Província de Alagoas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa



Província de Alagoas

Província do Reino Unido de Portugal,
Brasil e Algarves
(1821-1822)
Província do Império do Brasil (1822-1889)

Capitania de Alagoas Brasão.png
1821 – 1889 Alagoas-antiga.png
Flag Brasão
Bandeira (não oficial) Brasão do Império do Brasil
Localização de Alagoas
Continente América do Sul
Capital Maceió
9° 39' S 35° 44' O
Língua oficial Português
Religião Católica romana [a]
Governo Monarquia Constitucional
Presidente de Província
 • 1822 José António Ferreira Brak-Lamy (primeiro)
 • 1889 Pedro Ribeiro Moreira (último)
Legislatura Assembleia Legislativa Provincial [b]
Período histórico Século XIX
 • 28 de fevereiro de 1821 Mudança de Capitania para Província
 • 15 de novembro de 1889 Proclamação da República
Moeda Réis
a. Art. 5º: A Religião Católica Apostólica Romana continuará a ser a religião do Império. Todas as outras religiões serão permitidas com seu culto doméstico, ou particular, em casas para isso destinadas, sem forma alguma exterior de templo.[1]
b. Criada a partir do Ato Adicional de 1834.

A Província de Alagoas foi uma província do Reino do Brasil, e posteriormente do Império do Brasil, tendo sido criada a partir da Capitania de Alagoas.

História[editar | editar código-fonte]

Criação da comarca[editar | editar código-fonte]

Após o período dos acontecimentos da Guerra dos Palmares. Alagoas, passou apresentar indícios de prosperidade e desenvolvimento, quer do ponto de vista econômico, quer do cultural. Sua principal riqueza era o açúcar, sendo além disso produzidos, embora em menor escala, mandioca, fumo e milho; couros, peles e pau-brasil eram exportados. As matas abundantes forneciam madeira para a construção de naus. Nos conventos de Penedo e das Alagoas os franciscanos mantinham cursos e publicavam sermões e poesias.[2] Tudo isso justificou o ato régio de 9 de outubro de 1710, criando a comarca das Alagoas,[3] que somente se instalou em 1711.[4] Daí em diante, a organização judiciária restringia o arbítrio feudal dos senhores, e até o dos representantes da metrópole. A comarca desenvolvia-se.[2] Já em 1730 o governador de Pernambuco, propondo a el-rei a extinção da decadente capitania da Paraíba, assinalava a prosperidade de Alagoas, com seus quase cinquenta engenhos, dez freguesias, e apreciável renda para o erário real.[5] Ao lado do açúcar, incrementou-se a cultura do algodão. Seu cultivo foi introduzido na década de 1770; em 1778, já se exportavam para Lisboa amostras de algodão tecido nas Alagoas.[2] Em Penedo e Porto Calvo, fabricava-se pano ordinário, para uso, sobretudo, de escravos. Em 1754, frei João de Santa Ângela publicou, em Lisboa, seu livro de sermões e poesias; é a primeira obra de um alagoano.[6] A população crescia, distribuindo-se em várias atividades. Um cômputo demográfico mandado realizar em 1816 pelo ouvidor Antônio Ferreira Batalha registrava uma população de 89.589 pessoas.[2]

Capitania independente[editar | editar código-fonte]

Três anos depois, em 1819, novo recenseamento acusou uma população de 111 973 pessoas.[2] Contavam-se, então, na província, oito vilas.[2] Alagoas já se constituíra capitania independente da de Pernambuco, criada pelo alvará de 16 de setembro de 1817.[7] A repercussão da Revolução Pernambucana desse ano contribuiu para facilitar o processo de emancipação. O ouvidor Batalha foi o principal mentor da gente alagoana. Aproveitando-se da situação e infringindo as próprias leis régias, desmembrou a comarca da jurisdição de Pernambuco e nela constituiu um governo provisório. Esses atos foram suficientes para abrir caminhos que levaram D. João a sancionar o desmembramento.[2] Sebastião Francisco de Melo e Póvoas, governador nomeado, só assumiu o governo a 22 de janeiro de 1819.[8]

Acentuou-se a partir de então o surto de prosperidade de Alagoas.[2] Em 17 de agosto de 1831 apareceu o Íris Alagoense, primeiro jornal publicado na província, assim considerada a partir da independência do Brasil e organização do império.[9] É certo que os primeiros anos de independência não foram fáceis. Uma sequência de movimentos abalou a vida provincial: em 1824, a Confederação do Equador; em 1832-1835, a Cabanada; em 1844, a rebelião conhecida como Lisos e Cabeludos; em 1849, a repercussão da revolução praieira.[2]

Mudança da capital[editar | editar código-fonte]

Em 1839 a capital, então situada na velha cidade das Alagoas, foi transferida para a vila de Maceió, localizada à beira-mar, no caminho entre o norte, o centro e o sul da província.[10] No processo de mudança defrontaram-se as duas facções políticas mais importantes, uma chefiada pelo mais tarde visconde de Sinimbu, outra pelo juiz Tavares Bastos,[2] pai do futuro pensador Tavares Bastos, nascido, aliás, nesse ano de 1839.[11] Naquele momento a província possuía oito vilas. Desde 1835 funcionava a assembleia provincial.[2]

No governo da província sucediam-se os presidentes nomeados pelo imperador, nem sempre interessados pelos destinos da terra, outras vezes envolvidos por lutas partidárias. A província, contudo, progredia.[2] No campo da economia, vale salientar a fundação, em 1857, da primeira fábrica alagoana de tecidos, a Companhia União Mercantil, no distrito de Fernão Velho.[12] Idealizou-a o barão de Jaraguá, contribuindo dessa forma para o fomento da economia regional.[2] Trinta anos mais tarde, fundou-se a Companhia Alagoana de Fiação e Tecidos, que em 15 de outubro de 1888 se instalou em Rio Largo.[13] Seguiu-se a esta, em 30 de setembro de 1892, a fundação da Companhia Progresso Alagoano, em Cachoeira.[12] Dessa atividade têxtil surgiram, com grande prestígio nacional, as toalhas da Alagoana.[2]

O ensino recebeu incentivo com a instalação em 1849, do Liceu Alagoano, destinado ao nível médio; é hoje o Colégio Estadual de Alagoas.[12] O ensino primário, já beneficiado em 1864 pelo estabelecimento de uma escola normal, hoje funcionando sob a denominação de Instituto de Educação, recebeu expressivo impulso com a criação de novas escolas.[2] Com a fundação, em 1869, do Instituto Arqueológico e Geográfico Alagoano, hoje Instituto Histórico e Geográfico de Alagoas,[14] desenvolveram-se os estudos históricos e geográficos.[2] Do final do império ao início da república, incrementou-se o movimento para a construção de engenhos centrais e aperfeiçoamento técnico da fabricação de açúcar, o que iria dar origem às usinas, a primeira delas constituída, todavia, já no período republicano.[15]

Os movimentos abolicionista e republicano dos últimos anos da monarquia atingiriam a província, o primeiro deles através da Sociedade Libertadora Alagoana[15] e dos jornais Gutenberg e Lincoln.[16] A campanha abolicionista mobilizou a intelectualidade alagoana, sem entretanto chegar aos excessos da violência. Professores e jornalistas atraíram a mocidade para a campanha, e após a abolição, em 1888, foi um mestre como Francisco Domingues da Silva que teve a iniciativa da criação de um instituto de ensino profissional, destinado aos filhos dos ex-escravos.[15]

Dissolução[editar | editar código-fonte]

O movimento republicano, intensificado pela abolição, traduziu-se nas atividades da imprensa e clubes de propaganda. O mais importante destes foi o Centro Republicano Federalista, também, de certo, o mais antigo; outros foram o Clube Federal Republicano e o Clube Centro Popular Republicano Maceioense, ambos existentes na capital no momento da proclamação. No interior havia igualmente outros clubes de propaganda. O Gutenberg era o órgão de imprensa mais veemente na difusão da ideia republicana.[15]

No mesmo dia em que, no Rio de Janeiro, era proclamada a república, em Maceió assumia a presidência o dr. Pedro Ribeiro Moreira, último delegado do governo imperial para a província. Confirmada a mudança do regime, organizou-se a princípio uma junta governativa, mas a 19 de novembro o marechal Deodoro designou o irmão, Pedro Paulino da Fonseca, para governar o novo estado.[15] Foi ele também o primeiro governador eleito após promulgada a constituição estadual, em 12 de junho de 1891.[17]

Referências

  1. Constituição Imperial de 1824, p. 1,3 e 21
  2. a b c d e f g h i j k l m n o p «Alagoas: História». Nova Enciclopédia Barsa volume 1 ed. São Paulo: Encyclopaedia Britannica do Brasil Publicações Ltda. 1998. pp. pp.178 
  3. «Eventos do ano de 1710». Ponteiro.com.br. Consultado em 9 de outubro de 2010 
  4. «A Criação da Comarca». Destino Maceió. Consultado em 9 de outubro de 2010 
  5. MENEZES, Mozart Vergetti (2005). Colonialismo em ação: Fiscalismo, Economia e Sociedade na Capitania da Paraíba. São Paulo: Universidade de São Paulo. 122 páginas 
  6. «Prêmio: Frei João de Santa Ângela Alagoas». 16º Concurso Nacional de Poesias. Consultado em 9 de outubro de 2010 
  7. Prefeitura Municipal (2011). «Origem». Site Oficial do Município de Marechal Deodoro. Consultado em 19 de março de 2011 
  8. «8 de outubro: Dia do Nordestino». Cá Estamos Nós. Consultado em 9 de outubro de 2010 
  9. SODRÉ, Nelson Werneck (1998). «História da imprensa no Brasil». Mauad Editora. Consultado em 9 de outubro de 2010 
  10. «História da Cidade de Maceió». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 3 de novembro de 2011 
  11. GUGLIOTTA, Alexandre Carlos (2007). «Entre trabalhadores imigrantes e nacionais: Tavares Bastos e seus projetos para a nação» (PDF). Universidade Federal Fluminense. Consultado em 9 de outubro de 2010 
  12. a b c «A História do Estado de Alagoas, A Colonização pelos portugueses. A fundação». HjoBrasil. Consultado em 9 de outubro de 2010 
  13. «História de Rio Largo». Municípios Alagoanos. Consultado em 9 de outubro de 2010 
  14. ARROXELAS JAYME, Manoel Claudino de. «Ata de fundação». Site Oficial do Instituto Histórico e Geográfico de Alagoas. Consultado em 10 de outubro de 2010 
  15. a b c d e «Alagoas: História». Nova Enciclopédia Barsa volume 1 ed. São Paulo: Encyclopaedia Britannica do Brasil Publicações Ltda. 1998. pp. pp.179 
  16. PIMENTEL, Jair Barbosa (2011). «A História de Alagoas: Dos Caetés aos Marajás». Mais Alagoas UOL. Consultado em 6 de novembro de 2011 
  17. «Lista de Governadores de Alagoas». Mais Alagoas UOL. Consultado em 10 de outubro de 2010 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre História do Brasil é um esboço relacionado ao Projeto História do Brasil. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.