Maria Bonita

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Maria Bonita
Maria Bonita
Nome completo Maria Gomes de Oliveira
Nascimento 8 de março de 1911[1]
Paulo Afonso
Morte 28 de julho de 1938 (27 anos)
Poço Redondo
Nacionalidade brasileira
Progenitores Mãe: Maria Joaquina Conceição Oliveira
(Dona Déa)[2]
Pai: José Filipe[2]
Cônjuge Virgulino Ferreira da Silva
Filho(s) Expedita Ferreira Nunes, Arlindo e Ananias Gomes de Oliveira[3]
Ocupação Cangaceira
Inacinha, companheira do cangaceiro Gato

Maria Gomes de Oliveira, vulgo Maria Bonita (Paulo Afonso,[4] 8 de março de 1911[1]Poço Redondo, 28 de julho de 1938) foi uma cangaceira brasileira, companheira de Virgulino Ferreira da Silva, o Lampião e a primeira mulher a participar de um grupo de cangaceiros.

Maria Bonita nasceu e cresceu no povoado Malhada da Caiçara, que se localiza no município Paulo Afonso[5], na época município Gloria, na Bahia.

Depois de um casamento fracassado com o sapateiro Zé de Neném,[6] no qual não gerou filhos, em 1929 tornou-se a namorada de Virgulino Ferreira da Silva, conhecido também como o "Rei do Cangaço".

Morando na chácara dos pais, um ano depois do namoro foi chamada por Lampião para fazer efetivamente parte do bando de cangaceiros,[carece de fontes?] assim se tornando a mulher dele, com quem viveria por oito anos.

Supõe-se que Maria Bonita engravidou quatro vezes e que em duas gravidezes perdeu os filhos, sendo eles natimortos.[carece de fontes?] Comprovadamente ela teve uma filha com Lampião de nome Expedita Ferreira Nunes[4], a única reconhecida legalmente,[3] que foi criada por um casal de amigos vaqueiros. Existem porém dúvidas sobre o parentesco dos supostos gêmeos Arlindo e Ananias Gomes de Oliveira. Ambos até então considerados filhos de Maria Bonita e Lampião.[2]

Maria Bonita morreu em 28 de julho de 1938, quando o bando acampado na Grota de Angicos, em Poço Redondo (Sergipe),[4] foi atacado de surpresa pela polícia armada oficial (conhecida como "volante"). Foi degolada ainda viva, assim como Lampião, porém este já morto, e outros nove cangaceiros.

Em 2006 a Prefeitura de Paulo Afonso restaurou a casa de infância de Maria Bonita, instalando o Museu Casa de Maria Bonita no local.[5]

Notas

  1. a b Segundo o Antônio Amaury, a certidão de batismo em nome de Maria Bonita não pode ser localizada. Maria deve ter nascido por volta do ano de 1908 (ARAÚJO 1984, fls. 168)
  2. a b c FILHOS DO REI DO CANGAÇO, João de Sousa Lima, escritor e pesquisador, membro da SBEC-Sociedade de Estudos do Cangaço, da Academia de Letras e do Instituto Histórico e Geográfico de Paulo Afonso
  3. a b Morre em SP o irmão de Maria Bonita, aos 79 anos, pág. visitada 31 de outubro de 2012.
  4. a b c Morte de Lampião completa 70 anos, pág. visitada 31 de outubro de 2012.
  5. a b Lampião provoca medo até depois de morto, pág. visitada 31 de outubro de 2012.
  6. «Paixão transformou mulher de sapateiro em Maria Bonita». Folha online. 29 de fevereiro de 2012. Consultado em 6 de fevereiro de 2018 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Antônio Amaury Corrêa de Araújo (1984). Lampião. as Mulheres e o Cangaço. São Paulo: Traço Editora 
  • João de Sousa Lima. A Trajetória Guerreira de Maria Bonita, a Rainha do Cangaço. [S.l.: s.n.]