Hermes Ernesto da Fonseca

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde abril de 2010). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Marechal
Hermes Ernesto da Fonseca
Hermes Ernesto da Fonseca
23º Presidente de Provincia do mato grsso.png Província de Mato Grosso
Período 5 de julho de 1875
até 2 de março de 1878
Antecessor Antônio de Cerqueira Caldas
Sucessor João Batista de Oliveira
Governador da Bahia Bahia
Período 26 de abril de 1890
até 14 de setembro de 1890
Antecessor Manuel Vitorino
Sucessor Virgílio Clímaco Damásio
Dados pessoais
Nome completo Hermes Ernesto da Fonseca
Nascimento 02 de julho de 1824
Alagoas da Lagoa do Sul, Província de Alagoas, Império do Brasil
Morte 07 de fevereiro de 1891 (66 anos)
Rio de Janeiro, Distrito Federal, Brasil
Progenitores Mãe: Rosa Maria Paulina da Fonseca
Pai: Manuel Mendes da Fonseca
Cônjuge Rita Rodrigues Barbosa da Fonseca
Parentesco Deodoro da Fonseca e Severiano Martins da Fonseca (irmãos)
Hermes Rodrigues da Fonseca
Profissão Militar

Hermes Ernesto da Fonseca (Alagoas da Lagoa do Sul[nota 1], 2 de setembro de 1824Rio de Janeiro, 7 de fevereiro de 1891) foi um militar e político brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho mais velho de Manuel Mendes da Fonseca (1785-1859) e Rosa Maria Paulina da Fonseca (1802-1873), era irmão do marechal Deodoro da Fonseca e pai do futuro presidente da república brasileira, que lhe tinha o nome em homenagem, Hermes Rodrigues da Fonseca. Era também irmão de Severiano Martins da Fonseca, o barão de Alagoas.

De família de militares, seguiu carreira como o pai e os seus seis irmãos, vindo a servir na Guerra do Paraguai.

Após a Proclamação da República ocupava o comando das tropas do exército em Salvador. Apesar de irmão do novo presidente, demorou a aderir ao novo regime, somente aceitando-o após as notícias do embarque da família imperial brasileira para a Europa.

Foi músico amador, tendo composto músicas sacras e militares (como Polca do Regimento e a mazurca Icamacuá). Foi casado com Rita Rodrigues Barbosa da Fonseca e está sepultado no Cemitério do Caju.

Presidente da Província de Mato Grosso[editar | editar código-fonte]

Foi presidente da província de Mato Grosso, de 5 de julho de 1875 a 2 de março de 1878, nomeado por carta imperial de 1 de maio de 1875.

Governador da Bahia[editar | editar código-fonte]

A Bahia foi dos últimos estados a aderir ao novo regime, sucedendo-se vários interventores que, devido ao clima instável, não duraram no posto. Nomeado pelo irmão presidente Hermes da Fonseca, assumiu no lugar de Manuel Vitorino, que se indispusera com o governo federal, ficando apenas cinco meses à frente do cargo, afastando-se por motivos de saúde, passando o cargo ao vice-presidente, Virgílio Clímaco Damásio.

Governou a Bahia de 26 de abril a 14 de setembro de 1890, período em que procurou serenar os ânimos e consolidar as instituições do novo regime. Revogou vários atos de seu antecessor, dentre os quais a reforma educacional.

Notas

  1. A cidade foi renomeada Marechal Deodoro em 1939, em sua homenagem.[1][2]

Referências

  1. «História — Prefeitura de Marechal Deodoro». Prefeitura Municipal de Marechal Deodoro. Consultado em 11 de março de 2018 
  2. «Histórico de Marechal Deodoro». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de março de 2018 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Antônio de Cerqueira Caldas
Presidente de Província de Mato Grosso
5 de julho de 1875 - 2 de março de 1878
Sucedido por
João Batista de Oliveira
Precedido por
Manuel Vitorino
Governador da Bahia
1890
Sucedido por
Virgílio Clímaco Damásio