-presidente do Brasil durante o Governo Ernesto Geisel.[1][2]

Dados biográficos[editar | editar código-fonte]

Adalberto Pereira dos Santos, em 1974.

Filho de Urbano Alves dos Santos e Otília Pereira dos Santos. Em 1918 ingressou no Colégio Militar de Porto Alegre, seguindo depois para a Escola Militar do Realengo. Mais tarde estudou na Escola de Comando e Estado-Maior do Exército (ECEME) e por fim na Escola Superior de Guerra. Participou da Revolução de 1930 e contra a Revolução Constitucionalista de 1932. Foi membro da Força Expedicionária Brasileira durante a Segunda Guerra Mundial. Conspirou pelas quedas de Getúlio Vargas (1945) e João Goulart (1964).[3]

Chegou ao generalato e comandou a Academia Militar das Agulhas Negras entre 1º de fevereiro de 1960 e 5 de fevereiro de 1962. Em seguida, à frente da 6ª Divisão de Infantaria (6ª DI), em Porto Alegre, foi líder destacado no Rio Grande do Sul da conspiração que culminaria no golpe de Estado de 1964.[4] Conforme Carlos Alberto da Fontoura, seu chefe de Estado-Maior, “Eu não devo dizer que o general Adalberto conspirava, porque general não deve conspirar. Eu levava tudo a ele e ele concordava com tudo.[5] O dispositivo militar do governo sabia da militância de Adalberto e de seu proselitismo junto ao comandante do III Exército, o general Benjamim Rodrigues Galhardo, e assim antes do golpe sua substituição pelo general Ladário Pereira Teles já estava decidida.[6]

No decorrer do golpe, em 1º de abril Galhardo deixou o comando do III Exército ao mesmo tempo que Ladário foi nomeado à 6ª DI e, como general mais antigo do III Exército, ocupou interinamente seu comando. O coronel Jarbas Ferreira de Souza assumiu a divisão e Adalberto deveria seguir ao Rio de Janeiro. Em vez disso, clandestinamente assumiu o comando da guarnição da 6ª DI em Cruz Alta.[a] Por causa da chuva, vestia capa impermeável, gerando a história de que teria escapado disfarçado de padre.[7] Em Cruz Alta aceitou a autoridade do general Mário Poppe de Figueiredo, comandante da 3ª DI, em Santa Maria, e autoproclamado comandante do “III Exército Revolucionário”.[8] Antes da entrada de Poppe em Porto Alegre, em 3 de abril, Adalberto já havia retornado à cidade.[9]

Alcançou o posto de General de exército em 1965. Entre 24 de novembro de 1965 e 28 de março de 1968, foi comandante do I Exército.[10] Foi chefe do Estado-Maior do Exército, de 29 de março de 1968 a 11 de abril de 1969.[11] Nesse período, o presidente Artur da Costa e Silva baixou o Ato Institucional Número Cinco em 13 de dezembro de 1968. Seu voto foi o mais curto da reunião: "Estou de acordo com o ato, senhor presidente".[3]

Nomeado ministro do Superior Tribunal Militar, exerceu esse cargo de 16 de abril de 1969 a 9 de julho de 1973. Presidiu a referida corte, no período de 19 de março a 9 de julho desse último ano.[12]

Como requisito para a sua candidatura à vice-presidência da República na chapa do também General gaúcho Ernesto Geisel, filiou-se à ARENA que homologou suas candidaturas em convenção nacional realizada em 14 de setembro de 1973. Os candidatos governistas foram vitoriosos no Colégio Eleitoral em 15 de janeiro de 1974 por ampla margem de votos sobre Ulysses Guimarães e Barbosa Lima Sobrinho, os "anticandidatos" do MDB.

Foi vice-presidente da República entre 15 de março de 1974 e 15 de março de 1979. Em 1977, tornou-se o primeiro morador do Palácio Jaburu, residência oficial do vice-presidente, projetado por Oscar Niemeyer em 1973.[13] Marcado pelo jeito discreto, foi uma figura simbólica no Governo Geisel. Cumprido o mandato, ao qual encarou como mais um dever militar e não guardou nostalgia, deixou a vida pública. Segundo a Folha de S. Paulo (2008), "o militar gaúcho era tido como um homem cordial, mas que não fazia cerimônias".[3]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Almanaque Abril 1986. 12ª edição. São Paulo (SP), Abril, 1986.

Notas

  1. Axt, Gunter (Agosto de 2020). «Resistência e derrota do Presidente João Goulart, em abril de 1964, em Porto Alegre». Rio de Janeiro: IHGB. Revista IHGB (483): 303-332. Consultado em 6 de março de 2021 . O autor data o ocorrido no dia 2, mas pelo depoimento do general Ladário em Silva, Hélio (2014). 1964: Golpe ou Contragolpe?. Porto Alegre: L&PM . p. 394, a saída de Porto Alegre foi no dia 1.

Referências

  1. «Biografia de Adalberto Pereira dos Santos no CPDOC/FGV». Consultado em 6 de maio de 2020 
  2. Um general e juiz para vice Veja, 4 de julho de 1973.
  3. a b c «1968 - Ato Institucional 5 - Adalberto Dos Santos». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 14 de junho de 2021 
  4. Zardo, Murilo Erpen (2010). Operação farroupilha: a transferência do governo estadual do Rio Grande do Sul para Passo Fundo durante os dias do golpe civil-militar de 1964 (PDF) (Monografia). Porto Alegre: UFRGS. Consultado em 23 de dezembro de 2021 . p. 43.
  5. Fontoura, Carlos Alberto da (11 de janeiro de 1993). «Carlos Alberto da Fontoura» (PDF) (Depoimento). Gláucio Ary Dillon Soares e Maria Celina D’Araujo. Rio de Janeiro: CPDOC FGV . p. 17.
  6. Faria, Fabiano Godinho (2013). João Goulart e os militares na crise dos anos de 1960 (PDF) (Tese de Doutorado). Rio de Janeiro: UFRJ. Consultado em 10 de novembro de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 10 de novembro de 2021 . p. 335.
  7. Motta, Aricildes de Morais (coord.) (2003). 1964-31 de março: O movimento revolucionário e sua história. Col: História Oral do Exército. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército Editora . Tomo 15, p. 287.
  8. Pereira, José Canavarro (1964). A revolução de 31 de março de 1964 na 3ª DI. Santa Maria: 3ª DI. Em: Motta, Aricildes de Morais (coord.) (2003). 1964-31 de março: O movimento revolucionário e sua história. Col: História Oral do Exército. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército Editora. p. 48-82, Tomo 13 . p. 70.
  9. Bento, Cláudio Moreira (org.); Giorgis, Luiz Ernani Caminha (2018). História do Comando Militar do Sul: 1953-2018 e Antecedentes (PDF) 2ª ed. Porto Alegre/Resende: FAHIMTB . p. 125.
  10. «Galeria dos Comandantes do CML». Consultado em 13 de fevereiro de 2021 
  11. «Ex-Chefes do EME». Consultado em 29 de janeiro de 2021 
  12. «Ministros do STM desde 1808; Ministro 243» (PDF). Consultado em 29 de janeiro de 2021 
  13. Muniz, Lara (5 de outubro de 2018). «Conheça o Palácio do Jaburu, residência oficial do vice-presidente do Brasil». revistacasaejardim.globo.com 

Precedido por
João Punaro Bley
AMAM.JPG
11º Comandante da AMAN

1960 — 1962
Sucedido por
Pedro Geraldo de Almeida
Precedido por
Octacílio Terra Ururahy
CML.png
6º Comandante do I Exército

1965 — 1968
Sucedido por
Syseno Sarmento
Precedido por
Orlando Geisel
EME.png
36º Chefe do Estado-Maior do Exército

1968 — 1969
Sucedido por
Antônio Carlos da Silva Muricy
Precedido por
Augusto Rademaker
Flag of the Vice President of Brazil.svg
18º Vice-presidente do Brasil

1974 — 1979
Sucedido por
Aureliano Chaves