Tango

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde dezembro de 2011)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Tango (desambiguação).
Tango
Um espetáculo de tango em Buenos Aires.
Origens estilísticas Polka, Habanera, Milonga
Contexto cultural Entre 1850 e 1890, na Argentina e Uruguai
Instrumentos típicos Acordeão, Bandoneón, piano, violão, violino e contrabaixo
Popularidade Muito popular nas áreas urbanas da Bacia do Prata e na Europa.
Formas derivadas Maxixe, Tango Cayengue
Subgêneros
Tango finlandês, nuevo tango, tango argentino, tango de salão
Gêneros de fusão
Tango eletrônico
Formas regionais
Argentina, Uruguai, Europa

O tango é um estilo musical e uma dança a par. Tem forma musical binária e compasso de dois por quatro. A coreografia é complexa e as habilidades dos bailarinos são celebradas pelos aficionados. Segundo Discépolo, "o tango é um pensamento triste que se pode dançar".

Origem do tango[editar | editar código-fonte]

Já sabemos que o Brasil não é apenas o país do samba. Mas, além da bossa nova, do maxixe, do choro, do forró e de uma infinidade de gêneros, é possível que tenhamos inventado o tango. É claro que hoje o tango é universalmente aceito como argentino, imortalizado na música de artistas como Carlos Gardel. Mas o que nem todos sabem é que, segundo o crítico Ary Vasconcellos, os primeiros tangos foram compostos e executados no Brasil.

Oficialmente, o gênero nasceu em 1871 com a música "Olhos Matadores", de Henrique Alves Mesquita. No final do século XIX e início do XX, o grande compositor de tangos brasileiros foi Ernesto Nazareth, com peças como "Brejeiro", de 1893.

Os primeiros tangos argentinos foram escritos somente em 1880, quase uma década depois de "Olhos Matadores". Os hermanos chegaram depois, mas deram ao tango uma projeção internacional tão grande que o ritmo passou a ser considerado argentino por adoção. (Fonte: História e inventário do choro, de Ary Vasconcellos, Rio de Janeiro, Gráfica e Editora do Livro Ltda, 1984)

Ao longo do século XIX, a jovem nação argentina incentivou a entrada de imigrantes europeus no país para que os mesmos pudessem ampliar a mão-de-obra disponível e, conforme relatos da época, “refinar” a cultura pelo contato com espanhóis, franceses, poloneses e italianos. Dos contingentes trazidos para ocupar novos postos de trabalho na Argentina, formou-se uma imensa população masculina que deixava a família para tentar a sorte em terras estrangeiras. Em pouco tempo, o excedente populacional masculino possibilitou a abertura de diversos prostíbulos no país.

De acordo com recentes pesquisas, no final do século XIX, só a capital Buenos Aires contava com mais de 200 casas de prostituição. A procura pelas prostitutas era tão grande que os homens faziam fila à espera de fácil prazer sexual. Foi quando, a grande circulação de pessoas nas casas de prostituição argentinas deu espaço para a encenação de números musicais enquanto os clientes esperavam a sua vez. Nesse instante, apareciam grupos que intercambiavam suas distintas experiências musicais. A polca européia, a havaneira cubana, o candombe uruguaio e a milonga espanhola firmaram o nascimento do tango argentino.

Em seus primeiros anos, o tango era formado por um trio musical executante de ritmos mais acelerados e os passos de dança tinham muita sensualidade. Só mais tarde que os tangos começaram a ganhar suas primeiras letras. Fazendo jus ao seu local de origem, as primeiras letras descreviam situações libidinosas sobre os prostíbulos e as meretrizes. Por isso, durante algum tempo, o tango era sinônimo de imoralidade. As pessoas de “boa índole” tinham verdadeira aversão à prática desse tipo de música dançante. No entanto, os imigrantes que voltavam para Europa tinham popularizado o estilo, principalmente na cidade de Paris.

Os diversos ataques contra o tango perderam força mediante a popularização e as transformações sofridas com a chegada do ritmo à Europa. Atacado ainda por religiosos, o tango chegou a ser dançado para o papa Pio X, para que o mesmo julgasse suas características. Aprovado por Vossa Santidade e influenciado pela escola européia, o tango começou a ganhar um ritmo mais lento e passos mais cadenciados. No início do século XX, as letras começam a incorporar temáticas para fora do prostíbulo. Tempos depois veio a ser considerado uma expressão típica artística de “todos” argentinos.

Saindo dos prostíbulos para os salões de festa, o tango alcançou sua máxima popularização com o estrondoso sucesso do cantor Carlos Gardel. Sendo conhecido como um dos mais famosos cantores de tango, Gardel mostrou sua música nos palcos e internacionalizou sua arte com a gravação do filme “El Dia Que Me Quieras”. Ainda hoje, o tango é uma das expressões artísticas mais conhecidas na Argentina e seus espetáculos atraem turistas de todo o mundo.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O Tango Argentino herdou influências de diferentes culturas. Através da história, pessoas de todo o mundo contribuiram para a criação do tango.

Existem várias teorias quanto às raizes da palavra tango.

Uma delas diz que a palavra tango é na realidade uma onomatopeia: a palavra Tango representaria o som dos tambores que seriam usados no tango antigo. Há vários fatores que põem em causa esta teoria: o tambor nunca foi um instrumento de tango tipico, os primeiros instrumentos de tango foram o violino, a viola, a flauta, e mais tarde o bandoneón.

A segunda teoria diz-nos que a palavra Tango tem como origem a palavra portuguesa de origem latina tangere, que significa 'palpável, tangível'. No entanto, se tivermos em consideração que o tango mais antigo não era caracterizado pela postura fechada, a palavra tangere não pode ser aceite como uma origem.

A teoria mais fiável é a que afirma que Tango é uma palavra de raízes africanas. Em várias línguas Africanas, tango significa dentro de casa – o espaço fechado que muitas vezes era utilizado para dançar. Em Espanha, o Tango representava danças Africanas; ainda mais, algumas estilos de Habanera são conhecidos como Tango Andaluz. Assim, é óbvio que a palavra tango era usada muito antes da dança Tango. Acredita-se que os primeiros passos de originaram da dança africana, onde eram dançados sem uma postura fechada, o que contraria de novo a teoria que suporta que palavra tango vem da palavra tangere.

Algumas pessoas acreditam que a origem da palavra tango vem da África do Sul, a partir da palavra tambo que significa festa ou celebração.

Conclui-se então o mais provável seja que a palavra tango tenha chegado à Argentina pelo Oceano Atlântico, pela mão dos escravos. Buenos Aires tinha um papel importante no tráfico de escravos, e este facto é normalmente pouco falado e até evitado, assim como as teorias que o usam como prova.

Os Africanos que atravessaram o oceano no século XIX, para Rio de la Plata, em busca da sua liberdade, tiveram um papel fundamental no nascimento do tango.

Características[editar | editar código-fonte]

dança tango é um elemento popular em atividades artísticas relacionada com dança ou expressão corporal, isso pelo efeito dramático e pela grande capacidade de improvisação no eterno tema do amor. No século XX iniciou-se a primeira fase do tango. Os diversos artistas argentinos e uruguaios se dedicaram a estimular o desenvolvimento do ritmo. A dança era vista nas ruas, nos salões de danças e nas classes mais altas, como em óperas de teatro.

A coreografia é complexa e as habilidades dos bailarinos são reconhecidas por seus admiradores. O tango mistura o drama, a paixão, a sexualidade, a agressividade e muitas vezes tristeza, o que o torna uma dança muito expressiva.

O tango é dançado normalmente em linha, numa posição cerrada, com um contra peso, peito com peito.  A dança consiste numa variedade de estilos como o Tango Canyengue e o Tango Orillero. No entanto, a maioria destes estilos já não se dançam mais e fazem parte da evolução do conhecido Tango Argentino. Atualmente, o Tango Argentino consiste em: Tango de Salão, Tango Milonguero, Nuevo Tango, Show Tango ou Tango Fantasia.

Os dançarinos de Tango Argentino também praticam duas outras danças relacionadas: Vals (uma variante da valsa) e a Milonga, que trata-se de um tango, digamos, mais animado. As festas de tango são também chamadas de Milonga.

Mais recentemente o tango foi retomado e mesclado a sons eletrônicos, ganhando um novo formato e outro sabor, constituindo o eletrotango.

Dois dos tangos mais conhecidos hoje são:

Por una Cabeza de Carlos Gardel, que compõe parte da trilha do famoso filme Perfume de Mulher, com interpretação de Al Pacino e o La Cumparsita do músico uruguaio Gerardo Matos Rodriguez, considerado o tango mais difundido no mundo.

Época de ouro[editar | editar código-fonte]

Pix.gif Tango *
Welterbe.svg
Património Mundial da UNESCO
Tipo Patrimônio Oral e Imaterial da Humanidade
Critérios {{{Critério}}}
Referência {{{ID}}}
Região** Américas
Histórico de inscrição
Inscrição 2009  (XXXIII sessão)
* Nome como inscrito na lista do Património Mundial.
** Região, segundo a classificação pela UNESCO.

O tango argentino, ou rio-platense, começou a ultrapassar fronteiras já no início do século XX, quando marinheiros franceses levaram, ao seu país natal, o tango do uruguaio Enrique Saborido La morocha, isso por volta de 1907. Paris se apaixonou pelo tango, uma dança exótica e sensual para os parisienses, o que fez com que muitos artistas argentinos e uruguaios viajassem e até se radicassem na capital francesa.

Os pesquisadores do gênero identificam duas fases de ouro do tango: a primeira, nos anos 1920, quando várias figuras do ambiente artístico de Buenos Aires e Montevidéu, inclusive muitos literatos como José Gonzalez Castillo e Fernán Silva Valdez, canalizaram seus esforços no momento da música popular rio-platense e, em especial, do tango. Nos anos 1920, cantores como Carlos Gardel, Ignacio Corsini e Agustín Magaldi, e cantoras como Rosita Quiroga e Azucena Maizani, venderam muitos discos na florescente indústria discográfica argentina e difundiram o tango para fora da Argentina.

Os anos 1940 marcaram a segunda época de ouro do tango, quando novos valores do tango como Aníbal Troilo, Astor Piazzolla e Armando Pontier se juntaram a nomes consagrados como Francisco Canaro e Carlos di Sarli, isso sem contar o fenômeno de popularidade que foi Juan D'Arienzo.

O tango foi considerado um Patrimônio Oral e Imaterial da Humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura[1] em 30 de setembro de 2009, em Dubai.

Existiu também o tango brasileiro, muito em voga no início do século vinte no Rio de Janeiro.

Estilo do tango[editar | editar código-fonte]

Dançarinos de tango em Buenos Aires

Há diferentes tendências em seu estilo, como o tango-canção, o tango canyengue, o tango milonga, o tango romanza e o tango jazz. Hoje em dia, é possível até se encontrarem estilos como o tango rock e o electrotango, ou tango eletrônico.

Compositores[editar | editar código-fonte]

Alguns compositores tradicionais do tango:

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Tango Conf. Marcelo Copello - Revista Gosto Nº7 Fev. 2010 - Editora Isabella

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Tango
Ícone de esboço Este artigo sobre dança é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.