Réis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde fevereiro de 2014). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Real (mil-réis)
Dados
Usado  Brasil
Inflação 0,65% (1862-1941, média anual)[1]
Super-Unidade Conto de réis (Rs 1:000$000)
Sub-Unidade
1/1000

Real
Símbolo Rs[2]
Plural Réis
Moedas 20, 40, 80, 100, 200, 300, 400, 1000, 2000
Notas 500, 1$000, 2$000, 5$000, 10$000, 20$000,

50$000, 100$000, 200$000, 500$000 e 1:000$000

Banco Tesouro Nacional, Banco do Brasil
Fabricante Diversos
Disambig grey.svg Nota: Este artigo trata do real como moeda antiga brasileira. Para ver a moeda antiga portuguesa, veja Real (moeda portuguesa).

Réis é o plural do nome das unidades monetárias de Portugal, do Brasil[3] e de outros países lusófonos durante certos períodos da história (singular: real).[4] No Brasil, esta moeda foi substituída pelo cruzeiro em 5 de outubro de 1942, na razão de 1 cruzeiro por mil-réis então circulantes. A moeda era utilizada no país desde os tempos coloniais.[5]

Conto de réis é uma expressão adotada no Brasil e em Portugal para indicar um milhão de réis (Rs 1:000$000 ou Rs$ 1.000.000).[6] "Conto" deriva do latim computus, a conta dez vezes cem mil.[7] Um conto de réis correspondia a mil vezes a importância de um mil-réis (Rs 1$000), sendo assim o real 1/1.000.000 de um conto de réis em representação matemática decimal atual. Em Portugal, por ocasião da proclamação da República, o real foi substituído pelo escudo na razão de 1 escudo por mil-réis. Mesmo após a substituição do real pelo escudo, continuou a utilizar-se a expressão "conto", agora para indicar mil escudos.

Um conto de réis era uma quantia de grande valor intrínseco: em 1833, Rs 2$500 era representado por uma oitava (equivalente a aproximadamente 3,59 gramas) de ouro de vinte e dois quilates,[8] sendo que um conto de réis corresponderia a 1,4 quilogramas do mesmo material.

Origens Históricas[editar | editar código-fonte]

Wiki letter w.svg
Por favor melhore este artigo ou secção, expandindo-o. Mais informação pode ser encontrada no artigo «Brazilian real (old)» na Wikipédia em inglês e também na página de discussão. (setembro de 2015)

Para a origem histórica e etimologia, vide História em Real (moeda portuguesa).

Moedas e cédulas que se destacaram[editar | editar código-fonte]

  • 200 réis (1889 e 1900)
Família de moedas em cuproníquel composta por moedas de 100 e 200 réis com desenho aproveitado das moedas do final do II Reinado. O anverso passou a ter a legenda "15 de Novembro de 1889" - data da Proclamação da República e o reverso teve o Brasão Imperial trocado pelas Armas Nacionais da República do Brasil.
  • 400 réis (1901)
Moeda de maior valor da série batida em cuproníquel em 1901, encomendada à firma Basse & Selve, da Alemanha, que contratou serviços de diferentes Casas da Moeda estrangeiras. Foi cunhado um total de 161.250.000 peças, a maior produção de moedas do mundo, na época (única moeda brasileira em que a data está em algarismo romano - MCMI). A série é composta de moedas de 100, 200 e 400 Réis, com a figura da Abundância no anverso e efígie Representando a República no Reverso.
  • 40 e 20 réis (até 1912)
A cunhagem das moedas de bronze, iniciada no final do Império, recomeçou no período republicano. As peças inovavam com a apresentação de legendas e temas diferentes, de acordo com o valor. Deixaram de ser cunhadas em 1912. A moeda de 20 Réis trazia o lema "Vintém Poupado , Vintém Ganho". A moeda de 40 Réis tem como lema "A Economia Faz a Prosperidade".
  • Prata da República
Assim como as moedas de ouro, as de prata começaram a cair em desuso no meio circulante no período republicano, uma vez que o valor de face era depreciado pela inflação. A república abandonou as moedas de ouro em 1921 (moedas de 20$000 Réis). Já as moedas de prata continuaram em circulação até o fim do padrão Mil-réis (em 1942), sendo a última emissão em 1936, em uma moeda de 5$000 Réis homenageando Santos Dumont. No entanto o teor de prata era cada vez menor em sua composição (variando entre 50% e 60% de acordo com a moeda). É curioso observar que as moedas de prata de 1906 traziam marcado seu peso em apenas uma das faces.
  • 30.000 réis
O Governo Provisório republicano também permitiu que alguns bancos emitissem cédulas. Este período ficou conhecido como período da "Pluralidade Bancária". As emissões multiplicaram-se desordenadamente, gerando inflação, o que resultou no retorno à ideia de um único emissor que, de 1892 a 1896, foi o Banco da República do Brasil.

Tesouro Nacional, Caixa de Conversão, Caixa de Estabilização e Banco do Brasil[editar | editar código-fonte]

Após a crise causada pela "Pluralidade Bancária", as emissões foram centralizadas no Tesouro Nacional. Como o mil-réis já estava bastante desgastado pela inflação, surgiu a ideia de se adotar uma moeda lastreada no Ouro, que se chamaria Cruzeiro. Para preparar o país para esta mudança foram emitidas cédulas de Mil-réis em nome da "Caixa de Conversão" e em nome da "Caixa de Estabilização".

O projeto do Cruzeiro-Ouro foi abandonado e as Cédulas da Caixa de Conversão e Estabilização foram incorporadas às demais cédulas do Tesouro Nacional. Também houve uma tentativa, na década de 1920, de se padronizar as cédulas em emissões assinadas pelo Banco do Brasil.

Denominações especiais[editar | editar código-fonte]

Moedas[editar | editar código-fonte]

Moeda de 400 réis do período colonial (1721).
  • Vintém - 20 réis
  • Tostão - 80 réis (período Colonial e Imperial); 100 réis (em cuproníquel emitida entre 1917 a 1932).
  • Pataca - 320 réis
  • Cruzado - 400 / 480 réis
  • Patacão - 960 réis
  • Dobra - 12.800 réis (12$800)
  • Dobrão - 20.000 réis (20$000)

Cédulas[editar | editar código-fonte]

  • 500 réis - 1ª estampa (1874), 4ª estampa (1901)
  • 1$000 réis - 1ª estampa (1835), 13ª estampa (1923)
  • 2$000 réis - 1ª estampa (1835), 15ª estampa (1923)
  • 5$000 réis - 1ª estampa (1835), 19ª estampa (1925)
  • 10$000 réis - 1ª estampa (1835), 17ª estampa (1925)
  • 20$000 réis - 1ª estampa (1835), 16ª estampa (1931)
  • 50$000 réis - 1ª estampa (1835), 17ª estampa (1936)
  • 100$000 réis - 1ª estampa (1835), 17ª estampa (1936)
  • 200$000 réis - 1ª estampa (1835), 17ª estampa (1936)
  • 500$000 réis - 1ª estampa (1836), 15ª estampa (1931)
  • 1:000$000 réis (um conto de réis), única estampa (1921)

Moedas[editar | editar código-fonte]

Valor Cara Coroa Cara Coroa Cara Coroa
100 Moeda de 100 Réis de 1871 (verso).png 100 Réis de 1871.png 100 Réis de 1936 (verso).png 100 Réis de 1936.png 100 Réis de 1940 (verso).png 100 Réis de 1940.png
1871 1936 1940
200 200 Réis de 1937 (verso).png 200 Réis de 1937.png
1937
300 300 Réis de 1938 (verso).png 300 Réis de 1938.png 300 Réis de 1942 (verso).png 300 Réis de 1942.png
1938 1942
400 Moeda 400 réis 1918 cara.jpg Moeda 400 réis 1918 coroa.jpg 400 Réis de 1936 (verso).png 400 Réis de 1936.png
1918 1936
1000 1000 Réis de 1922 (verso).png 1000 Réis de 1922.png 1000 Réis de 1931 (verso).png 1000 Réis de 1931.png 1000 Réis de 1938 (verso).png 1000 Réis de 1938.png
1922 1931 1938
2000 2000 Réis de 1938 (verso).png 2000 Réis de 1938.png 2000 Réis de 1939 (verso).png 2000 Réis de 1939.png
1938 1939
4000 Rio de Janeiro 4000 reis 1812 av.jpg Rio de Janeiro 4000 reis 1812 rv.jpg
1812

Comparação dos valores[editar | editar código-fonte]

No livro 1808, Laurentino Gomes faz uma conversão de réis em Real, baseando-se em outros autores [carece de fontes?] que se empenharam para torná-la o mais próxima do valor atual, levando em consideração os valores da inflação. Cabe lembrar que a conversão, mesmo próxima, não é exata. O valor aproximado é o seguinte:

  • 1 Real (Réis) - R$ 0,123
  • 1 Mirréis (Mil Réis) - R$ 123,00
  • 1 Conto de Réis (Mil mirréis) - R$ 123.000,00
  • 900 Contos de Réis - R$ 110.700.000,00
  • Em 1846, o Império conseguiu o 1º orçamento superavitário por conta das novas rendas da Alfândega, nessa época 1 saca de café era comprada por 12$000 réis e um escravo valia 350$000 réis, os escravos com habilidades (carpinteiro, fundidor¸maquinista, etc) valiam 715$000 reis.
  • Em 1854, a receita total do Império foi de 35.000 contos de réis.
  • Entre  1856 1862, em Vassouras, 1 conto de réis (1:000$000=1 milhão de réis) comprava 1 escravo. 
  • Em 1860, 1 conto de réis (1:000$000= 1 milhão de réis) comprava 1 kg. de ouro.
  • Considerando que em 15/11/1889, o menor salário mensal (de uma pessoa sem nenhum conhecimento) do Brasil Imperial era 25$000 Réis, o salário de uma professora primária era 45$000 Réis, o salário mensal de um Heitor/Professor Secundário 167$000 Réis, o maior salário mensal do País em 300$000 Réis e para fins de referência e cálculos toma-se aqui o ouro puro, ou seja, 9 (nove) gramas de ouro 24 quilates, em 15/11/1889 valia 10$000 réis.

Referências

  1. Paulo Neuhaus (1978). «A inflação brasileira em perspectiva histórica». Fundação Getúlio Vargas. Consultado em 27 de setembro de 2015. 
  2. Moedas do Brasil. «Reformas Monetárias». Consultado em 27 de setembro de 2015. 
  3. BRASIL, Banco do. Brasil através da Moeda. Rio de Janeiro, Centro Cultural Banco do Brasil/Oswaldo Colin, 1995.
  4. Do pau-brasil ao real Caderno História do Jornal Gazeta do Povo de 21 de julho de 2013
  5. O Caixa. «Histórico das Alterações na Moeda Nacional». Consultado em 27 de setembro de 2015. 
  6. Quanto era 1 conto de réis?
  7. Jadranka Gvozdanović (1991). Indo-European Numerals (em inglês) Walter de Gruyter [S.l.] p. 473. ISBN 3110113228. Consultado em 27 de setembro de 2015.  Texto "GVOZDANOVIĆ, Jadranka" ignorado (Ajuda)
  8. Cândido José de Araújo Viana. «Lei nº 59, de 8 de outubro de 1833». Câmara dos Deputados do Brasil. 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Gomes, Laurentino, 1808: como uma rainha louca, um príncipe medroso e uma corte corrupta enganaram Napoleão e mudaram a história de Portugal e do Brasil, São Paulo: Editora Planeta do Brasil, 2007.
  • Amato, C.; Neves, I.S.; Russo, Arnaldo: Cédulas do Brasil, São Paulo, 4ª edição, 2007.
  • Amato, C.; Neves, I.S.; Russo, Arnaldo: Livro das moedas do Brasil, São Paulo, 11ª edição, 2004.
  • Souza, S.D.: Cédulas Brasileiras, São Paulo, 7ª edição, 1994.