Alberto Jorge Franco Bandeira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Alberto Jorge Franco Bandeira (Belém, 19 de novembro de 1928 - agosto de 2006) foi um militar da reserva e ator brasileiro, acusado do homicídio do bancário Afrânio Arsênio de Lemos, no caso que ficou conhecido por Crime do Sacopã, ocorrido a 6 de abril de 1952.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Tendo ficado órfão do pai, o comerciante português Luiz Bandeira, Alberto Jorge, então com 3 anos, é mandado à terra natal do genitor. Voltando ao Brasil, mora com a mãe, Risoleide Franco Bandeira e a avó, Aurélia Seixas dos Anjos, em Rio de Janeiro[1].

Matriculado em colégio interno, não se adaptou. Em 1944 ingressa na Escola Preparatória de Cadetes, em Porto Alegre, transferindo-se no ano seguinte a São Paulo, onde concluiu o curso. Continua a formação militar em Resende e na Escola de Aeronáutica. Em 1950, como piloto de bombardeio, é enviado a Fortaleza[1].

Em 1952, envolve-se como principal suspeito no assassinato do ex-namorado de Marina Andrade Costa, sua namorada. Apesar de julgado e condenado a 15 anos de prisão, a mídia o põe como inocente. Cumpriu metade da pena[2], sendo posto em liberdade condicional, recebendo indulto do então Presidente Juscelino Kubitschek. No final da década de 1950 e começo da seguinte, o político Tenório Cavalcanti tentou apresentar outro autor pelo Crime do Sacopã. No começo da década de 1970, Bandeira consegue uma anulação de seu julgamento, e novo júri é designado. Mas Bandeira se ausenta 3 vezes, até que ocorra a prescrição em 1973 e o caso é considerado extinto[3].

Em 1963 participou, como ator, do filme Crime no Sacopã, em que a vítima é apresentada como figura dissoluta[4].

Obtém sua reintegração na Força Aérea[3], onde passa à reserva como capitão, em 4 de junho de 1976. Em 18 de fevereiro de 2003 ingressou com ação na Justiça Federal, pleiteando as promoções a major e tenente-coronel, o que lhe foi negado, curiosamente, por estar prescrita sua pretensão. Faleceu em agosto de 2006[5].

Referências

  1. a b George Moura, Flávio Araújo, Marcelo Faria de Barros, Wilson Aquino (2007). Crimes que Abalaram o Brasil. [S.l.]: editora Globo. pp. 115 . ISBN 85-250-4310-9 
  2. Crimes na Zona Sul chocam o Rio Acervo O Globo
  3. a b Ilza Barbalho. «O Crime do Sacopã». Ser.oab-rj.org.br. Consultado em 21 de janeiro de 2010. 
  4. Cinemateca Brasileira. «Verbete - Crime no Sacopã». Cinemateca.gov.br. Consultado em 21 de janeiro de 2010. 
  5. Sergio Schweitzer (1 de agosto de 2007). «Tribunal Federal da 2ª Região, Apelação Cível nº 361408» (RTF). Trf2.gov.br. Consultado em 21 de janeiro de 2010.