Manuel Vitorino

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura o município da Bahia, veja Manoel Vitorino.
Manuel Vitorino
2º Vice-presidente do Brasil
Período 15 de novembro de 1894
a 15 de novembro de 1898
Presidente Prudente de Morais
Antecessor(a) Floriano Peixoto
Sucessor(a) Francisco Rosa e Silva
Presidente Interino do Brasil
Período 10 de novembro de 1896
a 3 de março de 1897
2º Presidente da Bahia
Período 23 de novembro de 1889
a 26 de abril de 1890
Antecessor(a) Virgílio Clímaco Damásio
Sucessor(a) Hermes Ernesto da Fonseca
Dados pessoais
Nome completo Manuel Vitorino Pereira
Nascimento 30 de janeiro de 1853
Salvador, Bahia, Brasil
Morte 9 de novembro de 1902 (49 anos)
Rio de Janeiro, Distrito Federal, Brasil
Alma mater Faculdade de Medicina na Bahia
Partido Liberal (até 1889)
Republicano Federal (1889–1902)
Profissão Médico

Manuel Vitorino Pereira[1] (Salvador, 30 de janeiro de 1853Rio de Janeiro, 9 de novembro de 1902) foi um político brasileiro. Foi vice-presidente da República no mandato de Prudente de Morais, e Presidente da República (interino) por quase quatro meses.[2]

Manuel Vitorino era filho do português Vitorino José Pereira e de Carolina Maria Franco Pereira. O pai era marceneiro e Manuel teve uma infância muito pobre. Foi médico e escritor na imprensa baiana. Foi presidente do estado da Bahia e também senador federal. Foi presidente interino do Brasil entre 1896-1897 quando Prudente de Morais afastou-se por motivos de saúde. Foi então o único baiano a assumir a presidência da república do Brasil.

Durante sua interinidade na presidência da república, transferiu a sede do governo, do Palácio Itamaraty para o Palácio do Catete que ele adquirira.

Governo da Bahia[editar | editar código-fonte]

Foi o segundo governador do estado da Bahia no período Republicano. Seu nome foi o primeiro cogitado para ocupar o cargo de governador, mas declinou por não ser um republicano histórico e, ainda, por recusar-se a tomar posse em um quartel. Indicou, então, seu colega, Virgílio Damásio, que efetivamente ocupou o cargo, num primeiro momento - por apenas cinco dias. Por instâncias de Rui Barbosa, entretanto, aquiesce e revê sua decisão.

Assumiu Manuel Vitorino o governo do estado, a 23 de novembro de 1889, na Câmara Municipal de Salvador. Tinha a pretensão de fazer uma administração inovadora, voltada para o incremento da educação. Sendo ele professor da Faculdade de Medicina, e ex-diretor do Liceu de Artes e Ofícios, tinha ali empreendido uma reforma no sistema de ensino.

Objetivando melhorar a instrução pública, nomeou uma Comissão da qual era o próprio presidente, e formada por grandes nomes do ensino, então, no estado: Ernesto Carneiro Ribeiro, Sátiro Dias, Virgílio Clímaco Damásio (que o precedera no cargo e ocupava a vice-governadoria), dentre outros.

No plano político, dissolveu os Partidos Conservador e Liberal - remanescentes do Império, buscando assim promover a conciliação. Criou a Milícia Civil.

A reforma do ensino[editar | editar código-fonte]

O Palácio do Catete foi adquirido por Manuel Vitorino, quando o mesmo ocupou a Presidência da República.

Grandioso era o projeto de Manuel Vitorino: criava-se uma caixa para financiamento dos altos custos que a educação requeria, tanto no plano estadual como no dos municípios. Regulamentava o alistamento escolar, o ensino de higiene, etc. - medidas que seriam implementadas tomando-se por base dados concretos obtidos do censo escolar que determinara.

Tamanhas modificações encontraram forte oposição e, aliado a outras questões de disputa pelo poder, foi o governador nomeado afastado do cargo a 26 de abril de 1890, sendo nomeado em seu lugar o irmão mais velho do Marechal Deodoro, Hermes Ernesto da Fonseca, que no brevíssimo tempo que governou teve como principais atos desfazer as reformas empreendidas por Vitorino.

Livros publicados[editar | editar código-fonte]

Manuel Vitorino publicou várias obras, a maioria no campo da medicina. Entre elas, destacam-se:

  • Moléstias parasitárias mais frequentes nos climas tropicais
  • Alcoóis poliatômicos
  • Saneamento do Rio de Janeiro
  • Instituto Benjamin Constant
  • Higiene das escolas e a filária de Medicina para a América pelas negras africanas

Cronologia sumária[editar | editar código-fonte]

Homenagem póstuma[editar | editar código-fonte]

Em 1962, sessenta anos após a sua morte, um município do Centro-Sul Baiano foi emancipado e recebeu o seu nome: Manoel Vitorino.

Referências

  1. Pela grafia arcaica, Manoel Victorino Pereira.
  2. «Manuel Vitorino Pereira». UOL - Educação. Consultado em 1 de março de 2012 
  3. CALMON, Pedro, História do Brasil - A República e o Desenvolvimento Nacional. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio: 1959, Vol. 6.
Precedido por
Virgílio Clímaco Damásio
Bahia Governador da Bahia
18891890
Sucedido por
Hermes Ernesto da Fonseca
Precedido por
Floriano Peixoto
Vice-presidente do Brasil
Presidente em exercício:
1896–1897
18941898
Sucedido por
Francisco de Assis Rosa e Silva
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.