Astor Piazzolla

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde março de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Astor Piazzolla
Astor Piazzolla.jpg
Informação geral
Nascimento 11 de março de 1921
Origem Mar del Plata, Argentina Argentina
País Argentina argentino
Data de morte 4 de julho de 1992 (71 anos)
Gênero(s) nuevotango
Instrumento(s) bandoneón
Período em atividade músico, compositor, orquestrador
Afiliação(ões) Nadia Boulanger, Amelita Baltar, Gerry Mulligan, Pino Presti
Página oficial www.piazzolla.org

Vida[editar | editar código-fonte]

Astor Pantaleón Piazzolla (Mar del Plata, 11 de março de 1921Buenos Aires, 4 de julho de 1992), filho dos imigrantes italianos Vicente Piazzolla e Asunta Manetti, foi um bandoneonista e compositor argentino.

Aos quatro anos foi com a sua família viver em Nova York em busca de melhores condições de vida. Em seu período estadunidense se tornou fluente em espanhol, inglês, italiano e francês e iniciou seu interesse por música. Em 1929 ganhou seu primeiro bandoneón de seu pai, e em 1933 começou a tomar aulas de piano com Bela Wilde, um pianista húngaro discípulo de Sergei Rachmaninoff. Em Nova York conheceu o cantor argentino de Tango Carlos Gardel, enquanto este estava na cidade para rodar o filme El día que me quieras, onde atuou como um garoto entregador de jornais.

Compositor de tango mais importante da segunda metade do século XX, estudou harmonia e música erudita com a compositora e diretora de orquestra francesa Nadia Boulanger. Em sua juventude, tocou e realizou arranjos orquestrais para o bandoneonista, compositor e diretor Aníbal Troilo.

Quando começou a fazer inovações no tango, no ritmo, no timbre e na harmonia, foi muito criticado pelos tocadores de tango mais antigos. Ao voltar de Nova Iorque, Piazzolla já mostrava a forte influência do jazz em sua música, estabelecendo então uma nova linguagem, seguida até hoje.

Quando os mais ortodoxos, durante a década de 60, bradaram que a música dele não era de fato tango, Piazzolla respondia-lhes que era música contemporânea de Buenos Aires. Para seus seguidores e apreciadores, essa música certamente representava melhor a imagem da metrópole argentina.

Piazzola deixou uma discografia invejável, tendo gravado com Gary Burton, Tom Jobim, entre outros músicos que o acompanharam, como o também notável violinista Fernando Suarez Paz.

Entre seus mais destacados parceiros na Argentina estão a cantora Amelita Baltar e o poeta Horacio Ferrer, além do escritor Jorge Luís Borges.

Algumas de suas composições mais famosas são Libertango e Adiós Nonino. Libertango é uma das mais conhecidas, sendo que esta e constantemente tocada por diversas orquestras de todo o mundo.[1]

Em 1973, teve algumas músicas usadas como trilha sonora do filme Toda Nudez Será Castigada, dirigido por Arnaldo Jabor e adaptado da peça homônima de Nélson Rodrigues. A principal delas foi Fuga nº 9, do disco Música contemporanea de la Ciudad de Buenos Aires, Vol 1 (1971). Por conta disso, Piazzolla ganhou uma Menção Especial do Júri, como melhor trilha, no Festival de Gramado do mesmo ano.

A canção Adiós Nonino, outra das mais conhecidas composições, foi feita em homenagem ao seu pai, quando este estava no leito de morte, Vicente “Nonino” Piazzolla em 1959[2] .

Após vinte anos, Astor Piazzola diria “Talvez eu estivesse rodeado de anjos. Foi a mais bela melodia que escrevi e não sei se alguma vez farei melhor"[3] . Por muito tempo recusou escrever ou colocar uma letra na sua grande obra-prima, porém, aceitou a proposta da cantora argentina Eladia Blázquez, que lhe apresentou um poema que havia escrito sob a versão musical, e ele, comovido, concordou. Resta referir que Eladia renunciou a quaisquer direitos de autor que podia reclamar, enaltecendo ainda mais esta grande obra do tango.

Discografia[editar | editar código-fonte]

  • Orquesta Francisco Fiorentino (1944/5)
  • Orquesta típica (1946/47/48)
  • Orquesta típica (1950/51)
  • Orquesta típica acompañando a María de La Fuente (1950/52)
  • Sinfonía de Tango (1955)
  • Tango Progresivo (Octeto Buenos Aires) (1957)
  • Tango Moderno (Octeto Buenos Aires) (1957)
  • Tango en Hi-Fi (1957)
  • Jazz Tango. The lathyn rhitms of Astor Piazzolla and his quintet, (Gravado nos EUA), (1958)
  • An Evening in Buenos Aires (Gravado nos EUA), (1958)
  • Piazzolla interpreta a Piazzolla (1960)
  • Piazzolla o no? Bailable y apiazolado (1961)
  • Astor Piazzolla con Daniel Riolobos, (33 simple), (1961)
  • Nuestro Tiempo (1962)
  • Tango para una ciudad (1963)
  • Tango Contemporáneo (1963)
  • 20 años de Vanguardia (1964)
  • Concierto en el Philarmonic Hall de New York (1965)
  • Historia del Tango Vol 1. La guardia Vieja (1967)
  • Historia del Tango Vol 2. Época Romántica (1967)
  • María de Buenos Aires (1968)
  • Amelita Baltar interpreta a Piazzolla y Ferrer (1969)
  • Adiós Nonino (1969)
  • Balada para un loco Simple y con Roberto Goyeneche (1969)
  • Concierto para quinteto (1970)
  • Pulsación (1970)
  • Música contemporanea de la Cdad, de Bs. As. Vol 1 (1971)
  • Música contemporanea de la Cdad, de Bs. As. Vol 2 (1972)
  • Roma 1972 (1972)
  • Libertango (1974) (com Pino Presti e Tullio De Piscopo)
  • Reunión Cumbre (Summit) (1974) juntamente com Gerry Mulligan, (com Pino Presti e Tullio De Piscopo)
  • Pequeña Canción para Matilde / Violetas Populares (com Amelitar Baltar), (1974)
  • Suite Troileana (1975)
  • Viaje de Bodas (1975)
  • Il Pleut Sur Santiago (1976)
  • Armaguedon (1976)
  • Persecuta o Piazzolla 77 (1977)
  • Olympia 77 (1977)
  • Mundial 78 o Piazzolla 78 (reeditado em CD como "Chador" (1978)
  • Biyuya (1979)
  • Suite Punta del Este (1982)
  • En vivo en el Teatro Colón (1983)
  • Aconcagua - SWF Rundfunkorchester (1983)
  • Enrico IV (1984)
  • Teatro Nazionale di Milano (1984)
  • Hommage a Liège: Concierto para Bandoneón y Guitarra; Historia del Tango (1987), Com a Orquestra Filarmónica de Liège conduzida por Leo Brouwer. Concerto interpretado por Piazzolla juntamente com Cacho Tirao, a "Historia do Tango" por Guy Lukowski e Marc Grawels. (1984), CD: 1992.
  • Astor Piazzolla y su Quinteto Tango Nuevo: The Vienna Concert, (1984), CD: 1991.
  • Tangos, El Exilio De Gardel (1985)
  • Astor Piazzolla y su Quinteto Tango Nuevo: Tristezas de un Doble A, Viena, Konzerthaus, (1986), CD: 1991.
  • Tango: Zero Hour (1986)
  • Concerto para Bandoneón; Três Tangos, (1986), Com a Orquestra de St. Luke sob a direcção de Lalo Schifrin.
  • The New Tango (1987), Juntamente com Gary Burton
  • The Rough Dancer and the Cyclical Night (Tango Apassionado) (1987), Juntamente com Paquito D'Rivera.
  • The Central Park Concert 1987 (1987)
  • Sur (1988), Juntamente com Roberto Goyeneche
  • La Camorra: La Soledad de la Provocacion Apasionada (1989)
  • Famille d´artistes (1989) banda sonora de la obra homónima, letras Kado Kostzer.
  • The Lausanne Concert (1989)
  • Five Tango Sensations, Juntamente com o Kronos Quartet (1989)
  • Bandoneón Sinfónico (1990)
  • Luna (1992)
  • El Nuevo Tango de Buenos Aires (Quinteto Tango Nuevo), (1995)
  • 57 Minutos con la Realidad (Sexteto Nuevo Tango, (1996)
  • Três Minutos con la Realidad (Sexteto Nuevo Tango), (1997)

Referências

  1. "Astor Piazzolla e il Tango Nuevo". Consult. 11 de maio de 2013. 
  2. Todo Tango (2000). "Adiós Nonino". Todo Tango.com. Consult. 2015. 
  3. Gramophone (2014). "Piazzolla Tangazo". gramophone.co.uk. Consult. 2015. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Accordrelativo20060224.png Este artigo sobre um(a) músico(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Astor Piazzolla