Edmundo Pinto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Edmundo Pinto
Edmundo Pinto
Vereador Rio BrancoRio Branco
Período 1983-1987
Deputado estadual  Acre
Período 1987-1991
Governador  Acre
Período 1991-1992
Antecessor(a) Edison Cadaxo
Sucessor(a) Romildo Magalhães
Vida
Nascimento 21 de junho de 1953
Rio Branco,  Acre
Morte 17 de maio de 1992 (38 anos)
São Paulo,  São Paulo
Dados pessoais
Alma mater Universidade Federal do Acre
Cônjuge Fátima Barbosa Almeida
Partido ARENA, PDS
Profissão advogado

Edmundo Pinto de Almeida Neto (Rio Branco, 21 de junho de 1953São Paulo, 17 de maio de 1992) foi um advogado e político brasileiro assassinado no exercício do cargo de governador do Acre.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho de Pedro Veras de Almeida e de Angelina Veras de Almeida. Advogado com Bacharelado em Direito na Universidade Federal do Acre iniciou sua carreira política na legenda da ARENA sendo derrotado como candidato a deputado estadual em 1974 e a vereador em Rio Branco em 1976. Após o fim do bipartidarismo graças a uma reforma política aprovada no governo João Figueiredo ingressou no PDS e em 1982 foi eleito vereador em Rio Branco e deputado estadual pelo Acre em 1986.[2]

Na Assembleia Legislativa do Acre foi opositor dos governos Flaviano Melo e Edison Cadaxo, ambos do PMDB e em 1990 foi eleito governador do Acre numa disputa onde superou Jorge Viana (PT) em segundo turno[2] sendo empossado em 15 de março de 1991.

Assassinato[editar | editar código-fonte]

Na madrugada de domingo, 17 de maio de 1992, Edmundo Pinto foi morto a tiros por três homens no apartamento 707 do Hotel Della Volpe Garden na Rua Frei Caneca na capital paulista. Os criminosos roubaram Cr$ 500 mil do apartamento que ele ocupava desde 14 de maio[3] e ainda roubaram US$ 1.500 de John Franklin Jones, hóspede do apartamento 714 e funcionário do banco norte-americano Northeast.[3] Jones disse para a polícia que os assaltantes eram três mulatos[3] e seu depoimento foi um dos que permitiu a prisão dos criminosos.

O assassinato ocorreu menos de 48 horas antes de depor na CPI do Congresso que investigaria suspeitas que o próprio governador foi dos dos responsáveis pela malversação de verbas para a construção do Canal da Maternidade com recursos do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) num caso onde citou-se o ex-ministro Antônio Rogério Magri,[1] cujo envolvimento não se confirmou. Houve suspeitas também sobre disputas partidárias acrianas e até queima de arquivo.[3] A polícia concluiu como latrocínio (roubo seguido de morte), já que houve luta corporal visto que Edmundo Pinto foi atingido por um tiro de raspão na cabeça e outro certeiro no coração.[1]

Houve novas investigações sobre o caso em 1993 e 2003[4] e o mesmo foi alvo da CPI da Pistolagem em 1992 quando Gilson José dos Santos, um dos acusados de matar o governador, disse que recebera dinheiro para cometer o crime.[4]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Casado com Fátima Barbosa de Almeida com quem teve três filhos: Pedro Veras de Almeida Neto, Rodrigo Barbosa de Almeida Pinto e Nuana Naira Barbosa de Almeida.

Referências

  1. a b c O tiro do mistério (online). Veja, 27/05/1992. Página visitada em 3 de junho de 2013.
  2. a b «Tribunal Regional Eleitoral do Acre». Consultado em 3 de junho de 2013 
  3. a b c d «GOVERNADOR DO AC É ASSASSINADO EM HOTEL DE SÃO PAULO». Folha de S. Paulo. 18 de maio de 1992. Consultado em 3 de fevereiro de 2010 
  4. a b Leonildo Rosas (21 de maio de 2003). «Caso Edmundo Pinto pode ser reaberto». Página 20. Consultado em 3 de fevereiro de 2010