Daniella Perez

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Daniella Perez
Nome completo Daniella Ferrante Perez Gazolla
Nascimento 11 de agosto de 1970
Rio de Janeiro, RJ
Nacionalidade brasileira
Morte 28 de dezembro de 1992 (22 anos)
Rio de Janeiro, RJ
Ocupação
Atividade 1989–1992
Parentesco Glória Perez (mãe)
Cônjuge Raul Gazolla (c. 1990–92)

Daniella Ferrante Perez Gazolla, mais conhecida como Daniella Perez, (Rio de Janeiro, 11 de agosto de 1970Rio de Janeiro, 28 de dezembro de 1992) foi uma atriz e bailarina brasileira. Filha da autora de telenovelas Glória Perez e casada com o ator Raul Gazolla, foi assassinada com dezoito golpes de punhal[nota 1] durante a produção de sua terceira novela, De Corpo e Alma.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Daniella Ferrante Perez nasceu no Rio de Janeiro, no dia 11 de agosto de 1970, primeira filha da escritora Glória Perez e de Luiz Carlos Saupiquet Perez, que posteriormente tiveram mais dois filhos, Rodrigo, nascido em 1973 e Rafael nascido em 1975. Daniella sempre teve sua vida ligada à arte. Com apenas cinco anos de idade, ensaiava seus primeiros passos na dança. Mais tarde surgiu o convite para dançar profissionalmente em uma das melhores companhias de dança do Rio de Janeiro, a “Vacilou, dançou” da coreógrafa Carlota Portella. Dany, como era chamada entre os amigos, conheceu seu marido Raul Gazolla em sua primeira participação para a TV, fazendo o papel de uma dançarina de tango na novela Kananga do Japão da Rede Manchete. Em 1990, Dany e Raul se casaram oficialmente. No mesmo ano, o grupo de Daniella é chamado a convite da Rede Globo para serem dançarinos na novela Barriga de Aluguel onde quem assinava o texto era a mãe da atriz, Glória Perez. Daniella fez um teste individual e acabou conseguindo sua primeira personagem chamada Clô, uma bailarina que dançava no Copacabana Café. Devido ao seu carisma e talento, a personagem ganhou espaço na trama e Daniella acabou chamando a atenção de Dennis Carvalho, que lhe convidou para estrear a novela O Dono do Mundo no ano seguinte, fazendo assim o papel de Yara, irmã da protagonista vivida por Glória Pires. Mais tarde, já reconhecida pelo grande público, a atriz interpretou a personagem Yasmin, uma jovem que despertava uma admiração do personagem gótico Reginaldo vivido por Eri Johnson que a seguia em todos os lugares. Yasmin era irmã da protagonista vivida por Cristiana Oliveira, na novela De Corpo e Alma, sendo essa, sua última novela.

No início dos anos 90, Daniella foi a melhor candidata ao posto vago de namoradinha do Brasil, anteriormente ocupado por Regina Duarte.

Foi exibido dia 25 de dezembro de 1992 no Roberto Carlos Especial, uma pequena encenação, na qual Daniella interpretava Maria, mãe de Jesus, ao lado da atriz Cássia Kis Magro e do ator Herson Capri.

Morte[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Caso Daniella Perez

Daniella tinha 22 anos quando, no dia 28 de dezembro de 1992, foi assassinada pelo ex-ator e colega de trabalho Guilherme de Pádua e por sua então esposa Paula Nogueira Thomaz, que a emboscaram e mataram com dezoito punhaladas, que perfuraram o pescoço, pulmão e coração da atriz.[nota 1] A razão foi a frustração pelas investidas mal sucedidas que Guilherme dava na atriz, no intuito de fazê-la convencer sua mãe a aumentar seu papel na novela De Corpo e Alma. Numa infeliz coincidência, seu personagem teve a participação reduzida na semana que antecedeu o crime, que o fez acreditar que sua carreira estava sendo prejudicada por Daniella e Glória.[4] Ele tramaria assim o assassinato da atriz junto com sua mulher, que já alimentava um ciúme doentio das cenas de Daniella e Guilherme juntos. Julgados e condenados por homicídio duplamente qualificado, com motivo torpe e impossibilidade de defesa da vítima, os dois cumpriram seis dos dezenove anos a que foram condenados em regime fechado.

A indignação popular que se seguiu a esse episódio resultou na alteração da legislação penal, graças aos esforços da mãe de Daniella, Glória Perez, que encabeçou uma campanha de assinaturas e conseguiu fazer passar a primeira iniciativa popular de projeto de lei a se tornar lei efetiva (lei 8.930/1994) na história do Brasil. A saída da sua personagem na novela De Corpo e Alma foi explicada com uma viagem de estudos ao exterior, e o personagem do ator Guilherme de Pádua deixou de existir.

Indenização[editar | editar código-fonte]

Em março de 2002, o desembargador Paulo Gustavo Horta, determinou que Glória Perez e Raul Gazolla deveriam receber uma multa indenizatória no valor de 500 salários mínimos, ou cerca de R$ 440 mil cada, de Guilherme de Pádua e Paula Thomaz, condenados pelo assassinato de Daniella Perez. A ação foi julgada em segunda instância pela 7ª Câmara Cível do TJ/RJ.

De acordo com a decisão, os réus ainda foram condenados ao pagamento das despesas com o sepultamento e funeral, na ordem de cinco salários mínimos, além das custas processuais e honorários de advogado de 10% sobre a condenação. Mas devido a justiça, isso foi sendo adiado por muitos anos.

Depois de Glória e Raul entrarem novamente na Justiça com essa ação exigindo o pagamento, em 29 de abril de 2016 eles finalmente conseguem vencer na Justiça com o pedido de indenização por danos morais e materiais contra Guilherme de Pádua e Paula Thomaz.[5]

Homenagens e dedicações[editar | editar código-fonte]

  • A Prefeitura do Rio de Janeiro prestou uma homenagem, colocando o nome de Daniella a uma creche pública do município, denominada CRECHE MUNICIPAL DANIELA PEREZ.
  • Os MC's Mascote e Neném, criaram uma música chamada Rap da Daniela. Na letra, narram fatos do crime ocorrido com a atriz, em 1992. Assim como a dupla sertaneja Leão & Leopardo fizeram na música Ator Bandido.
  • 11 de agosto de 2015, dia em que Daniella completaria seus 45 anos, os apresentadores Monica Iozzi e Otaviano Costa prestaram uma homenagem a atriz no programa Vídeo Show e também exibiram uma dedicatória feita pelo elenco de De Corpo e Alma, em 1992. Nesse mesmo dia, assim como todos os outros dias 11 de agosto, sua mãe e autora Gloria Perez também homenageou sua filha em suas redes sociais.
  • Daniella Perez foi homenageada por um grupo de fãs em 2015. Vários retratos dela foram pintados pelo artista Gerri Alves, em um muro de sete metros de altura no bairro Campo Limpo, em São Paulo. A mãe da atriz, a novelista Glória Perez publicou a homenagem em suas redes sociais com o e-mail carinhoso da idealizadora do projeto, a atriz e administradora de empresas Márcia Francisco.
  • Hoje existem inúmeras ruas com o nome de Daniella Perez no Brasil inteiro. Algumas localizadas em Joinville, Guapimirim, Siqueira, Vila Velha, dentre outras cidades.
  • No YouTube há diversas homenagens e dedicações em forma de vídeo feitas por fãs, que até hoje lamentam profundamente a morte de Daniella. Também podemos encontrar no site vídeos de cenas de telenovelas e comerciais televisivos feitos pela atriz, disponibilizados por fãs em seus respectivos canais.
  • No dia 28 de dezembro de 2017, dia em que completou 25 anos de sua morte o extinto programa Vídeo Show, exibiu o quadro "Memória Nacional" em sua homenagem pelo Miguel Falabella. Na época do ocorrido era comum a venda de quadros com foto da atriz Daniela Perez, o quadro foi febre na época e quem costuma comprar o mesmo eram pessoas de baixa renda. É algo raro de vê los por aí mais ainda existem.

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Televisão[editar | editar código-fonte]

Ano Título Papel Notas
1989 Kananga do Japão Eduarda Participação
1990 Barriga de Aluguel Clotilde (Clô)
1991 O Dono do Mundo Yara Maciel
1992 De Corpo e Alma Yasmin Bianchi Episódios: "3 de agosto–28 de dezembro"
Roberto Carlos Especial Virgem Maria[6] Encenação sobre a vida e morte de Jesus

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Ano Prêmio Categoria Indicado Resultado
1993 Troféu Imprensa Revelação do Ano Yasmin em De Corpo e Alma Indicado[7]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas e referências

Notas

  1. a b As primeiras informações divulgadas afirmavam que a arma utilizada havia sido uma tesoura,[1][2] entretanto a perícia comprovou que a arma foi um punhal.[3]

Referências