Faculdade de Medicina da Bahia da Universidade Federal da Bahia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Faculdade de Medicina da Bahia da Universidade Federal da Bahia
Primeiro edifício em que funcionou a faculdade, no Terreiro de Jesus.
Brasão da Faculdade de Medicina da Bahia da Universidade Federal da Bahia construído em 1991, versão redesenhada em 2011
FMB-UFBA
Lema Sanare Atque Servare (do latim, "Curar e conservar")
Nomes anteriores
  • Escola de Cirurgia da Bahia (1808–1816)[1]
  • Academia Médico-Cirúrgica da Bahia (1816–1832)[1]
  • Faculdade de Medicina da Bahia (1832–1891)[1]
  • Faculdade de Medicina e Farmácia da Bahia (1891–1901)[1]
  • Faculdade de Medicina da Bahia (1901–1946)[1]
  • Faculdade de Medicina da Universidade da Bahia (1946–1965)[1]
  • Faculdade de Medicina da Universidade Federal da Bahia (1965–2008)[1]
Fundação 18 de fevereiro de 1808 (214 anos)
Instituição mãe Universidade Federal da Bahia
Tipo de instituição unidade de uma universidade
escola médica
Localização Salvador, Bahia, Brasil
Diretor(a) Luís Fernando Fernandes Adan
Vice-diretor(a) José Valber Lima Meneses
Campus Canela
Página oficial www.medicina.ufba.br

A Faculdade de Medicina da Bahia da Universidade Federal da Bahia (FMB-UFBA) é uma unidade acadêmica de ensino, pesquisa e extensão universitária da Universidade Federal da Bahia (UFBA) no campo da Medicina. Trata-se da instituição de ensino superior mais antiga da história do Brasil, instituída em 18 de fevereiro de 1808 por influência do médico pernambucano Correia Picanço, nove meses antes da fundação da Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro. Sua criação deu-se logo após a chegada de Dom João VI ao país (quando da transferência da corte portuguesa), sob o nome de Escola de Cirurgia da Bahia.[1][2]

As instalações da nova Faculdade de Medicina da Bahia, constituída em 1946 a partir da incorporação de Unidades de Ensino Superiores já existentes à Universidade do estado,[3] estão localizadas na Praça XV de Novembro (mais conhecida como Largo do Terreiro de Jesus), em Salvador.

O museu da Faculdade, no Terreiro de Jesus, possuía as cabeças do cangaceiro Lampião e sua esposa Maria Bonita, trazidas para pesquisas, após suas mortes em campanhas da policia, no sertão.[4]

Por essa faculdade passaram diversos nomes da ciência brasileira (como Nina Rodrigues, Juliano Moreira, Pirajá da Silva, João Targino) e foi de suma importância em diversos momentos históricos do Brasil, possuindo, até hoje, destaque no cenário científico e cultural baiano e brasileiro. Toda a história do curso está catalogada no acervo do Memorial da Medicina Brasileira, o mais importante documentário do ensino médico do Brasil.

Dentre os locais administrados sob sua responsabilidade, estão o Hospital Universitário Professor Edgard Santos e a Maternidade Climério de Oliveira.[5]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g h Administrator. «Histórico». www.fameb.ufba.br. Consultado em 3 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 29 de julho de 2012 
  2. Motoyama, Shozo (2004). Prelúdio para uma história: ciência e tecnologia no Brasil. [S.l.]: EdUSP. ISBN 9788531407970. Consultado em 14 de dezembro de 2014 
  3. «Ambiente 05: Um Breve Histórico da Criação da UFBA». www.moodle.ufba.br. Moodle/UFBA. 12 de dezembro de 2011. Arquivado do original em 24 de julho de 2016 
  4. «Lampião diz porque não tem medo de nada, seu ódio aos soldados e o respeito ao povo». Outra Bahia. 15 de dezembro de 2017. Consultado em 16 de maio de 2018. Cópia arquivada em 16 de maio de 2018 
  5. Administrator. «Hospitais Universitários». www.fameb.ufba.br. Consultado em 3 de agosto de 2017 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Faculdade de Medicina da Bahia da Universidade Federal da Bahia